Recarregando as baterias – carga rápida

Olha o frio aí, gente!

Bem, crianças, aqui estamos nós de novo. Baterias recarregadas, prontos pra todas! De onde vem tanta energia? Já, já explico.

Acontece que não é assim o dia todo – antes o contrário! Com a avalanche de serviço que tem chegado diariamente, mais as “missões” que me são passadas, acrescido da incompetência nata de algumas pessoas (por que ninguém aprende a perguntar direito?), o ponteirinho de meu humor vai abaixo da linha vermelha do zero.

Porém nada como algumas pequenas maldades >;) para alegrar o dia de alguém… Algo como uma bomba de anthrax no pobre do estagiário trancado na sala de xerox… Cruel. Mas divertido…

Mas esse não é o ponto. O ponto é que no decorrer de um dia usualmente sob pressão a solidão que de quando em quando sinto se faz presente, tal qual sombra que se prolonga ao entardecer. O coração fica apertado, o ânimo vai embora e a sensação de futilidade acerca de tudo e de todos acaba por tomar conta de minha convicção.

Mas ao chegar em casa, às vezes em fila, às vezes todos de uma vez, o abraço da criançada dá uma carga rápida que me dá disposição pra encarar tudo outra vez e mais um pouco ainda!

Quando eu era adolescente (tá, mais criança que adolescente) me deparei com um texto que já tinha um “cheiro” de antigo, de autor desconhecido, mas que me cativou na primeira leitura. Eu o copiei e prometi pra mim mesmo que quando tivesse um filho faria um quadro com esse texto e o colocaria na parede. Levou mais de quinze anos, mas cumpri minha promessa. O texto é o seguinte:

O que é um menino?

Os meninos se apresentam em tamanho, peso e cores sortidas. Encontram-se por toda a parte, em cima, em baixo, dentro, fora, trepados, pendurados, caindo, correndo, saltando. As mães os adoram, as meninas os detestam, as irmãs e os irmãos mais velhos os toleram, os adultos os ignoram e o céu os protege. Um menino é a verdade de cara suja, a sabedoria de cabelo esgadelhado, a esperança de calças caindo. Tem o apetite do cavalo, a digestão do avestruz, a energia da bomba atômica, a curiosidade do mico, os pulmões de um ditador, a imaginação de Júlio Verne, a timidez da violeta, a audácia da mola, o entusiasmo do buscapé e tem cinco polidáctilos em cada mão, quando pratica suas reinações. Adora os doces, os canivetes, as serras, o natal e a Páscoa; admira os reis e os livros de figuras coloridas; gosta do guri do vizinho, do ar livre, da água, dos animais grandes, do papai, dos automóveis e dos trens, dos domingos, das bombas e traques. Abomina as visitas, o catecismo, a escola, os livros sem figuras, as lições de música, as gravatas, os casacos, os barbeiros, as meninas, os adultos e a hora de dormir.

Levanta cedo e está sempre atrasado à hora das refeições. Nos seus bolsos há sempre um canivete enferrujado, uma fruta verde mordida, um pedaço de barbante, dois botões e algumas bolinhas de gude, um estilingue, um pedaço de substância desconhecida e um objeto raro, que lhe é precioso por 24 horas. É uma criatura mágica. Você pode fechar-lhe a porta do seu quarto de ferramentas mas não a do seu coração… Pode expulsá-lo do seu escritório mas não do seu pensamento. Toda a sua importância e a sua autoridade se desmoronam diante dele, que é o seu carcereiro, seu chefe, seu amo… Ele, um despótico e ruidoso mandãozinho!… Mas quando você volta para casa, à noite, de esperanças e ambições despedaçadas, ele pode compô-las num instante com as suas palavrinhas mágicas: “OH! – PAPAI!”.

E com três filhotes, ainda que com o risco de um desvio na coluna, eu consigo uma carga tripla! Vejam essa foto de hoje…

Énóisnafita!

Tirinha do dia:
Desventuras de Hugo...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *