Coisas que advogados NÃO precisam para amar seu trabalho

Vendo o que a Renata escreveu outro dia aqui, me deu vontade de tentar fazer algo no mesmo estilo mas que dissesse respeito aos advogados. Sei que já rolou pela Internet algumas coisas parecidas, mas resolvi dar um foco mais pessoal ao texto. Vamos lá:

1. Advogados têm seu tempo e modo certo de operação. Não se desespere porque o seu advogado ainda não entrou com aquela ação ou ainda não fez aquela petição. A maior parte dos assuntos precisa ser estudado, pensado, revisto, até que se dê origem a uma linha de raciocínio que deverá ser a melhor possível para atender àquela demanda específica. E isso leva tempo. Como diria Calvin, nossa experiência, nosso talento, nossa criatividade não pode simplesmente ser ligada e desligada a qualquer momento. Temos que estar no modo certo de operação. E esse modo é nada mais nada menos que o pânico do último minuto…

2. Outra coisa: se seu advogado disser que o processo está concluso, sob análise do juiz, tramitando no cartório, aguardando publicação, etc, acredite. É verdade. Tá, vá lá, em 99% dos casos, então. Lembre-se que a legislação fixa prazos rígidos, os quais os advogados têm que cumprir. Ao contrário dos juízes. Se aquele seu amigo que entrou com uma ação idêntica à sua e na mesma época já resolveu o problema dele, MUITO provavelmente o juiz que julgou não terá sido o mesmo que está cuidando de seu caso. Sorte do seu amigo. Excesso de processos tramitando, necessidade de estudos maiores pela complexidade do caso, mudança de varas, pauta de audiências lotada, alteração de professor da academia, cachorrinho (poodle, com certeza) que ficou doente, mudança no horário da programação da TV, chegada do Horário de Verão, bem como quaisquer outras situações de relevante interesse (público?) são alguns dos motivos que implicam no atraso dos juízes na elaboração de sentenças. Deixe o pobre de seu advogado fora disso.

3. Advogados atendem consultas em seu escritório. Alguns cobram por isso, outros não. Se você encontrar um advogado no shopping, ele estará fazendo compras; se você encontrá-lo numa festa, ele estará se divertindo; se você encontrá-lo no escritório, ele estará atendendo. É importante não inverter ou misturar essa ordem. Nada é mais irritante que aquela famosa frase: “Doutor, só uma perguntinha..”. E o sujeito começa a contar tudo o que aconteceu desde Adão e Eva, meio que exigindo que você tenha todas as respostas jurídicas DO MUNDO ali, na hora. Nesses momentos, por favor, deixe-nos em paz. Por incrível que pareça, também somos filhos de Deus e temos direito a um descanso de vez em quando. Garanto que se eu fosse um ginecologista ninguém chegaria no meio de uma festa dizendo: “Doutor, você poderia só dar uma olhadinha…”

4. Aliás, esse negócio de “Doutor” é mais uma questão de ego que qualquer outra coisa. E muitas vezes um ego plantado por terceiros, pois originalmente o bacharel nem ligava. Mas existem advogados que fazem questão de que os chamem de “doutor”. Isso é caso a caso, uma questão de opção que – talvez – deve ser respeitada. Particularmente acho uma bobagem muito grande. Não é uma alcunha dessa que vai fazer com que o sujeito seja melhor ou pior, mais competente ou não. Sou da opinião que devemos ser simplesmente chamados pelo próprio nome – é bem mais fácil. Mas, se por um acaso, ao proceder assim, seu advogado der uma emendada do tipo: “Fulano, não – DOUTOR Fulano”, desconfie. Egos inflados nem sempre revelam profissionais competentes.

5. Falando em profissionais competentes, vale a antiga máxima: “o hábito não faz o monge”. Como já foi dito ali em cima, advogados têm vida própria – não advogam 100% do tempo (ainda que eu conheça alguns que fazem o tipo). Se encontrar seu advogado após o expediente (ou até mesmo durante ele) de bermudão, chinelo de dedo, camiseta, barba por fazer, entenda que mesmo advogados podem ter seu momento de relaxar. Isso também vale para as advogadas (com exceção do “barba por fazer”, ok?). Advogados também bebem cerveja, falam palavrão, discutem na mesa. Somos seres humanos. Na maior parte do tempo, pelo menos. Nossa competência não está vinculada a um Armani. Podemos ter a possibilidade de resolver todos os problemas jurídicos do mundo e ainda assim sermos encontrados dirigindo um mero Opala 79. Respeite nossa individualidade.

6. Como já dizia Juca Chaves: “Parente, amigo da gente e vizinho da frente é que nem dente: quanto mais separado, melhor pra ser tratado”. Se você se encaixar em alguma dessas situações com relação a seu advogado, não fique chateado se ele recusar a causa. Não só é uma coisa natural, como um meio eficaz de auto-defesa. Para si e para os outros. Se, numa situação dessas, o advogado ganhar a causa – que pela situação peculiar, sequer deve ter cobrado honorários – sob os olhos do cliente ele não fez mais que a obrigação. Ah, mas se perder… Também sob os olhos do cliente vai ser porque não deu a devida atenção, porque era amigo mesmo, se tivesse recebido teria feito um serviço melhor, quem mandou procurar um advogado quebra-galho, se tivesse falado com fulano ou beltrano teria sido diferente… Enfim, de qualquer jeito o infeliz do advogado leva na cabeça. Então é melhor não fazer. Compreenda, aceite e procure outro, certo?

7. Falando em honorários, entenda que um advogado não necessariamente cobra caro por aquilo que faz. Tá certo, tem alguns que cobram, mas vamos pensar um pouco melhor. Cobrar, sei lá (tô sem a tabela aqui), mil reais por uma reintegração de posse, não é necessariamente caro. “Mas basta fazer uma ‘petiçãozinha’ pro juiz e pronto”, poderiam argumentar. É, só que o processo não acaba ali. Mesmo uma “açãozinha simples” dessas pode ficar tramitando durante anos – eu disse ANOS – pela justiça. E quem é que tem o dever, obrigação e responsabilidade de acompanhar pari passu a bendita da ação? Sim, o advogado que você contratou. Durante todos os anos vindouros. Sem cobrar absolutamente nada a mais por isso. Você já entrou no imóvel, reformou, usufruiu, muitas vezes até vendeu. E o marmitão continua lá, tendo que ir ao Fórum, umbigo no balcão, vendo o que está se passando no processo. Tenha consciência disso e peça desculpas pelas vezes que já reclamou do valor dos honorários cobrados por seu advogado.

8. Inclusive, existe uma tabela para cobrança de honorários, que fixa o valor mínimo – e, às vezes, o máximo – que pode ser cobrado, de acordo com cada ação. Advogados sérios e responsáveis obedecem os parâmetros da tabela. Parcelamos, facilitamos, fazemos até mesmo algum tipo de “carnêzinho-Casas-Bahia”. Mas não deixamos de cobrar o que é justo. Tá certo que sempre algum cliente vai falar algo do tipo: “Mas aquele outro advogado ali cobra a metade do preço”. Tãotáintão. Vai lá. Contrate-o. E boa sorte. Tomara que dê tudo certo. Mas, quando, quer dizer, se der algo errado e você voltar ao advogado anterior, não tenha dúvidas: ele não só vai cobrar exatamente a mesma coisa que tinha lhe falado antes, como talvez ainda tenha algum adicional para desfazer as cagadas os erros de seu antecessor. Portanto não regateie. Se você confia em seu advogado, também deve confiar que ele vá ter bom senso o suficiente para fixar honorários de acordo com o que é justo para a situação específica que você se encontra. Tenha também consciência disso e peça desculpas novamente pelas vezes que já reclamou do valor dos honorários cobrados por seu advogado.

9. Advogado é um bicho de extrema confiança. Aliás, confiança é a palavra-chave para designar a relação cliente-advogado. E confiança implica em não ficar perguntando para outros advogados se o que o seu advogado está fazendo está certo ou não. É uma situação extremamente chata, pois, eticamente falando, outros advogados não teriam que ficar dando palpite (mesmo assim, o fazem). E se seu próprio advogado contratado descobre que você anda fazendo essas perguntas (pois temos uma rede de comunicação maior do que se possa imaginar), pode chegar a atitudes extremas, como até renunciar à causa. Se você confia em seu advogado, não questione. Se não confia, destitua-o e contrate outro. Se seu advogado o prejudicou de alguma forma porque não trabalhou a contento (pois péssimos profissionais existem em todas as áreas), além de destitui-lo e contratar outro, denuncie. A Ordem dos Advogados não é nenhuma “máfia” que teria por função proteger seus membros. Se o caboclo for tão ruim, tem mais é que ser investigado mesmo, de modo que se abram vagas para outros profissionais competentes que existam no mercado.

Pois bem, é isso. Tô saindo para um curso. Volto daqui dois dias para responder eventuais comentários…

12 thoughts on “Coisas que advogados NÃO precisam para amar seu trabalho

  1. Coisas que você (fora um advogado) NÃO precisa para Amar seu Trabalho:
    1º Um Advogado;
    2º …. ainda tô tentando descobrir o resto …

    Brincadeiras a parte, quero deixar aqui meu agradecimento, admiração e respeito pela Drª Milena que só faz honrar essa classe.
    Meu muito obrigado.

    P.S.: Eu ñ a parei no shopping p/ para fazer perguntas e nem reclamei que ela estava cobrando caro .rs..

  2. Pois é, Marcelo, brincadeiras à parte… se bem que, ainda que fosse sério, qual o problema? Entendo que um dos sinais da maturidade é justamente a capacidade de poder rir de si próprio – e isso inclui também a própria profissão!

    Mas, como ia dizendo, tá aí seu registro de agradecimento à Milena (desculpa, “doutora” não rola). Concordo em gênero, número e grau. Primeiro porque ela é meu braço direito pra TUDO lá no trabalho. E, segundo, porque sua competência (a dela) já foi mais que comprovada.

    Agora chega de rasgação de ceda. Vamtrabaiá!

  3. Há muito não via uma avaliação tão pertinente sobre a nossa profissão. Acrescida de uma boa dose de humor (só a citação do Juca Chaves já valia…), requisito indispensável para a sobrevivência na selva jurídica. Tive até o pensamento malévolo de enviar com os votos de boas festas para os amados clientes, só a título de contribuição (e citando a fonte!) para uma reflexão humanística, a fim de tentar amenizar os maus tratos que recebemos, dos serventuários, dos magistrados e promotores e, vejam, dos amados clientes , às vezes todos ao mesmo tempo, às vezes alternadamente…
    Parabéns ao dr. Adauto que me faz pensar na perspicácia e pertinência de um seu xará – o Suannes. Cordial abraço.

  4. Gisela, se for pra ser malévola com os clientes, então dê uma olhada nesse link aqui: http://www.legal.adv.br/?p=532 . Sempre achei impagável (perdão pelo trocadilho). E na questão dos maus tratos, acho que na maior parte das vezes os clientes ganham. Se bem que o páreo é duro.Mas obrigado pelos elogios. Independentemente disso creio que ainda estou a anos-luz da perspicácia ferina do Adauto (não, não estou me tratando na terceira pessoa), vulgo desembargador Suannes. Quem sabe um dia chego lá?… Abraços, e visite-nos sempre!

  5. Cheguei aqui, depois de um tremendo aborrecimento, fazendo busca sobre como lidar com cliente folgado, abusado, sem educação, etc.
    Comecei a estudar Direito com 17 anos e nem me lembro mais de quando não estava no meio. O problema é que NÃO AGUENTO MAIS O CLIENTE!!!! E o problema maior é que PRECISO DO INFELIZ PARA VIVER!!!
    Sou profissional liberal por opção. Amava advogar . Ainda amo. Só não consigo mais aturar a falta de educação dos cliente.
    Para ter uma idéia, foi mencionar só o problema que tive hoje há pouco: tenho uma cliente (recente) que por uma DESGRAÇA INOMINÁVEL obteve o telefone de minha residencia (é funcionária do colegio de meus filhos) e por mais que eu lhe entregue cartões com os nºs do escritório e do celular, com dias e horários e a a expressão “HORA MARCADA” ela insiste em ligar para casa. Às vezes, estou e não atendo. Então ela prossegue tocando até às 23:00h.
    Como se não bastasse, pensa que meu telefone (tanto o residencial quanto o celular) é um “0800”. Patrocino uma ação de risco para ela, onde ainda vou demorar muitos anos para ver algum pagammento. Todavia, parece que me paga com exclusividade para lhe atender em todas as dúvidas jurídicas que tem (de todas as áreas possíveis e imagináveis). Ontem (DOMINGO)chegou ao cumulo de mandar o marido ligar para meu celular dizendo: Desculpe-me. Sei que é domingo, mas gostaria de fazer uma consulta… Interrompi dizendo que estava dirigindo na estrada (para não manda-lo para aquele lugar). Ele perguntou se poderia ligar mais tarde. Falei que não e ele arrematou: Então, ligarei amanhã.(!!!) O pior é que há muitos clientes abusados, folgados e sem educação. Fico me segurando para não romper de vez a relação, mas é dificil. O que fazer com tal pessoa? Como colocá-la no lugar sem criar um clima constrangedor? A criatura é tal inconveniente que na última vez em que fui buscar o boletim de meu filho no cole´gio, ela me “alugou” (no mau sentido; pois quisera eu que tivesse mesmo me alugado, ou seja, pago pelo tempo que me tomou) de tal modo que acabei indo embora sem o boletim e sem assinar a lista de presença. Depois de 25 anos de formada, confesso: NÃO SEI LIDAR COM ISTO !!! NÃO SEI COLOCAR OS CLIENTES NO DEVIDO LUGAR SEM PROVOCAR UMA SITUAÇÃO IRREVERSÍVEL. Ninguém faz isto com um médico! Por outro lado, FAÇO MINHA PARTE , NÃO DANDO INFORMAÇÕES NOS CORREDORES DOS TRIBUNAIS A CLIENTES DE OUTROS ADVOGADOS OU DA DEFENSORIA PÚBLICA. Respondo sempre que devem procurar seus advogados ou se puderem, me contratarem posto que sou advogada particular (os defensores publicos ganham) e não trabalho de graça. Penso que a culpa é dos maus profissionais que dão consultas gratuitas e palpites em processos que estão sob o patrocinio de outros colegas, além de aviltarem a profissão atendendo em qualquer lugar, a qualquer hora e sem cobrar. Se puder me ajudar, agradeço. Bjs.

  6. Legal! A advocacia é um ramo tão mal entendido que um texto desse serve como auto ajuda. Maravilha, pela pitada de humor também.

  7. Luiza, não tem jeito. Ou você está na profissão errada ou no ramo de direito errado. Falo isso por experiência própria, eis que somente me “encontrei” quando passei a trabalhar com Direito Administrativo, ou seja, Administração Pública. Muito melhor, mais rápido, confiável, quase que sem competição e que, técnica e profissionalmente, me traz muita satisfação. E, com certeza, o “cliente” não tem esse comportamento conforme você descreveu…

    Pense nisso.

    Natanael, só posso agradecer! O que seria de nossa vida se, sobretudo, tivéssemos que nos levar a sério…

  8. Defendendo a clientela:
    É certo que existem pessoas que são inconvenientes, mas são a minoria, assim como existem os advogados que se julgam estrelas e muitas vezes não definem uma situação, causando ansiedade às pessoas que os procuram para obterem uma resposta aos seus problemas. Muitas vezes os advogados, talvez até porque não relembram os ensinamentos de sociologia, cuja matéria imprescindível é o tratamento com o público, se atêm unicamente ao valor da causa, deixando de lado o bem maior da advocacia que é defender, dar o acalento necessário ao resignado por alguma razão, são os rotulados mercenários. Quando o cliente se dirige ao escritório de alguns advogados, a 1ª coisa que o OPERADOR DO DIREITO vê é o valor da causa que discutirá. Se for insignificante pra ele, dispensa na hora. Portanto, ao meu ver existem advogados e advogados. O autêntico advogado, atende seus clientes de forma atenciosa e sendo o cliente “folgado”, termo este inadequado pra referir-se a clientes, basta ter uma conversa franca. O advogado antes de tudo deve ser um político nato, saber lidar com situações diversas e entre estas, estão as pessoas destituidas de comportamento apropriado. Certa advogada que conheci, imitava até a sua própria secretária pra dizer que não estava. Enfim esses são a minoria, pois, a grande maioria dos advogados valoriza seus clientes, o que enobrece a categoria na sociedade, porquanto, atrás de uma pequena causa, poderá vir uma grande causa. É o que eu penso e não sou advogado, infelizmente, mas profundo apreciador do Direito.

  9. Sou estudante de Direito, e concordo com o Jandir.
    Não se pode generalizar todos os clientes como “folgados”, exprssão dita anteriormente, e nem todos os advogados como más profissionais, ou como deuses.
    Cada um deve se posicionar no seu devido lugar, cliente como cliente e advogado como advogado, sem exageros, sem más situações!!!
    Pretendo me especializar na área do direito penal, e espero não encontrar com situações tão adversas como essas citadas acima.
    Mesmo assim, adorei o blog, e visitarei sempre que possível!!!

  10. Luiza, com certeza o problema esta com você, não com os seus clintes. Fora da profissão você deve receio em dizer não as pessoas também. Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *