A lenda de John Henry

John Henry

Tal qual o Brasil, os Estados Unidos também é uma terra rica em lendas – muitas trazidas pelos imigrantes e outras que nasceram no próprio país, mas, em seu conjunto, dando forma e identidade cultural àquele povo formado (também) por uma grande mistura de nacionalidades.

Das lendas recentes, aquelas nascidas após a colonização, figura a história (estória?) do gigante da linha ferroviária: John Henry.

Antes de mais nada é necessário esclarecer que existiram “dois” John Henry: um foi o homem, nascido escravo, trabalhou para companhias ferroviárias após a Guerra Civil e morreu por volta dos trinta anos, deixando viúva sua jovem esposa e órfão seu filho ainda bebê; já o outro, o mito, a lenda, foi aquele gigante em força e coração que desafiou – e superou! – a modernidade em favor dos trabalhadores de uma época. Mas, historicamente falando, temos que o que é fato e o que é lenda sobrepõe-se entre si, sendo difícil aquilatar onde começa um e onde termina outro…

Mas falemos da lenda, que é o que nos interessa!

Sua história tem sido contada em verso e prosa, acompanhando a trajetória das ferrovias – de costa a costa – desde o final do século XIX. John Henry nasceu escravo, por volta de 1840, diz-se que na Carolina do Norte. Esse negro de mais de um metro e oitenta, cerca de noventa quilos, com a força de vários homens e de uma vontade tão férrea quanto a linha que construíra, era considerado um gigante para época.

Assim como vários outros ex-escravos que foram libertados após a Guerra Civil Americana, John Henry fazia parte da “força de reconstrução” dos territórios que foram afetados pelo embate. Apesar dos direitos civis que foram conferidos aos negros, restava-lhes somente aquela mão de obra que ninguém mais desejava, trabalhando sob condições deploráveis e a salários baixíssimos.

E assim, reza a lenda, John Henry acabou sendo contratado pela C&O Railroad, uma companhia que estava expandindo suas linhas de Chesapeake Bay em direção a Ohio Valley. O trabalho, nesse caso, era como um dos “steel drivers” – trabalhadores ferroviários – cuja função era martelar cravos de aço e perfurar buracos em rochas sólidas, por onde as linhas seriam instaladas e por onde os trens iriam passar. Dia após dia. Sob sol, chuva ou neve.

Só para que entendam: um cravo de aço nada mais é que uma espécie de “prego” enorme, utilizado para fixar os trilhos (por onde se guiam as rodas dos trens) nos dormentes de madeira (travessas dispostas paralelamente no chão que serviam de suporte para esses trilhos). Esses cravos eram colocados no lugar pura e simplesmente a golpes de marreta…

A instalação dessa nova linha até que ia indo muito bem. Mas havia uma montanha no meio do caminho. No meio do caminho havia uma montanha… Seu nome era Big Bend Mountain e, como o próprio nome já diz, era extensa demais para que a linha a contornasse. O negócio então era passar pelo meio, perfurando-a e construindo um túnel de mais de dois quilômetros.

Aliás, lembrem-se: estamos falando do século XIX. O trabalho era total e completamente braçal, praticamente sem visibilidade e com muita poeira. Essas condições tiveram seu preço: centenas de homens morreram para que, ao final de três anos, finalmente o serviço fosse completado.

Bem, como diz a lenda, desses funcionários John Henry era o mais forte e mais rápido trabalhador que jamais tinham visto. Com sua marreta de aproximadamente seis quilos conseguia avançar num dia de 12 horas de trabalho por cerca de seis metros rocha adentro! E aí o mito dá seus contornos romancescos, pois dizia-se que para cada homem que caía exausto, John Henry assumia seu posto, fazendo seu trabalho e o dos demais… Sua bondade para com os companheiros era tanta que temia que fossem demitidos por não conseguirem fazer sua parte. É dito que, com isso, chegava a trabalhar dia e noite, com raras pausas para se alimentar!

E então apareceu por aquelas plagas um vendedor, trazendo para oferecer à companhia uma máquina a vapor que, segundo ele, poderia superar qualquer homem nessa tarefa. É lógico que o primeiro que se lembraram foi de quem? Isso mesmo: John Henry.

John, por sua vez, antevendo um tempo em que máquinas como aquele martelo a vapor viessem a tomar o lugar dos trabalhadores, deixando-os desempregados, famintos, de volta a uma realidade miserável, talvez até mesmo pior que a escravidão (que ao menos lhes garantia um teto), bem, ele levou aquilo para o lado pessoal. Uma máquina jamais poderia ser capaz de superar um homem!

Assim, estava lançado o desafio!

Mas quem não gostou nem um pouco dessa história foi sua esposa, Polly Ann. Segundo a lenda, estas foram suas palavras:

“Competir contra essa máquina será seu fim! Lembre-se que você tem uma esposa e um filho! E se algo acontecer a você, John, nós nunca mais sorriremos novamente enquanto estivermos sobre essa terra. Veja: essa máquina não dorme, não come e não se cansa – enquanto que você é apenas um homem John Henry. Apenas um homem.”

Então John Henry ergueu seu filho em seus poderosos braços, sorriu e disse à sua amada:

“Um homem é apenas um homem e nada mais que isso. Mas um homem sempre deve fazer o seu melhor. E amanhã, eu irei pegar meu martelo e trabalharei, e trabalharei mais rápido e melhor que qualquer máquina sobre essa terra. Eu farei o meu melhor!”

E assim o foi.

No dia seguinte teve início a inusitada batalha de homem versus máquina. Havia muito em jogo. John Henry municiou-se de duas marretas, de dez quilos cada, e com uma em cada mão martelou. E martelou. E assim como a máquina também. E John Henry se esforçou e martelou cada vez mais rápido e cada vez mais forte e como um demônio avançou cada vez mais montanha adentro! O calor era insuportável e as nuvens de poeira encobriam todo o entorno dos competidores. A multidão urrava e o que parecia ser o som da montanha se quebrando era nada mais nada menos que o das marretas de John, incansáveis, insaciáveis!

Ao final de meia hora, o desafiante, o martelo a vapor, aquela máquina desalmada, sucumbiu. Quebrou com o esforço! E, com apenas dois metros cavados, ficou bem atrás dos quatro de seu concorrente!

Puxaram-na para fora, mas, lá dentro, o barulho continuava, pois John sequer percebera o que aconteceu: simplesmente continuava descarregando suas marretas de aço na escuridão, cada vez mais depressa.

Seus companheiros, exultantes, chamaram-no. A competição havia acabado, John havia vencido!

Finalmente, silêncio.

Um terrível e ensurdecedor silêncio.

Polly Ann, presente com seu filho, sentiu um gosto amargo na boca, um apertado nó na garganta e um inominável peso no coração.

Em seu íntimo, já sabia.

John Henry havia caído, exausto, no chão do túnel. Venceu, sim, mas a que custo? Enquanto seu sangue se espalhava pelo chão, em suas mãos, com firmeza, John Henry ainda segurava seu martelo…

Morreu John Henry. De exaustão, disseram alguns, de derrame, disseram outros. O esforço de martelar tanto, tão rápido, tão forte, em tão pouco tempo foi tão grande que uma veia em seu cérebro rompeu.

Partiu John Henry. Mas partiu vitorioso.

Não obstante, mesmo assim as máquinas a vapor, depois de algum tempo, começaram a substituir os trabalhadores braçais

E é essa a ironia: mesmo que John Henry tenha se provado mais eficiente que a máquina, que tenha trabalhado até a morte, mas ainda assim acabou sendo substituído por ela…

Mesmo nos dias atuais existem aqueles que dizem que se você andar no limite da escuridão do túnel cavado na Big Bend Mountain, às vezes é possível ouvir o som de duas marretas de dez quilos martelando seu caminho para a vitória contra a máquina…

Muitas “mensagens” podem ser vislumbradas nessa história. Muita gente já escreveu sobre isso. Particularmente vejo-a como um conto sobre poder e fraqueza – numa dicotomia que coabita o mesmo ser: John Henry. De um lado temos sua força individual que se faz valer sobre o sistema. E, de outro, esse mesmo sistema que esmaga a individulidade do ser. No ambiente de então, John Henry foi a figura que deixou sua marca, que deu o exemplo, que trouxe inspiração a tantos outros oprimidos na sociedade.

Enfim, foi alguém que perseverou.

Mesmo face a caminhos bloqueados e escolhas limitadas, John Henry foi aquele que fez a sua própria escolha.

E por que lembrei-me desse causo e resolvi contá-lo por aqui?

Primeiro porque é uma daquelas histórias que conheço, que gosto e que poucas outras pessoas sabem da existência. Só isso já seria motivo mais que suficiente para compartilhá-la por aqui – sendo que busquei mais detalhes aqui e aqui.

Mas, na prática, foi simplesmente porque estava ouvindo um delicioso blues pela manhã…

E que traz exatamente essa história.

Confiram a música dando um play nesse botãozinho:

 
Emenda à Inicial: À parte desse ótimo blues que você acabou de curtir (você ouviu, não ouviu?), essa mesma lenda, devidamente "estilizada" pelos estúdios Disney, rendeu uma animação lá pelos idos de 2000, e que foi vencedora de diversos prêmios e festivais...

5 thoughts on “A lenda de John Henry

  1. FIQUEI PERPLEXA COM A ESTÓRIA, POR CAUSA DO MEU MARIDO QUE É NEGRO, GRANDE FORTE, SAUDÁVEL, INTELIGENTE MAS QUE NUNCA BUSCOU GRANDES OPORTUNIDADES, MUITO INGÊNUO E COM UMA NECESSIDADE ENORME DE IMPRESSIONAR OS OUTROS, NECESSIDADE DE PROVAR QUE INCRÍVEL EM ALGUMA COISA…

  2. Muito boa fábula e muito bem (re)contada.
    Tentei ler no Wikipedia mas havia muita linguagem “técnica” e procurei por uma tradução em português, e tive a sorte de encontrar essa página.
    Quanto à mim, já ouvia um outro blues sobre um boxeador cujo link da canção e excerto da letra, o qual me fez procurar saber sobre essa lenda, estão abaixo

    “He had a left like henry’s hammer
    A right like betty bamalam”

    Mark Knopfler – A Song For Sonny Liston
    http://youtu.be/7zlmUidJctk

  3. Eu gostei muito eu vi um filme curto de john henry que falaque ele venceu é morreu do lado de fora mais queria saber se éssa historia é verdadeira sé ele egistiu

  4. LI O COMENTÁRIO E VI O DESENHO. MUITO BOM, POIS ESTAMOS ESTUDANDO UM LIVRO – O MAL QUE HABITA EM MIM – DE KRIS LINDGARD- NO CAP. 7 , ELE USA A LENDA COMO ILUSTRAÇÃO. O FATO É, QUE VOU FALAR SOBRE ESSE CAP. DAQUI UNS DIAS. GOSTARIA DE PASSAR O VÍDEO, SÓ QUE TEM QUE SER DUBLADO, POIS A MAIORIA NÃO ACOMPANHA A TRADUÇÃO, (TERCEIRA IDADE). VOCÊS PODERIAM ME ENVIAR O DUBLADO? GRATO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *