Mico por mico…

Dia desses viralizou na Internet o videozinho em que o Professor Robert Kelly concedia uma entrevista à Rede BBC através do Skype. De repente seus filhos foram entrando no escritório (a dancinha da mais velha é ótima!) e chegaram chegando… Numa triunfal entrada derrapando, bem a la Gene Kelly, eis que surge a mãe (é, seus boçais, aquela mulher era Jung a Kim, a MÃE das crianças!) para “resgatá-los” dali, tentando inutilmente sair de fininho, enquanto o Professor ficava nitidamente embaraçado, perdendo o pique da entrevista. Abaixo segue o vídeo original.

A pergunta que fica é: por que as crianças entraram no escritório do pai e fizeram ele pagar esse mico monumental?…

A resposta foi dada pela avó das crianças (confira aqui), esclarecendo a família tem o costume de sempre conversar pelo Skype, de modo que os netos, ao ouvirem vozes vindas do escritório caseiro do pai, pensaram que fosse a vovó!

Entretanto, como essa blogosfera é uma maravilhosa terra de ninguém, onde sempre alguém está disposto a tirar sarro de outro, a primeira reação que ouvi nas redes sociais é que “se fosse uma mulher dando a entrevista ela não só pegava a criança no colo como ainda a incentivaria a dar um tchauzinho para o apresentador”. Verdade. Tanto o é que fizeram a paródia a seguir para demonstrar essa capacidade intrínseca que estes maravilhosos seres humanos femininos têm de fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Confiram até o fim e riam comigo…

E, como não podia deixar de ser, temos também a “versão nerd” para o vídeo. A fechada de porta no final é a melhor de todas! 🙂

Veredas da Vida – XIII

Então, caríssimos, e agora?

Eu havia dito que isso não seria um fim!

Mas, afinal, que ás é esse que tenho na manga?

Pois…

O que vem depois do fim?

Só para recapitular o que eu disse lá no começo desta nossa saga, a minha intenção foi não só a de apresentar para vocês toda minha “experiência profissional”, mas também demonstrar como tudo está conectado, como todas as nuances desta nossa vida estão tão interligadas entre si que nos afetam como um todo. Tanto nossa vida pessoal quanto a profissional são, na verdade, uma só.

E é por isso que um mero curriculum vitae não seria suficiente para demonstrar o necessário. Ora, se buscarmos seu significado temos que trata-se de “um documento com os dados pessoais, a formação escolar ou acadêmica, a experiência profissional ou os trabalhos prestados de determinado indivíduo”, ou seja, é o currículo da vida de alguém, a descrição do curso que sua vida profissional seguiu. E já que seria para descrever a trilha profissional de minha própria vida, muito mais agradável aos meus olhos tratá-la como uma simpática vereda

Um curriculum vitae propriamente dito se limitaria a fornecer informações de onde trabalhei, meus cursos e estudos, o que fiz e que experiência adquiri; tudo de uma maneira por demais fria e sistemática. Sem amor. Sem humor. Sem paixão. Sem tezão. Não demonstraria – como fiz ao longo destes 13 episódios – a verdadeira experiência de vida que acumulei e o que me norteou para decidir passar de um trabalho para outro, como minhas amizades influenciaram minha vida profissional, como meus trabalhos me permitiram conquistar novas amizades, a maneira pela qual meus casamentos tanto afetaram quanto foram afetados pela minha profissão, a alegria das pequenas conquistas, o orgulho dos grandes feitos e por aí segue.

Mas, mais do que isso, ao contar com detalhes todos os altos e baixos que envolveram minha pessoal e profissional, o que eu quis também foi deixar claro que é possível, sim, recomeçar. Sempre. Basta querer, basta estar disposto. Como já disse antes, eu tenho essa minha fé inabalável de que as coisas sempre vão se ajeitar!

E é curioso como muita gente não consegue enxergar a vida dessa maneira. Acho que deve ser o tal do copo meio vazio… E, por falar em copo, quando ainda estava acabando o ano passado, num de nossos conhecidos interlóquios etílicos, o Bicarato estava me contando que, já no finalzinho do governo, as pessoas vinham falar com ele invariavelmente com a seguinte tragicômica pergunta: “Nossa, e agora? Acabou o governo, como é que vocês vão fazer?”.

Cuméquié???

Gente, trabalhamos, sim, por muitos anos na Administração Pública Municipal de Jacareí. Mas antes disso já tínhamos nossas profissões! Já tínhamos nossa própria vida – como deixei bem claro através desta saga. O Bicarato já era jornalista, eu já era advogado, assim como todos aqueles que também saíram da Prefeitura já eram profissionais de alguma área!

Então, a vocês que teimaram em nos fazer tão curiosa pergunta, respondo-lhes tranquilamente: vida que segue!

Aliás, dia desses a Dona Patroa me veio lá com uma sugestão. Como ela trabalha no Juizado Especial Cível começou a perceber uma certa movimentação para um determinado tipo de demanda judicial. Um suposto “nicho” de mercado… E me disse que eu poderia começar a explorar esse filão.

Pensei bem e de bate pronto já lhe respondi que não, eu não iria fazer aquilo. Afinal de contas já tenho uma vida inteira de trabalho, bem como uma experiência gigantesca após 20 anos de formado e 16 anos na Administração Pública. Não, obrigado, não vou “voltar ao mercado” ombro a ombro com quem acabou de se formar. O caminho natural seria continuar o meu trabalho nessa mesma área que já vinha atuando. É o que conheço muito bem. É o que gosto muito de fazer.

E assim, após essas considerações, acho que podemos voltar à pergunta que lhes fiz lá no início: “o que vem depois do fim?”

A resposta é óbvia: fins são necessários para novos começos!

Simples assim.

E por isso mesmo vou continuar na área! Doravante vou compartilhar todo esse conhecimento que adquiri com outras administrações públicas municipais, com empresas que com elas se relacionam, com fundações, autarquias e quaisquer entidades que venham a precisar de meus serviços.

Afinal de contas, após ter adquirido tanta experiência por tanto tempo, sem nenhuma falsa modéstia posso afirmar ter também adquirido uma condição de excelência em minha própria área. E, justamente por conhecer tanto da administração pública como um todo, em especial no que diz respeito a licitações, contratos e convênios sou, sim, um expert. Sou um ÁS!

E, assim o sendo, nada melhor que atualizar meu cartão de apresentação de acordo com esse perfil, não é mesmo?

   
Meu cartão atual tem frente e verso!

Mas… Por mais que eu conheça bastante sobre determinada matéria, sempre haverá algo que estará além de minhas possibilidades. Isso é normal, afinal de contas, não tem como sabermos tudo

E é por isso mesmo que nessa empreitada, não estarei só!

Minhas amigas Sheila Moreira Fortes e Ana Paula Truss Benazzi toparam o desafio de, comigo, também prestarem esse tipo de serviço, essa forma de consultoria. Até porque ambas também permaneceram na administração pública tempo o suficiente para acumularem uma enorme carga de conhecimento: também são ASES!

   
Eis como ficou o cartão da Sheila…

   
E assim o da Ana Paula!

E nesse sentido, aproveitando a “brincadeira”, resolvemos que o ideal seria montar uma empresa para melhor prestar nossos serviços. E foi assim, foi dessa maneira, que resolvemos criar a Ases Consultoria!

E perguntar-me-iam vocês: “Espadas, Copas, Ouros… Mas e que é do Ás de Paus?” e responder-lhes-ia eu que essa quarta carta, esse quarto elemento também faz parte imprescindível da nossa consultoria, pois mesmo com nossa experiência acumulada, ainda assim poderia não bastar face às inúmeras dificuldades que – sabemos bem – podem surgir em uma administração pública ou para quem com ela se relaciona.

E é por isso mesmo que nessa empreitada, não estaremos sós!

Por conta dos nossos anos de trabalho e experiência fizemos nossa rede de contatos e amigos, tanto dentro quanto fora da administração, tanto em outros setores da área pública quanto junto a diversas empresas e entidades particulares. Também são pessoas que detém um conhecimento excepcional, cada qual em sua área, e estão dispostas a eventualmente colaborar em algum projeto, trabalho, consultoria ou seja lá qualquer outra atividade que venha a surgir, compartilhando também sua próprio expertise. Não fazem parte da empresa em si, mas são pessoas com quem seguramente podemos contar para levar adiante essa tarefa à qual nos propusemos. São os nossos Colaboradores.

Ide, pois, e anunciai ao mundo a boa nova!

Através da Ases Consultoria nós continuamos por aqui…

Pois viemos pra ficar!

Aliás, querem saber quem mais está conosco?

Então, através de um simples clique na nossa logomarca aí em baixo, vocês poderão visitar nossa página de apresentação, conhecer a nossa proposta, nossos objetivos e, inclusive, ficar à vontade para apresentarem suas críticas e sugestões. Ou, até mesmo, juntar-se a nós! Pois, como ficou evidente nesta nossa saga de 13 episódios, ninguém se faz sozinho… E a nossa força está justamente neste nosso mútuo apoio.

Vida que segue!

Clique na imagem para Ases Consultoria!

(Continua… Só que, agora, lá na vida real!)

😉