Sexta-fotos

O Titanic, em suas origens, era tal e qual este Opala 77 do Shibunga – que já nem sei mais por onde e a quantas anda. O Shibunga, não o Opala. Mas voltemos a falar dele. Do Opala, não do Shibunga. É lógico que esse “tal e qual” a que me referi não tem nada a ver com o excelente estado de conservação deste exemplar aqui, até porque senão sequer teríamos que ter dado início aO Projeto! Hmmm… Talvez. Mas tá tudo ali, do jeito que um dia o Titanic também já foi: o bege sem graça, as calotas, os cromados, os forros, o banco inteiriço, o painel marrom e o motor de 4 cilindros…

E não, aquele Opala laranja ali no fundo não é o Titanic!

Motorizando – parte XII

Para quem não lembra ou sequer chegou a conhecer, uma das “brincadeiras” que sempre fiz por aqui foi atualizar meus quase três e meio leitores acerca das movimentações da Frota Chevrolata em casa. Ainda que o Bilbo ainda continue por lá, firme e forte, resistindo… Inclusive ao meu agora habilitado filhote mais velho…

Tudo começou lá atrás, quando resolvi mostrar para vocês todos – mas todos mesmo – veículos que já tive na vida, começando por estes aqui.

Desde então, a cada atualização (ou, às vezes, “desatualização”) eu costumo vir aqui para compartilhar com vocês qual é a bobagem da vez.

Bão, acontece que até então estávamos com a Madame Zafira, de uso quase exclusivo da Dona Patroa, por uma questão de necessidades – simplesmente para que coubesse todo mundo! É que moramos juntos, na mesma casa, eu, a Dona Patroa, nossos três filhotes adolescentes e o meu sogro-japonês-mais-surdo-que-uma-porta-de-carvalho-dupla. Bem, morávamos. Ele veio a falecer neste último dia 13 de setembro, aos 87 anos. Paciência. É para que sempre nos lembremos que também a morte faz parte da vida…

Mas, enfim, por conta disso a Dona Patroa decidiu nós decidimos que não precisávamos mais de um carro tão grande e gastão. E toca pra procurar algum negócio que fosse razoavelmente mais ou menos bão.

E, sem muita procura, acabamos chegando num Agile LTZ 2010 prata. Até agora parece bem comportadinho, não deu problema, não reclamou, não falou mal de ninguém… Mas veremos. Depois lhes contarei mais um pouco sobre isso.

PS1: Não, essa foto não é do nosso carrinho, pois descobri que ainda não tirei nenhuma foto dele e neste momento tô com uma preguiça dos infernos de ir lá para garagem para providenciar isso.

PS2: Não, isso se chama post scriptum, é latim, e não tem nada a ver com console de jogo PS2. Mas gostaria de sugestões… É que, não sei se vocês perceberam, mas todos nossos carros sempre tiveram um nome. E não sei se é pelo momento, falta de inspiração ou seja lá o que for, até agora esse bichinho segue sem. Que acham? Palpites? Valendo!

Sexta-fotos

Já que estamos retomando nosso espaço, nada como também retomar algumas tradições que tínhamos outrora, como aquele velho costume de toda sexta-feira publicar alguma foto interessante por aqui. Bem, pelo menos que eu ache interessante e que talvez vocês também venham a achar. Tá, às vezes pode até ser que não seja interessante, mas pelo menos curiosa… Enfim, vocês entenderam! Ou não?

Por hoje temos essa raríssima Caravan 4 portas, até onde eu sei lá de Belo Horizonte. Alguém já viu alguma dessas por aí? Garanto-lhe que ao menos eu nunca vi…

O Projeto

Seja bem-vindo você que chegou aqui pela primeira vez. E também seja bem-vindo você que, após longo e tenebroso inverno, talvez mais por fé do que por esperança, ainda voltou para dar uma olhada nas garatujas deste ancião que vos tecla…

Este é o blog do Projeto 676: a fronteira final. Estas são as viagens e desventuras da reforma de um Opala 1979, numa missão que já dura doze anos para exploração de novas peças, para pesquisar novas formas de montagem, novas comunidades, audaciosamente indo onde nenhum opaleiro jamais esteve!

Pois bem. A última “postagem séria” que fiz remonta a outubro. DO ANO PASSADO! De lá pra cá muita coisa já se alterou, muito trabalho já foi feito no nosso amado, idolatrado, salve, salve Titanic – que, inclusive já se aventura para umas voltinhas no bairro. Mas ainda há muito trabalho para ser feito e dinheiro de menos para conseguir fazer esses trabalhos…

Mas quem sou eu pra reclamar? Um cinquentão taurino, teimoso e turrão que depois que enfia uma coisa na cachola não desiste nunca. E a “coisa”, neste caso, é ver esse carro pronto. E lembrando que não se trata de uma restauração, mas sim de uma reforma – só que do meu jeito, ou seja, de baixo pra cima, de dentro pra fora, deixando-o original na aparência externa, mas buscando conforto e comodidade na parte interna.

Mas, enfim, isso tudo é só para me (re)apresentar para vocês. O antigo endereço deste blog (www.projeto676.com.br) foi desativado, apesar de o domínio ainda me pertencer. Questão de contenção de despesas neste ano que, definitivamente, foi ímpar. E por isso fiz um “puxadinho” aqui no meu blog oficial (www.legal.adv.br), no qual já escrevo há mais de vinte anos e transportei tudo que estava no endereço antigo para este novo endereço.

Todos os 469 posts.

Todos os 1.646 comentários.

E tudo foi revisado, um a um, de modo que não há nenhum link quebrado, nenhuma foto faltando, nenhum vídeo que não execute, nenhum arquivo que não baixe. Dei uma acertada no visual como um todo e aí do lado distribui mais alguns links interessantes. E mais: criei um Canal no Youtube! Também está aí do lado, mas é este aqui. Inclusive já coloquei um vídeo com uma montagem das principais fotos do que já aconteceu nessa reforma nestes últimos doze anos – aumentem o som e aproveitem! Na verdade ainda não sei bem o que vou fazer por lá (e fiquem à vontade para ajudar e palpitar!), mas é uma rede a mais para espalhar a palavra, juntamente com as que tenho no Facebook e no Instagram

Enfim, este blog voltará a ser atualizado e poderei compartilhar com vocês as alegrias e dificuldades que passei no último ano com o Titanic, vou mostrar as montagens em detalhes (daquele meu jeito que muitos já conhecem) e tentar reativar as antigas sessões de fotos e causos que tínhamos por aqui. A data será atual, mas a cronologia vai continuar de onde parei, quando ainda estávamos lá na autoelétrica do japonês.

E vamo que vamo!!!