7 out 2007 - 18:52  

“Antigamente”

Já fazia um tempinho que eu não comprava nenhuma edição da revista Língua Portuguesa, mas a última – agora de outubro de 2007 – me chamou a atenção pela quantidade de matérias interessantes, a começar pela chamada da capa: “O humor de Guimarães Rosa”.

Dentre vários textos deliciosos (suculentos, eu diria) temos um pequeno comparativo sobre as traduções da obra de Gilbert Keith Chesterton (1874-1936); alguns estudos etimológicos sobre a evolução da língua em detrimento da escrita (quando se fala, por exemplo, “lidileiti” ao invés de “litro de leite”); os casos de nomes curiosos e incomuns, segundo levantamentos feitos por Mário Souto Maior (e não aquelas invencionices que circulam pela Internet); e mais algumas outras matérias de maior ou menor relevância – vocês sabiam que a nossa boa e velha cachaça pode ser encontrada com os mais diversos nomes pelo país afora, tais como: abrideira, caeba, moça branca, guampa, porongo, meropéia, pelecopá, penicilina, rama, cotréia, canjebrina, caiana…

Mas uma das matérias que mais gostei foi a entitulada “As línguas mudam”, de José Luiz Florin. Nela o autor traz alguns comparativos sobre a evolução da língua brasileira, e cita trechos de uma crônica de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) que visa demonstrar o fenômeno da mudança do idioma. Segundo o autor, “Esse texto, publicado em Poesia e prosa (Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1983, p. 1320-1321), mostra que muitos termos e expressões, corriqueiros num determinado período, deixam de ser usados e tornam-se incompreensíveis em outro. é o que acontece com grande parte do vocabulário com que o texto é construído (…)”.

Contagiado com os trechos que li, fiquei ansioso por conhecer o restante desse texto. Como na Internet, sabendo fuçar, podemos encontrar praticamente TUDO (“santo Google, Batman!”), segue, na íntegra, a crônica Antigamente, de Carlos Drummond de Andrade.

I – ANTIGAMENTE, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo não sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas ficava longos meses debaixo do balaio. E levavam tábua, o remédio era tirar o cavalo da chuva e ir pregar em outra freguesia. As pessoas, quando corriam, antigamente, era de tirar o pai da forca, e não caíam de cavalo magro. Algumas jogavam verde para colher maduro, e sabiam com quantos paus se faz uma canoa. O que não impedia que, nesse entrementes, esse ou aquele embarcasse em canoa furada. Encontravam alguém que lhes passava manta e azulava, dando às de Vila-diogo. Os idosos, depois da janta, faziam o quilo, saindo para tomar a fresca; e também tomavam cautela de não apanhar sereno. Os mais jovens, esses iam ao animatógrafo, e mais tarde ao cinematógrafo, chupando balas de altéia. Ou sonhavam em andar de aeroplano; os quais, de pouco siso, se metiam em camisa de onze varas, e até em calças pardas; não admira que dessem com os burros n’água.

HAVIA OS QUE tomavam chá em criança, e, ao visitarem família da maior consideração, sabiam cuspir dentro da escarradeira. Se mandavam seus respeitos a alguém, o portador garantia-lhes: “Farei presente.” Outros, ao cruzarem com um sacerdote, tiravam o chapéu, exclamando: “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”; ao que o Reverendíssimo correspondia: “Para sempre seja louvado.” E os eruditos, se alguém espirrava – sinal de defluxo – eram impelidos a exortar: “Dominus Tecum.” Embora sem saber da missa a metade, os presunçosos queriam ensinar padre-nosso ao vigário, e com isso punham a mão em cumbuca. Era natural que com eles se perdesse a tramontana. A pessoa cheia de melindres ficava sentida com a desfeita que lhe faziam, quando, por exemplo, insinuavam que seu filho era artioso. Verdade seja que às vezes os meninos eram encapetados; chegavam a pitar escondido, atrás da igreja. As meninas, não: verdadeiros cromos, umas tetéias.

ANTIGAMENTE, certos tipos faziam negócios e ficavam a ver navios; outros eram pegados com a boca na botija, contavam tudo tintim por tintim e iam comer o pão que o diabo amassou, lá onde judas perdeu as botas. Uns raros amarravam cachorro com lingüiça. E alguns ouviam cantar o galo, mas não sabiam onde. As famílias faziam sortimento na venda, tinham conta no carniceiro e arrematavam qualquer quitanda que passasse à porta, desde que o moleque do tabuleiro, quase sempre um “cabrito”, não tivesse catinga. Acolhiam com satisfação a visita do cometa, que, andando por ceca e meca, trazia novidades de baixo, ou seja, da corte do Rio de Janeiro. Ele vinha dar dois dedos de prosa e deixar de presente ao dono da casa um canivete roscofe. As donzelas punham carmim e chegavam à sacada para vê-lo apear do macho faceiro. Infelizmente, alguns eram mais que velhacos: eram grandessíssimos tratantes.

ACONTECIA o indivíduo apanhar constipação; ficando perrengue, mandava o próprio chamar o doutor e, depois ir à botica para aviar a receita, de cápsulas ou pílulas fedorentas. Doença nefasta era phtysica, feia era o gálico. Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os meninos lombrigas, asthmas os gatos, os homens portavam ceroulas, botinas e capa-de-goma, a casimira tinha de ser superior e mesmo X.P.T.O. London, não havia fotógrafos, mas retratistas, e os cristãos não morriam: descansavam.

MAS TUDO ISSO era antigamente, isto é, outrora.

II – ANTIGAMENTE, os pirralhos dobravam a língua diante dos pais, e se um se esquecia de arear os dentes antes de cair nos braços de Morfeu, era capaz de entrar no couro. Não devia também se esquecer de lavar os pés sem tugir nem mugir. Nada de bater na corcunda do padrinho, nem de debicar os mais velhos, pois levava tunda. Ainda cedinho, aguava as plantas, ia ao corte e logo voltava aos penates. Não ficava mangando na rua nem escapulia do mestre, mesmo que não entendesse patavina da instrução moral e cívica. O verdadeiro smart calçava botina de botões para comparecer todo liró ao copo d’água, se bem que no convescote apenas lambiscasse, para evitar flatos. Os bilontras é que eram um precipício, jogando com pau de dois bicos, pelo que carecia muita cautela e caldo de galinha. O melhor era pôr as barbas de molho diante de um treteiro de topete; depois de fintar e de engambelar os coiós, e antes que se pusesse tudo em pratos limpos, ele abria o arco. O diacho eram os filhos da Candinha: que somava a candongas acabava na rua da amargura, lá encontrando, encafifada, muita gente na embira, que não tinha nem para matar o bicho; por exemplo, o mão-de-defunto.

BOM ERA TER costas quentes, dar as cartas com a faca e o queijo na mão; melhor ainda, ter uma caixinha de pós de pirlimpimpim, pois isso evitava de levar a lata, ficar na pindaíba ou espichar a canela antes que Deus fosse servido. Qualquer um acabava enjerizado se lhe chegavam a urtiga no nariz, ou se o faziam de gato-sapato. Mas que regalo, receber de graça, no dia-de-reis, um capado! Ganhar vidro de cheiro marca Barbante, isso não: a mocinha dava o cavaco. Às vezes, sem tirte nem guarte, aparecia um doutor pomada, todo cheio de nove horas; ia-se ver, debaixo de tanta farafo era um doutor mula ruça, um pé rapado, que espiga! E a moçoila, que começava a nutrir xodó por ele, que estava mesmo de rabicho, caía das nuvens. Quem queria lá fazer papel pança? Daí se perder as estribeiras por uma tutaméi, um alcaide que o caixeiro nos impingia, dando de pinga um cascão de goiabada.

EM COMPENSAÇÃO, viver não era sangria desatada, e até o Chico vir de baixo vosmecê podia provar uma abrideira que era o suco, ficando na chuva mesmo com bom tempo. Não sendo pexote, e soltando arame, que vida supimpa a do Degas! Macacos me mordam se estou pregando peta. E os tipos que havia: o pau-para-toda-obra, o vira-casaca (este cuspia no prato em que comera), o testa-de-ferro, o sabe-com-quem-está-falando, o sangue-de-barata, o dr. Fiado que morreu ontem, o Zé-povinho, o biltre, o peralvilho, o salta-pocinhas, o alferes, a polaca, o passador de nota falsa, o mequetrefe, o safardana, o maria-vai-com-as-outras… Depois de mil peripécias, assim ou assado, todo mundo acabava mesmo batendo com o rabo na cerca, ou simplesmente a bota, sem saber como descalçá-la. Mas até aí morreu o Neves, e não foi no dia de São Nunca de tarde: foi vítima de pertinaz enfermidade que zombou de todos os recursos da ciência, e acreditam que a família nem sequer botou fumo no chapéu?




11 Comentários

  • Eu gostei muito dessa sua historia e fiqiuei muito interesado e achei muito boa e seu pai era muito inteligente

    E gostei muito dele mas eu queria que ela foce vivi mas gostei muito dele

  • Robson, com certeza esse texto não só tem um quê de nostálgico como também de saboroso. Você começa a ler e fica ávido em “experimentar” o que vem logo a seguir…

    Mas Carlos Drummond de Andrade, apesar de termos o mesmo sobrenome, não era meu pai. Sequer saberia lhe dizer se seríamos parentes. O meu pai mesmo, do alto de seus setenta anos, continua bem vivo, lúcido e forte!

  • Querido, vc teria a tradução das expressões para o dia de hj?

    Estou curiosa…algumas eu não consegui interpretar por falta de conhecimento!

    Bjos

  • Dalva, façamos o seguinte: me diga quais expressões ficaram em suspenso e – dentro de minhas possibilidades – eu ajudo a “traduzir”, ok?

    Abração!

  • Adauto,Gostaria de saber o significado de mademoiselles,completavam primaveras,janotas,rapagoes,pé-de-alferes,arrastando a asa,balaio.Sou jovem mesmo.

  • GOSTEI MUITO APESAR DE NÃO ENTENDER ALGUMAS PALAVRAS , MAIS É MUITO INTERESSANTEMENTE É DAHORA BRODER!!!!!!!!!!!!!!

  • sendo eu portugues nao sou o ser mais indicado para poder traduzir as várias expressoes do texto,contudo estou bastante curioso para saber seu significado.principalmente,(levar a lata,e ficar na píndaiba)por ser portugues,e apreciar que na mesma lingua,português de portugal,e português do brasil,se entendem tao bem e na realidade,nao entendem é nada.curioso nao è?

  • Estou precisando desse texto com as novas palavras de hoje para um trabalho da escola, será que podem me mandar.

  • É uma maravilha podermos conhecer sabedorias tão relevantes. Inteligentíssima a maneira como o linguajar dos costumes é apresentado; corriqueiro e bem adaptado. Como sou sertaneja, as pronuncias não estão longe dos nossos palavreados. Que maneira supimpa de avivar a comunicação popular da nossa gente. Ganhei o domingo. Parabéns!!!

  • Eu tenho uma prova que vai começar em breve, e eu teria que estudar este texto, só que eu não entendi algumas palavras, poderia ‘traduzi-las’?

    Obrigado, até logo!

  • eu tive muito pouco conhecimento sobre Carlos Drummond de Andrade e seus livros mas ao pouco q vi de sua arte já vi q é um ótimo escritor adoro ler histórias novas de aventura e suspense etc.mas se tudo der certo no meu futuro vou editar um livro sobre a vida de uma estudante.

    parabêns pelos seus longos anos de vida e seus livros

Tem alguma coisa a dizer? Vá em frente e comente!


Digite abaixo quanto é 2 + 7? (ora, vamos: você consegue...)