Sobre a “entrevista” de ontem

Que foi aquilo?

Bonner versus Dilma?

Aquilo não foi uma entrevista.

Muito menos um debate.

Aquilo foi um acinte.

Mas não fiquemos na mera opinião deste que vos tecla.

Vejamos simplesmente uma das primeiras referências que aparece no Google, lá do BrasilWiki:

Auxiliado no ponto eletrônico pelos diretores do Jornalismo da TV, Carlos Henrique Schroeder e Ali Kamel, Bonner fazia acusações, Dilma tentava responder, mas o editor do JN impedia, recusava-se a escutar. Era como se não aceitasse as argumentações de Dilma. Esqueceu-se de algo fundamental: a candidata não falava para ele, mas para os quase 80 milhões de brasileiros ligados no jornal. Por várias vezes interrompeu a petista até que, com um gesto, Fátima Bernardes pediu para que ele parasse. Ficava evidente assim o destempero.

(…)

O destaque esdrúxulo ficou para a destemperança do editor-chefe do Jornal Nacional, William Bonner, pois não há razão para que agisse assim. O problema é que, para manter a igualdade de tratamento, justa e esperada, Bonner precisará manter a mesma postura para os outros candidatos, o que significa, por exemplo, cobrar de José Serra a aliança com Orestes Quércia, ou sobre o fato de José Roberto Arruda ter sido considerado o vice de seus sonhos, tudo com a mesma intensidade que fez com Dilma. A conferir.

2 thoughts on “Sobre a “entrevista” de ontem

  1. (Obs.: o captcha me pediu uma soma que dá… 13! Há algum significado aí…)

    Mas, vamos lá: só vi hoje a entrevista — tá aqui: http://www.youtube.com/watch?v=_cKmTkntjJg

    Resumo da ópera: aquele *chega-pra-lá* da Fátima no Bonner, pra que a Dilma terminasse de falar, foi fantástico. Bonner deve ter ido dormir no sofá essa noite. De resto, faço minhas as suas palavras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *