A Verdade Nua e a Parábola

Nesses nossos tempos em que o discurso midiático tem deixado muito a desejar (aliás a revista Língua Portuguesa deste mês tem um ótimo artigo sobre isso), segue um texto bastante interessante, descaradamente copiado lá do Blog do João David:

A Verdade Nua caminhou pela rua um dia.
As pessoas viraram o olhar para outro lado.

A Parábola chegou, adornada e bem vestida.
As pessoas a saudaram com alegria.

A Verdade Nua sentou-se solitária, triste e despida.
“Por que você está tão triste?” – perguntou a Parábola.

A Verdade Nua respondeu: “Não sou mais bem-vinda.
Ninguém quer me ver. Eles me expulsam de suas portas.”

“É difícil olhar para a Verdade Nua” — comentou a Parábola.
“Deixa-me vesti-la um pouco. Certamente, você será bem recebida”.

A Parábola vestiu a Verdade Nua com um vestido fino feito de narrativa, com metáforas, uma prosa incisiva e enredos cheios de inspiração.

Com riso e lágrimas e aventura a se revelar, juntas elas começaram a desfiar uma estória.

As pessoas abriram suas portas e serviram a elas o que havia de melhor.
A Verdade Nua vestida de estória era uma convidada muito bem-vinda.

(Conto judaico, readaptado por Heather Forest)

2 thoughts on “A Verdade Nua e a Parábola

  1. Todavia, porém, entretanto… a Verdade verdadeira, deixou de ser nua, para calcar na ilusão humana uma vaga hipótese de um dia, quem sabe, ser desvestida e aceita, sem máscaras, sem roupas – doa a quem doer.

  2. Só que essa aceitabilidade está mais para quem recebe do que para quem oferta. Ou seja, não tem como a Verdade Nua ser sujeito ativo nessa situação. Daí a IMprobabilidade de que esse dia chegue…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *