Comida de Boteco

Dia desses, num breve proseio com o copoanheiro de plantão, falávamos sobre um tal de concurso que estão fazendo pelas redondezas: “petisco de buteco”.

É lógico que não poderíamos, juntamente com nossos fermentados e destilados de praxe, também deixar de destilar nossa etílica criatividade para um evento de tal pompa e circunstância! E se você tem estômago fraco então pare de ler este texto neste exato momento! Não só porque você não aguentaria uma verdadeira comida de boteco, mas também porque os níveis de ironia, sarcasmo e tiração de sarro seguem num tom bem elevado, provavelmente acima do suportado por pessoas sensíveis como você…

Continuou, né? Tá bom. Por sua conta e risco, então.

Pois bem. Ele me perguntou se eu havia lido o tal do edital desse concurso e comentou que parecia que tinha uma taxa de cem contos pra participação. Do edital já lhe adiantei que nem sequer passei perto, pois tenho mantido minhas leituras naquilo que importa pro meu ofício, então não vou gastar minha vista com um monte de letrinhas juridicamente embaralhadas – e que provavelmente levariam meu senso crítico a um outro estágio de sarcasmo. E quanto à taxa de participação, meu, CEM CONTOS? Sinceramente, não sei se a informação procede ou não, mas vocês não tem ideia de quantos “petiscos de buteco” dá pra fazer com essa grana!

E acho que foi aí que chegamos ao cerne da questão: será que o organizador desse concurso REALMENTE sabe o que é um boteco? Por mais louvável que seja a iniciativa, me parece que não. Pois boteco, boteco MESMO, é outra coisa. Talvez esse sujeito esteja acostumado não com botecos, mas sim com bares, lanchonetes, restaurantes, petiscarias, mas isso também é outra coisa. Provavelmente, diferente da realidade de um boteco, ele deve frequentar locais que possuem mesas com toalhas de linho, garçons pronto a servi-lo, maître para organizar o local, chefs para cuidar do cardápio, coristas seminuas dançando no palco bem em frente, enquanto que ali à direita, num pole dance, tem uma fantástica ruiva que… Não! Péra! Isso é outra coisa…

Enfim.

Onde estávamos?

Ah, sim. Boteco.

Boteco é um lugar em que o dono chega todo dia pontualmente sabe-se lá a que horas, abre as portas de aço, arruma as caixas de bebida num canto, entre as mesinhas de plástico e as de lata (às vezes tem algumas de madeira também), limpa a bagunça da noite anterior, dá uma varridinha de leve (os cantos das paredes são tradicionalmente arredondados de tanta poeira), desentorta a bandeira do seu time pendurada na parede, se benze em respeito à imagem do santo que fica no outro canto, recebe as pessoas, serve as bebidas, faz as comidas e ainda cuida do caixa. Às vezes tem algum membro da família pra ajudar (a esposa, o filho vagabundo ou aquele cunhado que ninguém suporta), às vezes não. Nesses casos, quando precisa pagar alguma conta na lotérica mais próxima, pega um dos cachaceiros de confiança pra “cuidar” do estabelecimento enquanto estiver fora, não sem antes dar uma boa medida no nível das garrafas de cachaça e outras bebidas que ficam ali, bem do lado da pia. O que ele não sabe é que o caboclo dá suas bicadas do mesmo jeito – mas depois completa com água!

Boteco vem de botequim, diminutivo de botica, derivado do grego apótheke, palavra cuja origem remonta a milhares de anos no passado e pode ser toscamente traduzida por algo como “casa de bebidas onde se reúnem pés sujos, cachorros, violeiros, cachaceiros e outros sujeitos bons de proseio”.

Apesar de uma tradicional confusão cultural, é importante lembrar que um boteco não é um bar. Nem mesmo um bar ruim, como diria Antonio Prata, estando mais próximo da definição do Leonardo Boff… Etimologicamente eu diria que boteco está para bar assim como moleque para criança, velho para idoso, futebol de rua para pelada. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Mas voltemos ao concurso.

Concluímos que se fôssemos nós a fazer um concurso de Comida de Boteco (“petisco” é muito fresco e “buteco” é uma corruptela que falta para com o respeito tanto à língua portuguesa quanto aos botecos de verdade – na minha nada humilde opinião, é claro), teríamos então que montar uma planilha de quesitos rigorosíssima e com uma pontuação condizente à realidade da coisa.

Já na primeira leva de palpites pensamos em algo específico em relação à comida em si: fragrância (cherança); substância (sustança); crocância (mordança); abundância (êita porção servida!); ignorância (arre égua!!!); e, ao final, é claro, ânsia.

Deveríamos também considerar a situação jurídica do estabelecimento: se possui documentação e impostos em dia; se as coisas tão atrasadas mas é do antigo dono que faleceu; se não sabia que precisava de tudo isso pra abrir um boteco; se tem que enxotar todo mundo e fechar as portas rapidinho sempre quando chega a fiscalização. Pontuação inversamente proporcional à regularidade do local.

Aliás, falando em fiscalização, concordamos de bom grado que se o boteco tiver alvará da Vigilância Sanitária já estará sumariamente desclassificado do concurso, deixará de ser considerado um boteco e ainda sofrerá boicote pelos cachaceiros da cidade!

Outro quesito importante: a chapa. Se tiver chapa. Uma chapa limpa e bem cuidada demonstra um nível de asseio inaceitável para o preparo de uma verdadeira comida de boteco. A graduação da pontuação começaria pela simples análise de quantidade de gordura acumulada, aumentando de acordo com os restos de outros lanches que tenham passado por ali e atingindo sua nota máxima caso sejam encontradas substâncias totalmente desconhecidas e inexplicáveis – mas que ainda assim proporcionam à comida aquele gostinho tão bão…

Já para as frituras serão analisadas a qualidade do óleo e a idade da panela. Caso o mesmo óleo não tenha sido utilizado para pelo menos cinco tipos diferentes de frituras (incluídos aí peixe, pastel e coxinha) não será sequer pontuado. A panela deverá obrigatoriamente possuir crostras negras de idade que remontam a eras geológicas por toda sua volta. Gambiarra no cabo (se tiver cabo) e furos tapados contam pontos extras.

O cozinheiro é um item à parte. Tá certo que existem aqueles botecos em que os donos já trazem “pronto de casa” ou mesmo que compram daquela tiazinha que acorda às quatro da manhã e prepara os salgados pra no mínimo metade dos bares da cidade. Mas não é disso que estamos falando. Ao preparar seus quitutes – quer sejam lanches, porções, frituras ou seja lá o que for (afinal de contas quase tudo levemente comestível ou mastigável pode ser considerado como “comida de boteco”) é importante avaliar tanto a forma de preparo quanto as condições do cozinheiro: se usa luvas descartáveis; se usa luvas NÃO descartáveis; se lavou as mãos; se cortou as unhas; se existe explicação pr’aquele preto debaixo das unhas; se ao menos tem unhas. Panos de prato também serão pontuados à parte de acordo com o nível de cândida acumulado que venha a ser encontrado nas tramas do tecido. Se for encontrada (o que garantiria uma pontuação extra). O manuseio também será avaliado: se o pano de prato permanece dobrado à disposição ali de ladinho; se encontra-se pendurado num gancho próximo; se está preso no lateral da gaveta do caixa; se fica no ombro do cozinheiro e é o mesmo que utiliza para enxugar os copos, limpar o balcão, enxugar o suor da testa, secar o sovaco e, eventualmente, assoar o nariz.

A apresentação tem diversas variantes, passando pela tradicional estufa em cima do balcão, invariavelmente com bandejinhas ostentando pedaços de carnes indefinidas praticando nado sincronizado naquela piscina olímpica de gordura e óleo, como também salgados amanhecidos dos mais diversos tipos (ovos cozidos coloridos, por serem representantes de uma outra época, garantem muitos pontos adicionais) até a simples vitrine com uma ou duas moscas varejeiras do lado de dentro atestando a qualidade do alimento. O suporte pode se dar através de pratos de louça, plástico ou isopor (limpos ou não); guardanapos de papel que podem ou não segurar aquela gordura pingando e escorrendo nos dedos; e mesmo a clássica retirada com uma pinça e entrega diretamente na mão mesmo do cliente. Saquinhos de papel de padaria, ainda que usados e com restos de farelo de pão, bem como pedaços de jornais em tiras podem eventualmente ser aceitos, desde que, neste último caso, seja de no máximo uma semana (não pelo estado de conservação, mas por só trazer notícia velha).

A forma de degustação está diretamente ligada à disponibilidade do ferramental. Explico. Quesitos específicos avaliarão se a iguaria sob análise deve ser apreciada com a utilização de talheres, palitos ou guardanapos. Os quesitos seguintes avaliarão se existem talheres, palitos ou guardanapos. A pontuação continuará de acordo se os talheres são ou não lavados regularmente; se os palitos são comprados, reaproveitados ou feitos em casa; se o guardanapo é de pano, papel absorvente ou aquele negócio de qualidade e origem indecifráveis, que raramente limpa algo e que fica naquelas papeleiras inoxidavelmente enferrujadas bem no meio da mesa. Pontuação extra levará em consideração a necessidade de que, com ou sem ferramentas, as mãos tenham que ser usadas na degustação e se foi possível limpar aquela meleca residual que escorreu por entre os dedos num guardanapo ou, na ausência de guardanapo, na borda da toalha da mesa ou, se a toalha for de plástico, qual foi o tamanho e a consistência da mancha que tenha ficado na calça. Mais pontos extras se nunca mais for possível usá-la.

Acompanhamentos obrigatórios de acordo com o tipo de comida servida podem também render pontos extras, sendo aceitáveis e pontuáveis elementos do tipo suco, refrigerante, cerveja, vinho do garrafão embaixo do balcão, cachaça, azeite, orégano, coentro, pimenta, pimenta forte, pimenta muito forte, pimenta da braba mesmo, água-água-pelamordedeus, Epocler, Eno, e outras variantes. No caso da cachaça ser o acompanhamento, quer seja da tradicional, quer seja da artesanal (hmmm… aquela amarelinha…), aos juízes fica proibida a degustação de mais de três iguarias por sessão, bem como voltar pra casa dirigindo, assim como a utilização de celular para enviar mensagem para aquela ex que não quer vê-lo nem pintado de ouro, mas pela qual ele sempre chora quando está de fogo.

No que diz respeito aos juízes qualquer um pode ser aceito, independentemente de currículo, não importando a cor, a raça, o sexo, a preferência sexual, a religião, o partido político, o time que torce, sendo apenas imprescindível que nenhum desses temas jamais seja discutido no boteco, mesmo sabendo, é lógico, que vão ser. A única exigência é que ao menos um deles, por razões óbvias, tenha que ter o apelido de “avestruz”…

Enfim, meus queridos, brincadeiras à parte, no que diz respeito ao tradicional boteco como o conheço, prefiro mesmo é ficar com as palavras finais daquele excelente texto do Leonardo Boff:

O boteco é um estado de espírito, o lugar do encontro com os amigos e os vizinhos, da conversa fiada, da discussão sobre o último jogo de futebol, dos comentários da novela preferida, da crítica aos políticos e dos palavrões bem merecidos contra os corruptos. Todos logo se enturmam num espírito comunitário em estado nascente. Aqui ninguém é rico ou pobre. É simplesmente gente que se expressa como gente, usando a gíria popular. Há muito humor, piadas e bravatas. Às vezes, como em Minas, se improvisa até uma cantoria que alguém acompanha ao violão.

Ninguém repara nas condições gerais do balcão ou das mesinhas. (…)

Se bem repararmos, o boteco desempenha uma função cidadã: dá aos frequentadores especialmente aos mais assíduos, o sentimento de pertença à cidade ou ao bairro. Não havendo outros lugares de entretenimento e de lazer, permite que as pessoas se encontrem, esqueçam seu status social e vivam uma igualdade, geralmente, negada no cotidiano.

Aliás, em tempo: caso alguém queira se aventurar na cozinha para tentar fazer alguma tradicional Comida de Boteco (quer venha a seguir as regras acima ou não), eis aqui algumas dezenas de receitas para que possa experimentar: Receitas do Festival de Comida de Boteco – BH.

E vê se me chama, hein?

“Controle de stress…”

 
Isso! 😉

Os 19 remédios para ressaca mais estranhos que existem no mundo

Já tratamos profissionalmente desse tema neste post aqui – em especial acerca dos procedimentos prévios e póstumos…

Mas não pude resistir a este saboros texto do Brent Rose!

Quando você viaja para outro país, tomar umas com o pessoal de lá é um bom jeito de ter alguma noção da cultura local. Mas o consumo excessivo de álcool pode ter consequências fisiológicas. Mas não se preocupe — a ressaca é uma instituição universal e seus amigos locais provavelmente terão uma receita para lidar com os desarranjos do dia seguinte. Aqui estão 19 dos mais estranhos remédios para ressaca que você vai encontrar ao redor do mundo.

1. Roma Antiga

Os romanos da Antiguidade, apaixonados por imensos bacanais repletos de orgia, às vezes acordavam com a sensação de que uma corrida de bigas estava acontecendo em cima de suas cabeças. Plínio, o Velho recomendava fritar um canário e engoli-lo. Existe todo um debate sobre se o pássaro seria decapitado ou engolido inteiro, mas todo mundo parecia concordar que os ossos crocantes eram a melhor parte.

2. Namíbia

Na manhã após uma bebedeira, os namibianos bebem o que eles chamam de “leite de búfala”. Adivinhe qual o ingrediente que não vai na receita? Isso mesmo, leite de búfala. É uma mistura de creme de leite (de vaca), dois tipos de rum e licor de creme. Eles parecem seguir aquela máxima de que beber mais é a melhor cura para a ressaca. Além de colocar mais álcool e laticínios num estômago já combalido, o leite de búfala ainda traz um combo de açúcar para o seu coquetel de bad vibes.

3. Porto Rico

Os bêbados portorriquenhos supostamente encontraram uma maneira de prevenir a ressaca. Antes de uma noite de prazer alcoólico, eles esfregam uma fatia de limão ou lima na axila do braço com o qual eles costumam segurar o copo. Sim, você leu certo. Esse ato supostamente evita a desidratação. Então tá, né.

Algumas observações:

a) Não tem como isso funcionar. Não há ciência que justifique esse ato.
b) Por que só debaixo do braço com o qual você segura o copo? E se você segurar o copo com as duas mãos?
c) Esse remédio para ressaca é muito divulgado por aí, mas nenhum dos portorriquenhos com quem eu falei enquanto pesquisava o assunto já usou o truque do limão. Então chamar de lenda urbana seria generoso. O que me leva a…
d) … ter quase certeza de que isso é fruto de uma piada que alguém fez para ver se conseguia enganar algum amigo idiota e fazer com que ele esfregasse limão na axila. Vai ver que o cara fedia e alguém queria que o futum fosse diminuído antes da festinha.

4. Japão

Depois de exagerar no saquê em um dos bares de Tóquio, os bebedores japoneses comem umeboshi, uma frutinha em conserva que se assemelha a uma ameixa ou um damasco. Mas não é uma conserva qualquer: ela fica maturando por tanto tempo que chega a ficar rugosa. Algumas pessoas jogam a frutinha dentro do chá verde e depois o bebem, para tornar a coisa toda menos concentrada, mas ainda assim o umeboshi é terrivelmente azedo (mesmo a versão mais branda, o umezuke, é difícil de engolir).

Mas nesse caso, pelo menos, existe um pouco de ciência por trás do costume, já que o sal na ameixa pode ajudar a repor os eletrólitos esgotados. Mas como colocar algo azedo em um estômago que já está azedo? Melhor não.

5. Alemanha

Encheu a cara de Bitburger? Hora do katerfrühstück, ou “café da manhã da ressaca”. Prepare-se para um prato de rollmops — basicamente arenque cru enrolado em pedaços de pepino e cebola. Num estômago vazio. Enquanto você está sofrendo daquilo que os germânicos chamam de “o lamento dos gatos”. Eu até gosto de arenque em conserva, mas não. Apenas não. O verbete da Desciclopédia sobre rollmops começa com “Rollmops é uma tradicional porcaria encontrada em botecos e ingerida por pinguços que já não têm mais papilas gustativas, e por isso não percebem a nojeira que estão comendo”.

6. Canadá

No Canadá as pessoas fazem as coisas direito. Para coroar a última rodada de LaBatt, os canadenses param para comer poutine — uma tigela de batatas fritas cortadas grossas junto com pedaços de queijo-coalho canadense, embebidos por molho saboroso feito com grãos de pimenta doce. É ainda mais gostoso do que parece. É tão bom que me dá vontade de morar com a minha ex-namorada canadense e com o marido dela.

7. Sicília

Quatro palavras: Pênis. Seco. De. Touro. Você topa mastigar uma coisa dessas? Está meio fora de moda, mas no passado os sicilianos com ressaca roíam um bom e velho pênis seco de touro. Acreditava-se que a iguaria restauraria a sua vitalidade. Ou talvez seu cérebro simplesmente eliminasse a ressaca o mais rápido possível para fazer com que seu corpo parasse de ingerir pênis.

8. Haiti

Alguns haitianos praticantes de vudu atacam suas ressacas de maneira bem agressiva: eles colocam 13 pinos de cabeça preta na rolha da garrafa que fez com que eles passassem mal. Eu não sou um especialista em vudu, mas acredito que seja uma espécie de vingança contra a garrafa que trouxe esse sentimento horrível no meio da noite. Mas o que eles fazem com garrafas que têm tampas, em vez de rolhas? Não faço ideia.

9. Grécia Antiga

Para não ficar atrás de seus contemporâneos que se alimentavam de canário, os gregos da Antiguidade tratavam suas ressacas com um café da manhã que consistia em pulmões de ovelha e dois ovos de coruja. Ovo de coruja é até ok, mas pulmões de ovelha são extremamente borrachudos (eu tentei comer pulmão de búfalo na Ásia há muito tempo). E eu posso imaginar o estrago que isso causa ao cair num estômago que já está zoado.

10. Irlanda

De acordo com uma lenda irlandesa, a melhor forma de curar uma ressaca é ser enterrado até o pescoço na areia molhada da beira de um rio. A Irlanda não é o que possamos chamar de um país quente, então essa tal areia molhada deve ser um gelo, de modo que teria o mesmo efeito que um banho gelado. Vai te fazer acordar, mas não há evidências médicas de que isso cure a dor de cabeça e a náusea. Na verdade, parece outra daquelas piadas para enganar amigos babacas.

11. Vietnã

Esse aqui é horroroso em vários níveis. No Vietnã, algumas pessoas moem chifre de rinoceronte, colocam o pó na água quente e bebem. Acredita-se que esse “truque” cura tudo, desde alergias até câncer. Como resultado, a demanda por chifres de rinoceronte é tão alta que esses animais são alvo de caçadores e o número de rinocerontes mortos é imenso. É óbvio que não funciona, então as pessoas bem que poderiam parar de caçar os bichos.

12. Turquia

Problemas com seu estômago? Bom, então você precisa de intestino. Essa é a lógica por trás da cura da ressaca na Turquia: sopa de tripas. As vísceras são cozidas com alho e cebola e eles dizem que, se você comer a iguaria sempre, estará prevenindo uma ressaca iminente. Esse remédio também é popular no México e na Romênia. Mas só de pensar no gosto dessa sopa, imagino que ficar com a cabeça estourando de dor nem é tão ruim assim.

13. Mongólia

O rei da reviração de estômago certamente é a Mongólia. Depois de uma longa noite de bebedeira, os mongóis começam o dia seguinte com um coquetel de suco de tomate e… olhos de ovelha em conserva. Em conserva. Globos oculares. De uma ovelha. Dois deles. Misturados com suco de tomate. Não tenho mais nada a dizer.

14 – 18. EUA

14. Ovos crus – Vamos começar com o Prairie Oyster, um coquetel popular dos EUA. Existem muitas variações, mas todas incluem molho inglês, um molho picante, sal, pimenta e um ovo cru. É só engolir. Ingredientes opcionais incluem uma dose de vodca, ketchup ou suco de tomate e vinagre. (E provavelmente um monte de salmonela).

15. Suor – Algumas culturas dos índios americanos, de acordo com a BBC, acreditam que para acabar com uma ressaca você deve fazer uma corrida e suar muito. Depois você (argh) lambe seu próprio suor, bochecha e cospe (credo). O exercício certamente pode ajudar a tirar as toxinas do seu corpo, mas lamber o suor? Melhor pular essa parte.

16. Ressaca do Paraíso – Em Las Vegas, existe um ônibus especial para ressacas que se chama Hangover Heaven. Você entra nele e uma equipe te dá fluidos, vitaminas e outros suplementos, enquanto você dá um passeio. Mais um excelente motivo para fazer turismo por lá.

17. Ovos Benedict – Dizem que, no final dos anos 1800, uma socialite exagerou na festança. Na manhã seguinte, ela pediu que o restaurante do Waldorf-Astoria fizesse um sanduíche com um ovo cozido, presunto e molho holandês, tudo em cima de muffin inglês.

18. Chá de pelotas – Os Estados Unidos são responsáveis por uma das recomendações mais nojentas dessa lista. Na época do Velho Oeste, cowboys com ressaca bebiam um “chá” feito de cocô de coelho. Era só pegar as pelotinhas e jogá-las dentro de água quente. Chá de cocô. Beleza, então.

19. Dica do autor

Por anos eu venho usando um remédio contra a ressaca que nunca deixou de funcionar, embora eu não possa necessariamente recomendá-lo. É melhor você perguntar o que fazer ao seu médico. Bom, depois de uma noitada daquelas, é isso que eu faço quando chego em casa:

1) Bebo a maior quantidade possível de água.
2) Tomo um complexo de vitamina B, porque o álcool esgota essas vitaminas.
3) Tomo duas aspirinas.

Depois de fazer essas três coisas, eu nunca acordo com ressaca. Ok, às vezes eu acordo ainda meio bêbado, mas sem ressaca. No entanto é sempre bom ouvir o que os médicos têm a dizer: tomar aspirina enquanto você ainda está bêbado pode aumentar o risco de uma úlcera; o ibuprofeno e outros analgésicos podem ser ainda mais perigosos e o paracetamol definitivamente não é uma boa ideia, porque pode causar falência hepática.

Então a melhor cura para a ressaca ainda é tomar bastante água, não ficar de barriga vazia e tentar tomar um complexo de vitamina B. Daí em diante, é rezar para a sensação horrível passar.

E você? O que você faz pra combater uma ressaca monstra?

in Gismodo Brasil

 
 

Pensa rápido!

Num conversê hoje na hora do almoço me veio à lembrança um antigo filme do Chaplin, no qual ele chega em casa pela manhã – e ainda bêbado! Destaquei desse filme o pedacinho que eu acho mais hilário, que é quando ele, pé ante pé, entra no quarto e tenta se deitar para dormir sem que a esposa perceba. Mas eis que o despartador toca! E então…

E você? Cospe ou engole?

E então aquela mocinha, toda correta e ordeira, doutora adêvogada de direito jurídico, bailarina de passos e palavras, gente boa a toda prova – e até vegetariana, vê se pode? – eis que no seu usual horário de almoço, como de praxe foi até a casa de sua mãe, ali pertinho do trabalho mesmo.

Ninguém em casa, não tem problema. Vai, mexe, fuça, arruma suas coisinhas, seus temperos e por aí afora. Prato pronto, almoço feito, fome saciada.

E essa sede, meu Deus?

Fuça mais um pouco e, na geladeira, uma garrafa com um providencial suco de uva. Sim, ela estava atrás de suco de uva mesmo, e não, não tô sendo sarcástico fazendo de conta que estaria falando de vinho. Era suco de uva que ela queria. Que coisa!

Bem, onde estávamos? Ah, sim: a garrafa.

Baixou um copo do armário – meio copinho já estaria de bom tamanho – serviu-se e guardou novamente a garrafa na geladeira. Meio copinho, geladinho, daqueles que numa golada você se sacia.

E assim o fez.

E depois que o fez, já não soube o que fez!

– Oi?

Aquilo tinha gosto de qualquer coisa, MENOS de suco de uva. Afinal de contas o que era aquilo. Até que era gostoso, mas definitivamente não era o que ela esperava. Sim, até estava geladinho, mas também meio ardidinho. E por que ela não conseguia entender que gosto era aquele? E por que seu raciocínio estava meio lento? E por que o chão estava meio inclinado? E por que as paredes teimavam em não ficar paradas?

– Oi, filha!

– Mãe?

– Sim?

– Me diz uma coisa, mãe: sabe aquela garrafa ali na geladeira?

– Ah, sim, ficou bom, né?

– Mãe, o que era aquilo? O que é que ficou bom?

– Ah, filha, então, eu mesma que fiz. Talvez tenha ficado um pouco forte, mas ainda melhoro na próxima.

– MÃE. O. QUE. ERA. AQUILO?

– Ué, não é óbvio? Licor de Jabuticaba.

– OI?

– Uma delícia, né, filha?

E ela, toda mocinha, não se sentindo lá nem muito correta nem muito ordeira, doutora embriagada de direito jurídico, tropicando entre passos e palavras, por mais gente boa que fosse, estava totalmente tontinha – vê se pode? Só com meio copinho?

Bem, como toda mulher que se preza, do alto de seu salto, o negócio era enfrentar a situação e, zureta ou não, voltar para o trabalho. Quieta no seu canto, cuidando de seus processos e prazos, já, já que aquilo passava e tudo certo.

Aliás, pensando bem, no máximo, a pior coisa que poderia lhe acontecer naquele momento seria somente encontrar com seu chefe…

Uai? Que foi? Tá procurando o quê ainda? Já acabou.

Vai dizer que foi por causa do título desse texto?

Êitcha que não é nada disso não!

Esse aqui continua sendo um blog de família, tá bão?

Cambada de hereges…

Mas nem é preciso falar o que ela fez, né?

Aliás, só pra constar: adivinhem quem é que sou o chefe dela? E, óbvio, quem foi que ela encontrou ainda na rua, antes mesmo de voltar para o trabalho?… 😀