“Controle de stress…”

 
Isso! 😉

Pensa rápido!

Num conversê hoje na hora do almoço me veio à lembrança um antigo filme do Chaplin, no qual ele chega em casa pela manhã – e ainda bêbado! Destaquei desse filme o pedacinho que eu acho mais hilário, que é quando ele, pé ante pé, entra no quarto e tenta se deitar para dormir sem que a esposa perceba. Mas eis que o despartador toca! E então…

Eles voltaram

Márcio Alemão

Gostei de ouvir de quem entende, de quem comanda vários restaurantes, que o uísque está voltando a ser consumido. Eu, solitariamente, tenho feito campanha pró-malte há muitos anos. Adoro uísque. Considero-me muito mais um bebedor de uísque do que de vinho. Vinho, já disse várias vezes, é coisa muito séria. Exige atenção, conhecimento. Não que o uísque entre na vala do “vale-tudo”. Longe disso.

Não consigo imaginar Dean Martin, Sammy Davis Jr. e Frank Sinatra no bar em Vegas acompanhados por um merlot. Foto: Harry Langddon/ Getty Images

Mas havemos de concordar que não dá, pelo menos dentro de meu medíocre conhecimento de tipos e marcas de uísque, para comparar a variedade do vinho versus a do uísque. Safra, por exemplo, não é coisa que exija reparo no malte e no vinho, segundo os que entendem, faz uma diferença danada. O que ambos têm em comum: se for ruim não dá pra tomar e se for muito mega-blaster-ultra ­especial, raros paladares serão capazes de apreciar.

Os detratores do uísque alegam que ele arruína o paladar por conta de seu alto teor alcoólico. E é verdade. Se a ideia é seguir com uma janta de primeira, não mais que uma dose. E eu digo que essa regra do pré também vale para o vinho. Os de hoje apresentam teor alcoólico alto, claro que ainda não se compara ao do uísque, mas vamos lembrar que por aqui tomamos o malte bem diluído. Excesso todos, em resumo, antes de comer, não funcionam.

Uísque sempre formou um par histórico, cinematográfico, musical com o cigarro. Destilados, eu diria. Não consigo imaginar o Rat Pack, Frank Sinatra, Dean Martin, Sammy Davis Jr., ­ no balcão de um bar em Vegas pedindo um merlot, um chardonnay e, na sequência, Dino girando e girando o copo e emitindo seus pareceres: “Ervas, madeiras, frutas secas”. Tal e qual, cada um deles fazendo o mesmo, daria para crer?

No tema, quem se lembra da abertura da canção Who’s Got the Action?, interpretada por Dean Martin? Um suposto mestre de cerimônia, após um rufo de bateria, diz: “E agora, senhoras e senhoras, a estrela de nosso show, direto do bar, Dean Martin!” E no momento seguinte a câmera faz um chicote, vai até o bar e encontra Dino. Bebendo o quê? Outros tempos, claro. Tempos nos quais a indústria do vinho não dava cartas.

Quando o assunto envolvia a harmonização com a fumaça, os destilados sempre tiveram minha preferência. Exceção ao vinho do Porto, que casava de maneira espetacular com um bom charuto. No mais das vezes, uísque com cigarro formavam um par mortal, em todos os sentidos, é fato.

No presente momento eu diria que o vinho tomou a dianteira. Em casas habitadas por pessoas de fino trato era bem comum encontrar uma linda coleção de garrafas de uísque, que foi substituída por uma adega climatizada. Eu ainda me fascino com uma coleção de garrafas. Quem não? Uma boa luz viajando pelos muitos formatos, refletindo dourados líquidos…

E o que você me diz sobre os gerentes de banco? Entraram bem, eu diria. Ninguém mais envia para eles uma garrafa de um honesto malte, tipo um Red Label. Hoje ele vai levar pra casa um argentinozinho ordinário e nem vai poder falar muito a respeito. Manda a norma da boa educação que ele agradeça e faça um comentário tipo: “Opa, da Argentina!”

Também outro alimento, ­ com o perdão de leitores(as) nutricionistas, voltou a circular e me deixou feliz: ovinhos de amendoim, que em outros tempos eram conhecidos como “novidade”. O que me agrada mais nessa volta: sinto que as pessoas estão ficando mais relaxadas no melhor sentido da palavra. Potinhos de variados salgadinhos podem ser um começo divertido para uma divertida noite. Se o uísque for bom, o vinho for bom e a música boa, só ficam faltando as boas pessoas, as boas conversas. E isso, admito, tem sido mais raro.

Clique na imagem para ampliar!
( Notícia merecedora de nota no finado blog etílico Copoanheiros… )
Adauto de Andrade

Sou mais a porrinha

Clique na imagem para ampliar!
( Publicado originalmente no blog etílico Copoanheiros… )

Bicarato

No melhor estilo *espírito de porco*, conforme o próprio Luiz Antonio Simas, contador de Histórias Brasileiras, reproduzo aqui um textinho que é daqueles que me da a sensação de *por que não escrevi isso antes?* Tá, ok: não escrevi esse texto porque não tenho o conhecimento necessário, nem as referências culturais e de formação do Luiz — mas uma coisa temos em comum: o verdadeiro espírito democrático e esportista-de-boteco, ainda que eu reconheça que — como os melhores artífices dessa arte da porrinha — esteja um pouco desleixado e fora de forma. Nada, porém, que não possa ser devidamente sanado com poucas horas de boteco. Mas, valeu, Luiz! Te desafio, desde já, pra uma peleja — e te dou o benefício de ser o *mandante* do jogo. É só marcar o local =^)

Esporte de homem não é porrada. É porrinha.

Realmente não sou chegado a ver um bando de homens, dando pinta de que acabaram de escapar de uma gruta em Neanderthal, brigando. Por isso mesmo não assisti ao evento de luta livre (tem uma sigla pro treco, mas estou com preguiça de verificar qual é…) que ocorreu aqui no Rio. A última briga entre cariocas que me interessou foi entre os índios tamoios e temiminós, nos idos do século XVI , nas praias da Guanabara. Depois de Araribóia e Cunhambebe e seus respectivos tacapes eu não respeito homem nenhum saindo no braço.

Porrinha OlímpicaUm conhecido meu, durante um rápido encontro no Centro da cidade, tentou me convencer a assistir o confronto entre os egressos do Paleolítico Inferior com o argumento de que isso sim é “esporte de homem”. Respondi que esporte de homem, pra mim, nem o futebol é. Só mesmo a porrinha disputada nos botequins mais vagabundos merece essa alcunha. É por isso que reproduzo abaixo um texto que escrevi em 2010, logo depois da escolha do Rio de Janeiro como cidade olímpica: Porrinha nas Olimpíadas de 2016! E vai em negrito, pra fortalecer a campanha.

Existem vários tipos de espíritos que podem encostar e pegar o sujeito. Eu, por exemplo, que vim de uma família ligada ao espiritismo em suas vertentes macumbais – umbanda e encantaria – quando era pequeno ouvi da minha avó que era sempre bom pedir auxílio aos espíritos e entidades; eles viriam me ajudar. Tornei-me, então, devoto do espírito mais citado lá em casa: O espírito de porco. Fazia pedidos a ele.

Quando descobri, lá pelos sete anos, que o espírito de porco não era exatamente quem eu imaginava, mergulhei durante meses no mais absoluto materialismo e virei comunista. Foi o seguinte: Tomei um esporro da minha avó no dia em que perguntei a ela qual era o ponto que eu devia cantar para saudar o espírito de porco. Ela achou que era sacanagem minha. Posso, inclusive, confessar algo que só pretendia fazer ao médium de mesa branca depois da morte – o dia em que descobri que o espírito de porco não era uma entidade correspondeu, em termos de impacto, à notícia sobre a inexistência do Papai Noel para centenas de outras crianças.

Parêntese: Vejam como são as coisas. Comecei falando do espírito de porco quando, na verdade, pretendia escrever desde o início sobre outro espírito – o olímpico. Retomo no próximo parágrafo a ideia original.

A escolha do Rio como sede das Olimpíadas de 20l6 despertou em mim forte vocação esportiva. Entusiasta dos esportes do Brasil, sou fã e praticante amador de um jogo fundamental para nossa gente brasileira, tão sofrida e adepta do desporto como instrumento de inclusão social: a porrinha [ou purrinha], também conhecida como basquete de bolso.

A porrinha é um esporte altamente sofisticado e democrático. Os estádios ideais para a prática são os botequins mais vagabundos. Cada atleta, em geral, inicia a peleja com três palitinhos. A partida começa quando os jogadores escondem uma certa quantidade de palitos numa das mãos e as estendem, fechadas, para a frente. Cada jogador dá, então, o seu palpite sobre quantos palitos estão no jogo. Ganha a rodada quem acertar o número exato de palitos.

A porrinha exige dos esportistas alguns atributos fundamentais: Sorte, inteligência para blefar e perceber o blefe e preparo físico para jogar enquanto quantidades generosas de cervejas e cachaças são consumidas durante o embate. Recomenda-se um trabalho de musculação para o fortalecimento da musculatura do bíceps, que sofrerá o impacto do peso dos palitos durante a refrega. O uniforme ideal para a prática do desporto é simples e consiste em bermuda, camiseta e sandália de dedo.

Pesquisas que fiz em compêndios e dicionários especializados indicam que a provável origem da porrinha é o antigo Império Romano. Os soldados de Roma costumavam praticar, nos intervalos das batalhas mais sangrentas, um jogo conhecido como Morra. O negócio consistia no seguinte: Os jogadores escondiam uma certa quantidade de dedos da mão direita às costas e diziam um número. Aquele que acertasse o número exato era o vencedor. O troço era popularíssimo e há relatos nas crônicas de Seleno de torneios realizados no Coliseu que terminaram em matanças tremendas.

Alguns especialistas defendem que o nome porrinha surgiu de uma expressão proferida por Santo Agostinho no século IV – Porro cum quo micas in tenebris ei liberum est, si veliti, fallere. Tradução: Com certeza, mesmo que avisado, podes enganar aquele com quem jogas morra no escuro. O latim porro, com o tempo, virou porra. A porra virou porrinha.

O Brasil transformou a velha porrinha romana em coisa nossa, como o samba, a prontidão e outras bossas. Introduzimos os palitinhos de dente ou fósforo no babado e consagramos o botequim como palco da disputa. Fizemos a mesma adaptação em relação ao futebol, o jogo sem graça dos ingleses que ganhou a ginga e o balacobaco canarinho.

É por isso que sugiro, com a maior seriedade, campanha em meios de comunicação e o esforço dos formadores de opinião para que a porrinha seja considerada esporte olímpico em 2016. Clamo pelo empenho do Doutor João Havelange, do presidente Lula, de Pelé e demais autoridades físicas e metafísicas para que o Comitê Olímpico Internacional faça justiça com o histórico esporte.

Não precisaremos, pensem nisso, sequer construir estádios. Aqui no Maracanã temos, por exemplo, o Bode Cheiroso, botequim com estrutura para sediar os embates. Imagino até o novo nome do estabelecimento: Complexo Olímpico Bode Cheiroso.

A memória dos grandes e falecidos atletas da porrinha de todos os tempos – Meu avô, Jorge Macumba, Seu Nilton, Manoelzinho Motta, Seu Vovô, Abecedário, João do Vale, Teté, Claudio Camunguelo, Dr. Castor de Andrade, Moisés Xerife, Candonga, Primo Pobre, Querido de Deus, Seu Sete Rei da Lira, Madame Satã, Camisa Preta, Julião Vem Cá Meu Puto, Wilson Batista, Almir Pernambuquinho… – poderá inclusive servir como instrumento de forte campanha de marketing para estimular a prática educativa do esporte entre nossa juventude.

Esporte de homem não é porrada. É porrinha.

Abraços

Etiqueta

Clique na imagem para ampliar!
( Publicado originalmente no blog etílico Copoanheiros… )

Bicarato

Como o título já informa, trataremos neste post de algumas regras básicas de etiqueta — nada mais pertinente, portanto, que antecipadamente eu peça licença ao sr. Daniel Cariello pra compartilhar aqui as ricas informações a seguir (caso não seja deferido o pedido, sr. Daniel, confira o *Capítulo 9* a seguir), devidamente copiadas lá do Outras Palavras.

Mas, cá neste boteco, cabe ressaltar que algumas dicas são mais valiosas que as demais. Refiro-me, particularmente, ao *Capítulo 21* e, ainda mais especificamente, às seculares regras 8 (ano 1243) e 27 (ano 1789). Anotem, pois, e evitem maiores dissabores à mesa — pelo menos a partir de agora.

Chéri à Paris À table!

Por Daniel Cariello, de Chéri à Paris

O General De Gaulle disse uma vez que era impossível governar um país que tem mais tipos de queijo do que dias do ano. Ainda no contexto gastronômico, eu afirmo que o mais complicado na França nem é a enorme variedade desses derivados lácteos, mas sim a estapafúrdia quantidade de regras de comportamento à mesa que eles têm.

No Brasil elas se resumem mais ou menos a “evite colocar seu pé na comida do outro” e “se for lamber o prato, faça-o embaixo da mesa”. Mas no país do fromage a lista é longa e tem origem antiga, resultado de séculos e séculos de muita preocupação com a etiqueta e, principalmente, de muita falta do que fazer.

Eis uma pequena amostra delas, com datas indicadas onde necessário.

Capítulo 1 – Da maneira de se portar
. Regra 1 (ano 1023) – Ao sentar-se à mesa, nunca sente-se realmente à mesa, mas sim na cadeira reservada para você.
. Regra 45 – É terminantemente interditado olhar no prato do vizinho. Fazendo isso, você dá a ele o direito de bufar na sua direção e dizer “merde”.
. Regra 97 (ano 1990) – É proibido cantar à mesa. Principalmente axé music e aquela medonha lambada do grupo Kaoma.

Capítulo 5 – Da refeição em si
. Regra 4 (ano 1211) – Se você já acabou o seu javali, não fique de olho no do seu colega. Ele pode ficar chateado e te cortar a cabeça com uma espada.
. Regra 23 (ano 1322) – É polido e prudente não começar a refeição antes da dona da casa. Polido porque, afinal, é ela quem o está convidando. E prudente porque em pleno século XIV é grande a chance de a gororoba estar estragada. E aí é a velha quem vai passar mal.
. Regra 64 (ano 1655) – Nós todos sabemos que essas enormes perucas brancas que usamos são absolutamente ridículas, mas isso não significa que você possa retirá-la durante um jantar.

Capítulo 9 – Das batalhas à mesa
. Regra única – Não brigue à mesa.
. Regra única, adendo 1 (ano 1642) – Se brigar e a coisa ficar mesmo feia, evite marcar duelos para logo após o almoço. Seria uma grande indelicadeza com a dona da casa.
. Regra única, adendo 4 (de 1789) – Mesmo para um revolucionário, não é de bom tom brigar à mesa. Mas caso a confusão role, nunca utilize seu guardanapo de tecido para estrangular o vizinho. Prefira a guilhotina.
. Regra única, adendo 4.1 (de 1789) – Quando o uso da guilhotina se fizer realmente necessário, é polido esperar a futura vítima acabar a sobremesa e o café.

Capítulo 13 – Da eventualidade de servirem escargots
. Regra 1 – Coma. Se não gostar você pode fazer biquinho, afinal estamos na França.
. Regra 17 – Se seus escargots forem servidos vivos, não promova uma corrida com eles. A dona de casa pode ficar ofendida.
. Regra 31 – Não se preocupe, não é gafe deixar as antenas do bicho no prato.

Capítulo 21 – Da hora de partir
. Regra 8 (ano 1243) – É indelicadeza com o dono da casa ir embora antes de ficar completamente bêbado.
. Regra 27 (ano 1789) – É indelicadeza com o dono da casa ir embora antes de ficar completamente bêbado e cantar a Marselhesa.
. Regra 43 (ano 2011) – É indelicadeza com o dono da casa ir embora antes que ele tenha a chance de bufar três vezes demonstrando claramente que você já deveria ter zarpado há muito tempo.


Daniel Cariello, editor da revista Brazuca, é colaborador regular da Biblioteca Diplô / Outras Palavras. Escreve a coluna Chéri à Paris, uma crônica semanal que vê a cidade com olhar brasileiro. Os textos publicados entre março de 2008 e março de 2009 podem ser acessados aqui.