Madrinha de guerra

Uma das premissas básicas normalmente utilizadas na escolha de quem vai ser madrinha de alguém é que deverá ser aquela pessoa que, na falta dos pais, tenha condições de assumir esse papel. E, no meu ponto de vista, não estamos falando da questão material, mas sim sob a ótica da moral, da idoneidade da pessoa. O próprio dicionário já traz como acepções da palavra “madrinha” os termos “protetora, auxiliadora”.

Pois bem.

A Fernanda, uma grande amiga, tem a Carol como afilhada. E, por uma série de eventos, ela (a afilhada) foi parar numa competição de basquete contra um time que detinha nítida vantagem na quadra. Mesmo assim, não esmoreceu. Foram até o fim. Amargo fim. Heróico fim.

As palavras de consolo da madrinha para a afilhada são de uma sensibilidade ímpar. Dignas de serem gravadas numa placa. Feliz dela por ter uma madrinha assim, tão dedicada.

Eis, na íntegra, sua ode:

E a criança meiga, de sorriso alegre e coração ‘gigantesco’, venceu mais uma etapa.

Dia 18 de março de 2007.

Um dia que poderia ser comum, sem grandes acontecimentos.

Um domingo qualquer na folhinha do calendário.

Mas não, foi um dia pra lá de especial.

Um dia, que mesmo com derrota no placar, vai ficar guardado em nossos corações.

E tudo começou assim:

Acorda cedo, corre pra não perder a hora, pega tudo meio que atravancando e segue para o Antigo Trianon.

Chega lá e olha o tamanho das meninas do outro time, são gigantes, mas só na estatura.

Gigante foi você, que aceitou o desafio e entrou em quadra.

Vestiário, técnico, equipe, tudo ali começa a formar o dia especial.

O Secretário de Esportes fala ao microfone dando boas vindas às equipes e explica que o time da casa está há apenas um mês treinando, mas isso também é só mais um detalhe.

Aí vem o hino, presente em competições oficiais.

Quando escuto o hino sempre me emociono, ele é lindo.

Mas em 18 de março de 2007 foi o dia que escutei o hino da maneira mais diferente.

Nem sei explicar direito, foi mais emocionante do que ouvir com alguma seleção brasileira de alguma modalidade.

Mas não, era você que estava lá. Dando mais um passo rumo ao crescimento pessoal e moral.

Nem se assustou com tanta gente. Estava concentrada e linda, como sempre.

Deus permita que seu caminho seja trilhado no bem.

É gratificante ver o resultado da dedicação das pessoas que te acompanham e o que está acontecendo em sua vida.

Não perca essa luz, com sabedoria e respeito ao próximo você vai longe.

149 x 7 .

Isso é apenas um detalhe.

O que importa mesmo é a vitória pessoal.

E bola pra frente que outros dias virão e com certeza o placar será diferente, é só você acreditar.

Eu te amo minha querida afilhada, que eu me permito chamar de filha, mais do que você pode imaginar.

SUCESSO.

6 thoughts on “Madrinha de guerra

  1. Valeu meu amigo, vou mostrar pra Carol assim que possível, ela vai adorar.
    Obrigada pelas palavras.
    Beijo no coração.

  2. Fê, o comentário é para você, que não tem a mínima noção do papel que vem desempenhando na vida da Carol. Também tenho uma madrinha super presente em todos os momentos importantes da minha vida, sejam eles tristes ou alegres. Ela sempre foi como você, e até hoje, no alto dos meus vinte e sete anos, ela ocupa um lugar super importante na minha vida. Tenha certeza que estas atitudes suas farão da Carol uma pessoa especial… irretocável e humana, da mesma forma que você é!!!

  3. lindas palavras,euzinho vou mandas fotos do timaço c aço. ñ deste jogo heroico + de um outro grande jogo da nossa querida eqpe, tmb de treino.

  4. Valtinho, vi as fotos – ficaram ótimas! Só não coloco aqui porque – você sabe – sem a autorização da fotografada é meio complicado…

    Mas, parabéns! Você continua um excelente fotógrafo – ou seja, já passou da fase do lambe-lambe…

    😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *