Descarboidratando

Pois é. Não é que funciona mesmo essa tal de “Dieta do Carboidrato”?

Particularmente nunca fiz dieta na minha vida. Tá, uma vez eu QUASE fiz. Tinham uns tais de triglicérides um tanto quanto zoneados no meu organismo, o que também estavam deixando o colesterol meio cabreiro. Aí eu recebi do doutor (não se enganem, era um cardiologista) uma dieta para seguir à risca pra colocar ordem na casa.

Fui até onde deu. O perrengue é que nada podia. Tudo era proibido. E entre ficar comendo talos de folhas de alface (não me lembro bem, acho que isso podia – mas não tenho certeza) ou voltar à minha sanidade mental, fiquei com a segunda opção. Já comentei sobre isso lá no antigo site, bem aqui, em 18/JAN/2006. Era a validação, na prática, de uma das Leis Garfieldianas – “uma dieta é feita de insossos”.

Mas acabei de comprovar empiricamente que essa Lei pode ser quebrada.

Essa “Dieta do Carboidrato” – assim mesmo, com letras maiúsculas em sinal de respeito – consiste em suprimir drasticamente a cota de carboidratos de seu organismo, forçando-o a consumir as reservas. Não me perguntem como funciona, se quiserem informações detalhadas procurem uma nutricionista ou na Internet – o que for mais barato… Nessa Dieta também existem várias proibições (mas nada muito drástico) – dentre elas a cerveja.

Mas, vejam só, taurino como sou resolvi que a quantidade de eventuais carboidratos cervejerianos deveriam ser insuficientes para afetar a dieta. E EU ESTAVA CERTO!!!

É lógico que não estamos falando daquelas tardes inteiras regadas a cerveja num churrasco, mas sim de uma ou outra eventual cervejota pra aliviar a tensão do dia a dia. Questão medicinal, até.

O único porém para quem se aventurar nessa Dieta é que ela demanda de, basicamente, duas coisas: força de vontade – para não cair em tentação, e um posterior autocontrole – para não encher a pança com tudo que venha a frente após chegar ao peso desejado.

E o peso desejado, no meu caso, é justamente aquele que permita jamais voltar a ocorrer algo como o que aconteceu com minha cama, como eu disse antes, bem aqui.

Ah, a propósito – e especialmente para você, meu amigo Paulo – vale informar que até o momento já perdi um pouco mais de meia arroba

4 thoughts on “Descarboidratando

  1. Ha. Ha. Ha. Hilário, Paulo. Hilário. Você não perde por esperar, pois ainda vou armar um “troco” à altura…

    Ana, minha força de vontade está íntima e diretamente ligada ao meu guarda-roupa. Já perdi 65% de uma arroba e “re-ganhei” uma calça jeans que há muito tempo tinha dado como perdida! Aliás estou usando-a agora – E TAMBÉM ESTOU CONSEGUINDO RESPIRAR!!! Não é o máximo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *