Aquilo que cativas

– Vem brincar comigo, propôs o príncipe, estou tão triste…

– Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.

– Ah! Desculpa, disse o principezinho.

Após uma reflexão, acrescentou:

– O que quer dizer cativar ?

– Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?

– Procuro amigos, disse. Que quer dizer cativar?

– É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa criar laços…

– Criar laços?

– Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás pra mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo…

(…)

A raposa então calou-se e considerou muito tempo o príncipe:

– Por favor, cativa-me! disse ela.

– Bem quisera, disse o príncipe, mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.

– A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me! Os homens esqueceram a verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer.

Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.

Será?

Essa frase – como já devem ter percebido – está na obra O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint Exupéry. A mensagem, que de início parece ser clara, vem sendo cada vez mais e mais “interpretada”, tendo chegado num ponto em que estão a lhe dar uma conotação de responsabilidade em relacionamentos. Mas um tipo de responsabilidade que extrapola – e muito – a intenção da raposa, na estória. Uma responsabilidade de propriedade, meio que amarga, não de compartilhamento, mas sim de fardo…

A questão é: dá pra concordar com esse ponto de vista?

Ser responsável por outrem, por seus sentimentos, por seus pensamentos, pelo seu próprio existir?

Existir…

A existência em si, independentemente de qualquer um, não seria, então, possível?

Parece-me que sim.

Ou que não?

Jogos de palavras às vezes são complicados!

Mas, na prática, o que quero dizer é que, nesse conceito hodierno, ter plena e total responsabilidade “por aquilo que cativa” me soa como uma impossibilidade, uma falácia, outro jogo de palavras fadado a ter uma bonita sonoridade, mas na prática atrelado a uma clara inviabilidade.

Explico.

O que seria cativar, na prática? Cuidar? Criar? Dar carinho? Se apaixonar?

– E quando não houver mais necessidade de cuidados?

– E quando a criatura não mais precisar do criador?

– E se o carinho enfraquecer?

– E se a paixão acabar?

Se o “cativar” estiver atrelado a alguma dessas acepções, ou mesmo qualquer de suas variações – o que me parece o caso nessa maluca interpretação – então, como eu disse, teríamos uma inviabilidade prática.

Desse modo, na minha humilde opinião, essa frase tão bela e tão repetida nos facebooks, twitters e sei lá que outras redes, seria na realidade uma bela duma falácia, um claro dum engodo. Como alguém antes já disse, havemos que lembrar que laços são laços, belos, que atam e desatam – não são nós, não são amarras…

Entendo que toda nossa vida, até ela própria, é marcada e pontuada por ciclos. E todo ciclo, como tudo, tem começo, meio e fim. Ainda que possa parecer confuso, mesmo os ciclos, por vezes, podem ser cíclicos, repetitivos – mas sempre com seu começo, meio e fim.

Assim, definir uma “eterna responsabilidade” pelo fato de que em algum momento da vida cativamos algo, parece-me um contrassenso à ordem natural das coisas.

O que não muda o fato de que, enquanto cativos (e não no sentido de cativeiro), podemos – e até devemos – dedicar toda nossa atenção, criando, cuidando, dando carinho e entregando-nos à paixão do con-viver.

Infinito enquanto dure!

Até que o ciclo se complete.

Ou se rompa.

Pois tudo, TUDO, nesta vida sempre teve, tem e terá…

começo,

meio

e

fim.

2 thoughts on “Aquilo que cativas

  1. Várias interpretações:
    1) romântica: devo cuidar do cativado, alimentando o seu amor
    2) preguiçoso: porisso tenho preguiça de cativar alguém
    3) irresponsável: quem mandou alguém ser cativado, logo por mim?
    4) convencido: tantos cativos é porque sou irresistível!
    5) feminista: é assim mesmo, só a mulher cuida dos cativos, sejam homens, sejam filhos ou amigos, enquanto o homem simplesmente abandona os seus cativos, não se importando com o seu futuro…
    6) machista: sou livre, eu não tenho amarras, posso fazer o que quiser, não sou cuidador por natureza.
    7) botânico: sim, vc é totalmente responsável, desde a germinação, nascimento, devendo cuidar para todo o sempre do seu desenvolvimento.
    8 ) socialista: companheiros, todos somos responsáveis uns pelos outros.
    9) advogado:vc assinou algum contrato? onde está a cláusula de responsabilidade?

  2. Nínguém é responsabizado por meus atos, além de mim.
    Alías, nem e eu mesma dou conta.
    🙂
    Eu concordo com tudo o que você escreveu e claro que a frase de Saint Exupéry, é no mínimo utópica. Mas é tão bonita…

    Adorei o comentário acima…rss

    Bjcas.

    Rossana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *