Rememorando…

Só pra não deslembrar, eis aqui a reunião de muito do que já li – pois dia desses resolvi meio que participar de uma dessas “correntes” lá no Facebook, quando então escrevi: “A convite de ninguém durante dez dias vou publicar dez livros que marcaram minha trajetória como leitor. Sem comentários e explicações, apenas a capa. Divirtam-se. E critiquem…”

O primeiro foi Ilusões – As aventuras de um Messias Indeciso, de Richard Bach (o mesmo autor de Fernão Capelo Gaivota). E se o Salvador, com todos os seus poderes, voltasse nos dias de hoje, mas quisesse simplesmente ser uma pessoa normal? Já perdi a conta de quantas vezes li e reli esse livro…

Depois foi a vez de As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley. São quatro volumes que narram toda a história e magia de Camelot, Rei Artur e a Távola Redonda – só que do ponto de vista feminino.

Citei também Sherlock Holmes, personagem de Sir Arthur Conan Doyle, do qual li a obra completa. Dezenas de livros, já não lembro mais. Eu era apenas um projeto de adolescente e fui totalmente tomado por um universo instigante de mistério e lógica da mais apurada.

Não poderia deixar de citar A Bíblia Sagrada, pois, independentemente das minhas convicções religiosas e a maneira pela qual professo minha fé, foi uma obra que a seu tempo me marcou, ainda que hoje eu tenha opiniões bastante diversas acerca dos vários contos que a compõe.

Também não poderia faltar neste rol minhas boas e velhas HQs (conforme já contei antes lá em “Eu e meus gibis“), pois elas sempre me acompanharam durante toda a vida e, do mesmo modo que bons livros, são também responsáveis pela minha formação. A imagem abaixo mostra o conjunto da obra, desde a minha mais tenra idade…

Eis outra obra que também me marcou, pois, diferente da já citada Bíblia, o livro Muitas Vidas, Muitos Mestres, de Brian L. Weiss, ficcional ou não, me fez enxergar muita coisa de modo diferente do que via.

Imprescindível citar o livro Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos, de Marçal Justen Filho, pois, ainda que seja um livro técnico, foi o guia que norteou minha carreira profissional. Diferente de outros autores jurídicos, o Marçal tem uma maneira própria de trazer explicações e esmiuçar os artigos da lei, fazendo com que a leitura não seja maçante.

Ainda que sob a ótica de muitos a coleção de livros do Harry Potter, de J. K. Rowling, possa ser encarada como meros “livros para adolescentes” – até porque, obviamente, eu os li depois de adulto – mais do que a magia expressa nesse universo, o que me cativou foi a forma pela qual ela narrou a vida de seu personagem, desde o começo da adolescência até a vida adulta, fazendo com que eu me recordasse com carinho da magia que envolveu as diversas fases de minha própria adolescência, os medos, as inseguranças, as decisões, as confusões, as relações e por aí afora…

Eu comecei a publicar minhas garatujas na Internet, “oficialmente”, desde janeiro de 1998. Em meados de 2004 foi que transformei este site no formato de blog e passei a criar textos de minha própria autoria, transcrever tudo aquilo que eu achasse interessante de outros autores, contar meus “causos” e por aí afora. Ou seja, me tornei um blogueiro. Só que o Rubem Braga já fazia isso magistralmente antes mesmo de qualquer um sequer pensar na existência da Internet, pois através de suas crônicas ele decantava o dia a dia das pessoas, de um modo singelo e objetivo, com um encanto tal que cativa qualquer leitor. Ou seja, ele já era um blogueiro quando ainda nem existiam blogs!

É lógico que este rol não poderia terminar sem ter uma relação dos livros que publiquei – por um acaso alguém consegue imaginar uma trajetória melhor que essa? Foi em setembro de 2014 que resolvi juntar uma boa parte de tudo aquilo que eu já havia publicado e reunir na forma de um livro. Surgiu assim Filosofices de um Velho Causídico – o primeiro da série. Primeiro porque depois disso não consegui parar mais! Continuei escrevendo, blogando, organizando, revisando e publicando (mesmo que meu principal leitor seja eu mesmo)… É mais pelo prazer de ver minhas palavras e ideias impressas do que para cativar algum tipo de público propriamente dito. Mas garanto que quem leu, gostou! Confiram!

Enfim, é certo que já li MUITO mais do que aqui relacionei, entre inúmeros temas, autores de diversas nacionalidades, romances, ficção, poesia, filosofia, aventuras, teses, material técnico, diverso, escrachado e o escambau. Tudo isso faz parte. Mas esta eclética lista que passei pelo Facebook no decorrer de dez dias refere-se àqueles livros que que, sem pestanejar, novamente eu voltaria a ler – e também que, sem dúvida alguma, recomendaria a leitura. Em especial os últimos… 😀

Maurício de Sousa, seus filhos e personagens

Todos que conhecem os quadrinhos da Turma da Mônica já sabem de cor e salteado que Maurício de Sousa baseou sua personagem principal em sua própria filha. Mas vocês sabiam que existem vários outros personagens também inspirados nos (vários) outros filhos do Maurício? Pois é. Confiram a listagem:

Marcelinho – Nos quadrinhos, Marcelinho é um garoto de 7, 8 anos. Na vida real, Marcelo Pereira de Sousa tem 19. É o caçula de Mauricio de Sousa e também foi o último a ser incorporado à Turma. O personagem tem mania de ser certinho, não gosta de desperdícios e sabe ser econômico.

Vanda e Valéria – As gêmeas idênticas foram baseadas nas filhas Vanda Signorelli e Sousa e Valéria Signorelli e Sousa, também gêmeas, hoje com 46 anos. As personagens entraram para a Turma da Mônica somente na fase jovem. Estão sempre juntas, mas têm opiniões divergentes nas histórias.

Professor Spada / Dr. Spam – Para criar o personagem duplo, o cartunista usou duas referências: seu filho Maurício Spada e Sousa, 45 anos, e o conto “O médico e o monstro”, de Robert Louis Stevenson. Nas historinhas, o Prof. Spada dá aulas de informática para a turma. Quando nervoso, se trarnsforma no alterego Dr. Spam, que quer dominar o mundo através dos computadores.

Marina – A filha Marina Takeda e Sousa, 31 anos, é Marina também nos quadrinhos. O talento para desenhar é o aspecto principal da personagem. Sua primeira aparição nos gibis foi em 1994.

Nimbus – As características do personagem surgiram da curiosidade que Mauro Takeda e Sousa, 30 anos, tem por meteorologia, clima e tempo. Nimbus também faz mágicas para a turma. Ele foi criado em 1994, mesmo ano que Marina.

Do Contra – Do Contra é irmão de Nimbus nos gibis, eles foram criados juntos. O rapazinho foi inspirado em Maurício Takeda e Sousa, hoje com 28 anos. O personagem, como o nome revela, gosta de fazer as coisas de maneira diferente, como comer iogurte e catchup “porque sim”.

Maria Cebolinha – Nos quadrinhos a filha mais velha de Mauricio se tornou um bebê. Mariângela Spada e Sousa, 57 anos, foi inspiração para Maria Cebolinha, a irmã de cerca de dez meses do Cebolinha. A primeira aparição dela foi em 2001. A personagem é o centro das atenções da família.

Magali – Magali, a melhor amiga de Mônica, foi criada no mesmo ano e inspirada em uma das irmãs da Mônica real: Magali Spada e Sousa, 55 anos. Quando criança, ela comia uma melancia inteira, sem cerimônia. O apetite e a meiguice da filha se tornaram as principais características da personagem.

Mônica – Criada em 1963, a personagem Mônica foi inspirada em Mônica Spada e Sousa, 56 anos, filha de Mauricio. Na época da criação ela demonstrava uma personalidade forte e o cartunista transferiu as características da filha de forma caricata. Afinal a menina é conhecida por se irritar ao ser chamada de gorducha, dentuça e baixinha.