Maurício de Sousa, seus filhos e personagens

Todos que conhecem os quadrinhos da Turma da Mônica já sabem de cor e salteado que Maurício de Sousa baseou sua personagem principal em sua própria filha. Mas vocês sabiam que existem vários outros personagens também inspirados nos (vários) outros filhos do Maurício? Pois é. Confiram a listagem:

Marcelinho – Nos quadrinhos, Marcelinho é um garoto de 7, 8 anos. Na vida real, Marcelo Pereira de Sousa tem 19. É o caçula de Mauricio de Sousa e também foi o último a ser incorporado à Turma. O personagem tem mania de ser certinho, não gosta de desperdícios e sabe ser econômico.

Vanda e Valéria – As gêmeas idênticas foram baseadas nas filhas Vanda Signorelli e Sousa e Valéria Signorelli e Sousa, também gêmeas, hoje com 46 anos. As personagens entraram para a Turma da Mônica somente na fase jovem. Estão sempre juntas, mas têm opiniões divergentes nas histórias.

Professor Spada / Dr. Spam – Para criar o personagem duplo, o cartunista usou duas referências: seu filho Maurício Spada e Sousa, 45 anos, e o conto “O médico e o monstro”, de Robert Louis Stevenson. Nas historinhas, o Prof. Spada dá aulas de informática para a turma. Quando nervoso, se trarnsforma no alterego Dr. Spam, que quer dominar o mundo através dos computadores.

Marina – A filha Marina Takeda e Sousa, 31 anos, é Marina também nos quadrinhos. O talento para desenhar é o aspecto principal da personagem. Sua primeira aparição nos gibis foi em 1994.

Nimbus – As características do personagem surgiram da curiosidade que Mauro Takeda e Sousa, 30 anos, tem por meteorologia, clima e tempo. Nimbus também faz mágicas para a turma. Ele foi criado em 1994, mesmo ano que Marina.

Do Contra – Do Contra é irmão de Nimbus nos gibis, eles foram criados juntos. O rapazinho foi inspirado em Maurício Takeda e Sousa, hoje com 28 anos. O personagem, como o nome revela, gosta de fazer as coisas de maneira diferente, como comer iogurte e catchup “porque sim”.

Maria Cebolinha – Nos quadrinhos a filha mais velha de Mauricio se tornou um bebê. Mariângela Spada e Sousa, 57 anos, foi inspiração para Maria Cebolinha, a irmã de cerca de dez meses do Cebolinha. A primeira aparição dela foi em 2001. A personagem é o centro das atenções da família.

Magali – Magali, a melhor amiga de Mônica, foi criada no mesmo ano e inspirada em uma das irmãs da Mônica real: Magali Spada e Sousa, 55 anos. Quando criança, ela comia uma melancia inteira, sem cerimônia. O apetite e a meiguice da filha se tornaram as principais características da personagem.

Mônica – Criada em 1963, a personagem Mônica foi inspirada em Mônica Spada e Sousa, 56 anos, filha de Mauricio. Na época da criação ela demonstrava uma personalidade forte e o cartunista transferiu as características da filha de forma caricata. Afinal a menina é conhecida por se irritar ao ser chamada de gorducha, dentuça e baixinha.

   

Os 100 livros que mudaram a história, segundo a BBC

A BBC Cultura pediu a especialistas de 35 países que indicassem cinco narrativas ficcionais que abalaram o curso da história. Ao todo, 108 escritores, pesquisadores, jornalistas, críticos e tradutores foram ouvidos. Os livros e as histórias mais mencionados por eles foram reunidos em uma lista. Além de obras clássicas da literatura universal, foram lembrados contos folclóricos e poemas. De acordo com o veículo, não se trata de uma lista definitiva, apenas de um ponto inicial de um diálogo sobre o porquê de algumas narrativas perdurarem ao longo dos séculos. Alguns destaques da seleção são “Odisseia” (Séc. 8 a.C.), de Homero, que ocupa a primeira colocação; “A Cabana do Pai Tomás” (1852), de Harriet Beecher Stowe, em segundo lugar; e “Frankenstein” (1818), de Mary Shelley, na terceira posição.

1 — Odisseia (Séc. 8 a.C.), Homero
2 — A Cabana do Pai Tomás (1852), Harriet Beecher Stowe
3 — Frankenstein (1818), Mary Shelley
4 — 1984 (1949), George Orwell
5 — O Mundo se Despedaça (1958), Chinua Achebe
6 — As Mil e Uma Noites (Séc. 8 ao 18), vários autores
7 — Dom Quixote (1605-1615), Miguel de Cervantes
8 — Hamlet (1603), William Shakespeare
9 — Cem Anos de Solidão (1967), Gabriel García Márquez
10 — Ilíada (Séc. 8 a.C), Homero
11 — Amada (1987), Toni Morrison
12 — A Divina Comédia (1308-1320), Dante Alighieri
13 — Romeu e Julieta (1597), William Shakespeare
14 — Epopeia de Gilgamesh (Séc. 22 a.C ao séc.10 a.C.), autor desconhecido
15 — Série Harry Potter (1997-2007), JK Rowling
16 — O Conto da Aia (1985), Margaret Atwood
17 — Ulysses (1922), James Joyce
18 — A Revolução dos Bichos (1945), George Orwell
19 — Jane Eyre (1847), Charlotte Brontë
20 — Madame Bovary (1856), Gustave Flaubert
21 — Romance dos Três Reinos (1321-1323), Luo Guanzhong
22 — Jornada ao Oeste (1592), Wu Cheng’en
23 — Crime e Castigo (1866), Fyodor Dostoyevksy
24 — Orgulho e Preconceito (1813), Jane Austen
25 — Margem da Água (1589), Shi Nai’an
26 — Guerra e Paz (1865-1867), Lev Tolstoy
27 — O Sol é Para Todos (1960), Harper Lee
28 — Vasto Mar de Sargaços (1966), Jean Rhys
29 — Fábulas de Esopo (séc.620 a.C. ao séc.680 a.C.), Esopo
30 — Cândido, ou O Otimismo (1759), Voltaire
31 — Medeia (431 a.C.), Eurípides
32 — Mahabharata (séc. 4 a.C.), Vyasa
33 — Rei Lear (1608), William Shakespeare
34 — Genji Monogatari (1021), Murasaki Shikibu
35 — Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774), Johann Wolfgang von Goethe
36 — O Processo (1925), Franz Kafka
37 — Em Busca do Tempo Perdido (1913-1927), Marcel Proust
38 — Morro dos Ventos Uivantes (1847), Emily Brontë
39 — Homem Invisível (1952), Ralph Ellison
40 — Moby Dick (1851), Herman Melville
41 — Seus Olhos Viam Deus (1937), Zora Neale Hurston
42 — Ao Farol (1927), Virginia Woolf
43 — A Verdadeira História de AQ (1921-1922), Lu Xun
44 — Alice no País das Maravilhas (1865), Lewis Carroll
45 — Anna Kariênina (1873-1877), Lev Tolstói
46 — Coração das Trevas (1899), Joseph Conrad
47 — Monkey Grip (1977), Helen Garner
48 — Mrs Dalloway (1925), Virginia Woolf
49 — Édipo Rei (429 a.C.), Sófocles
50 — A Metamorfose (1915), Franz Kafka
51 — Oresteia (séc.5 a.C.), Ésquilo
52 — Cinderela (autor e data desconhecidos)
53 — Uivo e Outros Poemas (1956), Allen Ginsberg
54 — Os Miseráveis (1862), Victor Hugo
55 — Middlemarch (1871-1872), George Eliot
56 — Pedro Páramo (1955), Juan Rulfo
57 — Amantes Borboletas (autor e data desconhecidos)
58 — Os Contos de Cantuária (1387), Geoffrey Chaucer
59 — Panchatantra (300 a.C.), Vishnu Sharma
60 — Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Machado de Assis
61 — Primavera da Srta. Jean Brodie (1961), Muriel Spark
62 — The Ragged-Trousered Philanthropists (1914), Robert Tressell
63 — Canção de Lawino (1966), Okot p’Bitek
64 — O Carnê Dourado (1962), Doris Lessing
65 — Os Filhos da Meia-Noite (1981), Salman Rushdie
66 — Nervous Conditions (1988), Tsitsi Dangarembga
67 — O Pequeno Príncipe (1943), Antoine de Saint-Exupéry
68 — O Mestre e Margarida (1967), Mikhail Bulgakov
69 — Ramáiana (Séc.11 a.C.), Valmiki
70 — Antígona (441 a.C.), Sófocles
71 — Drácula (1897), Bram Stoker
72 — A Mão Esquerda da Escuridão (1969), Ursula K. Le Guin
73 — Um Conto de Natal (1843), Charles Dickens
74 — América (1980), Raúl Otero Reiche
75 — Diante da Lei (1915), Franz Kafka
76 — Children of Gebelawi (1967), Naguib Mahfouz
77 — Il Canzoniere (1374), Petrarca
78 — Kebra Nagast (1322), Vários autores
79 — Mulherzinhas (1868-1869), Louisa May Alcott
80 — Metamorfoses (8 d.C.), Ovídio
81 — Omeros (1990), Derek Walcott
82 — Um Dia na Vida de Ivan Denisovich (1962), Alexander Soljenítsin
83 — Orlando: Uma biografia (1928), Virginia Woolf
84 — A Serpente e o Arco-íris (lenda indígena australiana, data e autor desconhecidos)
85 — Foi Apenas um Sonho (1961), Richard Yates
86 — Robinson Crusoé (1719), Daniel Defoe
87 — Canção de Mim Mesmo (1855), Walt Whitman
88 — As Aventuras de Huckleberry Finn (1884), Mark Twain
89 — As Aventuras de Tom Sawyer (1876), Mark Twain
90 — O Aleph (1945), Jorge Luis Borges,
91 — O Camponês Eloquente (história egípcia antiga, data e autor desconhecidos)
92 — A Roupa Nova do Rei (1837), Hans Christian Andersen
93 — A Selva (1906), Upton Sinclair
94 — The Khamriyyat (séc.9), Abu Nuwas,
95 — Marcha de Radetzky (1932), Joseph Roth
96 — O Corvo (1845), Edgar Allan Poe
97 — Os Versos Satânicos (1988), Salman Rushdie
98 — A História Secreta (1992) Donna Tartt
99 — Um dia de Neve (1962), Ezra Jack Keats
100 — Toba Tek Singh (1955), Saadat Hasan Manto

(Relação roubartilhada lá da Revista Bula)

Receita de Primavera

Pegue alguns passarinhos
de todos os tamanhos…
Escolha os bem ruidosos
e junte às borboletas.
Mas não guarde nem faça nada…
Pegue sem segurar,
capture com o olhar.
Separe umas formiguinhas
e abelhas pequenininhas.
Adquira piados,
coaxos e zunidos.
Ouça de olhos fechados
e alma escancarada.
Despeje alguns sorrisos,
uma ou outra gargalhada.
Aqueça o sol por primazia
até dourar o coração.
Assopre uma brisa fresca
e reserve muitas cores
(despreze o cinza).
Salpique pétalas de flores e espera…
Já, já está pronta a Primavera!

Rossana Masiero

Dica de autoajuda

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas

“O objetivo do poeta não é descobrir novas emoções, mas utilizar as corriqueiras e, trabalhando-as no elevado nível poético, exprimir sentimentos que não se encontram em absoluto nas emoções como tais.” (T. S. Eliot)

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas
Ler autores clássicos, como Shakespeare, William Wordsworth e T.S. Eliot, estimula a mente e a poesia pode ser mais eficaz em tratamentos do que os livros de autoajuda, segundo um estudo da Universidade de Liverpool.

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos e depois essas mesmas passagens traduzidas para a “linguagem coloquial”.

Os resultados da pesquisa, antecipados pelo jornal britânico “Daily Telegraph”, mostram que a atividade do cérebro “dispara” quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.

Esses estímulos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo, segundo o estudo, que utilizou textos de autores ingleses como Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning e Philip Larkin.
Os especialistas descobriram que a poesia “é mais útil que os livros de autoajuda”, já que afeta o lado direito do cérebro, onde são armazenadas as lembranças autobiográficas, e ajuda a refletir sobre eles e entendê-los desde outra perspectiva.

“A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças”, explica o professor David, encarregado de apresentar o estudo.

Após o descobrimento, os especialistas buscam agora compreender como afetaram a atividade cerebral as contínuas revisões de alguns clássicos da literatura para adaptá-los à linguagem atual, caso das obras de Charles Dickens.