Comunicação

“Posso ajudá-lo, cavalheiro?”

“Pode. Eu quero um daqueles, daqueles…”

“Pois não?”

“Um… como é mesmo o nome?”

“Sim?”

“Pomba! Um… um… Que cabeça a minha. A palavra me escapou por completo. É uma coisa simples, conhecidíssima.”

“Sim, senhor.”

“O senhor vai dar risada quando souber.”

“Sim, senhor.”

“Olha, é pontuda, certo?”

“O quê, cavalheiro?”

“Isso que, eu quero. Tem uma ponta assim, entende? Depois vem assim, assim, faz uma volta, aí vem reto de novo, e na outra ponta tem uma espécie de encaixe, entende? Na ponta tem outra volta, só que esta é mais fechada. E tem um, um… Uma espécie de, como é que se diz? De sulco. Um sulco onde encaixa a outra ponta, a pontuda, de sorte que o, a, o negócio, entende, fica fechado. É isso. Uma coisa pontuda que fecha. Entende?”

“Infelizmente, cavalheiro…”

“Ora, você sabe do que eu estou falando.”

“Estou me esforçando, mas…”

“Escuta. Acho que não podia ser mais claro. Pontudo numa ponta, certo?”

“Se o senhor diz, cavalheiro.”

“Como, se eu digo? Isso já é má vontade. Eu sei que é pontudo numa ponta. Posso não saber o nome da coisa, isso é um detalhe. Mas sei exatamente o que eu quero.”

“Sim, senhor. Pontudo numa ponta.”

“Isso. Eu sabia que você compreenderia. Tem?”

“Bom, eu preciso saber mais sobre o, a, essa coisa. Tente descrevê-la outra vez. Quem sabe o senhor desenha para nós?”

“Não. Eu não sei desenhar nem casinha com fumaça saindo da chaminé. Sou uma negação em desenho.”

“Sinto muito.”

“Não precisa sentir. Sou técnico em contabilidade, estou muito bem de vida. Não sou um débil mental. Não sei desenhar, só isso. E hoje, por acaso, me esqueci do nome desse raio. Mas fora isso, tudo bem. O desenho não me faz falta. Lido com números. Tenho algum problema com os números mais complicados, claro. O oito, por exemplo. Tenho que fazer um rascunho antes. Mas não sou um débil mental, como você está pensando”

“Eu não estou pensando nada, cavalheiro.”

“Chame o gerente.”

“Não será preciso, cavalheiro. Tenho certeza de que chegaremos a um acordo. Essa coisa que o senhor quer, é feita do quê?”

“É de, sei lá. De metal.”

“Muito bem. De metal. Ela se move?”

“Bem… É mais ou menos assim. Presta atenção nas minhas mãos. É assim, assim, dobra aqui e encaixa na ponta, assim.”

“Tem mais de uma peça? Já vem montado?”

“É inteiriço. Tenho quase certeza de que é inteiriço.”

“Francamente…”

“Mas é simples! Uma coisa simples. Olha: assim, assim, uma volta aqui, vem vindo, vem vindo, outra volta e clique, encaixa.”

“Ah, tem clique. É elétrico.”

“Não! Clique, que eu digo, é o barulho de encaixar.”

“Já sei!”

“Ótimo!”

“O senhor quer uma antena externa de televisão.”

“Não! Escuta aqui. Vamos tentar de novo…”

“Tentemos por outro lado. Para o que serve?”

“Serve assim para prender. Entende? Uma coisa pontuda que prende. Você enfia a ponta pontuda por aqui, encaixa a ponta no sulco e prende as duas partes de uma coisa.”

“Certo. Esse instrumento que o senhor procura funciona mais ou menos como um gigantesco alfinete de segurança e…”

“Mas é isso! É isso! Um alfinete de segurança!”

“Mas do jeito que o senhor descrevia parecia uma coisa enorme, cavalheiro!”

“É que eu sou meio expansivo. Me vê aí um… um… Como é mesmo o nome?”

Luis Fernando Verissimo
(O verdadeiro, mesmo!)

Nota 1: Lembrei-me dessa crônica ao ler as sempre bem traçadas linhas da Clotilde Tavares, que, com seu texto de hoje, não só me fez rir como também aprender o nome original do zíper – e olha que eu, filho de costureira que sou, não tinha a mínima noção que em suas origens chamava-se “fecho éclair”, ou seja, numa livre tradução do francês, “fecho relâmpago”

Nota 2: Depois de umas e outras com essa criançada de hoje – que, diga-se de passagem, já nem são mais crianças – descobri que muitas vezes tenho que ilustrar algumas coisas que digo por aqui, caso contrário não terão a mínima idéia sobre o que estou falando. E, creio eu, seria o caso do “alfinete de segurança”. Não se vê mais, não se usa mais, não se conhece mais. Daí o porquê da imagem acima.

3 thoughts on “Comunicação

  1. Ótima crônica, e adorei essa de “O verdadeiro, mesmo!”!

    E caramba, já havia ouvido falar nesse tal “fecho éclair”, mas nem mesmo tinha noção de que seria isso, exceto que serveria para “fechar” algo, rs…

    Bem que poderia colocar a imagem no final do texto né, ficaria mais curioso, pow, já sabia o fim logo no início…

  2. Essa história de “verdadeiro” é porque não suporto mais receber coisas totalmente descabidas, acéfalas, pusilânimes e que são creditadas a grandes mestres de nossa literatura…

    Quanto à imagem, concordo em gênero, número e degrau… Pedido atendido, chefia!

    [ ]s!

  3. Oi Adauto! E olhe que lá em casa se chamava o tal alfinete de segurança de … “broche”! Eu ainda chamo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *