“Doutores” e algo mais…

Acabamos de passar por mais um “Dia do Advogado” (11 de agosto), e acho que convém lembrar o porquê dessa data. Como eu já havia escrito sobre isso antes, fui buscar nos velhos arquivos deste site e achei o que queria lá em 05/JUL/2004. De quebra, direto do Túnel do Tempo, veio uma lembrança de meu filhote do meio…

1. “DOUTORES”…

Se tem uma coisa que eu NUNCA vou conseguir me acostumar é com essa prepotência que existe no meio advocatício com o pseudo-título de “doutor”…

Sexta participei de uma reunião com uma advogada descompensada que levou uns dez minutos para nos atender (eu e mais dois), isso APÓS estarmos sentados à sua frente. Minha vontade era de ir embora enquanto ela ficava resmungando de si para si mesma: “essa greve atrapalhou tudo… deixa eu dar uma limpada na minha mesa… tenho audiência em outra cidade segunda pela manhã… Fulana! Cadê você?…”, etc, etc, etc.

Mas não é esse o ponto. O ponto é que começamos a reunião com ela nos tratando no tapa. Ríspida. Arrogante. “Porque eu advogo há mais de vinte e dois anos… Porque sempre estou no Fórum…”, e assim por diante. Mas QUANDO ela identificou um de nós como advogado (não, eu não), passou a tratá-lo na base do pão-de-ló: “Pois é, DOUTOR, o senhor sabe como é… Não DOUTOR, acho que assim não dá… Imagine, DOUTOR, eu sabia que o conhecia de algum lugar…”

Sabe, não tenho um pingo de vaidade no tocante a isso, mas a situação se tornou meio que insólita… No final das contas, É LÓGICO, demos boas risadas da infeliz…

Mas o fato é que normalmente a maioria dos adEvogados fazem questão de serem chamados de “DOUTOR”, mal tendo competência para o bacharelado. Sempre invocam a quantidade de anos que estão na praça, ou o número de ações que possuem, e até mesmo que estão sempre no Fórum, como se isso fosse sinal de capacidade. Pô, na realidade quem tem competência se estabelece. Pelos próprios méritos. Não é a presença ou falta de uma alcunha que vai tornar este ou aquele melhor ou pior que outrem.

E o curioso é que normalmente esse povo não tem nem idéia do porquê “poderiam” ser chamados de doutores. “Ah, porque advogado é doutor, né?”. Tá, mas por quê? Vamos a um pouco de cultura inútil…

Tudo começou há muito, muito tempo atrás, não no reino de Shrek, mas aqui mesmo, in Terra Brasilis, quando predominavam basicamente duas profissões de renome no país (normalmente de brasileiros formados na Europa): a de medicina e a de direito. E, já desde aquela época, os adEvogados se sentiram enciumados pelo fato de que seus colegas médicos eram chamados de doutores, enquanto que eles não… Para resolver o dilema, inclusive pra agradar sua tchurminha maçônica, D. Pedro I, então Chefe do Governo Brasileiro, baixou um DIM (Decreto Imperial) em 1º de agosto de 1825 (que veio a dar origem à Lei do Império de 11 de agosto de 1827), que não só criou dois cursos de Ciências Jurídicas e Sociais no Brasil, como também dispôs sobre o título (grau) de “Doutor” para o advogado. E, como não consta que essa norma tenha sido revogada…

Assim, vem daí de mais de século e meio atrás, a já arraigada prepotência de muitos advogados que até hoje fazem questão de ser tratados por “doutores”, sem sequer saber o porquê “poderiam” usar tal título…

Mas que é um absurdo, ah, isso é!

2. AND THE OSCAR GOES TO…

Vai para meu filho, Erik, pela “melhor performance espontânea”. Ontem, final da tarde, do alto de seus dois anos e meio, ele nos convocou direto do banheiro. É que ele estava fazendo “totô” (criança nunca defeca, faz “totô”) e, após terminado o serviço ele nos chamou…

Ele simplesmente continuou sentadinho, inclinou-se beeeem pra frente, abaixou a tampa do vaso sobre as costas e disse: “Paiê, Mãiê: Tartaiuga!…”

4 thoughts on ““Doutores” e algo mais…

  1. Olá, Adauto! Conheci seu blog através do respira, e passei a visitá-lo. Gostei muito das suas histórias e causos. Parabéns!
    Bom, eu tb sou advogada (em SP, Capital), e choro de rir quando vejo um pseudo-adEvogado exigindo ser chamado de doutor. Olha, eu não sei em que área vc atua, mas eu já vi cada coisa. E convenhamos, não é só advogado … e aqueles caso de funcionários dos fóruns … ai ai ai ..
    bjs, Fe

  2. Olás! Sê bem-vinda!

    Realmente… Fórum é pho… Tá certo que existe gente muito boa lá dentro (até porque a Dona Patroa trabalha no cartório de Familia), mas – infelizmente – parece que tem mais gente ainda que faz questão de vestir a camisa de “funcionário público”…

    Mas acho que o pior disso tudo é quando vem um desses adEvogados, crescem pra cima dos funcionários do cartório, dizem que vão reclamar direto com o juiz, que tudo aquilo é um absurdo, etc, etc, etc. Só que o que esses caboclos não entendem é que a maioria dos despachos (inclusive os dos juízes) são feitos pelos próprios funcionários!

    Bem, ainda que tardiamente, feliz 11 de agosto procê! Volte sempre!

  3. HAHAHAHAHAHAHAHA….. sabe que tive uma crise de riso quando lembrei desse fato? Que bom que podemos resgatá-lo e continuar rindo do papel que ela se prestou…
    Aliás, como era o nome dela mesmo? Era DOUTORA… DOUTORA……xi, esqueci…..

    Beijos

  4. Sinceramente? Acho que faço QUESTÃO de esquecer completa e totalmente o nome dessa “DOUTORA”. Provavelmente, mesmo após esses anos, deve continuar na mesma sala, com os mesmos processos e com os mesmos faniquitos! E tratando gente como menos que gente e bacharéis como mais que doutores…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *