Deixando a vida mais colorida…

Em tempos de confinamento há que se arranjar o que fazer… Então descobri o site http://www.myheritage.com.br/incolor para colorir aquelas fotos preto e branco (sim, elas ainda existem!) em apenas alguns segundos e com apenas um clique!

Confiram o resultado comparando as originais com as colorizadas:

       
Casamento de meus pais, Bernardete e José Bento.

       
Casamento de meus tios, Dionísia e Lélio.

       
Casamento de meus sogros, Satiko e Sussumu.

       
Meu avô paterno, Antônio de Andrade.

       
Meu avô materno, Bernardo Claudino Nunes.

       
Dona Bernardete.

       
Seo Zé Bento.

       
Los Tres Hermanos: Adauto, Adilson e Anselmo.

       
Outra de Los Tres Hermanos…

       
Outra de meus sogros.

       
E aquela famosa foto de meu pai em sua motoca!

Um projetor

Sim, um projetor. No caso, de “slides”.

Hm?

Você não tem nem a mais afastada idéia do que seja isso?

Bem, confesso que já vi muitos slides, utilizei alguns projetores, mas nunca me perguntei o porquê de fazerem aquelas “fotinhos” daquele tamanhinho, já que podiam fazer uma “normal” e revelar…

Mas nada como uma pequena busca na Internet para entender as coisas!

Enfim, o que sempre chamei de slides na realidade eram filmes positivos. Mas até que eu (e toda minha geração) não estava tão errado, pois esse bichinho tem uma infinidade de nomes, sendo conhecido também como cromos, películas positivas, transparências, filmes reversíveis e por aí vai.

São, literalmente, “filmes positivos” (dãããã…), ou seja, ao contrário dos negativos coloridos – que precisam ter suas cores invertidas para mostrar o resultado final – esse tipo de filme (após revelado) ao ser contraposto à luz já permite ver a imagem exatamente como ela deve ser. É uma foto já pronta para ser impressa ou projetada. Sei que nestes tempos de máquinas digitais, câmeras, celulares, tablets, isso pode soar pra lá de esquisito – mas ele tinha lá suas vantagens!

É que essas películas possuíam altíssimo contraste, reproduzindo bem melhor as cores, mantendo ainda uma granularidade muitíssimo boa. Dizem os especialistas que esses seriam os filmes que melhor reproduzem as cores (ainda que comparado aos melhores negativos profissionais).

À sua época foram largamente utilizados nas principais áreas profissionais de fotografia, em catálogos de imagens, publicações de alta definição, grandes ampliações, em exposições, bem como outros trabalhos que exigissem uma expressividade muito boa das cores. Para que as imagens pudessem ser projetadas em série, o filme era cortado e encapsulado em molduras brancas – eis aí os slides! – e, assim, ficavam prontos para para serem colocados na devida ordem no “carrosel” do projetor. Sim, aquela máquina esquisita na foto lá em cima.

Muito bem, era isso.

Assim encerramos a aula de cultura inútil de hoje…

Corrida Maluca

Ou, se preferirem no original, “Wacky Races”!

Acontece que numa de minhas surfadas internetísticas, enquanto estava procurando um outro vídeo, com essa “mania” agora que o Youtube tem de soltar umas propagandas obrigatórias, acabei me deparando com esse vídeo.

E gostei!

Estão de parabéns os publicitários que buscam maneiras diferenciadas de chamar a atenção para um mundo de propagandas – em tese estagnadas por falta de criatividade – e conseguem fazer com que tenhamos interesse pelo produto. Ou, pelo menos, que prestemos atenção nos detalhes do produto!

Tudo bem que esse tal de “novo” Peugeot 208 não é pra mim. Jamais seria. Continuo firme e fiel ao bom e velho Opala. Mas é impossível negar que esse reclame teve a capacidade de fazer subir ao paladar um saudoso gostinho de infância… Conseguiram “transformar em filme” um desenho que – posso arriscar dizer – absolutamente todo mundo gostava. Estão lá, bem representados em toda sua maluquice (e efeitos especiais) Barão Vermelho, Dick Vigarista, Quadrilha de Morte e tantos outros…

Mas, enfim, confiram por si mesmos!

Agora, cá entre nós, vamos combinar que o Dick Vigarista sempre foi uma besta, né? Invariavelmente com o carro mais turbinado e possante do que todos seus concorrentes ele sempre se ferrava tentando colocar em prática as armadilhas malucas dele.

Mas, de volta ao comercial, o final com a Penélope Charmosa é perfeito.

E o Mutley, pra variar, impagável!

Natal da Turma da Mônica

Hoje pela manhã, quando levantei, somente o filhote número dois estava acordado.

Fui até ele, renovei os votos de Feliz Natal que já havia dado na véspera – aliás, não era véspera, pois já era hoje, mas de madrugada – AH, vocês entenderam.

Enfim, fui até ele cantarolando uma musiquinha de Natal: “Feliz Natal pra todos, feliz Natal… Cascão ganhou uma lata de lixo bem sujinha…”

A reação foi imediata. Pelo olhar já vi tudo. “Que raios de música de Natal é essa, papai?”… De fato. Ninguém mais a conhece, pois fez parte de MINHA infância, na longínqua década de setenta. Dentre tantos hoje existentes, talvez seja esse um dos primeiros desenhos animados feito pelo Maurício de Souza. Se não for ele próprio o primeiro.

Assim, para os “clássicos” como eu que ainda tem memória desse desenhinho, reapresento-lhes, um clássico da época natalina de minha infância: O Natal da Turma da Mônica !

Sessão nostalgia

Hoje pela manhã, num breve conversê com meu filhote mais velho, ele me contou sobre o sonho que teve… Não sei se por algum tipo de efeito do sempre presente Angry Birds, dizia respeito a envergar um bambu até o limite, colocá-lo na ponta e soltar, arremessando-o sabe-se lá pra onde!

O que fez este velho fóssil lembrar de um antigo comercial da TV (me segurei para não escrever “reclame”…), lá da primeira metade da década de noventa, o das simpáticas formiguinhas. Aliás, fez tanto sucesso na época que teve até sequência!

Alguém lembra?

 
Um detalhe: este segundo vídeo está com o som bem baixinho. Então aumente um pouquinho o volume de sua caixa de som. Vale a pena!