Os Doze Mandamentos do Esquerdista Moreno

Estes “Doze Mandamentos” vieram lá do blog/site/portal da Socialista Morena, da Cynara Menezes. Já os comentários irrelevantes que os seguem são de minha autoria mesmo. Porém é preciso contextualizar o porquê desse título, e ninguém melhor que a própria autora para explicar.

“”Darcy e Leonel Brizola voltaram do exílio falando num socialismo que não seguisse os modelos de nenhum país: nem da URSS nem da Alemanha Oriental nem de Cuba nem do Chile nem do Vietnã nem de nenhuma parte. Seria um socialismo à brasileira, aqui nascido e com nossas características de nação mestiça, morena. Daí o termo “socialismo moreno”. Ambos sofreram brutais ataques da mídia comercial apenas por utilizar estas palavras e sempre lamentei que tenham deixado a ideia de lado sem se aprofundar teoricamente sobre o socialismo que queriam.”

Agora à bricolagem do dia:

I – Não ter o dinheiro como norte (Não tenho. Nem como Norte, Sul, Leste ou Oeste. Simplesmente não tenho. Dinheiro.)

II – Respeitar o próximo como a ti mesmo (não precisa nem amar, respeitar tá de bom tamanho) (Eu bem que tento. O problema é que sou desrespeitoso para comigo mesmo…)

III – Não roubar o povo (Aliás não roubar. Simples assim.)

IV – Ser pacifista (violência, só contra a tirania) (Me mostre onde tem violência, qualquer que seja, e basta me procurar na direção contrária.)

V – Amar a natureza (Amo. Principalmente a feminina.)

VI – Ser contra o latifúndio, os transgênicos e o uso abusivo de agrotóxicos (Big Mac pode?)

VII – Não perder a capacidade de se indignar (Só de pensar nisso já fico indignado.)

VIII – Acreditar e lutar por direitos iguais para todos, independentemente de raça, credo, origem, condição social ou orientação sexual (Aqui não tem gracinha, pois essa bagaça é séria. E concordo plenamente, em gênero, número e grau.)

IX – Ser consciente da dívida histórica com indígenas e negros e apoiar políticas de ação afirmativa (E os amarelos? Afinal de contas a Dona Patroa é japinha…)

X – Ser um defensor intransigente da liberdade: de pensamento, de expressão, de culto, de ir e vir, cognitiva (Comecei concordando, mas confesso, sem nenhuma vergonha, que tive que consultar o dicionário: “A liberdade cognitiva , ou o direito à autodeterminação mental, faz parte dos direitos e liberdades de controlar sua própria cognição e consciência. Tem-se argumentado que isso é tanto uma extensão quanto o princípio subjacente da liberdade de pensamento.” Entenderam? Então.)

XI – Ser a favor do estado laico (Sim, graças a Deus. Pois diferentemente do que acham estado laico não é estado ateu.)

XII – Jamais se esquecer (ou se envergonhar) do que sonhava aos 20 anos de idade (Cara… Aos 20 eu já era casado e vivia numa fodástica sifudência pra ganhar a vida… Prefiro ter como padrão meus sonhos de adolescência!)

Semanário de um Temulento – I

E eis que finalmente, depois de longo e tenebroso inverno (mais longo que tenebroso), finalmente resolvi dar o primeiro passo.

“Para onde?”, perguntar-me-iam vocês. “Não ‘para onde’, mas para quê”, responder-lhes-ia eu.

Já há muitos anos – eu disse ANOS !!! – que eu estou mergulhado no álcool. E nem é para ver se daria uma boa conserva, hein? Beber, beber, bebi desde a adolescência e durante toda minha fase adulta, mas era aquele negócio de final de semana, ou somente quando tinha uma festa, evento, sei lá, essas coisas. Muito de vez em quando um porre homérico, mas isso era mais exceção do que regra.

Porém de uns tempos pra cá comecei a tomar minhas cagibrinas praticamente todos os dias. Basicamente basta eu por o pé na rua e vou parar em algum canto específico para encher o caneco (na realidade são apenas três os botecos “pé-sujo” que frequento e gosto de frequentar). Não que amarre um porre diário, mas invariavelmente um semanal acaba acontecendo. E – oh, descoberta das descobertas! – percebi que isso está me fazendo mal. Fisicamente e financeiramente. Psicologicamente ainda vou muito bem, obrigado.

Mas mesmo assim somente com um trabalho psicológico é que eu terei como, se não me livrar, ao menos deixar essa bagaça sob controle. Eu acho.

Há meses a Dona Patroa vem me cobrando para tomar uma atitude, inclusive com bons argumentos, para todos os quais eu solenemente faço ouvidos moucos. Mas em determinado momento, nem eu sei o porquê, resolvi aceitar um desses conselhos. E então ela conseguiu o contato de uma psicóloga especializada no assunto, indicada por uma amiga, e o repassou para mim. E levou apenas algumas semanas para que eu agendasse uma consulta com ela…

E lá fui eu para o tal do proseio.

Conversamos um tanto, ela meio que tateando, tentando descobrir um tanto de quem eu sou e como fui parar ali. Minha vontade era já lhe dar alguns de meus livros de presente. “Faz o seguinte: dá uma lida aí no geral e quando concluir daí você me chama, tá bom? Desse jeito poderemos poupar um tanto de palavrório entre a gente e outro tanto de dinheiro para mim.” Mas alguma coisa me disse que não ia rolar. Talvez seja aquele fiapo que restou do que eu costumava chamar de consciência.

Num resumo do resumo do resumo da ópera, basicamente lhe disse que, apesar de ter consciência de meu alcoolismo, não me considero um viciado. Se eu não sair de casa posso ficar dias sem beber e até sem fumar e não sentir vontade nenhuma disso. O que eu quero dizer é que não sinto falta da bebida ou do cigarro, pois meu problema mesmo seria o “sair de casa”. E também não bebo por negação, trauma, fuga, ou seja lá o escambau que for. Bebo porque gosto. Porque é divertido. Eu diria que sou um alcoólatra do tipo do Mussum (quem aí ainda se lembra?), ou seja, um bêbado de bem com a vida. Algo assim.

Ela, por sua vez, me disse que o alcoolismo pode ter três fatores como gatilho: a personalidade, pois o indivíduo tímido bebe para se soltar (nem com o mais hercúleo esforço, simplesmente não consigo me imaginar como uma pessoa tímida que precisa beber para se soltar – antes o contrário, taca cachaça em mim pra ver se eu calo a boca!); a genética, pois o indivíduo pode ter um histórico familiar de alcoólatras (e nesse caso não teria o que se fazer, pois se tá no sangue, tá no sangue – que o digam meus avôs tanto paterno quanto materno, que adoravam tomar um porre de vez em sempre); e a sociedade, pois o indivíduo bebe para estar com os amigos, para fazer parte de uma “turma” ou algo do gênero (é, acho que a coisa deve ser mais ou menos por aí mesmo…).

Ela também citou que o primeiro passo mais importante já foi dado, que é eu reconhecer que tenho um problema. Comentou que, apesar de não adotar esse sistema, no grupo dos Alcoólicos Anônimos esse é o primeiro dos doze passos para se tornar um abstêmio, conforme consta lá no site deles: “1. Admitimos que éramos impotentes perante o álcool – que tínhamos perdido o domínio sobre nossas vidas”.

Passinho meio exagerado pro meu gosto, quando assim descrito. Prefiro simplesmente reconhecer que tenho um problema, mas de jeito nenhum que eu tenha perdido o domínio sobre minha vida. Já perdi o domínio sobre a conta corrente, sobre o cartão de crédito, sobre ter razão numa discussão com a Dona Patroa e até sobre “desta vez é mesmo a saideira, verdade”. Mas sobre minha vida? Nãnãninãnão!

Bão, enfim, proseia daqui, proseia dali, conto um tantinho do meu dia a dia e da minha vida e ela chegou a algumas conclusões e me deu algumas orientações:

Primeiro: eu estou tentando parar de beber porque gosto de mim, faço isso por mim, e não o faço porque quero agradar alguém ou atender o desejo de seja lá quem for.

Segundo: mudança de hábitos são importantes, ou seja, sair da espiral descendente na qual me meti e criar novos hábitos, novos percursos, novas tentativas, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais est… Pôrra! Eu sempre caio nessa mesma esparrela do Star Trek! Caráy… Enfim, devo criar novos hábitos. É isso.

Terceiro: tentar me reaproximar de meus filhotes, restabelecer o vínculo que, antes mesmo de cair na bebedeira, eu já havia perdido, conforme deixei claro no meu texto Pais e Filhos.

Muito bem, são essas as minhas “tarefinhas” para a semana, mas mesmo assim confesso, sem nenhuma culpa ou modéstia, que só não passei num boteco depois da consulta porque já estava tarde e eu tinha que voltar pra casa…

Tá certo que o que eu queria mesmo era fazer como Mário Prata descreveu em seu livro Diário de um Magro – e ói que eu até consegui achar qual foi o spa que ele citou no livro: é o São Pedro Spa Médico, que fica em Sorocaba, SP. Eu cheguei até mesmo a fazer uma cotação de quanto seria ficar pelo menos uma semaninha por lá, e me responderam que o pacote de uma semana para uma pessoa, no apartamento suíte standard (ar condicionado, frigobar, TV a cabo, Internet wireless, telefone e secador de cabelo), com eletrocardiograma, acompanhamento médico, clínico geral, psicólogo, avaliação geral com fisioterapeuta e nutricionista, com enfermagem 24 horas, direito a uma massagem anti-stress (hmmmm….), atividades físicas (caminhadas, hidroginástica, alongamento, ginástica localizada, aulas de ritmos, aula de tênis, etc), tendo sinuca, ping-pong e pebolim, com café da manhã, almoço, jantar e lanches inclusos, e mais uma caralhada de coisas, sairia pela módica quantia de R$ 4.500,00 à vista (ou 6 vezes no cartão, com juros extorsivos).

o_O

Foda-se.

