A Biblioteca

Já faz um bom tempo que não escrevo…

Não tanto por falta de querer, nem menos por não ter assunto – talvez mais pela ausência de algo que me desperte a vontade…

E eis que, dia desses, uma amiga com a casa em reforma contou, toda orgulhosa, o amor que tem por seus mais de mil livros.

Mil livros!

Não é pouco não!

Nos dias de hoje não conheço muitas pessoas que possam se orgulhar de ter um acervo com um número desses (e vocês, os Bicaratos, não contam!)… Conheço, entretanto, uma ou outra moçoila que certamente, ainda que não os tenha, já deve ter lido muito mais que isso, invariavelmente curtindo ao fundo alguma música dos anos oitenta e saboreando uma boa taça de vinho!

Anos oitenta…

Quando essa década perdida começou, contava eu lá com meus dez pra onze anos de idade. Cursava a quinta série numa escola pública – EEPG “Dr. Rui Rodrigues Dória” – em Santana. Pertinho de casa, à distância de apenas duas quadras. Invariavelmente tínhamos um ou outro trabalho pra fazer, quando então era necessária uma pesquisa mais aprofundada. Internet? Google? Redes sociais? Esqueçam! Mas nem os filmes de ficção da época podiam prever este nosso atual “admirável mundo novo”… Assim, sem pré-condicionamentos do que deveríamos ou poderíamos fazer, a biblioteca da escola era o nosso primeiro destino.

Simplesmente pífia!

Não sei se por falta de alguém com conhecimento mais aprofundado, se por falta de recursos ou de vontade mesmo, lá era um lugar onde, na época, mal encontrávamos alguns livros de leitura obrigatória. E só.

Alguns sortudos, de vida mais abastada, ainda tinham em casa a famosa “Barsa” – antiga enciclopédia vendida de porta em porta, constituída por quase duas dezenas de livros de bom tamanho (ótimos como enfeite das prateleiras da sala), e que, em termos de informação e conhecimento, possuía um pouco de tudo em todas as matérias. Lá em casa, quando muito, tínhamos os quatro livros que formavam a “Enciclopédia do Estudante”. Funcionava assim: toda semana chegava nas bancas um novo fascículo e a gente ia montando o conjunto; ao final vinha uma edição especial com a capa dura, quando então juntávamos tudo e levávamos para encadernar. Voilà: um livro inteirinho à nossa disposição!

Mas às vezes nem mesmo isso era suficiente. O negócio era pegar o busão para o Centro (ou, dependendo do dia, ir a pé mesmo – apenas uns três quilômetros) e buscar informações lá na Biblioteca Pública Cassiano Ricardo.

Onde ficava? No mesmo lugar onde hoje se encontra, mas havia algumas fantásticas diferenças na época…

Pra começar, ainda que o acervo já fosse maravilhoso, não havia nada daquela interna construção atual composta de vidro e aço. Era um antigo casarão assobradado. E só. Sabem como é? Com cheiro de casa antiga, cera nos assoalhos de madeira, uma ou outra goteira aqui e ali e – por que não? – algumas teias de aranha esparsas, nos cantos mais altos e difíceis de limpar. Lembro-me bem que lá dentro era geladinho – daquele mesmo tipo de friozinho de quando entramos numa dessas igrejas mais antigas – e sem ter nenhum sistema de ar condicionado em canto algum!

A origem desse casarão remonta ao ano de 1907, quando nem mesmo existia, mas uma comissão formada por moradores do município fez a proposta de construção de um teatro para a cidade. De propriedade de Bertolino Leite Machado, construído pelo Major de Finis e tendo Graciano Fachini como Mestre de Obras, o “Theatro São José” foi inaugurado em 24 de dezembro de 1910. Foi o centro da vida cultural durante as décadas de dez e de vinte, funcionando ainda como cinema e salão de bailes.

Mais tarde, nos anos trinta, juntamente com algumas áreas vizinhas, foi adquirido pela Prefeitura Municipal e nas décadas seguintes abrigou tanto a sede da Prefeitura quanto da Câmara Municipal. O Legislativo saiu dali no final da década de sessenta e o Executivo, na de setenta, quando então a Biblioteca Pública foi transferida para o local, lá permanecendo até os dias de hoje.

Naquela época, no início dos anos oitenta, a entrada se dava pela porta lateral, na Rua Sebastião Hummel, bem de frente com a esquina da Sciamarella, quando já nos deparávamos com o guichê e um balcão nos aguardando logo adiante e, à direita, uma longa escada de madeira.

E era ali, nos degraus daquela escada, que a magia começava!

Ao chegar na parte de cima do antigo sobrado encontrávamos os fichários – se não me engano, eram três: por título, por autor e por assunto. E quando digo “fichário”, é porque era isso mesmo! Cada um dos livros possuía sua correspondente ficha devidamente arquivada, um pequeno pedaço de cartolina retangular devidamente datilografado com informações indicando em que sessão, armário e prateleira as obras estariam nos aguardando. Nada de computadores, buscas ou downloads! O que havia eram alguns bloquinhos de notas ao alcance para anotar os dados e então…

Pensaram que eu ia dizer “bastava pedir para alguém pegar o livro”, certo? ERRADO!!!

Os tempos eram outros e tínhamos acesso direto ao acervo, o que era simplesmente delicioso! Às vezes eu ia buscar um determinado livro e encontrava diversos outros ainda mais interessantes, simplesmente porque estavam todos ali, pertinhos uns dos outro e totalmente acessíveis. E, não raro, eu simplesmente ia até lá para ler alguma coisa. Ainda estava bem no começo do início da minha adolescência, não tinha desenvolvido minha paixão por bicicletas e as meninas eram simplesmente boas amigas e não cada qual um mistério a ser decifrado… Passava tardes inteiras lá dentro da biblioteca!

Foi lá que li toda a coleção do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato, e, dentre outros livros esparsos, divertia-me com edições muito antigas de Seleções (“Reader’s Digest”). E, ainda, li todos os livros de Sir Arthur Conan Doyle, o criador de Sherlock Holmes, bem como a maioria dos livros de Agatha Christie – os quais mais tarde viria a adquirir através do “Clube do Livro”, mas isso é uma outra história…

E, voltando às pesquisas para a escola, quando encontrávamos um ou outro livro que precisávamos ler com mais calma, em casa, bastava levá-lo para aquele guichê lá no térreo, onde iriam carimbar nossa “carteirinha” com a data de devolução – se não me falha a memória, tínhamos uma semana de prazo.

Mas hoje tudo mudou.

Não só naquele prédio, como também em nossas vidas. O imediatismo e a superficialidade ocuparam o espaço antes dedicado à pesquisa e à profundidade. Tudo tem que ser rápido e facilmente digerível, pois “pensar” é um luxo não permitido em nossa sociedade on line e extremamente conectada. Mesmo no meu ofício – arcanas artes jurídicas – tenho que me utilizar de técnicas de escrita, beirando o jornalismo (estou falando do “bom jornalismo”) para fazer com que alguns magistrados se interessem o suficiente pelo texto para ler uma peça até o final. E que a compreendam de modo claro e inequívoco. Não tem sido fácil, não…

Particularmente, continuo lendo, como sempre. Talvez não tanto quanto gostaria, mas me esforço. No meu criado-mudo sempre tem uns quatro ou doze livros me aguardando, invariavelmente divididos entre aqueles que não consigo largar e aqueles que não consigo voltar. Mas, ainda assim, tenho por obrigação lê-los, todos, até o fim. Coisa de taurino, eu acho.

Quanto à nossa querida Biblioteca, nunca mais voltei lá. De quando em quando até que passo em frente, às vezes de carro ou mesmo à pé, mas não me encorajo a entrar. Talvez seja receio de macular essa sensação boa de lembrança que eu tenho de como, nem tanto tempo atrás, tudo era tão diferente.

Ah, por fim, não que alguém esteja contando, mas da última vez que dei uma conferida lá no meu cantinho (e pra desespero da Dona Patroa), entre livros, gibis, revistas, restaurações e outras edições especiais, o número passava de quatro mil… 😉

Veredas da Vida – XIII

Então, caríssimos, e agora?

Eu havia dito que isso não seria um fim!

Mas, afinal, que ás é esse que tenho na manga?

Pois…

O que vem depois do fim?

Só para recapitular o que eu disse lá no começo desta nossa saga, a minha intenção foi não só a de apresentar para vocês toda minha “experiência profissional”, mas também demonstrar como tudo está conectado, como todas as nuances desta nossa vida estão tão interligadas entre si que nos afetam como um todo. Tanto nossa vida pessoal quanto a profissional são, na verdade, uma só.

E é por isso que um mero curriculum vitae não seria suficiente para demonstrar o necessário. Ora, se buscarmos seu significado temos que trata-se de “um documento com os dados pessoais, a formação escolar ou acadêmica, a experiência profissional ou os trabalhos prestados de determinado indivíduo”, ou seja, é o currículo da vida de alguém, a descrição do curso que sua vida profissional seguiu. E já que seria para descrever a trilha profissional de minha própria vida, muito mais agradável aos meus olhos tratá-la como uma simpática vereda

Um curriculum vitae propriamente dito se limitaria a fornecer informações de onde trabalhei, meus cursos e estudos, o que fiz e que experiência adquiri; tudo de uma maneira por demais fria e sistemática. Sem amor. Sem humor. Sem paixão. Sem tezão. Não demonstraria – como fiz ao longo destes 13 episódios – a verdadeira experiência de vida que acumulei e o que me norteou para decidir passar de um trabalho para outro, como minhas amizades influenciaram minha vida profissional, como meus trabalhos me permitiram conquistar novas amizades, a maneira pela qual meus casamentos tanto afetaram quanto foram afetados pela minha profissão, a alegria das pequenas conquistas, o orgulho dos grandes feitos e por aí segue.

Mas, mais do que isso, ao contar com detalhes todos os altos e baixos que envolveram minha pessoal e profissional, o que eu quis também foi deixar claro que é possível, sim, recomeçar. Sempre. Basta querer, basta estar disposto. Como já disse antes, eu tenho essa minha fé inabalável de que as coisas sempre vão se ajeitar!

E é curioso como muita gente não consegue enxergar a vida dessa maneira. Acho que deve ser o tal do copo meio vazio… E, por falar em copo, quando ainda estava acabando o ano passado, num de nossos conhecidos interlóquios etílicos, o Bicarato estava me contando que, já no finalzinho do governo, as pessoas vinham falar com ele invariavelmente com a seguinte tragicômica pergunta: “Nossa, e agora? Acabou o governo, como é que vocês vão fazer?”.

Cuméquié???

Gente, trabalhamos, sim, por muitos anos na Administração Pública Municipal de Jacareí. Mas antes disso já tínhamos nossas profissões! Já tínhamos nossa própria vida – como deixei bem claro através desta saga. O Bicarato já era jornalista, eu já era advogado, assim como todos aqueles que também saíram da Prefeitura já eram profissionais de alguma área!

Então, a vocês que teimaram em nos fazer tão curiosa pergunta, respondo-lhes tranquilamente: vida que segue!

Aliás, dia desses a Dona Patroa me veio lá com uma sugestão. Como ela trabalha no Juizado Especial Cível começou a perceber uma certa movimentação para um determinado tipo de demanda judicial. Um suposto “nicho” de mercado… E me disse que eu poderia começar a explorar esse filão.

Pensei bem e de bate pronto já lhe respondi que não, eu não iria fazer aquilo. Afinal de contas já tenho uma vida inteira de trabalho, bem como uma experiência gigantesca após 20 anos de formado e 16 anos na Administração Pública. Não, obrigado, não vou “voltar ao mercado” ombro a ombro com quem acabou de se formar. O caminho natural seria continuar o meu trabalho nessa mesma área que já vinha atuando. É o que conheço muito bem. É o que gosto muito de fazer.

E assim, após essas considerações, acho que podemos voltar à pergunta que lhes fiz lá no início: “o que vem depois do fim?”

A resposta é óbvia: fins são necessários para novos começos!

Simples assim.

E por isso mesmo vou continuar na área! Doravante vou compartilhar todo esse conhecimento que adquiri com outras administrações públicas municipais, com empresas que com elas se relacionam, com fundações, autarquias e quaisquer entidades que venham a precisar de meus serviços.

Afinal de contas, após ter adquirido tanta experiência por tanto tempo, sem nenhuma falsa modéstia posso afirmar ter também adquirido uma condição de excelência em minha própria área. E, justamente por conhecer tanto da administração pública como um todo, em especial no que diz respeito a licitações, contratos e convênios sou, sim, um expert. Sou um ÁS!

E, assim o sendo, nada melhor que atualizar meu cartão de apresentação de acordo com esse perfil, não é mesmo?

   
Meu cartão atual tem frente e verso!

Mas… Por mais que eu conheça bastante sobre determinada matéria, sempre haverá algo que estará além de minhas possibilidades. Isso é normal, afinal de contas, não tem como sabermos tudo

E é por isso mesmo que nessa empreitada, não estarei só!

Minhas amigas Sheila Moreira Fortes e Ana Paula Truss Benazzi toparam o desafio de, comigo, também prestarem esse tipo de serviço, essa forma de consultoria. Até porque ambas também permaneceram na administração pública tempo o suficiente para acumularem uma enorme carga de conhecimento: também são ASES!

   
Eis como ficou o cartão da Sheila…

   
E assim o da Ana Paula!

E nesse sentido, aproveitando a “brincadeira”, resolvemos que o ideal seria montar uma empresa para melhor prestar nossos serviços. E foi assim, foi dessa maneira, que resolvemos criar a Ases Consultoria!

E perguntar-me-iam vocês: “Espadas, Copas, Ouros… Mas e que é do Ás de Paus?” e responder-lhes-ia eu que essa quarta carta, esse quarto elemento também faz parte imprescindível da nossa consultoria, pois mesmo com nossa experiência acumulada, ainda assim poderia não bastar face às inúmeras dificuldades que – sabemos bem – podem surgir em uma administração pública ou para quem com ela se relaciona.

E é por isso mesmo que nessa empreitada, não estaremos sós!

Por conta dos nossos anos de trabalho e experiência fizemos nossa rede de contatos e amigos, tanto dentro quanto fora da administração, tanto em outros setores da área pública quanto junto a diversas empresas e entidades particulares. Também são pessoas que detém um conhecimento excepcional, cada qual em sua área, e estão dispostas a eventualmente colaborar em algum projeto, trabalho, consultoria ou seja lá qualquer outra atividade que venha a surgir, compartilhando também sua próprio expertise. Não fazem parte da empresa em si, mas são pessoas com quem seguramente podemos contar para levar adiante essa tarefa à qual nos propusemos. São os nossos Colaboradores.

Ide, pois, e anunciai ao mundo a boa nova!

Através da Ases Consultoria nós continuamos por aqui…

Pois viemos pra ficar!

Aliás, querem saber quem mais está conosco?

Então, através de um simples clique na nossa logomarca aí em baixo, vocês poderão visitar nossa página de apresentação, conhecer a nossa proposta, nossos objetivos e, inclusive, ficar à vontade para apresentarem suas críticas e sugestões. Ou, até mesmo, juntar-se a nós! Pois, como ficou evidente nesta nossa saga de 13 episódios, ninguém se faz sozinho… E a nossa força está justamente neste nosso mútuo apoio.

Vida que segue!

Clique na imagem para Ases Consultoria!

(Continua… Só que, agora, lá na vida real!)

😉

Veredas da Vida – XII

O desafio de continuar a ser um Secretário


2013-2016

Nessa votação Hamilton Ribeiro Mota foi reeleito com quase 48% dos votos (só um bocadinho a menos que na votação anterior), sendo que a contagem foi tensa, pois o segundo colocado deu um bom susto, tendo conquistado praticamente 43% dos votos. Como em Jacareí, até então, não havia segundo turno, o resultado já estava consolidado.

Ainda no final do mandato anterior ele me chamou para conversar. Já fui preparado, consciente de que mudanças no quadro provavelmente seriam inevitáveis (tanto por questões técnicas quanto políticas), mas determinado a me colocar à disposição caso fosse possível continuar. Começamos nosso proseio e ele até achou graça no meu discurso! De novo! Acabou por me dizer que tinha uma boa notícia e uma má notícia: e que eu que considerasse qual era qual. Primeiro que, sim, eu continuaria no meu papel de Secretário; segundo, ele tinha outros planos para a Andréa Brito…

De imediato pensei na parceria tão boa que tivemos durante aqueles quatro anos – eu e a Andréa – mas JAMAIS eu iria me intrometer em qualquer possibilidade de ela tomar novos rumos, alçar novos voos. De bate pronto já fechamos quem seria seu substituto, o novo Secretário Adjunto: o Michel.

Enfim, a equipe de assessores diretos do Prefeito, o secretariado municipal, manteve-se praticamente a mesma, apenas com algumas mudanças pontuais e algumas “trocas de cadeiras”…


Cerimônia da Posse em 2013.

E desta feita assumimos como secretários do Prefeito eleito Hamilton: Nydia Natali na Chefia de Gabinete, Sônia Ferraz na Fundação Cultural, Ana Carolina no IPMJ, Gal na fundação Pró-Lar, Lucilene no SAAE, Vera Lino na Assistência Social e Cidadania, André Donizete na Administração e Recursos Humanos, Émerson no Desenvolvimento Econômico, Laodir Suzigan no Esportes, Santana na Segurança e Defesa do Cidadão, Paulo Bicarato (o Bica) na Comunicação Social, João Roberto na Educação, Cláudia Castello Branco na Finanças, Antonio Soares (o Toninho) na Saúde, Pedro Orlando no Governo, Dalton na Infraestrutura, Altemir no Meio Ambiente, Valter Corbani no Planejamento e eu, Adauto, mais uma vez no Jurídico.

Não foi necessário alterar meu crachá, nem tampouco me nomear novamente, uma vez que sequer fui exonerado, haja vista que continuaria exatamente no mesmo posto que dantes…


Meu cartão para essa nova gestão.

Uma vez refeito meu compromisso com esta nova administração, eu, Adauto (01/01/2013 até 30/12/2016), reassumi minhas funções junto à Secretaria de Assuntos Jurídicos. De minha parte também mantive praticamente o mesmo quadro de comissionados da gestão anterior, mas algumas substituições (tanto por questões técnicas quanto por questões políticas) também foram necessárias.

Esse período foi marcado pela escassez de recursos financeiros aliada a grandes embates técnicos e políticos – para citar somente alguns, tivemos o buraco gigante na Avenida Siqueira Campos por onde passa o Córrego do Turi, o solapamento próximo à ponte do Rio Paraíba e a greve da Guarda Civil Municipal -, o que acabou impondo um ritmo mais lento nas realizações do governo. E isso somente iria piorar no último ano desse novo mandato.

Ainda assim foi possível ampliar o quadro da Secretaria, passando dos então treze servidores efetivos (destes, sendo dez procuradores) para, no final do governo, um total de vinte e quatro servidores efetivos (com dezoito procuradores).

Tivemos também grandes batalhas jurídicas, sendo uma boa parte sob nossos cuidados diretos. Ganhamos algumas, perdemos outras… Em especial a chamada “judicialização da saúde” foi de amargar – ainda mais com uma juíza que deferia qualquer pedido liminar, por mais desarrazoado que fosse. Os recursos que seriam utilizados para atender toda uma coletividade acabavam se esvaindo para a assistência a alguns poucos, uma vez que se tratava de “determinação judicial”…

E, enquanto profissional, mais uma vez um motivo de orgulho pessoal… Uma de minhas crianças (como sempre carinhosamente chamei meus contratados no Jurídico), a Suzana, a quem confiei cuidar especificamente da matéria ambiental da Municipalidade, encantou-se tanto com o tema que resolveu fazer uma pós-graduação na área. E assim, quando da elaboração de seu trabalho de conclusão do curso, outra vez coube a mim, informalmente, orientá-la na revisão final desse trabalho. Uma honra! Ainda mais porque ela tirou dez! Seu título: “A Municipalização do Licenciamento Ambiental”.

Por outro lado, no que diz repeito aos projetos particulares, foi nesse período que pude realizar um desejo que já vinha acalentando desde 2011: publicar um livro. Só que não foi só um! Entre os anos de 2014 e 2015 acabei publicando cinco livros: o primeiro é registro sobre a história recente de parte da minha família e os outros quatro são compilações de uma boa parte dos textos e crônicas que tenho publicado no meu blog desde seu início.

Este livro é apenas minha proposta para o registro até o final do ano de 2012 do ramo da família Andrade à qual pertenço. Mais especificamente procurei abranger todos os descendentes diretos a partir de Antonio de Andrade e Sebastianna dos Santos, meus avós paternos.    Este livro é a coletânea de textos e crônicas de meu blog www.legal.adv.br na qual, através dos tópicos Coisas de Casal, Criança dá Trabalho, Juridicausos, Vida Besta, Martelando o Teclado e Filosofices eu disponibilizo textos no geral curtos ou curtíssimos - só que às vezes não - onde falo um pouquinho da vida conjugal, da difícil arte de ser pai, de causos jurídicos, das bestagens que fazemos na nossa vida, de contos, pontos de vista, cultura inútil e coisas de antigamente, bem como também compartilho um tanto de elucubrações mentais que volta e meia passam por esta minha cabeça já atordoada por tanta vivência...    Essa criança que um dia você já foi - regra universal insuperável - é a mesma que existe em todas as casas de todo o mundo. Com a mesma imaginação, criatividade, brincadeiras, disparates, carinho sincero, risada solta ou até mesmo choro sentido. E é disso que este livro trata. Algumas aventuras e desventuras, contos, causos, situações, tiradas e sacadas que só teriam como existir saídos da convivência e da fértil imaginação desses pequeninos seres iluminados.    Este livro nada mais é que uma coletânea de textos jurícos - ou não - pinçada lá do meu blog Legal, onde compartilho um bocadinho das curiosidades que envolvem o cotidiano dos assim chamados     Neste livro está reunido boa parte do que não foi utilizado no Filosofices original, bem como textos de minha autoria que produzi depois e, inclusive, o trabalho de outros blogueiros que simplesmente merecem ser lidos - desta vez distribuídos pelos tópicos Martelando o Teclado, Passado a Limpo, Blog de Papel, Filosofices e Pensatas. São, de um modo geral, causos que trazem um pedacinho de mim, um tiquinho de minh’alma, invariavelmente com bom humor, não dispensando a seriedade e nunca resistindo ao dramático!
Passe o mouse por cima para ver a descrição;
clique na imagem para adquirir seu exemplar!
😉

E já em 2016, após diversas etapas em diversos lugares, findou-se a parte graúda da reforma do meu querido Titanic… Lataria totalmente recuperada, pintura nova, amortecedores novos, freios novos, direção hidráulica devidamente adaptada e instalada, bem como um motor de seis cilindros retificado (ou seja, novo). A saga em detalhes continua lá no meu outro blog: Projeto 676.


Novamente, o Titanic!

Voltando às atividades profissionais, durante essa gestão o foco maior foi a conclusão de grandes projetos iniciados em gestões anterior, até mesmo por conta da recessão financeira que limitou – e muito – a capacidade de investimento do Município. Eis alguns dos projetos em que mais uma vez, direta ou indiretamente, eu também participei: criação do Serviço de Regulação de Jacareí, visando a regulação e fiscalização dos serviços públicos de saneamento básico da cidade, construção de novo reservatório de água central de cinco milhões de litros, atualização da legislação municipal permitindo a destinação de recursos da Fundação Pró-Lar para execução de obras de infraestrutura básica visando a regularização fundiária de bairros até então considerados “irregulares”, modernização da legislação municipal através da elaboração do Plano de Carreira do Magistério e do Plano de Carreira da Guarda Civil, implantação do SAMU através do Consórcio Regional CONSAVAP, formalização de contrato no formato “built to suit” para construção de um Hospital Municipal (infelizmente suspenso em decorrência da crise financeira), construção da Unidade de Pronto Atendimento – UPA III, bem como o chamamento público para contratação de Organização Social para sua gestão completa e efetiva inauguração do Centro de Formação de Professores – Educamais Jacareí.


Projeto do Hospital Municipal.


Unidade de Pronto Atendimento Dr. Thelmo de Almeida Cruz.


Educamais Jacareí.

Aliás, caso queiram, tudo isso e muito mais pode ser visto e conferido com detalhes no site Jacareí Melhor, criado para divulgar os dados sobre as principais iniciativas destas últimas gestões municipais.

Mas, apesar de todas essas realizações, por conta de inúmeros motivos – em especial os políticos, dentro de um contexto muito maior no cenário nacional – infelizmente o Prefeito não conseguiu fazer seu sucessor. Com o tempo, ao estudarmos o passado, talvez se torne mais fácil tentar compreender o que foi esse momento político pelo qual o país passou e que afetou praticamente todas as administrações municipais…

E no que diz respeito à minha pessoa já restava claro que meus dias estavam contados. Como já é praxe em toda e qualquer Administração Municipal, invariavelmente os novos gestores não contratam aqueles que trabalharam na gestão anterior. Existem exceções, obviamente, mas no meu caso isso seria inaplicável, até mesmo por uma questão ética: o projeto escolhido pela população não era o projeto que eu havia escolhido para participar. Mas tudo bem. É bem como publiquei em meu último livro:


FVC.

Por todo esse período, por toda essa minha “pós-graduação informal” em Administração e Gestão Pública, eu tenho muito a agradecer a muita gente, aos demais secretários, aos presidentes das fundações e autarquias, a muito dos servidores comissionados e a um número ainda maior de servidores efetivos, pois sem a colaboração de todo esse povo para o desenvolvimento de um trabalho em conjunto, nada seria possível. Mas em especial são duas as pessoas que não posso deixar de citar e formalmente expressar minha gratidão: ao Hamilton, que mesmo nos momentos mais difíceis sempre confiou, confia e continua confiando em mim; e à minha grande amiga, professora e mestra de lógica Nydia “Missão Impossível” Natali! Valeu, gente!


Nóis.

No mais, em que pesem todos os reveses, com sinceros olhos marejados e um pequeno nó na garganta, também só tenho a agradecer a todo “meu povo” da Secretaria de Assuntos Jurídicos daquele final de governo:

Aos procuradores Moyra, Pâmella, Mariana, Heloísa Domingues, Diogo, Rafael, Camila, Flávia, Rogério, Nara, Moara, Stefany, David, Ingrid, Luciana Zárate, Rita Paranaguá, e até mesmo Renato Ratti e André.

Aos demais servidores efetivos Ruth, Cláudia Guedes, “Dona” Lúcia, Floriza, Maria El Kouri, Leandro e minha caríssima e aposentadíssima Célia.

Àqueles agregados do Jurídico, mas que trabalhavam em outros órgãos, Daniela Macedo, Eugênia “Nena” Cabral, Rosa Maria, Heloísa Tosetto, Everton e Luís Flávio.

Àqueles que passaram pelo Jurídico e deixaram sua marca, a minha querida Andréa Brito, Gleice, Wagner Baccaro, Ana Carolina Veneziani, Thalita, Linda, Crislaide, Ana Carolina Neves, Marlene, Sandra Veríssimo, Gabriela Valverde, Jussara, Luciana Soares e Rodrigo Nery.

A todos os estagiários que algum dia passaram pela Secretaria: vocês ajudaram a fazer a diferença!

E, enfim, aos comissionados com os quais sempre pude contar em todos os momentos, Michel, Milena, Priscila, Renato Gil, Ana Paula, Patrícia Lapinha, Cristiane Alves, Suzana, Patrícia Portilho, Raíssa, Sérgio Lippi, Jeniffer Ramos, Rose Cavalcante, Juliana e Rose Faria. Um agradecimento mui especial à Ligia & Jaime e outro muito mais especial ainda à minha sempre amicíssima Sheila

Com isso encerrei mais um ciclo em minha vida. Um longo ciclo, diga-se de passagem… Foram praticamente 16 anos na Administração Pública Municipal de Jacareí, participando do cotidiano dessa linda cidade que, de certa forma, ajudei a construir. Como já disse antes, aprendi muito, muito mesmo. Creio que cresci tanto como profissional quanto como ser humano. Tive reveses, é claro – quem não os tem? Afinal a melhor maneira de desagradar a todos é justamente tentar agradar a todos! E eu não “funciono” assim… Cumpri minha missão, dei o melhor de mim e após tantos anos, pela última e derradeira vez, deixei minha antiga sala para trás. Fechei a porta da sala, sim, mas não fechei a porta das muitas amizades que fiz e ainda mantenho. Vida que segue.

E assim, desta vez através da Portaria nº 4.905, de 1º de dezembro de 2016, eu fui exonerado em 30 de dezembro de 2016.

Mas… E agora?

Desempregado? Na rua? De novo? É o fim?

Desta vez não, meus queridos.

Desta vez não…

(Continua…)