Outro dia de ócio

E eis que tive que ir para a cidade vizinha para cuidar das situações jurídicas que me são peculiares pela própria natureza da profissão: afinal sou advogado e tenho que padecer em vida ainda, né?

Era até uma coisa simples – nem mesmo por mim mesmo, mais para fazer um favor para um colega (por que é que a maioria dos advogados sempre se tratam por “colegas”?…) do que por qualquer outro motivo. Bastava ir até o Distribuidor do Fórum – onde se faz o protocolo dos pedidos nos arcaicos processos que ainda não tramitam pelo meio digital – e protocolar uma petição. Nem mais, nem menos. Mas eu sou eu, não é mesmo?

– O sistema está fora do ar, doutor.

Eu já lhes disse o quanto tenho ojeriza de pessoas que conversam comigo e terminam cada frase com “doutor”? E se o protocolo é físico (carimbão mesmo), do que me interessa o sistema? Paciência…

– Em mais ou menos uma horinha já deverá estar de volta…

Mardito sistema. Isso era hora de sair pra passear? E o fato de tratar a hora que ainda levará por “uma horinha” não faz com que essa mesma hora passe mais rápida que os sessenta minutos regulamentares.

Saio do prédio do Fórum pela lateral e vejo o costumeiro e mórbido espetáculo das famílias que vão acompanhar o depoimento de alguém que foi preso. Sem acesso direto ao distinto, quando ele é encaminhado pela “saída de presos”, ficam todos à distância mínima possível, mandando beijos, abraços, fazendo recomendações, levantando bebês, até que a figura em questão entre no famigerado camburão e volte ao seu recolhimento. Triste. Verdadeiro. Mas triste.

E o que fazer nessa hora que devo aguardar? Que tal tentar resgatar aquele meu “Dia de Ócio”, um brinde levantado há mais de dez anos? Seria possível? Veremos…

Bastou uma caminhada de uns dois quarteirões e já o encontrei. Um boteco. Mas não um boteco qualquer: um boteco pé-sujo, porque é o que tinha que ser.

Característico como todo boteco de igual porte, teor e qualidade, mas com alguns detalhes que refletem o sinal dos tempos. Não existem mais cinzeiros de plástico sobre as mesas, mas estas continuam com as tradicionais toalhas de plástico de sempre. As paredes possuem uma cor indefinida, algo que um dia com certeza já foi branco, mas hoje lembram mais a parede do fundo de uma churrasqueira.

Sento-me no balcão e aguardo ser atendido.

Enquanto isso um senhorzinho educado e aparentemente gentil, com aproximadamente uns 130 anos, com um característico bigode mais branco que minha barba, entra e pede um guaraná sem gelo – isso mesmo! Nada de bebida alcoólica. E ainda mais sem gelo. E, sim, o dia estava quente. Pelo seu modo de se vestir, provavelmente um advogado ou contador que ainda deve bravamente resistir em alguma sala comercial na parte velha da cidade. Após uns vinte minutos se levanta, com uma mesura se despede e segue seu rumo com seu terno surrado. Provavelmente já deve ter visto dias melhores. Ambos, o terno e ele.

Como eu já disse antes, num lugar como este você simplesmente fica invisível para o restante da sociedade. E a prova cabal de minha afirmação é que minha amiga pessoal e previdente sócia de nossa empresa passou a menos de dois metros de distância e sequer me percebeu…

– Tem cerveja gelada?

– É a única que tem.

– Mas tá gelada mesmo?

– Péraê.

E eis que ele me serve como copo uma latinha de cerveja vazia, sem a tampa superior, com as bordas cuidadosamente trabalhadas para evitar algum mínimo corte ou machucado, dentro de um desses pequenos isopores suficientes para apenas uma latinha. Serviu a breja da garrafa. Experimentei. E não é que saporra funciona? Geladíssima!

Diferente da última vez em que estive nessa situação, o trânsito de veículos da rua é muito mais movimentado, ao contrário da estreita calçada, onde minguados gatos pingados que de quando em quando passavam – até porque estamos longe do centro nervoso da cidade.

E então comecei a perceber melhor o ambiente que me cercava. A costumeira chapa deu lugar a um surrado micro-ondas, o qual está EM CIMA da chapa desativada a sabe-se lá quanto tempo. Garrafas de bebida empoeiradas compartilham seu espaço com uma moderna TV digital na qual – é lógico – está passando um jogo de futebol de algum obscuro time de talvez alguma ainda mais obscura divisão.

Paira no balcão uma jarra de forma duvidosa com uma beberagem escura, ainda mais duvidosa, meio que cor de mel – provavelmente algum tipo de cachaça com alguma “especialidade” dentro.

– Chefia, me vê um pedaço desse torresmo, fassavor?

– Quer que corte?

– Não, não precisa não.

Besta quadrada que sou. Ainda bem que tenho dentes fortes. Ainda.

No mais quase tudo era como um “boteco pé-sujo normal”: balcão de madeira e tampo de vidro, banquetas altas, gastas e desconfortáveis, vitrine da década de sessenta com alguns salgados também duvidosos em seu interior. Troféus de formatos estranhos ostentados numa prateleira ao alto (aquilo seria um boi?) dividindo o espaço com diversas garrafas comemorativas de sabe-se lá o quê. Uma espécie de biombo de treliça fazia uma divisória entre a porta e o balcão de modo a garantir a intimidade inexistente de seus clientes. Ou seja, equipamento completo. Perfeito!

E, pra completar, quase todo mundo acima dos quarenta que passava pela calçada fazia questão de cumprimentar a figura bonachona do proprietário, o qual, enquanto me observava com o rabo dos olhos, resolveu limpar o embaçado do balcão com o tradicional paninho sujo sempre presente no seu ombro (conforme já descrevi antes, ao falar da tradicional comida de boteco).

Num mero vislumbre, do lado de fora percebo o povo passando. Todo mundo no celular. Lendo, falando, digitando ou tropeçando.

E lá dentro dois ventiladores de teto. Um ligado, outro queimado. Um moderno freezer (ou seria uma estilosa geladeira?) cheia de sorvetes tem o condão de destoar do ambiente. Assim como um moderno sistema de segurança. Sinal dos tempos, com suas luzes piscantes e câmaras (teoricamente) funcionando para registrar o nada do dia a dia de um boteco desses.

Na calçada transitam novos e velhos hispters – será que eu mesmo, com minha vetusta barba, óculos estilosos e brinco também não seria um? – assim como meninas e moçoilas, teoricamente prontas para frequentar alguma academia, ainda que não. Mais pela modernosa vestimenta que pela falta de dedicação que se denota pelo seu formato físico.

Na rua, em plena disputa com os veículos, passa um casal, jovem até, com ele levando ela sentada no quadro da bicicleta. E eu pensando que essa prática havia sido extinta lá pela década de oitenta!

O final de minha hora de ócio se aproxima, desta vez sem cigarros para me acompanhar. Mais uma vez sinal dos tempos e do inferno do politicamente correto que se instalou nesta nossa sociedade que invariavelmente almeja ser o que não é. Mas a culpa sempre será dos desajustados, dos outsiders, daqueles que não seguem a cartilha do que seria socialmente aceitável para conviver com pessoas de índole duvidosa em seu íntimo, mas que externamente pregam ser pilares de tudo aquilo que consideram como certo e do que seria correto.

Mas divago.

Acerto minha conta, pego minhas coisas e saio pela porta ainda a tempo de presenciar aquele senhorzinho voltando e pedindo outro guaraná sem gelo. Vai entender?

Agora que estou de volta às ruas, longe de minha já preterida invisibilidade, alguns transeuntes – velhos amigos e colegas e gente que preferia nunca mais ver – passam e me cumprimentam através de uma buzinhadinha, um sorriso falso, um tapinha nas costas… Só por isso já fico com vontade de voltar à segurança do boteco.

De volta ao Fórum, agora com o sistema também de volta (garanto que ele também deve ter saído pra uma brejinha gelada…), cumpro com o dever que me foi confiado, protocolo o que tinha que protocolar e já é hora de tomar meu rumo.

Pena que, diferente da última vez, não tenho uma mensagem de digna de nota para lhes passar. Estamos onde estamos pelas escolhas que fizemos. Eu vou muito bem, obrigado. Vou levando minha vida, fazendo meus trabalhos, pagando minhas contas. Me falta um quê de companheirismo daquela velha, louca e embriagada turma do dia a dia, mas fazer o quê? As pessoas precisam evoluir. Tomar novos rumos, decidir por novas vidas. Assim também o fiz. Certos ou errados, é o que temos pra hoje. Vivemos tempos sisudos e não consigo de imediato vislumbrar um brilhante futuro próximo a nos aguardar…

Mas devemos seguir em frente. Sempre. Com a íntima certeza de que tomamos o caminho que consideramos justo e certo. Ao menos, apesar de todos meus atos e de todas minhas falhas e faltas, de um modo perfeitamente imperfeito, sinto que consigo continuar colocando a cabeça no travesseiro e dormindo tranquilamente. Dia após dia. Vocês podem se gabar disso também? Bem, eu posso.

E no mais íntimo recôndito da mais íntima parte de meu ser, continuo tendo uma fé inabalável de que após a tempestade deverá vir a esperada bonança. Meus olhos ainda brilham, aquela fera interior ainda ruge e rosna me dizendo em palavras impronunciáveis que dias melhores virão. Que ainda nos sentaremos num legítimo boteco pé-sujo para saborear a nostalgia daquilo que já foi, a qual virá ao encontro daquilo que ainda está por vir. E vamo que vamo!

Pois é…

Parece que nem mesmo os dias de ócio são mais como antigamente…

Comida de Boteco

Dia desses, num breve proseio com o copoanheiro de plantão, falávamos sobre um tal de concurso que estão fazendo pelas redondezas: “petisco de buteco”.

É lógico que não poderíamos, juntamente com nossos fermentados e destilados de praxe, também deixar de destilar nossa etílica criatividade para um evento de tal pompa e circunstância! E se você tem estômago fraco então pare de ler este texto neste exato momento! Não só porque você não aguentaria uma verdadeira comida de boteco, mas também porque os níveis de ironia, sarcasmo e tiração de sarro seguem num tom bem elevado, provavelmente acima do suportado por pessoas sensíveis como você…

Continuou, né? Tá bom. Por sua conta e risco, então.

Pois bem. Ele me perguntou se eu havia lido o tal do edital desse concurso e comentou que parecia que tinha uma taxa de cem contos pra participação. Do edital já lhe adiantei que nem sequer passei perto, pois tenho mantido minhas leituras naquilo que importa pro meu ofício, então não vou gastar minha vista com um monte de letrinhas juridicamente embaralhadas – e que provavelmente levariam meu senso crítico a um outro estágio de sarcasmo. E quanto à taxa de participação, meu, CEM CONTOS? Sinceramente, não sei se a informação procede ou não, mas vocês não tem ideia de quantos “petiscos de buteco” dá pra fazer com essa grana!

E acho que foi aí que chegamos ao cerne da questão: será que o organizador desse concurso REALMENTE sabe o que é um boteco? Por mais louvável que seja a iniciativa, me parece que não. Pois boteco, boteco MESMO, é outra coisa. Talvez esse sujeito esteja acostumado não com botecos, mas sim com bares, lanchonetes, restaurantes, petiscarias, mas isso também é outra coisa. Provavelmente, diferente da realidade de um boteco, ele deve frequentar locais que possuem mesas com toalhas de linho, garçons pronto a servi-lo, maître para organizar o local, chefs para cuidar do cardápio, coristas seminuas dançando no palco bem em frente, enquanto que ali à direita, num pole dance, tem uma fantástica ruiva que… Não! Péra! Isso é outra coisa…

Enfim.

Onde estávamos?

Ah, sim. Boteco.

Boteco é um lugar em que o dono chega todo dia pontualmente sabe-se lá a que horas, abre as portas de aço, arruma as caixas de bebida num canto, entre as mesinhas de plástico e as de lata (às vezes tem algumas de madeira também), limpa a bagunça da noite anterior, dá uma varridinha de leve (os cantos das paredes são tradicionalmente arredondados de tanta poeira), desentorta a bandeira do seu time pendurada na parede, se benze em respeito à imagem do santo que fica no outro canto, recebe as pessoas, serve as bebidas, faz as comidas e ainda cuida do caixa. Às vezes tem algum membro da família pra ajudar (a esposa, o filho vagabundo ou aquele cunhado que ninguém suporta), às vezes não. Nesses casos, quando precisa pagar alguma conta na lotérica mais próxima, pega um dos cachaceiros de confiança pra “cuidar” do estabelecimento enquanto estiver fora, não sem antes dar uma boa medida no nível das garrafas de cachaça e outras bebidas que ficam ali, bem do lado da pia. O que ele não sabe é que o caboclo dá suas bicadas do mesmo jeito – mas depois completa com água!

Boteco vem de botequim, diminutivo de botica, derivado do grego apótheke, palavra cuja origem remonta a milhares de anos no passado e pode ser toscamente traduzida por algo como “casa de bebidas onde se reúnem pés sujos, cachorros, violeiros, cachaceiros e outros sujeitos bons de proseio”.

Apesar de uma tradicional confusão cultural, é importante lembrar que um boteco não é um bar. Nem mesmo um bar ruim, como diria Antonio Prata, estando mais próximo da definição do Leonardo Boff… Etimologicamente eu diria que boteco está para bar assim como moleque para criança, velho para idoso, futebol de rua para pelada. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Mas voltemos ao concurso.

Concluímos que se fôssemos nós a fazer um concurso de Comida de Boteco (“petisco” é muito fresco e “buteco” é uma corruptela que falta para com o respeito tanto à língua portuguesa quanto aos botecos de verdade – na minha nada humilde opinião, é claro), teríamos então que montar uma planilha de quesitos rigorosíssima e com uma pontuação condizente à realidade da coisa.

Já na primeira leva de palpites pensamos em algo específico em relação à comida em si: fragrância (cherança); substância (sustança); crocância (mordança); abundância (êita porção servida!); ignorância (arre égua!!!); e, ao final, é claro, ânsia.

Deveríamos também considerar a situação jurídica do estabelecimento: se possui documentação e impostos em dia; se as coisas tão atrasadas mas é do antigo dono que faleceu; se não sabia que precisava de tudo isso pra abrir um boteco; se tem que enxotar todo mundo e fechar as portas rapidinho sempre quando chega a fiscalização. Pontuação inversamente proporcional à regularidade do local.

Aliás, falando em fiscalização, concordamos de bom grado que se o boteco tiver alvará da Vigilância Sanitária já estará sumariamente desclassificado do concurso, deixará de ser considerado um boteco e ainda sofrerá boicote pelos cachaceiros da cidade!

Outro quesito importante: a chapa. Se tiver chapa. Uma chapa limpa e bem cuidada demonstra um nível de asseio inaceitável para o preparo de uma verdadeira comida de boteco. A graduação da pontuação começaria pela simples análise de quantidade de gordura acumulada, aumentando de acordo com os restos de outros lanches que tenham passado por ali e atingindo sua nota máxima caso sejam encontradas substâncias totalmente desconhecidas e inexplicáveis – mas que ainda assim proporcionam à comida aquele gostinho tão bão…

Já para as frituras serão analisadas a qualidade do óleo e a idade da panela. Caso o mesmo óleo não tenha sido utilizado para pelo menos cinco tipos diferentes de frituras (incluídos aí peixe, pastel e coxinha) não será sequer pontuado. A panela deverá obrigatoriamente possuir crostras negras de idade que remontam a eras geológicas por toda sua volta. Gambiarra no cabo (se tiver cabo) e furos tapados contam pontos extras.

O cozinheiro é um item à parte. Tá certo que existem aqueles botecos em que os donos já trazem “pronto de casa” ou mesmo que compram daquela tiazinha que acorda às quatro da manhã e prepara os salgados pra no mínimo metade dos bares da cidade. Mas não é disso que estamos falando. Ao preparar seus quitutes – quer sejam lanches, porções, frituras ou seja lá o que for (afinal de contas quase tudo levemente comestível ou mastigável pode ser considerado como “comida de boteco”) é importante avaliar tanto a forma de preparo quanto as condições do cozinheiro: se usa luvas descartáveis; se usa luvas NÃO descartáveis; se lavou as mãos; se cortou as unhas; se existe explicação pr’aquele preto debaixo das unhas; se ao menos tem unhas. Panos de prato também serão pontuados à parte de acordo com o nível de cândida acumulado que venha a ser encontrado nas tramas do tecido. Se for encontrada (o que garantiria uma pontuação extra). O manuseio também será avaliado: se o pano de prato permanece dobrado à disposição ali de ladinho; se encontra-se pendurado num gancho próximo; se está preso no lateral da gaveta do caixa; se fica no ombro do cozinheiro e é o mesmo que utiliza para enxugar os copos, limpar o balcão, enxugar o suor da testa, secar o sovaco e, eventualmente, assoar o nariz.

A apresentação tem diversas variantes, passando pela tradicional estufa em cima do balcão, invariavelmente com bandejinhas ostentando pedaços de carnes indefinidas praticando nado sincronizado naquela piscina olímpica de gordura e óleo, como também salgados amanhecidos dos mais diversos tipos (ovos cozidos coloridos, por serem representantes de uma outra época, garantem muitos pontos adicionais) até a simples vitrine com uma ou duas moscas varejeiras do lado de dentro atestando a qualidade do alimento. O suporte pode se dar através de pratos de louça, plástico ou isopor (limpos ou não); guardanapos de papel que podem ou não segurar aquela gordura pingando e escorrendo nos dedos; e mesmo a clássica retirada com uma pinça e entrega diretamente na mão mesmo do cliente. Saquinhos de papel de padaria, ainda que usados e com restos de farelo de pão, bem como pedaços de jornais em tiras podem eventualmente ser aceitos, desde que, neste último caso, seja de no máximo uma semana (não pelo estado de conservação, mas por só trazer notícia velha).

A forma de degustação está diretamente ligada à disponibilidade do ferramental. Explico. Quesitos específicos avaliarão se a iguaria sob análise deve ser apreciada com a utilização de talheres, palitos ou guardanapos. Os quesitos seguintes avaliarão se existem talheres, palitos ou guardanapos. A pontuação continuará de acordo se os talheres são ou não lavados regularmente; se os palitos são comprados, reaproveitados ou feitos em casa; se o guardanapo é de pano, papel absorvente ou aquele negócio de qualidade e origem indecifráveis, que raramente limpa algo e que fica naquelas papeleiras inoxidavelmente enferrujadas bem no meio da mesa. Pontuação extra levará em consideração a necessidade de que, com ou sem ferramentas, as mãos tenham que ser usadas na degustação e se foi possível limpar aquela meleca residual que escorreu por entre os dedos num guardanapo ou, na ausência de guardanapo, na borda da toalha da mesa ou, se a toalha for de plástico, qual foi o tamanho e a consistência da mancha que tenha ficado na calça. Mais pontos extras se nunca mais for possível usá-la.

Acompanhamentos obrigatórios de acordo com o tipo de comida servida podem também render pontos extras, sendo aceitáveis e pontuáveis elementos do tipo suco, refrigerante, cerveja, vinho do garrafão embaixo do balcão, cachaça, azeite, orégano, coentro, pimenta, pimenta forte, pimenta muito forte, pimenta da braba mesmo, água-água-pelamordedeus, Epocler, Eno, e outras variantes. No caso da cachaça ser o acompanhamento, quer seja da tradicional, quer seja da artesanal (hmmm… aquela amarelinha…), aos juízes fica proibida a degustação de mais de três iguarias por sessão, bem como voltar pra casa dirigindo, assim como a utilização de celular para enviar mensagem para aquela ex que não quer vê-lo nem pintado de ouro, mas pela qual ele sempre chora quando está de fogo.

No que diz respeito aos juízes qualquer um pode ser aceito, independentemente de currículo, não importando a cor, a raça, o sexo, a preferência sexual, a religião, o partido político, o time que torce, sendo apenas imprescindível que nenhum desses temas jamais seja discutido no boteco, mesmo sabendo, é lógico, que vão ser. A única exigência é que ao menos um deles, por razões óbvias, tenha que ter o apelido de “avestruz”…

Enfim, meus queridos, brincadeiras à parte, no que diz respeito ao tradicional boteco como o conheço, prefiro mesmo é ficar com as palavras finais daquele excelente texto do Leonardo Boff:

O boteco é um estado de espírito, o lugar do encontro com os amigos e os vizinhos, da conversa fiada, da discussão sobre o último jogo de futebol, dos comentários da novela preferida, da crítica aos políticos e dos palavrões bem merecidos contra os corruptos. Todos logo se enturmam num espírito comunitário em estado nascente. Aqui ninguém é rico ou pobre. É simplesmente gente que se expressa como gente, usando a gíria popular. Há muito humor, piadas e bravatas. Às vezes, como em Minas, se improvisa até uma cantoria que alguém acompanha ao violão.

Ninguém repara nas condições gerais do balcão ou das mesinhas. (…)

Se bem repararmos, o boteco desempenha uma função cidadã: dá aos frequentadores especialmente aos mais assíduos, o sentimento de pertença à cidade ou ao bairro. Não havendo outros lugares de entretenimento e de lazer, permite que as pessoas se encontrem, esqueçam seu status social e vivam uma igualdade, geralmente, negada no cotidiano.

Aliás, em tempo: caso alguém queira se aventurar na cozinha para tentar fazer alguma tradicional Comida de Boteco (quer venha a seguir as regras acima ou não), eis aqui algumas dezenas de receitas para que possa experimentar: Receitas do Festival de Comida de Boteco – BH.

E vê se me chama, hein?

“Controle de stress…”

 
Isso! 😉