Reescrevendo a Constituição

E aí?

Ainda tem alguém por aí?

É, faz tempo que não apareço… Muita correria, agenda lotada, trabalhando em casa, me dedicando à empresa, cuidando da reforma do Titanic e ainda por cima sendo um “motorista-de-uber-familiar” (mas sem ganhar um puto por isso!)…

Sequer tenho tido tempo para compartilhar tudo que tenho visto e que tenho achado sobre esse momento surreal que o país está vivendo. Stanislaw Ponte Preta deve estar se comichando lá de seu túmulo para uma nova edição do Febeapá!

Mas enquanto como isso não acontece, por ora vou apenas compartilhar com vocês a solução para o Brasil, direto do lápis do (ainda) genial Laerte. Espero não demorar para voltar. Mas eu volto!

Hanna-Barbera

Clique na imagem para ampliar!

Quem lembra das manhãs de sábado no final da década de setenta, início dos oitenta? Uma das diversões era grudar na tevê logo cedo para não perder nenhum daqueles heróis que não existiam em mais nenhum outro lugar…

O desenho acima é mais “estilizado” que o original, mas dá de cara para reconhecer o Frankstein Júnior, Jonny Quest, Os Impossíveis, Space Ghost, Homem Pássaro, Mightor, Os Herculoides e outros.

Fora esses quantos outros desenhos animados tínhamos! Só pra puxar de memória: Carangos e Motocas (“Eu te disse!”), João Grandão, Maguila, O Urso do Cabelo Duro, Brasinhas do Espaço, Shazzan, Jetsons, Pepe Legal, Zé Buscapé, Lipi, o Leão (“Saída pela esquerda!”), Coelho Ricochete, Formiga Atômica, Os Flintstones, Manda-Chuva, Olho Vivo e Faro Fino, Honk Kong Fu, Os apuros de Penélope, Corrida Maluca, Goober e os Caçadores de Fantasma e – não poderia faltar – Scooby-doo!

Oi? Cuméquié? Não ouviu falar nem da metade desses desenhos? Tudo bem, tudo bem… São apenas mais algumas reminiscências deste Velho Causídico que vos tecla…