Questão de preconceito

Clique na imagem para ampliar!

Ligia Ribeiro

Quando eu era adolescente, era simpatizante do anarquismo, inocência boa típica da idade.

Gostava de punk rock/hardcore mais que de chocolate… Uma das bandas que eu simpatizava era dead fish (me julguem) e dentre as músicas deles, havia uma chamada “Anarquia Corporation” que criticava a maneira como o anarquismo estava se popularizando e virando um movimento de preconceito às avessas.

“Acho que já sei o que você quer, mais uma regra pra seguir, constituição anárquica. Feita pra outra minoria dominar. Não há mudança, só alternância de poder. Discriminado hoje, discriminador amanhã. Mudança aonde? Aonde cidadão?”

 

Então hoje, já longe da utopia anárquica, vejo esse comportamento preconceituoso em outros grupos.

Grupos que tem uma causa seria, mas que avacalham demais na milícia.

Vi um vídeo fantástico da Avon onde uma mulher trans se maquiava... Pensei comigo: "Que do caralho! Puta quebra de paradigma!"

 

Aí, Li os comentários... Ah, meus amigos... Que grande enxurrada de bosta!

Chegando ao cúmulo de dizer que os homens estavam tirando o protagonismo das mulheres nas propagandas de cosméticos... (WTF?)

E uma luta pra saber quem é mais oprimido que o outro... Como se o foco fosse esse. Como se o foco não fosse a equidade entre as pessoas...

São só mais um monte de fantoches sem senso crítico, disseminando um discurso de ódio contra aquilo que é diferente do que acreditam.

Mais uma vez... Não há mudança, só alternância de poder.

Que tristeza, meus amigos.

Que tristeza...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *