Quarta Idade

Estive pensando cá com meus botões… Esse negócio tá todo errado, sabiam?

A começar que todo mundo fala da tal da “Terceira Idade” – mas quem já os ouviu tratar da Primeira e da Segunda? Aliás, alguém já definiu quais seriam essas?

E nem me venham com essa historinha de “Melhor Idade”, pois é uma das piores falácias das quais já tive conhecimento! Para quem gosta desse termo recomendo um excelente texto da Eliane Brum: “Me chamem de velha” (tá aqui no blog), que quando ela deliciosamente implicou com a palavra “idoso”. Particularmente gosto muito desta passagem específica: “Chamar de idoso aquele que viveu mais é arrancar seus dentes na linguagem. Velho é uma palavra com caninos afiados – idoso é uma palavra banguela. Velho é letra forte. Idoso é fisicamente débil, palavra que diz de um corpo, não de um espírito. Idoso fala de uma condição efêmera, velho reivindica memória acumulada.”

Legal, né?

Mas, voltando ao assunto, caríssimos, tenho uma proposta interessante para vocês: que tal separar melhor essa bagaça?

Explico.

Vamos de década em década.

A Primeira Idade envolveria todo aquele período que vai desde o nascimento até o final da infância, ali pelos nove, quase dez anos. Usualmente começamos a adquirir nossa memória lá pelos cinco anos (sei que alguns conseguem ter recordações de antes disso, assim como outros sequer lembram o que almoçaram ontem, mas não é esse o caso) e todo essa fase antes da adolescência costuma ser um mundo mágico, de formação, em que o tempo demora pra passar e na qual diariamente vivenciamos novas e maravilhosas (e, também, às vezes frustrantes) descobertas!

Diferente do que poderiam pensar, nessa minha proposta a Adolescência seria a fase seguinte (achavam que seria a Segunda Idade, né?): dos dez aos dezenove. Sei que alguns acham que aos onze a pessoinha ainda é uma criança (particularmente meu primeiro beijo foi com essa idade), bem como outros, já com seus quarenta e poucos, ainda sequer saíram da adolescência – mas também não é este o caso. Penso que seria algo como os “teenagers” norte-americanos (mais do mesmo aqui). É um outro momento maravilhoso da vida, quando descobrimos tanto nossa sexualidade quanto nossa capacidade de contestação, é quando estamos dispostos a mudar o mundo e temos absoluta certeza de nossa imortalidade!

A Segunda Idade propriamente dita seria o começo da fase adulta: dos vinte aos vinte e nove. Também conhecida como a fase dos “inte”. Ainda nas baladas – por que não? – mas já começando a pensar no futuro, afinal ele chegou. É, para muita gente, o momento de começar a trabalhar, de namorar firme, de casar. É lógico que não é uma regra, pois muitos fazem tudo isso antes, outros depois e tem gente que nunca – mas precisamos ter algum parâmetro não é mesmo?

Enfim, acho que vocês já pegaram o jeitão da coisa, não é mesmo? A Terceira Idade seria dos trinta aos trinta e nove (fase dos “inta”); a Quarta Idade, dos quarenta aos quarenta e nove (“enta”) e assim sucessivamente.

Por exemplo, meu pai orgulhosamente já está na Oitava Idade! E, apesar de um perrengue ou outro, vai muito bem, obrigado!

Pode até ser que alguém anteriormente já tenha pensado em algo similar a esta proposta, mas juro que a ideia só me ocorreu agora. Talvez seja porque a febre baixou ou por algum surto de pensamentícies durante outro surto de insônia, mas, pra mim, o raciocínio até que faz sentido…

E eu, aqui, do alto da minha Quarta Idade – um sujeito que ainda fala com seus botões – fico pensando que ainda tenho muito a fazer e pelo que viver… Como já sabem, sempre fui dado a recomeços, mas todo recomeço envolve um certo período de “adaptação”. É como tentar fazer pegar no tranco um carro que tenha acabado a gasolina: no começo dá um pouco de trabalho, a gente cansa de empurrar aquele troço que parece não querer sair do lugar, mas depois que o motor dá o primeiro giro, depois que a primeira explosão põe todo o conjunto pra funcionar, já sabemos o que fazer: basta acelerar!

E é chegada a hora de arregaçar as mangas, pois há muito a ser feito!

Até porque, em respeito aos meus caninos afiados, sou, sim, um novo-velho que não sabe reconhecer o lugar em que gostariam que eu ficasse. Meus cabelos e barba branca contrastam com o vigor com que me atiro a um projeto e com o brilho de meus olhos pela satisfação de fazer o que entendo como certo.

Então, caríssimos, enquanto vocês continuam por aí temendo a chegada da terceira idade tal qual hoje ela é, com orgulho lhes digo que daqui, já da minha Quarta Idadee apesar de toda a bagunça que fizeram e continuam a fazer no mundo político e judiciário em âmbito nacional – ainda vejo o futuro com otimismo e como uma terra de oportunidades!

E que venham a Quinta, Sexta, Sétima e demais idades!

E vamo que vamo!
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Em tempo:

Aos interessados (e também aos que não o são), antes que eu me esqueça: dei uma boa de uma revisada no “FVC – Seletos 99 Causos”, reeditei a capa e, pasmem, esta é uma versão ampliada, com mais crônicas, mas ainda assim respeitando as mesmas 270 páginas do original e com o limite de apenas 99 causos… Como isso? Somente adquirindo seu próprio exemplar para descobrir… 😉

“Filosofices de um Velho Causídico – Seletos 99 Causos” é por si só uma seleta coleção dentre as mais de mil páginas de crônicas, contos, casos e causos de meus livros anteriores, bem como mais um tantinho que ainda está lá no blog. Apesar da luta que foi o processo de escolha, consegui me restringir a apenas 99 textos que são, resumidamente, os melhores, os de maior significância pessoal, os mais divertidos, os mais profundos, enfim, os mais relevantes que já publiquei (na minha nada humilde opinião, é claro). O que não desmerece em absolutamente nada todo o restante que ficou de fora desta seleção. Distribuídos pelos capítulos Coisas de Casal, Criança dá Trabalho, Juridicausos, A vida como ela é, Passado a Limpo, Martelando o Teclado e Filosofices, falo um pouquinho da vida conjugal, da difícil arte de ser pai, de causos jurídicos, dos perrengues do dia-a-dia, do passado que tanto me guia quanto persegue, bem como algumas crônicas, invencionices e elucubrações de praxe…

Reescrevendo a Constituição

E aí?

Ainda tem alguém por aí?

É, faz tempo que não apareço… Muita correria, agenda lotada, trabalhando em casa, me dedicando à empresa, cuidando da reforma do Titanic e ainda por cima sendo um “motorista-de-uber-familiar” (mas sem ganhar um puto por isso!)…

Sequer tenho tido tempo para compartilhar tudo que tenho visto e que tenho achado sobre esse momento surreal que o país está vivendo. Stanislaw Ponte Preta deve estar se comichando lá de seu túmulo para uma nova edição do Febeapá!

Mas enquanto como isso não acontece, por ora vou apenas compartilhar com vocês a solução para o Brasil, direto do lápis do (ainda) genial Laerte. Espero não demorar para voltar. Mas eu volto!

A Biblioteca

Já faz um bom tempo que não escrevo…

Não tanto por falta de querer, nem menos por não ter assunto – talvez mais pela ausência de algo que me desperte a vontade…

E eis que, dia desses, uma amiga com a casa em reforma contou, toda orgulhosa, o amor que tem por seus mais de mil livros.

Mil livros!

Não é pouco não!

Nos dias de hoje não conheço muitas pessoas que possam se orgulhar de ter um acervo com um número desses (e vocês, os Bicaratos, não contam!)… Conheço, entretanto, uma ou outra moçoila que certamente, ainda que não os tenha, já deve ter lido muito mais que isso, invariavelmente curtindo ao fundo alguma música dos anos oitenta e saboreando uma boa taça de vinho!

Anos oitenta…

Quando essa década perdida começou, contava eu lá com meus dez pra onze anos de idade. Cursava a quinta série numa escola pública – EEPG “Dr. Rui Rodrigues Dória” – em Santana. Pertinho de casa, à distância de apenas duas quadras. Invariavelmente tínhamos um ou outro trabalho pra fazer, quando então era necessária uma pesquisa mais aprofundada. Internet? Google? Redes sociais? Esqueçam! Mas nem os filmes de ficção da época podiam prever este nosso atual “admirável mundo novo”… Assim, sem pré-condicionamentos do que deveríamos ou poderíamos fazer, a biblioteca da escola era o nosso primeiro destino.

Simplesmente pífia!

Não sei se por falta de alguém com conhecimento mais aprofundado, se por falta de recursos ou de vontade mesmo, lá era um lugar onde, na época, mal encontrávamos alguns livros de leitura obrigatória. E só.

Alguns sortudos, de vida mais abastada, ainda tinham em casa a famosa “Barsa” – antiga enciclopédia vendida de porta em porta, constituída por quase duas dezenas de livros de bom tamanho (ótimos como enfeite das prateleiras da sala), e que, em termos de informação e conhecimento, possuía um pouco de tudo em todas as matérias. Lá em casa, quando muito, tínhamos os quatro livros que formavam a “Enciclopédia do Estudante”. Funcionava assim: toda semana chegava nas bancas um novo fascículo e a gente ia montando o conjunto; ao final vinha uma edição especial com a capa dura, quando então juntávamos tudo e levávamos para encadernar. Voilà: um livro inteirinho à nossa disposição!

Mas às vezes nem mesmo isso era suficiente. O negócio era pegar o busão para o Centro (ou, dependendo do dia, ir a pé mesmo – apenas uns três quilômetros) e buscar informações lá na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo.

Onde ficava? No mesmo lugar onde hoje se encontra, mas havia algumas fantásticas diferenças na época…

Pra começar, ainda que o acervo já fosse maravilhoso, não havia nada daquela interna construção atual composta de vidro e aço. Era um antigo casarão assobradado. E só. Sabem como é? Com cheiro de casa antiga, cera nos assoalhos de madeira, uma ou outra goteira aqui e ali e – por que não? – algumas teias de aranha esparsas, nos cantos mais altos e difíceis de limpar. Lembro-me bem que lá dentro era geladinho – daquele mesmo tipo de friozinho de quando entramos numa dessas igrejas mais antigas – e sem ter nenhum sistema de ar condicionado em canto algum!

A origem desse casarão remonta ao ano de 1907, quando nem mesmo existia, mas uma comissão formada por moradores do município fez a proposta de construção de um teatro para a cidade. De propriedade de Bertolino Leite Machado, construído pelo Major de Finis e tendo Graciano Fachini como Mestre de Obras, o “Theatro São José” foi inaugurado em 24 de dezembro de 1910. Foi o centro da vida cultural durante as décadas de dez e de vinte, funcionando ainda como cinema e salão de bailes.

Mais tarde, nos anos trinta, juntamente com algumas áreas vizinhas, foi adquirido pela Prefeitura Municipal e nas décadas seguintes abrigou tanto a sede da Prefeitura quanto da Câmara Municipal. O Legislativo saiu dali no final da década de sessenta e o Executivo, na de setenta, quando então a Biblioteca Pública foi transferida para o local, lá permanecendo até os dias de hoje.

Naquela época, no início dos anos oitenta, a entrada se dava pela porta lateral, na Rua Sebastião Hummel, bem de frente com a esquina da Sciamarella, quando já nos deparávamos com o guichê e um balcão nos aguardando logo adiante e, à direita, uma longa escada de madeira.

E era ali, nos degraus daquela escada, que a magia começava!

Ao chegar na parte de cima do antigo sobrado encontrávamos os fichários – se não me engano, eram três: por título, por autor e por assunto. E quando digo “fichário”, é porque era isso mesmo! Cada um dos livros possuía sua correspondente ficha devidamente arquivada, um pequeno pedaço de cartolina retangular devidamente datilografado com informações indicando em que sessão, armário e prateleira as obras estariam nos aguardando. Nada de computadores, buscas ou downloads! O que havia eram alguns bloquinhos de notas ao alcance para anotar os dados e então…

Pensaram que eu ia dizer “bastava pedir para alguém pegar o livro”, certo? ERRADO!!!

Os tempos eram outros e tínhamos acesso direto ao acervo, o que era simplesmente delicioso! Às vezes eu ia buscar um determinado livro e encontrava diversos outros ainda mais interessantes, simplesmente porque estavam todos ali, pertinhos uns dos outro e totalmente acessíveis. E, não raro, eu simplesmente ia até lá para ler alguma coisa. Ainda estava bem no começo do início da minha adolescência, não tinha desenvolvido minha paixão por bicicletas e as meninas eram simplesmente boas amigas e não cada qual um mistério a ser decifrado… Passava tardes inteiras lá dentro da biblioteca!

Foi lá que li toda a coleção do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato, e, dentre outros livros esparsos, divertia-me com edições muito antigas de Seleções (“Reader’s Digest”). E, ainda, li todos os livros de Sir Arthur Conan Doyle, o criador de Sherlock Holmes, bem como a maioria dos livros de Agatha Christie – os quais mais tarde viria a adquirir através do “Clube do Livro”, mas isso é uma outra história…

E, voltando às pesquisas para a escola, quando encontrávamos um ou outro livro que precisávamos ler com mais calma, em casa, bastava levá-lo para aquele guichê lá no térreo, onde iriam carimbar nossa “carteirinha” com a data de devolução – se não me falha a memória, tínhamos uma semana de prazo.

Mas hoje tudo mudou.

Não só naquele prédio, como também em nossas vidas. O imediatismo e a superficialidade ocuparam o espaço antes dedicado à pesquisa e à profundidade. Tudo tem que ser rápido e facilmente digerível, pois “pensar” é um luxo não permitido em nossa sociedade on line e extremamente conectada. Mesmo no meu ofício – arcanas artes jurídicas – tenho que me utilizar de técnicas de escrita, beirando o jornalismo (estou falando do “bom jornalismo”) para fazer com que alguns magistrados se interessem o suficiente pelo texto para ler uma peça até o final. E que a compreendam de modo claro e inequívoco. Não tem sido fácil, não…

Particularmente, continuo lendo, como sempre. Talvez não tanto quanto gostaria, mas me esforço. No meu criado-mudo sempre tem uns quatro ou doze livros me aguardando, invariavelmente divididos entre aqueles que não consigo largar e aqueles que não consigo voltar. Mas, ainda assim, tenho por obrigação lê-los, todos, até o fim. Coisa de taurino, eu acho.

Quanto à nossa querida Biblioteca, nunca mais voltei lá. De quando em quando até que passo em frente, às vezes de carro ou mesmo à pé, mas não me encorajo a entrar. Talvez seja receio de macular essa sensação boa de lembrança que eu tenho de como, nem tanto tempo atrás, tudo era tão diferente.

Ah, por fim, não que alguém esteja contando, mas da última vez que dei uma conferida lá no meu cantinho (e pra desespero da Dona Patroa), entre livros, gibis, revistas, restaurações e outras edições especiais, o número passava de quatro mil… 😉