Acabou!

Marco Aurélio

No começo, ficou todo mundo meio sem acreditar. Parecia um sonho. Depois de tanto tempo fechados em casa, finalmente chegava o final da quarentena.

— Acabou! — gritou um na rua. Outro, outro. Uma senhora da janela. — Acabou!

A humanidade podia enfim respirar. Melhor: respirar sem uma máscara na cara. A vacina demorou, mas saiu. Meses depois, o primeiro antiviral eficaz contra o novo coronavírus. Com uma esforço tremendo de governos, corporações e indivíduos de todo o globo, a doença foi erradicada do planeta.

Quando saiu a notícia, todos ficaram desconfiados. Ninguém sabia mais como sair à rua, como respirar sem duas camadas de algodão separando o rosto da atmosfera. Aos poucos foram saindo. Um, outro, outro. Acabou! Nas ruas e calçadas, começou um movimento espontâneo: pessoas jogavam suas máscaras de todos os tamanhos e formatos, com todas as estampas, despejavam álcool gel sobre elas e acendiam o fogo. Nunca mais isso.

— Vou ficar três meses sem lavar a mão!  —  disse um.

— Eu não preciso mais dar banho nas minhas compras!  —  se deu conta uma moça, maravilhada.

E a alegria quando se deram conta de que era possível novamente tocar outras pessoas? Estranhos se abraçavam e beijavam na rua. Divórcios de quarentena se desfaziam, reconstruindo casamentos. Casais de namorados separados pela pandemia tiravam o atraso de meses de desejo represado.

Foram duas semanas de glória e esperança no futuro da humanidade. A vida seria melhor, mais leve, mais solidária. Velhos rancores se amainaram. Armistícios foram declarados. Dívidas, perdoadas. O otimismo geral refletiu no mercado financeiro. Havia no ar uma promessa de prosperidade inédita na história humana.

E aí veio o asteroide.

Cavaleiros do Apocalipse

Nelson Moraes

Os quatro cavaleiros do Apocalipse entram num bar.

– Sabe – diz a Morte, recostando-se ao balcão e pedindo aquela que matou o guarda – , acho que cansei.

– Cansou do quê? – pergunta a Guerra, pedindo um Silver Bullet. – Eu, que não tenho um minuto de paz, é que já devia pendurar as chuteiras.

– Muito engraçado vocês falarem isso – diz a Fome, jogando o cardápio longe porque nele só tem bebida. – Dou expediente integral nos quatro cantos do mundo e nunca foi cogitada sequer uma licença remunerada.

– Ai, que lindo – fala a Peste, pedindo uma Corona. – As três divas agora resolveram entrar em crise existencial conjunta? O que falta mais, assinar uma nota de repúdio?

– Você só fala isso – replica a Guerra – porque não trabalha igual a gente. E só aparece de tempos em tempos. Expediente de freelancer é outra história.

– É mesmo? – a Peste volta a dizer, acentuando o sarcasmo e virando a long neck.– Pois vocês reclamam de barriga cheia (inclusive você, Fome, sua poser). Não veem o drama que é ser freelancer, e viver sempre por conta própria.

– Como assim? – pergunta a Guerra.

– Simples – a Peste responde. – Vocês todas têm quem banque vocês, queridas. Onde vocês aparecerem sempre haverá alguém respondendo pelo feito. Guerra? Não falta quem assuma a responsabilidade. Fome? É só olhar os embargos internacionais ou governantes corruptos que desviam os recursos alimentares. Morte? Potencialmente cada habitante da Terra é um assassino. Agora pra Peste não tem refresco (falar nisso, desce outra Corona). Nunca aparece um responsável por ela. Quando ela surge é sempre subestimada, tratada como detalhe ínfimo, uma doencinha, ninguém liga a mínima, e quem registra a presença dela ainda é tachado de alarmista. Mas basta ela crescer e se mostrar em toda a sua pujança pra todo mundo imediatamente começar a tirar o corpo fora: ninguém tem culpa, as autoridades teoricamente competentes lavam as mãos (sem duplo sentido, por favor), acusações são trocadas por todos os lados mas ninguém assume o estrago. No final ela sai pela porta dos fundos, como a única vilã, e a Humanidade respira aliviada, como se não houvesse tido o menor envolvimento no acontecido. A Peste fica como uma fatalidade intercorrente na História, tipo um terremoto ou tsunami, ponto. – Aí a Peste seca outra long neck. – E aí?

– É – diz a Fome. – É mesmo de perder o apetite.

– Sim – confirma a Guerra. – Viver desse jeito é uma batalha.

– É de matar, mesmo – fala a Morte. – Não tem nada pior que isso.

– Tem sim – fala a Peste, já ligeiramente bêbada.

– O quê? – dizem todas.

– Aguentar esses trocadilhos óbvios de vocês.

As outras três se entreolham, trocando um “iiiiiiiiiiiiih” imaginário e lembrando que quanto mais bêbada mais rabugenta a Peste fica. Depois de um curto silêncio – e da Peste pedir a quarta long neck – a Morte vai à jukebox e coloca It’s the End of The World as We Know It, do R.E.M., pra ver se anima a colega.

– E tem mais – estende-se a Peste, já com a voz pastosa. – Se somos as quatro do gênero feminino, o nome não tinha que ser as quatro amazonas do Apocalipse?!?

É a deixa pra Morte arrastar a Fome e a Guerra pra mesa de sinuca.

Brasil, entre o soco e o grito

Marcelo Dias

Eu não sou gamer. Gosto de jogar videogame de vez em quando. É divertido, porque nos jogos você resolve tudo na estupidez. Tem que resgatar a rainha presa em uma torre? É só enfiar a espada em todo mundo. Na vida real eu partiria para um papinho. “Bora lá tomar uma breja e ver se rola um acerto?” É menos emocionante, eu sei. Mas dói menos.

O Brasil parece que virou um videogame multiplayer gigante, onde a única solução é explodir tudo e todos até acabar com o outro time. Como videogame poderia ser divertido. Mas trata-se da vida real, então a questão não é ser divertido. Não importa quem ganhe, na vida real o time perdedor continua no jogo. Perdedores e vencedores têm que conviver. Dureza.

Eu daria um reset no Brasil, se fosse possível. Ou devolveria para os índios com um bilhetinho bacana de desculpas. Não sei se eles aceitariam. “Tá fora da garantia”, diria um cacique. Talvez o jeito seja dividir o país em dois. Uma parte para Bolsonaristas ferrenhos e outra para Lulistas convictos. Seja lá quem for ficar com o litoral, eu tô com eles. Tenho minhas convicções políticas. E troco tudo por uma praia com caipirinha.

Só que não dá para dividir o país. Nem continuar em clima de guerra. Talvez a solução seja aquela que eu citei no começo. Bora tomar uma breja?

Eu sei, não tem muita graça dizer isso, mas a solução é ter mais diálogo, sim. Antes, é bom esclarecer: “diálogo” envolve duas ou mais pessoas que falam e ESCUTAM. Duas ou mais pessoas discursando sem dar a mínima para o outro não é diálogo. É sobreposição de monólogos. E, pelo visto, quem anda por aí pedindo mais diálogo não quer diálogo coisíssima nenhuma. Quer mais espaço para falar.

Bolsonaro já disse que está “aberto ao diálogo”. E a gente sabe que Bolsonaro está para a palavra “diálogo” como Alexandre Frota está para “romantismo”. A direita prefere bater, porque bater é uma espécie de monólogo com punhos. E não pense que a oposição está melhor. A esquerda também pede diálogo, só que prefere gritar. Tanto que adora uma manifestação. Manifestação é um monólogo com megafones: fala-se alto para não dar chance de resposta.

O diálogo que todos dizem querer está perdido em algum lugar no meio, entre o soco e o grito. E isso não quer dizer que a solução seja o “centrão”. Porque o centrão não é partido, não é nada. É um balcão de mercearia.

Por isso, talvez valesse a pena aprender com o filósofo Sócrates a como estabelecer um diálogo. Ele costumava parar pessoas na rua para travar debates nos quais disparava várias perguntas. E nessa troca de ideias ele construía um raciocínio. Muitas vezes ele esmigalhava os argumentos do outro. Perceba: antes ele os ouvia. Mais do que cuspir certezas, ele fazia perguntas. Você pode até achar isso meio besta, mas não se esqueça de que ele ainda é considerado um dos maiores filósofos gregos. Respeita o cara.

Por aqui, a regra do jogo é “ninguém ouve ninguém”. É uma bela porcaria de regra que empata tudo. Quando se discutiu a redução da maioridade penal, por exemplo, ficamos encurralados entre “reduzir a maioridade” ou “deixar tudo como está”. Em termos de criminalidade, nenhuma das duas ideias resolve absolutamente nada. No mundo existe uma penca de soluções que ficam entre essas duas opções. Alguém quis estudá-las para discutir o tema? Não muito. Saiu todo mundo berrando e batendo para ver quem vencia na marra. Parece medieval. E é mesmo. É o oposto do que Sócrates faria.

Você pode continuar achando que o outro lado é ignorante, burro, comunista, fascista, tosco e “ai que ódio dessa gente”. Sem ouvir o que eles têm a dizer a coisa não anda. Não custa tentar. Quer mais diálogo? Ótimo. Mas OUÇA MAIS ALTO. Nem que seja para esmigalhar melhor os argumentos.

Nascido em 1900

Para quem está muito assustado com o que ocorre hoje, uma reflexão:

Imagine que você nasceu em 1900.

No seu 14º aniversário, a Primeira Guerra Mundial começa e termina no seu 18º aniversário. 22 milhões de pessoas morreram nessa guerra.

No final do ano, uma epidemia de gripe espanhola atinge o planeta e dura até o seu aniversário de 20 anos. 50 milhões de pessoas morrem disso nesses dois anos. Sim, 50 milhões.

No seu 29º aniversário, a Grande Depressão começa. O desemprego atinge 25%, o PIB mundial cai 27%. Isso vai até os 33 anos. O país quase entra em colapso com a economia mundial.

Quando você completa 39 anos, a Segunda Guerra Mundial começa.

Você ainda nem chegou ao topo da colina.

E não tente recuperar o fôlego.

No seu 41º aniversário, os Estados Unidos são totalmente atraídos para a Segunda Guerra Mundial. Entre os 39 e os 45 anos, 75 milhões de pessoas morrem na guerra.

Aos 50, a Guerra da Coréia começa. 5 milhões morrem.

Aos 55 anos, a Guerra do Vietnã começa e não termina por 20 anos. 4 milhões de pessoas morrem nesse conflito.

No seu aniversário de 62 anos, você tem a Crise dos Mísseis Cubanos, um ponto de inflexão na Guerra Fria. A vida em nosso planeta, como a conhecemos, deveria ter terminado. Grandes líderes impediram que isso acontecesse.

Quando você completa 75 anos, a Guerra do Vietnã finalmente termina.

Vamos tentar manter as coisas em perspectiva…

Daí eu lembrei de uma conversa com um grande e sábio amigo: “Tempos difíceis criam homens fortes, homem fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens frágeis que por sua vez criam tempos difíceis.”

A vida é um ciclo e teremos que passar nossos próprios tempos difíceis… Que possamos olhar o passado e aprender com ele, e construir um futuro verdadeiramente novo!

Autor desconhecido

Emenda à Inicial: esse sujeito aí no início do texto é meu avô paterno, Antonio de Andrade, que nasceu em 1909 e faleceu em 1969, ou seja, passou por praticamente tudo isso aí…

The Rolling Stones – Living in a Ghost Town

 

Desde 2012 o grupo The Rolling Stones não lançava uma música nova.

Até agora.

Composta por Mick Jagger e Keith (“o imortal”) Richards, Living in a Ghost Town é uma canção que fala sobre viver forçadamente em uma cidade vazia – com imagens de Londres impressionantemente deserta por conta da crise da Covid-19.

Pior do que o Coronavírus é a pandemia de imbecis

Matheus Conceição

Desde as primeiras notícias sobre a pandemia, o brasileiro vive uma saga na luta por verdades. De negacionistas a alarmistas, uma profusão de desinformações foi propagada, fazendo a população ficar confusa ao não saber de fato o que é certo ou errado. Para piorar a situação, governos estaduais e o Planalto divergem sobre medidas a serem tomadas e também sobre possíveis soluções. A conta da irresponsabilidade, contudo, parece estar chegando, com dados que demonstram que o Brasil caminha para condições iguais ou superiores às que a Itália e a Espanha apresentaram. Em meio a tudo isso, a insensatez parece ainda medrar, com surtos que, a bem da verdade, preocupam mais do que o próprio vírus. É a nudez da imbecilidade, que já não mais se esconde por estar ratificada pela torpeza da normalidade.

Quando se iniciaram as notícias sobre a pandemia do Coronavírus, o primeiro discurso foi o de tranquilidade para a população. Afinal, os dados até então demonstravam que “apenas” idosos e pessoas com doenças pré-existentes seriam possíveis vítimas fatais. Uma absurda crueldade travestida de conforto, mas que já mostrava como seria encarado por aqui o combate ao vírus. Como se já não bastasse o temor de se chegar à aposentadoria e viver uma vida de esquecimento, recebendo uma contraprestação obscena pelos anos de trabalho, a saúde dos idosos ainda relegada ao descarte. E os potenciais enfermos, preocupados em excesso por seus males cotidianos, eram da mesma forma “acalmados” pela tal naturalidade mórbida por parte das autoridades nacionais. Estroinice criminosa e desanimadora, pois.

De logo surgiram negacionistas para se apegar às conspirações. Organizaram-se nas redes, fizeram passeatas e protestos. Apoiavam-se no cego e confortável egoísmo de quem não apenas se coloca em situação de risco, mas também se porta como transmissor em potencial. Sem muito acesso à informação, considerável parcela da população adotou também o discurso de reabertura e de basta aos alarmes. Os números do país, contudo, demonstram que o pico da doença ainda sequer chegou e os leitos começam a minguar diante do crescente número de casos. Para se ter uma noção, um estudo do Observatório Covid-19 aponta que o ritmo alcançado pelo vírus no Brasil supera em velocidade os registrados na Espanha no comparativo do mesmo período. Seria dado preocupante para todo e qualquer país sério. Mas, em se tratando de Brasil…

Para a surpresa dos mais precavidos, governadores e prefeitos começam a afrouxar as medidas de isolamento. Em Santa Catarina, por exemplo, um shopping promoveu a sua reabertura com música e uma aglomeração impressionante. Os mais atentos já percebem que poucos são os que de fato estão agora confinados em restrição profilática como determina o script seguido pelo mundo. São situações contrastantes com as catastróficas cenas manauaras divulgadas, onde valas comuns coletivas às centenas foram construídas em meio ao colapso na saúde do estado. Mesmo isso não foi o suficiente para assustar o resto do país: ainda no final de semana, uma carreata pedia intervenção militar no afã de acabar com a quarentena imposta.

O remédio para a contenção do desastre anunciado deveria ser iniciado justamente por quem dele diverge. Governos estaduais e o Executivo Federal entram constantemente em rota de colisão sobre o que deve ser feito em razão da pandemia. No desencontro de informações, os grandes vencedores são as correntes de Whatsapp, com seus conteúdos esdrúxulos e poder de propagação tão forte quanto o próprio vírus. A guerra de egos sobre as certezas expõe a falta de tato e responsabilidade para com quem mais precisa, fazendo valer apenas uma batalha por narrativas. Cenário perfeito para o surgimento de absurdos de todo gênero, como propostas de campos de concentração ou de demarcação de símbolos em quem estiver se negando a voltar ao trabalho. A comparação com o estigma da estrela de seis pontas do período nazista é inevitável. A crueldade e a desumanidade, de semelhanças assustadoras.

A triste realidade nacional parece caminhar a passos largos para um colapso que só será definitivamente sentido quando os camburões estiverem carregando corpos amontoados. Enquanto isso, a marcha da insensatez segue o seu caminho, com o desprezo às medidas de precaução e a controvérsia entre os governantes. O país, com isso, surge como chacota mundial pelas atitudes insanas cometidas. Porém, em se tratando de um lugar onde estádios têm mais valor do que hospitais e escolas, em nada surpreendem as atitudes desarrazoadas. Se de nada adianta o noticiário internacional, talvez o óbito de pessoas próximas possa funcionar para fazer cair a ficha dos irresponsáveis. Até lá, salve-se quem puder. Visivelmente, o navio Brasil há tempos vaga à deriva. E a razão, de fato, assiste ao aclamado ator argentino Ricardo Darín: difícil mesmo é lutar contra a pandemia dos imbecis.