Vou ficar mesmo é com minha psicóloga de cem contos por sessão.

O Pitoresco no Judiciário

O advogado ingressou com a petição inicial, face a morte do esposo da inventariante, nos seguintes termos: “Morreu Fulano de Tal, com tantos anos, um bonus pater familia, cumpridor dos seus deveres como cidadão… Deixou sua esposa, dois filhos, três casas…” Finaliza: “Nestes termos pede deferimento”. Como não tinha um requerimento específico, o julgador despachou: “Registre-se, autue-se, publique-se, e lamente-se a morte do referido”. O processo foi arquivado.

O cidadão é acionado, porque assaltou uma loja e roubou camisas e calças; em audiência, o juiz indaga se ele não pensou na mulher e na filha. O acusado responde: “Claro que pensei, senhor Doutor Juiz, mas no raio da loja só havia roupa de homem”.

Certidão do Oficial de Justiça: “A citação não foi possível porque o réu mora numas grotas, cheias de animais. Este meirinho teve que sair correndo para escapar das mordidas da cachorrada. Para a repetição da diligência, solicito proteção”.

A advogada Fernanda Tripode ingressou com ação judicial contra Tam Linhas Aéreas, reclamando ressarcimento de passagem aérea, em voo para Nova York, cancelado face a Covid-19; esperou um ano, na forma da Lei 14.034/2020, mas, amigavelmente, não teve ressarcimento do valor pago. Em processo eletrônico, assinou digitalmente na inicial, mas o juiz Guilherme Ferfoglia Gomes Dias, da 25ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, exigiu que a advogada, militando em causa própria, juntasse procuração, com firma reconhecida; por três vezes, a advogada tentou explicar que se tratava de ação requerida em causa própria, mas de nada valeu.

Despacho Judicial em ação de execução, numa comarca de Mato Grosso: “Arquive-se esta execução, porque o exequente foi executado (à bala) pelo devedor”.

Termo de encerramento de laudo judicial de um processo na Vara Cível do Fórum João Mendes em São Paulo, SP: “Os anexos seguem em separado”.

O pastor, admitido na Igreja do Reino de Deus, como administrador em 1999, ganhava R$ 2,4 mil e cumpria jornada de trabalho de segunda feira a domingo, das 6h30min às 21:00h; em 2007, seu salário foi diminuído para R$ 1,2 mil, sob o argumento de que não cumpriu metas na arrecadação do dízimo, além de ter se apropriado de doação no valor de R$ 23 mil. A ação de danos morais condenou a Igreja no pagamento de R$ 19 mil, porque não ficaram comprovadas as alegações da defesa, mas foram verdadeiras as afirmações do pastor.

Um advogado em Santo André, SP pediu a citação do “de cujus”. O juiz despachou da seguinte forma: “Para que não se venha alegar cerceamento de direito, venha, em 48 horas improrrogáveis, nova, correta e definitiva emenda à inicial, eis que o ‘de cujus’ encontra-se ‘nos céus’ ou nos ‘purgatórios’, ou ainda ‘nos infernos’, não dispondo o Juízo de ‘dons mediúnicos’ para convocá-lo à resposta”.

O juiz Carlos Alberto Zanini Maciel tratou seu colega, juiz José Roberto Bernardi Liberal, titular da Vara de Execuções Penais de Araraquara, SP, por Vossa Senhoria e recebeu o seguinte despacho no pedido: “Comunico a Vossa Excelência que deixei de apreciar o pedido porque o pronome de tratamento de Juiz é Excelência e não Senhoria. Na oportunidade, apresento a Vossa Excelência protestos de elevada estima”.

Encontrado um chapéu perto do cadáver da vítima, alguém foi acusado pelo crime, pois seria o dono do chapéu, o que sempre negava e o júri resolveu absolvê-lo, pois considerou tal prova muito precária. Absolvição já definitiva, pois o promotor não tinha apelado da mesma, dez dias depois o acusado absolvido foi ao cartório da cidade dizendo que desejava falar com o juiz e ao lhe ser perguntado o que queria, respondeu que tinha vindo buscar o seu chapéu…

A palavra pedido, muito comum nos serviços judiciários, com alguma frequência, é grafada sem o “d” e termina causando constrangimento, porque sai outro termo. Registra-se no dia a dia dos fóruns, despachos como os seguintes: “Defiro o peido” ou “Indefiro o peido”, “defiro o peido inaugural”, o “peido de despejo”, “o peido de Reunião Familiar”, “a despeito de peido expresso”, “peido excessivamente genérico visando propiciar uma verdadeira devassa”, “o peido… somente aos comprovadamente necessitados será concedido”, “…demonstração da liquidez do peido”, “a parte não liquidou o valor do peido”, “intime-se a autora a regularizar seu peido”, “Emende-se a inicial no sentido de esclarecer o peido e suas especificações”, “intime-se a Suplicante para… se manifestar sobre o peido de fls”, “improcedente o peido em relação ao médico”, “em caso de expresso peido da parte autora”, “documento essencial para análise deste peido”, “acolho o peido do exequente”.

Superaquecida

Não, antes que pensem bobagens, o título deste texto não diz respeito àquela senhora de 41 anos que está lá embaixo, na garagem: minha moto CB 400 1981. Ela vai muito bem, obrigado.

E também não diz respeito àquela mocinha com quem sou casado há quase um quarto de século, mais conhecida como Dona Patroa (se bem que, de vez em quando – e este “quando” é quando eu apronto das minhas – até que ela costuma ficar neste estado temperamental…).

Na realidade, como já devem ter percebido pela foto, esta postagem diz respeito à Nãna, nossa gorducha gatinha. É que por conta dela fui “obrigado” a dormir no sofá esta noite. Estava lá eu assistindo meus filmes d’outrora, aboletado na minha tradicional cobertinha para enfrentar o frio gelado da noite que se espalhava até mesmo por dentro de casa, quando ela veio vindo, veio vindo, foi chegando, se aninhando, procurando um nicho quentinho, até que finalmente se instalou confortavelmente do meu ladinho. E quem diz da coragem de desconfortá-la? De jeito maneira! Aquilo quando se aninha sobre a gente é tal qual o Mjolnir, o Martelo de Thor – pois até hoje não conheci ninguém que fosse “digno” o suficiente para conseguir remover um espécime felino, qualquer que seja, quando se aloja por sobre a gente…

Ou seja, do jeito que dormi enviesado acabei acordando com a coluna destrambelhada, de modo que, sim, vai ser um looooooongo dia…

Nota de mim para mim mesmo:

Num primeiro momento, vendo a minha pequerrucha filhota quase caçula de quatro patas totalmente acomodada ali comigo, pensei em escrever um textinho curto, talvez com algum sarcasmo, e mandar pelo Twitter. Nem bem essa ideia resvalou na minha cabeça, já decidi que dava para contar um pouquinho mais numa publicação pelo Facebook. Mas, depois de tirar uma fotinha da menina dormindinha, achei melhor partir para o Instagram. Ato contínuo mandei tudo isso às favas.

Pôxa, faz dias, não, semanas (talvez meses), que estou tentando remoer qualquer coisa para publicar aqui no blog e a danada da inspiração não me aparece. Tirou férias, provavelmente no Nordeste, e não tem data para voltar. E eu aqui, na secura. E pensando nessas publicações nas redes sociais, as quais fazemos principalmente em busca dos “likes” de amigos, colegas e estranhos em geral – e não mintam, que é feiura, pois vocês também fazem isso –, é que me dei conta que em suas origens este blog era nada mais, nada menos, que minha “penseira virtual”, um lugarzinho para depositar meinhas elucubrações, registrar pequenas ocorrências do dia a dia, sem compromisso nenhum se seria lido ou não. Meus três ou quatro leitores que ainda estão por aí que o digam.

Aliás, na maioria das vezes foi partindo de textinhos corriqueiros, sem nenhuma pretensão, que acabei escrevendo outros tantos dos quais até hoje tenho orgulho (se bem que todo e qualquer texto que eu já tenha escrito acaba sendo como os filhos de um modo geral: não interessa se é feio ou se é bonito, mas aos nossos olhos sempre serão lindos!). Enfim, tudo isso foi só para me lembrar que blog é uma coisa, rede social é outra. Posso até compartilhar o link deste texto por lá – e talvez até receber os famigerados “likes” – mas meu compromisso de registro para posteridade, além dos livros aí do lado (já comprou o seu?…), está abarcado aqui no blog, desde o longínquo ano de 1998 até a presente data e, quiçá, com fôlego ainda para um futuro distante. Assim espero.

Amor incondicional?

Na realidade creio que se trata de um amor “em condicional”…

O caso é que a moçoila se enamorou por um jovem mancebo, mas, pelo comportamento dele, ficava com uma pulguinha atrás da orelha… A bem da verdade ela tinha a impressão de que era alguma espécie de amante e que ele deveria ter outra “oficial”, pois somente saíam juntos de segunda a sexta e ainda assim durante o dia. Nada de finais de semana. Nada de noitadas.

Só que o rapaz gostava mesmo dela, de verdade.

Porém estava cumprindo regime semiaberto…

Tio Alemão

Meu pai, atualmente com 85 anos, é o mais velho de doze irmãos, sendo eles: José Bento (Zé Bento), Fé, Roberto (Alemão), Esperança, Caridade, Luiza, Felisberto (Dinho), Jorge, Geraldo (Gêra), Maria Madalena (Máda), Pedrina (Pêdra) e Laura. Destes já se foram Luiza, que aos poucos meses faleceu de coqueluche, em 1947, Fé, em 1987, Jorge, em 2007, e o Gêra, em 2014.

O Roberto, mais conhecido na família como “Tio Alemão”, nunca se casou e outrora foi o único dos irmãos que continuou com a “lida” na roça, cuidando de sítios, vendendo cavalos e outros quetais.

E para encerrar este introito faltou somente esclarecer que a genética de minha família pelo lado paterno é bem “forte”. Mesmo atravessando gerações somos, de um modo geral, todos mais ou menos parecidos – conforme já contei lá no causo O passado bate à porta (II).

Ah, e mais um último detalhe: a maioria de minhas tias tem uma capacidade assustadora de lembrar a data de aniversário de praticamente todos os membros da família!

Agora vamos ao causo.

Tempos atrás, ainda antes do advento da pandemia, numa de suas andanças minha tia Madalena encontrou uma amiga que há muito tempo não via.

– Nossa, Madalena, há quanto tempo!

– Pois é, menina, já faz mais de ano, né?

– Ô, se faz! Muito mais! Mas Máda, me diga uma coisa.

– O quê?

– O Alemão. Ele tá com quantos anos?

– O Roberto? Deixa eu ver… Ele é de 1940, então ele já está com 79 anos.

– Tudo isso? Puxa vida, que bênção, hein? É que eu vi que outro dia você publicou uma foto dele com sua sobrinha e eu fiquei impressionada: NOSSA, COMO ELE ESTÁ CONSERVADO!

– Ah, mas aquele lá não é o Alemão, não. Aquela foto é do Adauto, filho do Bento.

– Sério? Nossa, mas eu podia jurar que era o Alemão! E esse Adauto, quantos anos ele tem?

– O Adauto? Deixa eu ver… Ele é de 1969, então está com 50 anos.

– Cinquenta anos? Só? NOSSA, COMO ELE ESTÁ ACABADO!

Ou seja, na minha vida nada muda, é sempre a mesma coisa: sósifôdo!

Eu e o Tio Alemão, na festinha de aniversário da Cloe, em 2019.

Falando sozinho

[ Prólogo: Estava eu buscando a correta fonte para uma determinada citação quando, totalmente sem querer, encontrei o blog do Eduardo Marcondes. Jornalista de Campinas, fã declarado de Fernando Sabino (particularmente prefiro Rubem Braga e Mário Prata), manteve seu blog de 2009 a 2018, com textos leves e agradáveis, porém cada vez mais esparsos – o link tá aí do lado, em Gente Legal – e que, sinceramente, recomendo a leitura! Dá um certo frescor aos pensamentos ler bons textos neste mundo cada vez mais minimalista que o tal do Facebook acabou por nos impor… ]

Fernando Sabino

Certa ocasião, um professor amigo meu resolveu estudar o comportamento das pessoas que falam sozinhas. Desde então o assunto passou a me interessar.

Frequentemente me surpreendo falando sozinho. Ainda há pouco fui retirado da preguiça de escrever e posto diante desta máquina por uma ordem peremptória, expressa através de minha própria voz: vai trabalhar, vagabundo! Várias vezes ao dia me vejo, ou me ouço, dizendo coisas para mim mesmo – em geral palavras de advertência a que respondo com pedidos de contemporização (“por favor, assim também não há tatu que aguente”), autoelogios (“até que eu não sou dos piores”), queixumes e justificações (“ninguém é de ferro”, “no fim dá certo”, “deixa correr frouxo”). E estabeleço comigo mesmo um diálogo bem distraído – pelo menos na medida em que me distrai das obrigações.

O próprio ato de escrever não é senão um modo de falar sozinho, segundo aquela definição do gordo Alexander Woolcott, para quem o escritor é um homem que passa a vida inteira conversando consigo mesmo, e cujo único consolo é que a conversa com o correr dos anos fica cada vez mais interessante.

Falando sozinho, no papel ou em voz alta, tenho pelo menos o cuidado de evitar o testemunho de quem possa ver nisto rachões de sobra para fazer-me hóspede do Pinel. Os que atraíram o interesse do professor são malucos mais declarados: os que saem pelas ruas discutindo com alguém cujo único inconveniente é o de não existir. Ou, pelo menos, de não estar presente à discussão: um marido a acertar as contas com a mulher, um empregado pedindo aumento ao patrão – empenhados, em geral, numa reivindicação qualquer que não tem condição de fazer senão quando sozinhos.

Estimulado pela ideia do professor, resolvo, durante uma volta pela cidade, fazer também as minhas observações sobre o assunto. Descubro, assombrado, que o número de pessoas que falam sozinhas é muito maior do que eu imaginava. Discutem, gesticulam, riem, se exaltam, como se estivessem acompanhadas. Logo de saída passa por mim um velho, resmungando:

– Comigo é assim. Se não gostar, paciência.

Chego a pensar que esteja falando comigo. Sigo um e outro, detenho-me quando se detém, mais de uma vez me ocorre pensar se o maluco não sou eu. Tenho a impressão de que se saísse pela rua falando em voz alta tudo o que me vem à cabeça, ninguém me daria a menor atenção. Basta parar um instante em local mais movimentado, e surge logo um matusquela em animada conversa consigo mesmo:

– É isso aí, meu velho. Eu bem que avisei. Agora aguenta as pontas.

Mais adiante dou com um jovem pálido, magro, que segue à minha frente a gesticular energicamente, e passo a ouvir o que ele diz:

– Como é que é? Você vai ou não vai fechar o negócio? Estou perdendo a paciência, rapaz. Não posso esperar mais.

O tom veemente e autoritário de sua voz e os gestos decididos contrastam com a modéstia de sua aparência. Ele se detém junto ao meio fio, como para dar mais força às palavras:

– Se você não cumprir o que prometeu, vamos resolver isso na raça.

E sorri, satisfeito, porque “o outro”, amedrontado, não ousa responder nada. Ao voltar-se, dá comigo a observá-lo. Encabula-se, passa sem transição da insolência à humildade, dirigindo-se a mim com voz mansa:

– Estava acertando aqui uma escrita… Será que o senhor pode me arranjar um trocado para a condução?

Alguns, entretanto, buscam apenas distrair-se e matar o tempo. Como aquele português, cujo caso uma amiga do professor recolheu para o seu estudo. Tomavam diariamente o mesmo ônibus, pois moravam no mesmo bairro e os horários coincidiam. Ela já havia notado que o homem passava a viagem inteira falando e gesticulando sem parar. Sua expressão fisionômica ilustrava o monólogo, ora se fazendo alegre, ora compenetrada, ora indiferente. Um dia, sentada no banco de trás, viu que ele falava, falava, e de repente dava uma boa gargalhada. Logo em seguida recomeçava a falar e fazia um gesto de enfado, como a pedir a si mesmo que mudasse de assunto. Ela acabou não resistindo e abordou-o:

– Não me leve a mal, mas tenho notado que o senhor se distrai falando consigo mesmo. E ora ri, ora se impacienta….

O português acolheu com simpatia a sua curiosidade:

– E me distraio mesmo, senhorita. Acontece que este percurso é muito longo e muito cacete. Como tenho de fazê-lo todos os dias, já que não posso ler porque o ônibus sacode muito, me distraio contando anedotas a mim mesmo.

E concluiu com esta explicação, que em si mesmo é uma anedota:

– Quando é uma que eu já conheço, não acho graça nenhuma, nem acabo de contar. Mas quando é uma que não conheço ainda, costumo dar boas gargalhadas.

A vingança contra as operadoras de telemarketing será maligna

Eberth Vêncio
27/12/2020

— Alô?

— Boa noite, senhor.

— Boa.

— O senhor teria alguns minutinhos para podermos estar conversando a respeito da Palavra do Senhor?

— Minha palavra? Como assim? Quem é que está falando? Você é do fisco?

— (risos) O senhor não entendeu. Meu nome é Sara. Represento a Igreja do Quadrangular Final do Campeonato Ecumênico da Fé Cega e da Faca Amolada. Será que podemos estar conversando um pouquinho a respeito da Palavra?

— Palavra de honra. Agora, não vai dar. Estou ocupado.

— Mas, vai ser rapidinho, senhor.

— Quem te passou o meu número, criatura?

— Foi o pessoal da administração. Na verdade, cada obreira recebeu uma lista contendo cem números para a gente poder estar ligando, aleatoriamente.

— Por que vocês metem gerúndio em tudo quanto é verbo? É isso o que eu não entendo.

— Desculpe, senhor. Ainda não li o Gerúndio. No momento, estou estudando o Levítico, com o meu grupo de jejum e oração.

— Ô vontade de comer um cu, viu…

— Como?

— Como, sim. Moça, já é tarde da noite, o que você quer de mim?

— Queria poder estar conversando com o senhor a respeito do evangelho.

— Como é mesmo o seu nome, menina?

— Sara. Meu nome é Sara. Sara Whisper.

— É um belo nome, Sara Whisper. Não me leve a mal, mas, no momento estou fazendo justiça com as próprias mãos, o popular cinco-contra-um, se é que me entende; então, não consigo falar com você nesse instante. Homem é diferente de mulher, entenda, não conseguimos fazer duas coisas ao mesmo tempo.

— Só vai levar um minutinho. Eu prometo. Qual é mesmo o nome do senhor?

— Deus do céu…

— Deus do céu?!

— Isso é força de expressão, minha filha. Estou apenas resmungando. Não foi você mesma quem me ligou? Como é que você telefona para uma pessoa, à essa hora da noite, sem sequer saber o nome dela?

— Sinto muito, senhor. Na lista que me passaram só constam os números. Não têm os nomes das pessoas. O pastor me disse que não fazia muita diferença, desde que ligássemos com fé para todo mundo, antes do final da quaresma.

— Isso é ridículo.

— A culpa não é da gente. Missão dada à obreira é missão cumprida.

— Essa história tá ficando comprida. Preciso desligar, Sara Whisper. Estou quase ejaculando.

— O senhor poderia estar me informando o seu nome?

— (silêncio)

— Alô? O senhor ainda está aí?

— Judas. O meu nome é Judas Iscariotes da Silva.

— Caramba! Posso estar chamando o senhor de Sr. Silva? Judas me dá calafrios, um troço ruim por dentro…

— Que seja.

— Qual a religião do senhor, Sr. Silva?

— Música.

— Não entendi.

— Música. Minha religião é a música, Sara Whisper.

— Música sacra? Cantos gregorianos? Gospel?

— Nada disso. Eu sigo uma doutrina mais politeísta, se é que me entende.

— Politeísta?

— Sim. Isso mesmo. Eu venero os deuses do rock. Algo bem profano. Tipo, Elvis. Chuck Berry. Hendrix. Lennon & McCartney. Raul Seixas. Vocês tocam Raul na sua igreja, certo?

— Receio que não, senhor.

— Toquem Raul, minha filha. Toquem Raul. Vocês não vão se arrepender.

— O senhor é casado?

— Isso é um convite, Sarinha?

— O senhor entendeu errado.

— Não. Não sou mais casado. Matei a minha mulher faz uns vinte anos.

— O senhor matou a sua mulher? Jesus!

— Silva. Pode me chamar de Silva. Nessa época eu era muito jovem, trabalhava para traficantes, estava com a cabeça a mil…

— Traficantes?

— Matei ela com um sossega-leoa. Tentei me desfazer do cadáver, mas, deu ruim. Fui preso antes de jogar o corpo no Rio do Choro.

— Sangue do cordeiro!

— Peguei pena máxima, mas, acabei puxando só oito anos, por causa do bom comportamento, da progressão de pena, artimanhas da justiça, sabe como é…

— O senhor matou outro ser humano? Pelas chagas do messias!

— Matei, mas, isso já é coisa do passado.

— Meu Deus! Um assassino na linha…

— Se preferir, podemos encerrar a conversa aqui. Por mim, tudo bem.

— De jeito nenhum. Minha missão é prosseguir até o fim, com fé no Altíssimo.

— Parece insensato.

— Qual a profissão do senhor?

— Escritor.

— Como assim?

— Escritor. Eu escrevo histórias.

— Eu nem sabia que existia a profissão de escritor. Pensei que vocês escrevessem nas horas vagas, só para se divertir, para desanuviar a mente…

— Escrever é meio parecido com trabalhar numa operadora de telemarketing, sabe? Há que se ter perseverança. Vai que, um dia, a coisa toda cola e alguém acaba lendo.

— Entendo. Qual o estilo do senhor?

— Escrevo roteiros para filmes.

— Uau! Que máximo!

— Pois é. Vidão mesmo…

— Para que tipo de filmes o senhor escreve os seus roteiros?

— Filmes pornográficos.

— Desculpe. Não entendi.

— Filmes de sacanagem. Eu escrevo roteiros para filmes nos quais os atores tiram a roupa e fazendo sexo por dinheiro.

— Meu Deus! O senhor deve estar me tirando…

— No fundo, eu queria poder estar te incluindo, Sara Whisper, mas, o meu gerundismo é péssimo. Eu nunca mentiria para uma missionária que me ligasse numa noite de sábado para conversar sobre assuntos eclesiásticos.

— Não sei se Deus aprovaria esse tipo de atividade, Sr. Silva.

— Também não aprovo muitas coisas que ele faz. Ouça: eu ganho muito bem para escrever picardias. Não é preciso ser nenhum Paulo Coelho, se é que me entende. Preciso de todo dinheiro que puder ganhar até conseguir me livrar desse vício em punheta.

— Heim?

— (risos) Tô brincando, Sara Whisper.

— O senhor usar drogas, senhor?

— Sim. Uso. Socialmente. Não sou um viciado.

— Graças a Deus.

— Pois é. Deus é bom, mas, hidroxi-cloroquina… Hummm… Nem te conto.

— O senhor é usuário de hidroxi-cloroquina?

— Sim. Começou como uma gripezinha, daí, foi evoluindo. Mas, consigo me controlar bem. Hoje em dia, só uso quando preciso transar com outros homens.

— Transar com outros homens? Como assim? O senhor é homossexual?

— Sim. Um pouco. Não. Quer dizer, mais ou menos. Só faço esse tipo de coisa quando a grana encurta. Eu gosto mesmo é de mulher.

— Só Jesus na causa…

— Aliás, eu me amarro em obreiras quadrangulares. Fico doido quando elas me amarram.

— Valha-me, Santíssimo!

— Pois é.

— Isso é muito vulgar, senhor.

— Vulvar?

— Vulgar. Eu disse “vulgar”. O senhor deve ter sérios problemas psicológicos.

— Era o que eu pensava.

— Isso não pode ser normal.

— Pois é.

— Tantos pecados numa só pessoa. Que horror.

— Estou abrindo o meu coração para você, minha cara. Sempre digo a verdade quando estou bêbado.

— Ainda por cima, o senhor bebe?

— Comeria, se fosse sólido.

— Pelos pregos da cruz!

— O ser humano é estranho, Sara.

— Preciso desligar, Sr. Silva.

— Demorou. Nunca tinha me confidenciado com uma operadora de telemarketing. Você está fazendo um trabalho e tanto, Sara Whisper.

— Isso não é um negócio, senhor. Isso é missão de fé. Não ganho nada pra fazer o que eu faço.

— Trabalha de graça para a igreja? Deixa de ser boba.

— Já falei pro senhor que não considero isso um trabalho. É gratificante compartilhar o evangelho. Pelo menos, era, até eu falar com senhor esta noite. Estou chocada.

— Não a culpo por isso. Eu também não ligaria pra mim, numa noite de sábado, para tentar uma conversão.

— O senhor está doente, Sr. Silva.

— Essa nossa conversa vai virar um texto.

— Não autorizo. O senhor deveria procurar um médico.

— Não confio em médicos.

— Credo e cruz! O senhor me dá nojo.

— Pagam cinquentinha por uma boa história.

— Vá se tratar, homem.

— Me passa o seu telefone, Sara Whisper.

— Adeus, senhor.

— Foi um prazer falar contigo. Me liga amanhã, na Hora do Fantástico.

— Vai pro inferno!

Qualidade do sinal Wi-Fi

Esta é daquela série “dicas de mim para mim mesmo”

A pergunta é: como verificar a qualidade do sinal de uma rede Wi-Fi no Windows 10?

Sem uma ferramenta apropriada limitamo-nos àquele iconezinho na bandeja (essa linha de base aí na sua tela, cheia de desenhinhos bonitinhos dos programas em aberto ou a executar), ali do lado do relógio, sem saber na realidade se o sinal está bão, marromeno, ou ruim bagarái

Mas seus problemas acabaram! E nem precisaremos recorrer às Lojas Tabajara para isso! Mas confesso que roubartilhei essa dica daqui… No próprio Windows 10, sem a necessidade de instalação de nenhum programa adicional, é possível verificar à quantas anda o sinal de sua rede Wi-Fi (ou a do seu vizinho, se for o caso).

Uma vez que você esteja com seu computador conectado à rede (não, tira esse cabo daí, criatura – queremos medir o sinal do Wi-Fi, lembra?) basta acessar o “Prompt de Comando” do Windows 10. É, aquela “tela preta”, o “C:”, que nem nos bons (bons?) tempos do DOS 3.0. Não sabe onde está? Não se apoquente. Clique com a tecla (ou, se preferir, botão) direita do mouse na janelinha do Windows (primeiro ícone à esquerda, lá na bandeja) e no menu que se abre clique com a tecla esquerda em “Executar”. Se você é canhoto ou tem algum outro tipo de distúrbio neurológico sensorial, cuidado para não confundir direita com esquerda, senão vai dar merda. Tanto na informática quanto na política. Pois bem, na linha de comando que lhe é disponibilizada digite “cmd” (sem aspas, hein?) e tecle “Enter”. Não, não digite a palavra “Enter”, essa é aquela tecla de execução de comando que tem no seu teclado. Olhe para ele. Tem até duas delas, mas para que você não se perca, então aperte aquela que está no canto inferior direito, tá bom? Sim, isso é um passo a passo for dummies

Vai aparecer aquela tela preta que lhe falei e uma linha de comando. Nela digite as seguintes palavras mágicas o seguinte comando (lembre-se, sem as aspas): “netsh wlan show interface“.

Na sequência você terá a seguinte imagem:

Clique na imagem para ampliar!

Pronto! Tá ali a qualidade do seu sinal! Que beleza, hein? Essa tela traz também algumas informações adicionais, tais como o protocolo utilizado, a velocidade máxima da rede, o canal usado e outros dados importantes que a gente sabe que nunca vai utilizar.

Recontagem de votos? Pra quê?

Só para não deslembrar que este nosso cantinho virtual também trata de assuntos jurídicos (desde que não sejam lá tão sérios), cabe lembrar essa decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, onde um candidato a cargo eletivo exigia recontagem dos votos – e creio que este ano esse tema vai entrar em voga, dadas as perspectivas das eleições presidenciais que se aproximam… Enfim, vejam como o Juiz Eleitoral descascou esse pedido (particularmente adorei o “Se conforme” lá no finalzinho)… 😀

Clique na imagem para ampliar!