Por quê?

Porque eu não sou de pedir ajuda.

Porque eu sou teimoso.

Porque estou cansado.

Porque sofrer cansa.

Porque amar cansa.

Porque demorei demais para abrir meus olhos.

Porque descobri que não enxergo além de minhas escolhas.

Porque a solidão se faz presente mesmo no meio da multidão.

Porque sozinho vim.

Porque sozinho estou.

Porque sozinho irei.

(2011)

Um canoro proseio

Num fim de noite qualquer, já num clima de começo de inverno (porque todo friozinho de inverno é bom para qualquer casal ficar abraçadinho e aconchegado) e depois de algumas taças de vinho, enquanto que com a palma de uma mão se apoiava na sacada do apartamento e com os dedos da outra tamborilava alguma música que só se desenrolava dentro de sua cabeça, ele olhava fixamente para um distante ponto invisível no horizonte, eis que ela resolveu começar a conversa que, há tempos, vinham adiando.

Pego de surpresa com aquela súbita quebra do silêncio que protegia seus pensamentos, ele buscou os olhos dela com um nítido ar de quem não entendeu, não ouviu, ou, mais provavelmente, ambas as coisas.

– Deixa eu repetir: o que eu perguntei é “e então, como é que a gente fica?”
– …

– Que foi? Por que esse sorrisinho bobo, seu bestão? Quero saber da gente: como ficamos?
– A dois passos do Paraíso! (Blitz)

– Oi? Como assim? Do que é que você está falando?…
– Assim será… (Los Hermanos)

– Assim será o que, seu doido? Não tô te entendendo! E por que é que você tá falando assim, cantado?
– Adivinha o quê? (Lulu Santos)

– Péraê… Essa eu conheço… Não, péra, as outras também! Isso tudo é nome de música, sei lá, da década de oitenta?
– Isso! (Titãs)

– Ah, tá. E justo agora você vai conversar comigo desse jeito?
– Bem vindo ao mundo adulto! (Biquini Cavadão)

– Tá bom! Mundo adulto só se for na sua cabeça! Sério mesmo que você vai fazer isso?
– Eu me sinto bem… (Titãs)

– Cara, como você é estranho…
– Muito Estranho! (Dalton)

– Mas eu não desisto assim tão fácil. Ainda quero minha resposta.
– Ainda é cedo. (Legião Urbana)

– Ah, não! Não me venha com essa! Assim você só me deixa pê da vida, sabia? Sai pra lá que vou pegar outro vinho!
– Volta pra mim… (Roupa Nova)

– Uéééé… Primeiro não queria nada, agora me quer aí pertinho, é?
– Insensível! (Titãs)

– Humpf! Acho que é isso mesmo, meu bem. Vou te deixar é de castigo por um tempo pra ver se você aprende…
– Tenha dó… (Los Hermanos)

– Tô brincando, bestão! Vem cá, me abraça!
– Chega mais! (Rita Lee)

– Eu ainda vou acabar te batendo por toda essa cantarolação…
– Impossível! (Biquini Cavadão)

– Ah é? Posso saber por quê?
– Tempo perdido. (Legião Urbana)

– É, disso eu sei. Você não aprende, mesmo.
– Não dá… (Roupa Nova)

– Amor, agora sério: o que é que foi? A gente estava tão bem… Pra você estar desse jeito, mais esquisito que o normal, alguma coisa mudou muito aí dentro dessa cabecinha.
– Nada tanto assim. (Kid Abelha)

– Sou eu, né?
– Tente outra vez. (Raul Seixas)

– Não, não preciso. Já sei que sou eu.
– Exagerado… (Cazuza)

– Eu? Exagerada? Exagerado é o teu focinho, tá bom?
– Essas emoções / À flor da pele… (Zeca Baleiro²)

– É você que me deixa assim!
– Desculpe o auê! (Rita Lee)

– Tá, tá… Deixa pra lá… Môr? Posso te perguntar uma coisa?
– Tá bom. (Los Hermanos)

– Você me acha bonita?
– Bicho de sete cabeças. (Zeca Baleiro)

– Seu chato! Escroto! Bestão!
– Terceiro… (Ultraje a Rigor)

– …
– …

– Sério que você me acha um bicho de sete cabeças?…
– Linda demais! (Roupa Nova)

– Sei lá, eu nem sou tão bonita assim…
– Perfeita simetria. (Engenheiros do Hawaii)

– Mesmo? Você não me acha feia?
– Nem pensar! (Kleiton & Kledir)

– Depois dessa, bem que você até mereceria um presente…
– Só se for a dois! (Cazuza)

– Então vem, vem comigo, agora!
– Como eu quero! (Kid Abelha)

– Então! Vem, me diz, me diz o que é que eu sou pra você?
– Deusa da minha cama! (Camisa de Vênus)

– Hmmm, gostei! Então vem! Então vamos!
– Me beija! (Lobão)

– Com certeza! Hmmm… Que bom… Oi? Que foi? Por que parou?
– Pra ser sincero… (Engenheiros do Hawaii)

– O quê? O que é que foi?
– Injuriado. (Eduardo Dusek)

– Como assim, “injuriado”? O que foi que eu te fiz?
– Você não soube me amar! (Blitz)

– Ah, cê tá me zoando! Desde o primeiro momento em que nos vimos, eu sempre te amei!
– Será?… (Legião Urbana)

– Ah, então agora a culpa é minha também? É isso?
– Eu quero sempre mais! (Ira!)

– Mais? E o que mais você quer?
– Um certo alguém… (Lulu Santos)

– Oi? Não! Cumassim? Fala comigo. Fala direito, por favor!
– Preciso me encontrar… (Marisa Monte)

– Se encontrar? Você… Você quer ficar com outra mulher? É isso? Ou… Ou outro homem?
– Eu gosto de mulher! (Ultraje a Rigor)

– Tá, tá, tudo bem, eu só tô tentanto te entender. Entender este nosso relacionamento que não vai, nem fica, não anda, nem desanda.
– Tédio. (Biquini Cavadão)

– Tédio??? Meu, eu aguento toda sua esquisitice, sempre estamos buscando algo novo e você vem me falar de tédio?
– O tempo não pára… (Cazuza)

– Então é isso, né? Cansou. Cansou de mim…
– Meu erro. (Os Paralamas do Sucesso)

– Você já não é mais um mocinho, sabia? Quer mesmo sair assim? Tentar começar tudo de novo com um outro alguém?
– Envelheço na cidade… (Ira!)

– Pois é. Então tá. Não vou mais insistir. E quer saber o que mais lhe desejo?
– As dores do mundo? (Jota Quest)

– Não, besta. Só você pra ainda me fazer rir numa hora dessas… Quero que você fique bem. Ainda te amo, mas não vou te prender. Melhor ainda, não vou me prender.
– Dias de luta… (Ira!)

– Mas você não vai me esquecer, vai? Você ainda vai lembrar de mim?…
– Aonde quer que eu vá! (Os Paralamas do Sucesso)

– Então tá. Olha, tá quase amanhecendo o dia. Se é assim que ficamos, acho que agora o melhor que você tem a fazer é ir embora, tá bom?
– Alvorada voraz! (RPM)

– Adeus, amor. Até algum dia. Ou nunca. O que for melhor. Ou menos pior…
– Adeus você… (Los Hermanos)

E lá se foi ele. Após aquele tumultuado namoro que não foi namoro, e que durou apenas onze dias, ainda que com um pouco de azedume, mas com sinceras lágrimas sofridas, desceu do sétimo andar e, com o pouco que sobrou de sua sobriedade, encarou a rua com aquele ar gelado, típico das madrugadas de inverno. Os pássaros começavam a cantar para uma Primavera que não estava lá enquanto que o vento quase que levou seu cachecol. Meteu as mãos nos bolsos e resolveu caminhar até sua casa. Tá bom, ele sabia que era um cara estranho. Mas ao menos agora também sabia que aquela morena tinha sido seu último romance. Isso porque enquanto ele estava com o olhar perdido naquele horizonte distante, buscando enxergar algo além do que se vê, teve uma longa conversa de botas batidas consigo mesmo, assim, do lado de dentro, e curiosamente teve a descoberta de quem verdadeiramente era o outro alguém com que deveria formar um par e deixar de se sentir sempre tão sozinho.

E do fundo de seu coração, bem lá de onde vem a calma, seguiu seu caminho assobiando a mesma música que estava em sua cabeça enquanto tamborilava os dedos na sacada. Uma antiga música de uma antiga banda chamada Ultraje a Rigor e que acabou desencadeando toda a série de eventos daquela noite.

O nome da música?

Eu me amo.

Vencido é a mãe!

Essa história já é um pouco antiga, quando os tempos eram outros e este nosso anti-herói de plantão ainda não tinha a vida regrada e familiar que hoje leva… Vamos chamá-lo de “Fred”.

Pois bem, lá estava ele com a sua já habitual insônia atravessando mais uma dessas noites quentes de Verão. Vira pra um lado, nada. Vira pra outro, nada. Desiste. Maldita insônia! Melhor dar uma olhada no que está passando na TV, fumar um cigarro, sei lá – distrair-se de alguma forma.

Mas cadê cigarro?

Só então lembrou-se de ter jogado o maço fora pouco antes de tentar começar a dormir, quando deu cabo do último sobrevivente!

“Bem, a noite é uma criança – mal passa de uma da matina – e já que estou com um carro aqui à disposição, melhor sair pra comprar mais dessas pílulas cancerígenas para atravessar o restante dela”, foi o que disse de si para si em uma bem lógica conclusão. Nessa época morava num bairro chamado Jardim Paulista e a única padaria 24 horas que sabia estar aberta ficava lá pelas bandas do Centro, há alguns quilômetros de distância.

E assim o fez. Foi, tranquilo, dirigindo e vendo pelo caminho um tanto daquele povo que estava indo ou vindo da balada, uns ainda sóbrios, outros nem tanto, bem como algumas moçoilas do ramo que estavam por ali para vender a única coisa que tinham para vender…

Chegou na padaria, de cara já pediu dois maços e – por quê não? – também duas latinhas de cerveja. Quem sabe com um pouquinho de teor alcoólico o sono não viria antes do amanhecer do dia? Entrou no carro e tomou seu rumo, de volta pra casa, desta vez atravessando o Anel Viário da cidade.

E eis que no meio do caminho havia uma batida policial. Um comando da polícia, no meio do caminho!

“Tudo bem! Podem até me parar, pois duvido que hoje encontrem alguém mais sóbrio e acordado que eu!”, foi o que pensou enquanto olhava para as duas latinhas intocadas, dentro de uma sacola, no banco do passageiro.

– Documentos!

– Pois não, seu guarda… Aqui está o meu e aqui o do carro.

Nisso o oficial se afastou para conferir sabe-se lá o que junto à viatura enquanto ele permaneceu bem ali, dentro do carro, fumando um cigarro e torcendo para que ele voltasse com um bafômetro! Ah, isso seria muito divertido!

– Senhor, queira sair do veículo, por gentileza.

– Pois não, seu guarda! – respondeu num exagerado tom de gentileza que, junto com o sorriso que ostentava, beirava a zombaria…

– Sinto muito, senhor, mas vamos ter que apreender o veículo.

– CUMÉQUIÉ? COMO ASSIM “APREENDER O VEÍCULO”???

– Acontece que o licenciamento está vencido desde o dia trinta e o senhor não pode transitar com o veículo nessa situação. Conforme consta no artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro é necessário que eu…

– Mas seu guarda, espera um pouco, vamos conversar, tá bom? Veja bem, este carro é da minha mãe e ela sempre foi muito cuidadosa no que diz respeito à documentação. Simplesmente não é possível que ela tenha deixado vencer o documento de… PÉRAÊ!!!

– Pois não, senhor?

– Você disse que o documento venceu no dia trinta? Dia trinta agora? Mas HOJE é dia trinta!

– Não, senhor, hoje é dia primeiro. Dia trinta foi até a meia-noite de ontem.

– CUMASSIM? Mas isso não faz nem duas horas! O que você está me dizendo é que este veículo vai ser apreendido simplesmente porque o documento venceu de ontem pra hoje? Há apenas duas horas ou menos?

– Exatamente, senhor. Vencido é vencido.

De nada adiantou argumentar, apelar para o bom senso, para o superior imediato, lembrar do local em que se encontravam, da distância até sua casa, do horário, nada. O sujeito era irredutível.

Absurda, insólita, inacreditável situação. Mas ainda assim, verdadeira! Aos olhos daquele guarda o documento estava simples e irremediavelmente vencido. Ora, vencido estava ele pela bur(r)ocracia que determinava a fria obediência à lei pelo diligente oficial – ao qual as denominações que passavam pela cabeça de nosso amigo não eram lá assim tão diligentes e muito menos publicáveis neste nosso cantinho de respeito!

Nada mais restou senão voltar pra casa. A pé. Alguns quilômetros, apenas, pelo ermo Anel Viário.

Ao menos as latinhas não foram confiscadas…

Maldita insônia!

A Mensagem

Num mundo em que a comunicação é tudo e o dinheiro sempre pouco, conta-se aqui uma história altamente moral sobre a inutilidade da primeira enquanto se economiza o segundo:

E chamou o pintor e lhe encomendou a placa para anunciar a especialidade do seu negócio: “Nesta casa se vendem ovos frescos”. Além dos dizeres recomendou ao pintor que bolasse uma figura, uma alegoria referente ao ramo. E perguntou quanto era. O pintor disse que ficaria em 50.000. Cinquenta mil o quê?, indagou o comerciante, pensando, inutilmente, numa moeda mais desvalorizada do que o cruzeiro. Cinquenta mil cruzeiros, disse o pintor. Ah, não vale, disse então o comerciante. Como não vale?, retrucou o pintor, ofendido em sua arte mais do que atingido em sua economia. O senhor não poderia reduzir um pouco?, arriscou o comerciante. Claro que posso, disse o pintor, posso reduzir a figura e os dizeres. Como assim?, disse o negociante? Olha, explicou o pintor, pra começo de conversa não precisamos usar figura nenhuma. Se se diz que o senhor vende ovos não há necessidade de colocar nenhuma galinha pintada, não é mesmo? Se o normal são ovos de galinha, o fato de não ter nenhuma outra ave faz com que os ovos sejam, presumivelmente, de galinha. É certo, concordou o negociante. Então, fez o pintor, vinte mil cruzeiros de menos. Agora também não é necessário dizer nesta casa. Se o freguês passa por aqui e vê: “Se vendem ovos frescos”, já sabe que é nesta casa. Ele não vai pensar que é na casa ao lado, não é mesmo? Certíssimo!, exclamou o comerciante. Então, continuou o pintor, por que colocar “Se vendem”? Se o freguês potencial lê “Ovos Frescos”, já sabe que se vende. Ninguém pensaria que o senhor vai abrir uma casa comercial para alugar ovos ou apenas para expô-los, right? É mesmo!, espantou-se ainda mais o comerciante. Quanto ao “Frescos”, continuou impávido o pintor, refletindo melhor não é de boa psicologia usar essa palavra. “Frescos” lembra sempre a hipótese contrária, a de ovos “velhos”. Não deve nem ter passado pela cabeça do comprador a ideia de que seus ovos podem ser outra coisa senão frescos. Portanto, tiremos também o “frescos”! Certíssimo!, berrou o negociante, agora profundamente entusiasmado com a dialética do pintor. Façamos, portanto, apenas OVOS. Por favor, desenhe aí só essa palavra, bem bonita, bem clara: OVOS! Só ovos, ovos tout court, ovos em si mesmos, que se vendam pela sua pura e simples aparência de ovos, pelo seu inimitável oval! Então vamos lá, concordou o pintor. Mas antes de começar a usar o pincel, voltou-se para o negociante e perguntou, preocupado: Mas, me diga aqui, amigo ― pensando bem, por que vender ovos?

Quarta Idade

Estive pensando cá com meus botões… Esse negócio tá todo errado, sabiam?

A começar que todo mundo fala da tal da “Terceira Idade” – mas quem já os ouviu tratar da Primeira e da Segunda? Aliás, alguém já definiu quais seriam essas?

E nem me venham com essa historinha de “Melhor Idade”, pois é uma das piores falácias das quais já tive conhecimento! Para quem gosta desse termo recomendo um excelente texto da Eliane Brum: “Me chamem de velha” (tá aqui no blog), que quando ela deliciosamente implicou com a palavra “idoso”. Particularmente gosto muito desta passagem específica: “Chamar de idoso aquele que viveu mais é arrancar seus dentes na linguagem. Velho é uma palavra com caninos afiados – idoso é uma palavra banguela. Velho é letra forte. Idoso é fisicamente débil, palavra que diz de um corpo, não de um espírito. Idoso fala de uma condição efêmera, velho reivindica memória acumulada.”

Legal, né?

Mas, voltando ao assunto, caríssimos, tenho uma proposta interessante para vocês: que tal separar melhor essa bagaça?

Explico.

Vamos de década em década.

A Primeira Idade envolveria todo aquele período que vai desde o nascimento até o final da infância, ali pelos nove, quase dez anos. Usualmente começamos a adquirir nossa memória lá pelos cinco anos (sei que alguns conseguem ter recordações de antes disso, assim como outros sequer lembram o que almoçaram ontem, mas não é esse o caso) e todo essa fase antes da adolescência costuma ser um mundo mágico, de formação, em que o tempo demora pra passar e na qual diariamente vivenciamos novas e maravilhosas (e, também, às vezes frustrantes) descobertas!

Diferente do que poderiam pensar, nessa minha proposta a Adolescência seria a fase seguinte (achavam que seria a Segunda Idade, né?): dos dez aos dezenove. Sei que alguns acham que aos onze a pessoinha ainda é uma criança (particularmente meu primeiro beijo foi com essa idade), bem como outros, já com seus quarenta e poucos, ainda sequer saíram da adolescência – mas também não é este o caso. Penso que seria algo como os “teenagers” norte-americanos (mais do mesmo aqui). É um outro momento maravilhoso da vida, quando descobrimos tanto nossa sexualidade quanto nossa capacidade de contestação, é quando estamos dispostos a mudar o mundo e temos absoluta certeza de nossa imortalidade!

A Segunda Idade propriamente dita seria o começo da fase adulta: dos vinte aos vinte e nove. Também conhecida como a fase dos “inte”. Ainda nas baladas – por que não? – mas já começando a pensar no futuro, afinal ele chegou. É, para muita gente, o momento de começar a trabalhar, de namorar firme, de casar. É lógico que não é uma regra, pois muitos fazem tudo isso antes, outros depois e tem gente que nunca – mas precisamos ter algum parâmetro não é mesmo?

Enfim, acho que vocês já pegaram o jeitão da coisa, não é mesmo? A Terceira Idade seria dos trinta aos trinta e nove (fase dos “inta”); a Quarta Idade, dos quarenta aos quarenta e nove (“enta”) e assim sucessivamente.

Por exemplo, meu pai orgulhosamente já está na Oitava Idade! E, apesar de um perrengue ou outro, vai muito bem, obrigado!

Pode até ser que alguém anteriormente já tenha pensado em algo similar a esta proposta, mas juro que a ideia só me ocorreu agora. Talvez seja porque a febre baixou ou por algum surto de pensamentícies durante outro surto de insônia, mas, pra mim, o raciocínio até que faz sentido…

E eu, aqui, do alto da minha Quarta Idade – um sujeito que ainda fala com seus botões – fico pensando que ainda tenho muito a fazer e pelo que viver… Como já sabem, sempre fui dado a recomeços, mas todo recomeço envolve um certo período de “adaptação”. É como tentar fazer pegar no tranco um carro que tenha acabado a gasolina: no começo dá um pouco de trabalho, a gente cansa de empurrar aquele troço que parece não querer sair do lugar, mas depois que o motor dá o primeiro giro, depois que a primeira explosão põe todo o conjunto pra funcionar, já sabemos o que fazer: basta acelerar!

E é chegada a hora de arregaçar as mangas, pois há muito a ser feito!

Até porque, em respeito aos meus caninos afiados, sou, sim, um novo-velho que não sabe reconhecer o lugar em que gostariam que eu ficasse. Meus cabelos e barba branca contrastam com o vigor com que me atiro a um projeto e com o brilho de meus olhos pela satisfação de fazer o que entendo como certo.

Então, caríssimos, enquanto vocês continuam por aí temendo a chegada da terceira idade tal qual hoje ela é, com orgulho lhes digo que daqui, já da minha Quarta Idadee apesar de toda a bagunça que fizeram e continuam a fazer no mundo político e judiciário em âmbito nacional – ainda vejo o futuro com otimismo e como uma terra de oportunidades!

E que venham a Quinta, Sexta, Sétima e demais idades!

E vamo que vamo!
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Em tempo:

Aos interessados (e também aos que não o são), antes que eu me esqueça: dei uma boa de uma revisada no “FVC – Seletos 99 Causos”, reeditei a capa e, pasmem, esta é uma versão ampliada, com mais crônicas, mas ainda assim respeitando as mesmas 270 páginas do original e com o limite de apenas 99 causos… Como isso? Somente adquirindo seu próprio exemplar para descobrir… 😉

“Filosofices de um Velho Causídico – Seletos 99 Causos” é por si só uma seleta coleção dentre as mais de mil páginas de crônicas, contos, casos e causos de meus livros anteriores, bem como mais um tantinho que ainda está lá no blog. Apesar da luta que foi o processo de escolha, consegui me restringir a apenas 99 textos que são, resumidamente, os melhores, os de maior significância pessoal, os mais divertidos, os mais profundos, enfim, os mais relevantes que já publiquei (na minha nada humilde opinião, é claro). O que não desmerece em absolutamente nada todo o restante que ficou de fora desta seleção. Distribuídos pelos capítulos Coisas de Casal, Criança dá Trabalho, Juridicausos, A vida como ela é, Passado a Limpo, Martelando o Teclado e Filosofices, falo um pouquinho da vida conjugal, da difícil arte de ser pai, de causos jurídicos, dos perrengues do dia-a-dia, do passado que tanto me guia quanto persegue, bem como algumas crônicas, invencionices e elucubrações de praxe…

Volta ao Mundo em 80 Horas – VI

VI – Frustrado novamente

Ah, nada como uma hospitalizada noite de sono relativamente tranquila…

Bem, quase.

Após um bom banho quente (de verdade) – mas com cuidado para não ferrar com o tal do acesso que continuava espetado na minha mão esquerda – pude confortavelmente me deitar e ser reconectado a um frasco de soro para passar a noite. Se bem que “deitar” é um ponto de vista. Cama para hobbits, vocês se lembram? Como a noite estava agradável, o jeito foi enrolar o cobertor para usá-lo como almofada e suporte para os pés, bem em cima da… Quer dizer, do… Putz! Como é que se chama o oposto de cabeceira? Peseira? Zaga? Posterior? Ilharga? Retaguarda? Bem, acho que vocês entenderam, né?

Até me deixaram comer de novo! Uma sopinha – que era pra não pesar – mas que sorvi até a última gota do último bocado do caldinho. Podem falar o que for de comida de hospital – que, é óbvio, jamais vai ser como a comida de nossa própria casa -, mas, na minha opinião, estava uma delícia! Ou, talvez, por conta de fazer um dia e meio que não me alimentava de absolutamente nada, pode ser que qualquer coisa remotamente mastigável me pareceria estar extremamente saborosa…

Enfim, de fato, a noite foi tranquila, à exceção das poucas vezes que fui acordado para medir a pressão (cravados 12 x 8 em todas as amostras) e nada comparável à medição de 15 em 15 minutos da noite anterior.

Acordei no horário de praxe (cinco da matina, conforme previamente programado no meu maldito relógio biológico) e, ainda sem óculos, fiquei bestando até dar o horário de começar a aparecer gente.

E, logo cedo, antes do início do expediente, recebi a honorável visita de alguns amigos: Joseane, Marcela e Gil.

Curiosamente o período não estava favorável para pessoas saudáveis… Por aqueles dias minha amiga Dani, que também trabalha lá na instituição, estava com o maridóvski diarreico e a filhota do meio com muita dor (provavelmente pedra nos rins – tomara que não); fiquei sabendo que o sogro de meu cunhado passou mal e teve que ser internado; a própria irmã da Marcela também estava de molho, internada ali na Santa Casa, sob observação; e, bem na minha frente, o Gil havia recentemente feito uma cirurgia e também estava se recuperando.

Aliás, imaginem um caboclo sacana, rápido na resposta, muito bem humorado, carequinha, com um metro e sessenta e poucos de altura e aproximadamente (sei lá, tô chutando) uns 130 quilos. Se ficasse sentadinho, de pernas cruzadas e fosse pintado de dourado, passaria tranquilamente por uma estátua do Buda. Esse era o Gil.

Era.

Dentre outras intervenções que foi obrigado a fazer, decidiu melhorar a qualidade de vida e passou por uma bariátrica, a tal da gastroplastia ou cirurgia de redução de estômago. Somente o conheci após isso, mas eu diria que ele deve ter perdido em peso o equivalente a um saco de cimento. Dos grandes.

Já passados alguns anos e tendo conseguido se manter em torno de setenta e poucos quilos, resolveu que era hora de melhorar ainda mais um bocadinho a qualidade de vida e passou por uma nova cirurgia, desta vez para remover o excesso de pele flácida que restou de seus tempos rechonchudos. Durante a recuperação ele tem que usar uma espécie de “colete de contenção” – parece que, ao menos, até tirar os pontos.

Heh… Depois dessa acho que ele vai querer fazer uma cirurgia para não usar mais óculos. E, talvez, um implante capilar – por que não?…

Bem, apesar de ser eu o internado, estávamos todos curiosos sobre como ele estava. Conversamos um pouco e ele resolveu mostrar a tal da cirurgia. Tirou o colete, que deve ter uns quinhentos colchetes para abotoar e, bem nessa hora, me chega o Torquemada.

– Mas que zorra é essa???

Explica daqui, justifica dali, se envergonha dacolá e eu, sentado na cama, me matando de rir da cara do povo! Rapidinho, enquanto ainda explicava tudo, foi reabotoando os colchetes até que chegou no último. Errou de casa no primeiro e ficou tudo fora. Toca a desabotoar e abotoar tudo de novo. Roxo. E eu se rindo até me acabar!

Não demorou muito cada um tomou seu rumo, enxuguei as lágrimas do acesso de riso e começamos a conversar um tanto.

– É, parece que não tem jeito mesmo. Você não vai fazer a colonoscopia…

– Caceta, ainda essa história? Larga mão disso, cara! Será que hoje me liberam? Já deixei tudo arrumadinho e no esquema pra levantar voo…

– Provavelmente sim. Quem vai levar você embora?

– Ah, tô com o carro ali no estacionamento do trabalho e…

– NÃO, NÃO, NÃO! O senhor não vai dirigir. Hoje não.

– Mas, mas, mas…

– Sem “mas”. Arranje alguém para te levar e dê um jeito de pegar o carro depois.

Nisso chegou a Dona Patroa.

E – graças a Deus – com meus óculos!

Começamos a tabular uma conversa sobre como ir embora e ela já falou que nosso amigo Flávio se dispôs a levar o carro. E eu disse que também poderia contar com (quase) qualquer um lá do serviço que, tinha certeza, não se negaria a ajudar. O próprio Torquemada também se colocou à disposição. E o Ronaldo disse que não nos preocupássemos porque ele estava ali pra isso mesmo.

Oi?

Ronaldo?

Sim, Ronaldo, um amigo lá do serviço e que trabalha diretamente com a Chefa. Quando foi que ele chegou? Como foi que ele se materializou ali, do nada, e já foi entrando na conversa?

– Que é que você tá fazendo aqui, cara?

– Ah, é que a Chefinha pediu que, se fosse possível, eu te levasse pra casa, já que você vai ter alta hoje.

É como eu já disse antes: sendo quem é, já sabia de tudo que estava acontecendo, o que eu poderia ou não fazer, e, inclusive, quais seriam os próximos passos…

Pois bem, o negócio agora era aguardar o médico de plantão para um rápido proseio, me dar alta, enfiar a viola no saco e tomar o rumo de casa. Lá pela metade da manhã ele veio. Só que ele não era ele, era ela. Uma gordinha com cara de simpática que veio chegando, com a prancheta na mão, deu uma olhada pra mim e já foi tagarelando:

– Seu Adauto, né? Vi aqui o que lhe aconteceu e, na minha opinião, ainda faz muito pouco tempo do ocorrido. Isso porque situações como esta são definidas por um protocolo médico e, segundo esse protocolo, o senhor vai ter que passar mais um tempinho aqui em observação, ok?

Assifudê!!! Eu bem disse que eles devem ter cartões personalizados com essa fala decorada!

– Seu Adauto? Tudo bem?

– Não vou esconder a frustração de que vou ter que ficar mais um pouco por aqui, mas, paciência. Até amanhã, então?

– No mínimo, até sábado.

Mais dois dias! Caceta! Pelo menos eu teria tempo de sobra para ler os livros que estavam comigo, agora que eu já estava com meus óculos. A essa altura o Torquemada já tinha saído para rir longe da médica. Pedi mais uma muda de roupa para a Dona Patroa e, quando fui falar com o Ronaldo… Cadê? Puf! Sumiu! Como será que ele faz isso?…

Não demorou muito, ele ressurgiu e expliquei-lhe a situação. Não sem rir (da minha cara), ele ainda se colocou à disposição quando eu, de fato, saísse.

Novamente sozinho, resolvi que deveria esclarecer para a Chefa, de maneira adulta, coerente e salutar, o que havia ocorrido e o porquê não seria necessário que nosso amigo Ronaldo ficasse por ali. Como eu iria lhe mandar uma mensagem de texto, pensei um pouco, busquei no fundo do meu coração palavras conciliatórias, basicamente não ofensivas e que pudessem resumir a peculiar situação em que eu me encontrava. Saiu isso:

– A VACA DA MÉDICA NÃO ME DEU ALTA!!!

Ela riu, me recomendou que ficasse descansando, me cuidando, e que se assim não o fizesse ia pedir para a Dona Patroa tomar meus telefones. Como última “recomendação médica” me aconselhou a ficar quietinho no meu canto, só lendo coisa boa.

Melhor obedecer, né?

Antes de desligar os aparelhos (celulares, não os hospitalares – até porque já não estava mais conectado a nenhum), ainda troquei uns zaps com os amigos Nando e Fred, lá do Sr. Barba, atualizando-os do que aconteceu. Como são de uma sensibilidade ímpar me mandaram uma foto deles próprios tomando suas brejas e o Nando já antecipou que vai deixar lá na barbearia um estoque de Kronenbier (uma tradicional cerveja sem álcool). Fiadasputa.

Já entubado (não literalmente falando) pelo que me aguardava e pronto para me dedicar a horas de ócio somente na leitura, ainda recebi a visita de mais dois queridos amigos que estavam bem preocupados com minha situação: o caríssimo Casal Lux-Nerd… E que, inclusive me trouxeram mais alguns livros! Vejam só os títulos:

– “Três Dedos: um escândalo animado”;

– “Ser feliz”;

– “O oceano no fim do caminho”;

– “Andar do bêbado”; e

– “Obrigado por fumar”.

De fato é bem como diz o ditado: dá dinheiro, mas não dá intimidade. Tô cercado de humoristas. Ô bando de amigos tiradores de sarro que eu tenho!

Bem, novamente sozinho, agora era só questão de aguardar mais dois dias para a alta. Mas, lembrem-se: comigo nada é fácil! Até as expectativas quando dão certo, acabam dando errado. E essa era a lição que eu iria aprender no dia seguinte.

(Continua…)