Altino Bondesan: dez anos de ausência

Hoje, 4 de janeiro de 2011, completamos dez anos de ausência da figura ímpar do Dr. Altino Bondesan…

Eu o conheci – superficialmente, infelizmente – mas o suficiente para ser cativado por sua sempre bem humorada personalidade.

Invariavelmente, em meus primeiros anos de advocacia, nas visitas quase que diárias ao fórum (o famoso “umbigo no balcão”), passava pela sala da OAB e, para saber se o Dr. Altino estava na área, bastava dar uma olhadinha na prateleira superior que ficava bem em frente à porta. Um chapéu repousando ali, esperando seu dono, era sinal de sua presença nos cartórios para acompanhamento de seus processos.

Aliás, presenciar isso já era em si uma experiência interessante, pois aquele senhorzinho alto e magro, um gentleman à toda prova, conversava com as cartorárias (sim, também os cartorários) e consultava os andamentos dos processos através de uma bela duma lupa (!), pois sua visão já não permitia ler os despachos apenas com os óculos…

Sempre disponível, não titubeava em franquear um proseio com quem quer que fosse, mesmo um ilustre desconhecido em começo de carreira como eu.

E, à parte da pessoa, o escritor. Tenho alguns de seus livros (mas não todos…) e é fantástica sua capacidade de nos transportar para dentro do mundo e época em que viveu – sempre, é lógico, com seu inseparável bom humor!

Enfim, como disse, já se vão dez anos de sua ausência. Lamento somente não tê-lo conhecido melhor – pessoalmente falando. Para os que não o conheceram, eis uma pequena biografia (tirada daqui), mas que não faz jus à estatura de sua personalidade…

Escritor, jornalista e advogado, Altino Bondesan nasceu em 15 de maio de 1916 em São Simão (São Paulo), mas foi radicado em São José dos Campos em 1935. Contador pelo Instituto Comercial de São Simão. Especialista em Língua e Literatura Italiana, pela “Scuola Ítalo-brasiliane Gabriele D´Annuzio”, de Campinas. Advogado pela Faculdade de Direito do Vale do Paraíba. Completou o Curso de Aperfeiçoamento no Saint John´s College, de Annapolis, Maryland, EUA. Como jornalista, foi correspondente do jornal O Estado de São Paulo em São José dos Campos durante 25 anos, além de escrever em colunas diárias para diversos jornais do Vale do Paraíba. Foi diretor do jornal São José dos Campos e fundador do jornal A Semana, sendo também colaborador dos jornais Tribuna de Santos, Diário de São Paulo e O Trabalho, participando ativamente da vida política e social da região. Em 1976 recebeu a “Pena de Ouro” por seus 40 anos de jornalismo em São José dos Campos. Recebeu o maior número de prêmios entre os colaboradores do Estado. Fundador do Sindicato dos Empregados do Comércio de São José dos Campos. Fundador do Movimento Social Democrático, em 1963. Monitor de sindicalismo na Federação dos Círculos Operários do Estado de S. Paulo, no Instituto Nacional do Trabalho. Músico e poeta, autor de centenas de poemas, entre eles “Rua Vilaça”, incluído na suíte “Evocação Paulista”, de Luís Emerich, traduzido para o castelhano e apresentado em vários palcos latino-americanos. É nome sempre citado quando se discutem assuntos relativos à história de São José dos Campos, tendo sido o primeiro a divulgar a origem da cidade. Deu a São José, em artigo publicado no Estado, o título de Capital do Vale do Paraíba, em 1953, quando a renda local se tornou a maior da região. Faleceu em 4 de janeiro de 2001.

12 thoughts on “Altino Bondesan: dez anos de ausência

  1. Oi Adauto.
    Meu nome e Aline e sou neta do Dr. Altino. Minha mae me mandou o link do seu blog pra ler o que vc dizia sobre o meu avo…
    Ele era uma pessoa extraordinaria… inteligente e cheia de vida… uma inspiracao a todos que os conheciam… trabalhador, de um senso de humor infinito, poetico e generoso sao so algumas de suas qualidades que eu mais admirava!
    o falecimento dele deixou nao so um vazio na minha familia mas como na vida de Sao Jose tambem!
    Obrigada pela sua homenagem a ele.
    Aline.

  2. Oi, Aline!

    Sê bem-vinda!

    Saiba que suas palavras somente reforçam a imagem que sempre tive de seu avô!

    Quando descobri a data (n’O Vale) não tinha como não registrá-la por aqui…

    [ ]s!

  3. Legal a homenagem, Adauto. Realmente o Dr Altino era uma pessoa muito alegre, culta, um exemplo de dedicação ao trabalho, à família e a sua comunidade. Sds. Agnaldo (irmão do genro do Altino).

  4. eu era sobrinha dele.
    deixou uma marca unica na vida da nossa familia.qdo eramos crianças,nossa brincadeira predileta era ,”à moda do tio Altino”
    fazemos versinhos rimados,escrever textos,para tentar copiar seu dom.
    uma vez ele escreveu um livro “Estados Unidos,milagre do progresso”-eu tinha entre 8 e 9 anos-eu o li e ,incitada pela minha avó,q morava comigo,envei uma cópia à Casa Branca,entao ocupada por J,Kennedy.Qual nao foi minha surpresa,qdo algum tempo depois,recebi uma carta -resposta em agradecimento pelo presente e palavras elogiosaas contidas no livro?
    eu a tenho guardada ate hoje,en tre meus alfarabios + queridos….

  5. Legal… Não só a sociedade como um todo mas a família em especial tem (e sempre terá) um carinho muito grande pelo Dr. Altino! E que venham mais histórias dentro de histórias dentro de histórias…

    🙂

  6. O Dr. Altino foi meu professor na Faculdade de Direito do Vale do Paraíba em meados da década de 60. Tenho uma lembrança muito positiva daquele período e da convivência com ele.

  7. Trabalhei em SJC nos anos 70 e tive o privilégio de conhecer o Dr. Altino. Era uma figura ímpar quer na cultura, quer como amigo e pessoa humana. Até hoje releio alguns dos seus livros como “São José em quatro tempos” e fico emocionado. O que mais me entristece é perceber que não existem mais pessoas como o Dr. Altino. Afinal o que está acontecendo no mundo hoje? O traço marcante atual na maioria daqueles com quem convivo é a mediocridade e um vazio existencial. É isso mesmo e não adianta tapar o sol com a peneira. Tenho certeza que o Dr. Altino está junto ao criador para deleite desse último e tristeza nossa.

  8. Em 31 de janeiro de 1997, escrevi algo sobre o Dr Altino Bondesan no o Jornal ovale paraibano, hoje ovale, o elogiando sobre seus escritos como articulista e colunista do jornal, Dr Altino escrevia proseando numa linguagem simples, falava de tudo se mostrando um conhecimento universal. E o leitor Sr José Helio de Moura, escreveu congratulando comigo sobre o que escrevi, pelas considerações elogiosas ao ilustre dr Altino Bondensan, dizendo estar de pleno acordo com minhas palavras

  9. Olá gostaria de saber mais sobre a origem do Dr Altino Bondesan. Também sou Bondesan e meu bisavô era de São Simão. Estou fazendo um levantamento de todos os Bondesans (Bondezans) no Brasil. Atualmente moro no Paraná.
    Obrigado

  10. Gostaria de saber onde localizou o escritório…. que ficou com os processos dele.. pois minha família tem um processo que corre a anos e que ele havia sido constituído…
    Quem são os drs que ficaram com posse aos processoas

  11. Caríssima Mônica, sugiro tentar entrar em contato com os descendentes do Dr. Altino em São José dos Campos, pois trata-se de família bastante conhecida na cidade e não deverá ser difícil descobrir quem deu continuidade nos processos antigos. Boa sorte!

  12. Olá bom dia, minha avó era cliente do Dr Altino, lembro-me certo dia que fomos a casa do Dr Altino, sua esposa nos atendeu na porta de sua casa, toda solicita pediu que esperassemos em uma sala cheia de livros, eu fiquei encantada com todos aqueles livros, o cheio de madeira misturada ao cheiro de livros antigos me encantou… De repente adentrou a porta um senhor alto, magro, bem arrumado com uma camisa social branca, começou a conversar com minha avó… eu enquanto criança de 5 anos estava encantada com a forma daquele senhor que brincou comigo ( percebi que o mesmo gostava de crianças) , disse que eu poderia ver os livros se eu quisesse. Fiquei feliz com a proposta, pois era isso mesmo que eu queria. Lembro-me ele falando: vc sabia que sua família está no meu livro? Eu abismada mostrou o tal livro com o nome da minha avó Maria Benedita Aguiar. Nossa fiquei encantada…. ele completando falou: sua família está para o resto da vida nas memórias de São José dos Campos, meu Deus que privilégio, pensei eu com minha juventude infantil. Hoje procuro este livro para ler, mas não o encontro, queria muito poder ler na minha vida adulta. Este senhor me inspirou de ser o que sou hj. Sou professora graças a admiração e a predestinação do dr. Altino falando para minha avó: “essa menina gosta muito de livros, vai ser professora.” Hj estou aqui hj como professora. Saidades boas daquele tempo, que não voltam mais. Se alguém tiver livros do Dr Altino Bondesan e puder me emprestar para ler, serei muito grata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *