3 mai 2012 - 7:52  

Brabuleta nipônica

Borboletas

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar… nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam… não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Mario Quintana




2 Comentários

  • Isso é exatamente o que estamos esquecendo, cuidar do jardim…
    Adorei os temos usados: “Borboletas” e “Jardins”.
    Acabei de conhecer o blog, e estou gostando bastante.

  • Seja bem-vinda, Joana!

    E, concordando com você, essas realmente são as palavras que trazem a essência de todo esse belo texto. Quintana realmente “sabia das coisas”…

    Aqui no blog você vai encontrar um pouco de tudo, passando pelas opiniões deste doidivanas que vos tecla, além de curiosidades, utilidades e – óbvio – inutilidades…

    :D

Tem alguma coisa a dizer? Vá em frente e comente!


Digite abaixo quanto é 7 + 10? (ora, vamos: você consegue...)