Plantinhas

Como eu já havia comentado antes, A Dona Patroa se tornou uma viciada em suculentas! E não, não é nada dessa besteira que você pensou aí, não! É que no ano passado ela resolveu que iria presentear a cada uma das mães lá da Igreja Holiness com um vasinho de suculenta e então, desde dezembro, começou a cultivá-las. Apenas algumas dezenas já seriam o suficiente. Mas veio a pandemia, o isolamento, o Dia das Mães chegou e passou e as suculentas continuaram aqui em casa. Inclusive se multiplicando. E ela se encantou com sua variedade. E ela arranjou mais suculentas – “Ah, desse tipo eu ainda não tenho!” – e o negócio foi se aumentando cada vez mais. E eis que na última contagem que fiz ali na varanda (já há alguns meses) tínhamos nada menos que 166 vasinhos de suculentas! É ou não é um vício?

E eis que descobri que o Fábio Coala, um excelente cartunista/chargista/desenhista/artista (ou seja lá como queira ser chamado) tem o mesmo tipo de “problema” em casa, pois a Senhora Coala também é uma amante de plantinhas, mudinhas e outros quetais, o que rendeu – até o momento – uma série bem divertida do que é o dia a dia com essas adoráveis criaturas que têm o “dedo verde”…

1 2 3 4 5 6 7 8

9

10

11

12

Bodas de Louça

Bodas de Louça. Vigésimo segundo ano de comemoração matrimonial. 22 anos de casados. E qual é o porquê da louça? É que com a louça, apesar de sua fragilidade, é possível fabricar vasilhames que tanto podem acomodar líquidos como sólidos, recebendo e amoldando as situações da vida em conformidade com o formato do próprio casal, demonstrando que já suportou e suporta muitas coisas juntos, mas com a ciência da necessidade de continuar cuidando da integridade da relação.

Nos conhecemos quando estudávamos na Faculdade de Direito. Ela já havia começado o curso, trancou a matrícula, foi para o Japão – onde trabalhou por quatro anos – e voltou no ponto onde havia parado, no terceiro ano, em 1994. E eu já estava por lá, seguindo normalmente os estudos…

Primeiro contato…

Apesar de nosso primeiro contato não ter sido promissor (pois ela me deu uma reprimenda porque eu nunca sabia se chamava ela de Elaine, Eliane ou Eliana…), e mesmo ela estando noiva e eu sendo casado, acabamos nos tornando bons amigos e como é comum em todo e qualquer curso de Direito volta e meia saíamos em turma para aproveitar os barzinhos da cidade.

Se não me falha a memória, lá no saudoso “O Caipira”…

Nessa época, para me sustentar, eu montava e vendia microcomputadores (bons tempos dos 386 DX 40 e o começo dos 486!) e acabei lhe vendendo e instalando seu primeiro computador. No último ano de faculdade, em 1996, ela já fazia estágio no departamento jurídico da Prefeitura e graças aos meus “conhecimentos técnicos” ela me indicou para uma entrevista e eu também passei fazer estágio na área jurídica enquanto, paralelamente, ajudava todo aquele pessoal a desvendar os segredos daquele novo ambiente gráfico que eles não tinham nem ideia de como funcionava: o Windows 3.11.

E também foi nesse ano que cada qual encerrou de vez com sua vida conjugal. Eu saí de um casamento de cerca de dez anos e ela saiu de um noivado de cerca de quatro anos. E naquele final de anos, ainda que sozinhos mas meio que juntos, esse fato veio a dar um novo sabor às últimas festas de formatura…

Acho que esse foi o último churrasco que fizemos – e olha o bonitão (o único sem camisa) sentadinho bem ali no meio!

Aliás, já que estávamos naquela “situação”, por que não nos acompanharmos um ao outro na própria formatura? Foi o que fizemos!

Eu, todo na estica e com pelo menos uma arroba a menos do que nos dias de hoje.
Já ela não mudou nadinha!

E foi dessa maneira, naturalmente, em decorrência de uma convergência de inúmeros fatores inesperados, que começamos nosso relacionamento. Que ainda assim ela tentou encerrar – mas quem me conhece sabe como eu posso ser persuasivo. Ou melhor, teimoso e turrão!

Bem que ela tentou…

E uma vez formados atravessamos o ano de 1997 trabalhando juntos no escritório de advocacia de nossos amigos, sendo que passávamos praticamente o tempo todo um com o outro, volta e meia visitávamos a irmã dela no litoral e normalmente eu também estava lá pelas bandas da casa dela…

Eu, na minha versão “Renato Russo”.

Abre o olho, Japonesa!
Fecha o olho, Gaijin!

Mieko sendo bonitinha como só ela sabe ser…

Mas não teve jeito. Estávamos fadados ao sucesso! E foi assim que no dia 12/12/1998, nas dependências do restaurante rural Coelho e Cabrito, que formalizamos nossa união perante os homens e perante Deus. Aliás, logo após a cerimônia civil e sem que tivesse chegado o pastor que faria um culto ecumênico (pois ele se perdeu no caminho), chamamos todos os convidados para que se sentassem e começassem a se servir. Então, quando todos já estavam acomodados, eis que o pastor chegou. Pediu desculpas aos presentes e falou suas palavras. O que rendeu o inesquecível comentário do Luisinho, nosso padrinho:

“O melhor casamento que eu já fui foi o da Mieko e do Adauto. Enquanto o padre falava a gente estava lá, sentadão, com o copo de cerveja na mão!”

Atrasado, mas em tempo!

Segundo uma senhorinha, mãe de um amigo meu, ao ver essa foto:
“A perfeita união da Máfia Italiana com a Yakuza Japonesa!”

E, dali, partimos para nossa Lua de Mel em Porto Seguro, uma viagem que foi o presente dos nossos amigos do escritório – apesar de a Mieko já conhecer o lugar, ainda assim fomos curtir e aprontar a dois naquelas distantes plagas da Bahia…

Mieko pedindo informação.

Adauto discordando.

E desde então a gente vem levando nossa vidinha… Ambos cometendo erros e acertos, alguns maiores e outros menores (fora os gigantescos), mas ainda assim vamos levando. Apesar de sempre lembrarmos da data de nosso aniversário de casamento, na realidade raramente “comemoramos”, então as fotos a seguir representam apenas um pequeno apanhado acerca do que estava acontecendo conosco no dia ou num dia bem próximo dessa data.

1999: eu e Kevin no apartamento do Jardim América.

2002: eu, Kevin e Erik na comemoração de final de ano da escolinha.

2003: churrasco na Prefeitura de Jacareí, Erik no colo, Kevin brincando com a Mieko e Jean na barriga.

2004: Erik e eu limpando a massa de bolo crua da tigela – que, segundo a Mieko, “faz mal”…

2005: Jean “seguindo meus passos”…

2007: sim, nesse ano comemoramos “formalmente” nosso aniversário de casamento.

2012: sim, nesse ano também.

2013: foi no mesmo dia da formatura do Kevin.

2016: bem próximo da formatura do Erik.

2017: em casa com Hideki, Júlio, Júlia, Elaine, Mieko e eu.

2018: também foi próximo do dia da formatura do Jean…

… mas foi no exato dia que o Titanic voltou às ruas!

E é isso. Bodas de Louça. Continuamos sempre procurando nos adequar às novas situações que a vida nos brinda – ainda mais nessa época maluca de pandemia e desvario presidencial – mas também não descuidando da fragilidade que é a manutenção de um casamento já tão longevo. O tempo vai passando, as crianças vão crescendo e, enquanto casal, temos nos descoberto cada vez mais parceiros no nosso dia a dia – apesar dos eventuais dedos em riste de ambos os lados, mas isso faz parte… O que importa é manter a família unida!

Cenas do dia a dia de um casal

Abertura: Cena de uma ponta da cozinha em uma grande angular. Percebe-se a longa mesa que atravessa o cômodo, uma parede toda tomada de armários de um lado e, do outro, uma mesinha alta com apenas duas cadeiras. Ao fundo uma também longa pia, sob a janela, ladeada pela porta de saída do lado esquerdo e pelo fogão no canto, do lado direito. No chão, próximo da pia, duas grandes sacolas de feira, ainda com produtos recém-comprados. Duas pessoas estão de costas para a câmera, lado a lado e de frente para a pia, fazendo algum serviço manual.

Corta: O enquadramento da cena agora é do ponto de vista da altura da pia de duas cubas, focado, mostrando nitidamente de baixo para cima o que o casal está fazendo bem como seus rostos e olhares absortos em sua ocupação. Ele, alto, está fatiando um queijo, olhar vago, pensando em alguma coisa. Ela, pequenina, está lavando folhas de couve, semblante ligeiramente franzido. De repente, do nada, apoiando-se sobre a beirada da pia, ela olha para ele e solta:

– Na boa? Você precisa mesmo é criar juízo!

Diz isso e volta-se para a frente, retomando seus afazeres.

– Cuméquié? Pô, tô quieto aqui cortando meu queijinho e você me vem com essa?

– Na verdade é simples: – diz, sem olhar – eu não estou a fim de ficar viúva!

– E você poderia ficar viúva porque eu não teria “juízo”. É isso?

Cerrando os olhos e agora ambos se encarando, ela responde:

– É.

Num gesto teatral e grandiloquente, com os olhos arregalados, cara de espanto e a mão espalmada no peito ele ainda pergunta:

– Falta de Juízo, EEEEEUUUUU???

Não sem um esgar de um sorriso, voltando novamente sua atenção para as folhas de couve, desta vez ela afirma:

– Pois é, amor, o problema é que você não tem juízo…

Também voltando a fatiar o restante que falta do queijo, quase que distraidamente, num tom tranquilo é a vez dele:

– Amor, na verdade quem não tem juízo é você.

– Como assim? Voltando a encará-lo. Por que eu?

Desta vez interrompendo seu fatiado, mas ainda assim sem se abalar, baixando a faca na pia e com um carinho no olhar ele calmamente responde:

– Amor, veja bem. Eu tenho muito juízo. Tenho juízo de sobra. Sabe o porquê? É porque eu me casei com você. Na verdade quem não tem juízo é justamente você, simplesmente pelo fato que casou comigo.

Novo corte: Bem de frente. Ângulo fechado somente na face dos dois. Sérios. De repente os lábios começam a tremer e sonoras gargalhadas dão lugar ao que quase poderia ter sido uma discussão. A câmera se afasta para vislumbrar o casal se abraçando, ainda rindo, olhos nos olhos, com um suave beijo para encerrar o assunto. Cai o pano.

(Flagrante do momento: “Falta de Juízo, eu?”…)

Dona Flor de Cerejeira e seus “dois maridos”

Estávamos no início do ano de 1997.

Ao apagar das luzes do ano anterior eu, por minha conta e risco, resolvi encerrar um relacionamento de mais de dez anos e acabei por me separar de minha primeira esposa, Evanilda. Ainda nos encontraríamos por mais algumas vezes, de modo nada satisfatório, até o dia da audiência de divórcio, quando, ao final, ela decidiu que eu jamais voltaria a fazer parte de seu futuro. E assim continuamos até hoje. Foi por essa época que juntei minhas poucas tralhas e fui morar por uns tempos num quarto vago da casa de meu irmão.

Mais ou menos à mesma época a Mieko, também conhecida como Dona Patroa, por motivos diversos aos meus, também havia decidido colocar um ponto final em seu segundo noivado que já se arrastava por uns quatro anos. Seu nome era Noboru. Depois de terem se conhecido enquanto ainda estavam no Japão, quando voltaram ela veio cá para o interior e ele tocava seus negócios na Capital. Viam-se nos finais de semana. Mas esse noivado distante, sabendo-se lá o que ocorria durante a semana (mas suspeitando bastante) também demonstrou-se nada satisfatório. E, também à distância, ela meio que rompeu com ele. Mas nada ficou explícito.

Mudemos de cenário.

Com toda a bagagem emocional que rompimentos de longos relacionamentos podem trazer, eis que naquele início de ano nos encontrávamos ambos recém-formados, ambos advogados sem clientes, ambos trabalhando no mesmo escritório de nosso amigo Luisinho e ambos – naturalmente – começando a se engraçar um com o outro…

Acabei conhecendo um pouco mais da família dela – e ela, coitada, da minha – inclusive sua irmã que morava no litoral, em Caraguatatuba, local onde seu marido, poucos meses depois, viria a sofrer um acidente de moto gravíssimo, tendo que ser transferido com urgência para a UTI do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

Pois bem.

Como ambos mal tínhamos clientes e limitávamo-nos a tocar as ações do Luisinho, não foi nada difícil deixar tudo pra trás e correr para São Paulo para ajudar sua irmã no que fosse possível naquele momento tão difícil. Ainda estávamos todos no hospital, meio que na expectativa, meio que na confusão, quando o inevitável aconteceu: de repente por lá surgiu o Noboru, eis que era também amigo da família de longos anos, para ajudar no que pudesse.

E eu lá.

E ele também.

Mas dado o momento e os acontecimentos, a saia nem ficou tão justa assim. O dia foi passando e como a parentada dela prontamente havia se colocado à disposição, acabaram combinando que ficaríamos no apartamento da Têro, sua prima enfermeira.

E como ir até lá?

De carona com o Noboru, claro, em seu novíssimo Gol GTi, um dos últimos modelos antes da reestilização da linha, e super equipado com um portentoso equipamento de som…

Ao chegarmos no apartamento ele disse que iria embora mas voltaria no dia seguinte para levar todo mundo para o hospital. Foi de senso racional e comum que aquilo seria bobagem, pois não fazia sentido ele atravessar a cidade àquela hora para ter que voltar no outro dia cedinho para buscar todo mundo, então o melhor seria que ele dormisse por ali também.

Então.

Estávamos todos ali, na lida, já lanchados e de banho tomado, arrumando colchões aqui, estendendo lençóis ali, ela ajeitando umas almofadas no meio da sala e eu e ele de costas um para o outro, defronte à porta de um dos quartos, cuidando de nossos cantos.

E eis que ela, sem levantar a cabeça, simplesmente chamou:

– Amor, faz um favor?

E eis que nós dois, exatamente ao mesmo tempo, olhamos para ela e respondemos em uníssono:

OI, AMOR?

E, percebendo a situação, simultaneamente olhamos um para o outro, nos encaramos, e ato contínuo olhamos para ela novamente com cara de interrogação: qual de nós, afinal?

Não tem como descrever aquele momento. Por poucos segundos o tempo simplesmente parou. Não havia nenhum som no ambiente. Até mesmo a luz tornou-se fugidia. Todos que estavam na sala foram pegos de surpresa e praticamente congelaram enquanto aguardavam, de respiração suspensa, qual seria o próximo ato daquela tragicômica peça nada teatral.

E naquele breve momento em que o planeta deixou de girar, ela, nos encarando com os olhos DESTE TAMANHO e lentamente foi percebendo o que estava acontecendo…

E no meio daquela saia justíssima, embaraçosíssima situação que sozinha conseguiu criar, ela simplesmente baixou a cabeça, cobriu os olhos com uma mão enquanto que estendeu a outra fazendo sinal para que se aproximasse:

ADAUTO. Adauto, faz favor. Você, Adauto, vem aqui um pouquinho pra me ajudar…

Com um pequeno solavanco o mundo recomeçou a girar, a sala novamente se iluminou, os sons voltaram a burburar, eu e ele ignoramo-nos mutuamente e cada qual foi cuidar de suas coisas.

Nos dias seguintes, apesar de toda a proximidade, foi difícil que se livrassem da minha sombra, sempre presente e próximo a ela. Mas eu também sabia que os dois precisavam de ao menos um momento a sós para concluir o que ficou inacabado, colocar os pingos nos “is”, terminar de vez um com o outro.

E foi com uma ciumenta fisgada no coração que este troglodita que vos tecla deixou o campo de batalha e voltou para o interior por algum tempo enquanto tudo se resolvia por lá – não sem, é lógico, tecer nas mais profundas catacumbas de minha mente as piores teorias da conspiração dos piores cenários possíveis…

Mas, enfim, terminaram.

E ainda foram necessários ainda mais vários dias de acompanhamento e monitoramento junto ao hospital, porém, infelizmente, no dia seguinte ao Dia das Mães daquele ano, o paciente veio a falecer.

E nos anos seguintes a história seguiu seu curso, nos casamos, tivemos nosso primeiro filho e ficamos bastante próximos da irmã dela e de suas três filhas adolescentes. Até que um dia tudo mudou, caiu sua vestimenta de ovelha e nunca mais voltamos a nos falar. Seguimos com nossas vidas e elas com as delas. Mas isso é uma outra história.

Mas, cá entre nós, desde então jamais deixei que a Dona Patroa pudesse esquecer aquele momento surreal de nossas vidas – mas hoje hilário – onde ela desenrolou seu nipônico papel de Dona Flor de Cerejeira e seus “dois maridos”! 😀

Sonhei com você!

Logo pelo raiar do dia acordei com o insistente chamado do maldito despertador.

Ainda assim não quis levantar, pois queria sorver um pouco mais da lembrança daquele sonho gostoso e suave, de como há muito não tinha, onde situações malucas, desconcertantes e nonsense se misturam e flertam com outras triviais e corriqueiras de nosso dia a dia…

Realmente foi um sonho bom…

Invariavelmente não costumo lembrar de meus sonhos, pois durmo apenas poucas horas por noite – costume há muito arraigado – e ainda que não adormeça rápido, durmo profundamente.

Só que desta vez foi diferente, lembrei de cada detalhe, de cada cheiro, de cada gesto, de cada toque, de cada tudo – e sabe por quê?

Sonhei com você!

Assim, do nada, ainda que há muito você sequer passasse próxima de meus pensamentos, tive esse sonho meio doido, onde eu estava num trabalho técnico, burocrático e enfadonho para uma cliente, mas estava feliz, pois você estava ali, presente, sentada do meu lado, conversando, proseando e rindo com esse seu sorriso com cheiro de luz do Sol a iluminar todo o ambiente.

Que bom poder matar essa saudade que eu nem sabia que ainda tinha, mesmo que dessa maneira surreal, lá no mundo onírico, onde tudo se mescla, onde passado, presente e futuro são uma só coisa, pois este meu coração – que ultimamente anda um tanto quanto árido – palpitou forte uma vez mais, com lembranças emocionais que estavam soterradas em algum canto perdido lá nas mais profundas catacumbas de meu ser.

Um tanto quanto exagerado, eu sei – mas fazer o que se sempre fui assim?…

Eu fiquei muito feliz em poder te encontrar novamente, pessoalmente, olhando bem fundo nesses seus olhos brilhantes, apesar de toda essa distância que nos separa, ainda mais porque estávamos daquele nosso jeito de sempre, meio que descontraídos, meio que se divertindo, meio que discutindo mas sempre se amando.

Sei que, para você, não é preciso explicar, mas para qualquer outra pessoa que venha a ler estas linhas é importante entender que quando eu digo clara e francamente que “eu te amo”, isso na realidade é muito mais profundo que um mero amor fraternal e absolutamente não quer dizer que seria daquele tipo de amor para vivermos como um casal.

Amar, nesse caso, é um querer bem de uma forma inenarrável, indescritível, é gostar de estar perto, de poder ajudar, é querer que a pessoa esteja bem, que esteja feliz, independentemente de com quem quer que seja ou onde quer que esteja, sabendo do fundo do coração que o sentimento que se tem por essa pessoa é tanto recíproco quanto de uma sinceridade à toda prova.

Um dia ainda haveremos de nos encontrar novamente – e dessa vez no mundo real – para conversarmos, rirmos, matarmos nossas saudades e lembrarmos com carinho de todas as bobagens que já fizemos enquanto vivíamos próximos um do outro.

Disso eu tenho certeza.

Até porque, como diria Richard Bach, “Se a nossa amizade depende de coisas como o espaço e o tempo, então quando finalmente ultrapassarmos o espaço e o tempo, teremos destruído a nossa fraternidade. Mas, ultrapassado o espaço, tudo o que nos resta é AQUI. Ultrapassado o tempo, tudo o que nos resta é AGORA. E entre AQUI e AGORA você não crê que poderemos ver-nos uma ou duas vezes?”

Devo agora me despedir, guardando com carinho essa sensação de proximidade e familiaridade que esse sonho me trouxe, ou melhor, que me resgatou lá de um passado que já estava começando a ficar pálido em minha memória, mas que, ao menos por enquanto, voltou a pulsar forte no meu peito.

E, por derradeiro, não posso me esquecer de quebrar o maldito despertador para que nunca mais volte a interromper um sonho como este que tive hoje!

😘

Um canoro proseio

Num fim de noite qualquer, já num clima de começo de inverno (porque todo friozinho de inverno é bom para qualquer casal ficar abraçadinho e aconchegado) e depois de algumas taças de vinho, enquanto que com a palma de uma mão se apoiava na sacada do apartamento e com os dedos da outra tamborilava alguma música que só se desenrolava dentro de sua cabeça, ele olhava fixamente para um distante ponto invisível no horizonte, eis que ela resolveu começar a conversa que, há tempos, vinham adiando.

Pego de surpresa com aquela súbita quebra do silêncio que protegia seus pensamentos, ele buscou os olhos dela com um nítido ar de quem não entendeu, não ouviu, ou, mais provavelmente, ambas as coisas.

– Deixa eu repetir: o que eu perguntei é “e então, como é que a gente fica?”
– …

– Que foi? Por que esse sorrisinho bobo, seu bestão? Quero saber da gente: como ficamos?
– A dois passos do Paraíso! (Blitz)

– Oi? Como assim? Do que é que você está falando?…
– Assim será… (Los Hermanos)

– Assim será o que, seu doido? Não tô te entendendo! E por que é que você tá falando assim, cantado?
– Adivinha o quê? (Lulu Santos)

– Péraê… Essa eu conheço… Não, péra, as outras também! Isso tudo é nome de música, sei lá, da década de oitenta?
– Isso! (Titãs)

– Ah, tá. E justo agora você vai conversar comigo desse jeito?
– Bem vindo ao mundo adulto! (Biquini Cavadão)

– Tá bom! Mundo adulto só se for na sua cabeça! Sério mesmo que você vai fazer isso?
– Eu me sinto bem… (Titãs)

– Cara, como você é estranho…
– Muito Estranho! (Dalton)

– Mas eu não desisto assim tão fácil. Ainda quero minha resposta.
– Ainda é cedo. (Legião Urbana)

– Ah, não! Não me venha com essa! Assim você só me deixa pê da vida, sabia? Sai pra lá que vou pegar outro vinho!
– Volta pra mim… (Roupa Nova)

– Uéééé… Primeiro não queria nada, agora me quer aí pertinho, é?
– Insensível! (Titãs)

– Humpf! Acho que é isso mesmo, meu bem. Vou te deixar é de castigo por um tempo pra ver se você aprende…
– Tenha dó… (Los Hermanos)

– Tô brincando, bestão! Vem cá, me abraça!
– Chega mais! (Rita Lee)

– Eu ainda vou acabar te batendo por toda essa cantarolação…
– Impossível! (Biquini Cavadão)

– Ah é? Posso saber por quê?
– Tempo perdido. (Legião Urbana)

– É, disso eu sei. Você não aprende, mesmo.
– Não dá… (Roupa Nova)

– Amor, agora sério: o que é que foi? A gente estava tão bem… Pra você estar desse jeito, mais esquisito que o normal, alguma coisa mudou muito aí dentro dessa cabecinha.
– Nada tanto assim. (Kid Abelha)

– Sou eu, né?
– Tente outra vez. (Raul Seixas)

– Não, não preciso. Já sei que sou eu.
– Exagerado… (Cazuza)

– Eu? Exagerada? Exagerado é o teu focinho, tá bom?
– Essas emoções / À flor da pele… (Zeca Baleiro²)

– É você que me deixa assim!
– Desculpe o auê! (Rita Lee)

– Tá, tá… Deixa pra lá… Môr? Posso te perguntar uma coisa?
– Tá bom. (Los Hermanos)

– Você me acha bonita?
– Bicho de sete cabeças. (Zeca Baleiro)

– Seu chato! Escroto! Bestão!
– Terceiro… (Ultraje a Rigor)

– …
– …

– Sério que você me acha um bicho de sete cabeças?…
– Linda demais! (Roupa Nova)

– Sei lá, eu nem sou tão bonita assim…
– Perfeita simetria. (Engenheiros do Hawaii)

– Mesmo? Você não me acha feia?
– Nem pensar! (Kleiton & Kledir)

– Depois dessa, bem que você até mereceria um presente…
– Só se for a dois! (Cazuza)

– Então vem, vem comigo, agora!
– Como eu quero! (Kid Abelha)

– Então! Vem, me diz, me diz o que é que eu sou pra você?
– Deusa da minha cama! (Camisa de Vênus)

– Hmmm, gostei! Então vem! Então vamos!
– Me beija! (Lobão)

– Com certeza! Hmmm… Que bom… Oi? Que foi? Por que parou?
– Pra ser sincero… (Engenheiros do Hawaii)

– O quê? O que é que foi?
– Injuriado. (Eduardo Dusek)

– Como assim, “injuriado”? O que foi que eu te fiz?
– Você não soube me amar! (Blitz)

– Ah, cê tá me zoando! Desde o primeiro momento em que nos vimos, eu sempre te amei!
– Será?… (Legião Urbana)

– Ah, então agora a culpa é minha também? É isso?
– Eu quero sempre mais! (Ira!)

– Mais? E o que mais você quer?
– Um certo alguém… (Lulu Santos)

– Oi? Não! Cumassim? Fala comigo. Fala direito, por favor!
– Preciso me encontrar… (Marisa Monte)

– Se encontrar? Você… Você quer ficar com outra mulher? É isso? Ou… Ou outro homem?
– Eu gosto de mulher! (Ultraje a Rigor)

– Tá, tá, tudo bem, eu só tô tentanto te entender. Entender este nosso relacionamento que não vai, nem fica, não anda, nem desanda.
– Tédio. (Biquini Cavadão)

– Tédio??? Meu, eu aguento toda sua esquisitice, sempre estamos buscando algo novo e você vem me falar de tédio?
– O tempo não pára… (Cazuza)

– Então é isso, né? Cansou. Cansou de mim…
– Meu erro. (Os Paralamas do Sucesso)

– Você já não é mais um mocinho, sabia? Quer mesmo sair assim? Tentar começar tudo de novo com um outro alguém?
– Envelheço na cidade… (Ira!)

– Pois é. Então tá. Não vou mais insistir. E quer saber o que mais lhe desejo?
– As dores do mundo? (Jota Quest)

– Não, besta. Só você pra ainda me fazer rir numa hora dessas… Quero que você fique bem. Ainda te amo, mas não vou te prender. Melhor ainda, não vou me prender.
– Dias de luta… (Ira!)

– Mas você não vai me esquecer, vai? Você ainda vai lembrar de mim?…
– Aonde quer que eu vá! (Os Paralamas do Sucesso)

– Então tá. Olha, tá quase amanhecendo o dia. Se é assim que ficamos, acho que agora o melhor que você tem a fazer é ir embora, tá bom?
– Alvorada voraz! (RPM)

– Adeus, amor. Até algum dia. Ou nunca. O que for melhor. Ou menos pior…
– Adeus você… (Los Hermanos)

E lá se foi ele. Após aquele tumultuado namoro que não foi namoro, e que durou apenas onze dias, ainda que com um pouco de azedume, mas com sinceras lágrimas sofridas, desceu do sétimo andar e, com o pouco que sobrou de sua sobriedade, encarou a rua com aquele ar gelado, típico das madrugadas de inverno. Os pássaros começavam a cantar para uma Primavera que não estava lá enquanto que o vento quase que levou seu cachecol. Meteu as mãos nos bolsos e resolveu caminhar até sua casa. Tá bom, ele sabia que era um cara estranho. Mas ao menos agora também sabia que aquela morena tinha sido seu último romance. Isso porque enquanto ele estava com o olhar perdido naquele horizonte distante, buscando enxergar algo além do que se vê, teve uma longa conversa de botas batidas consigo mesmo, assim, do lado de dentro, e curiosamente teve a descoberta de quem verdadeiramente era o outro alguém com que deveria formar um par e deixar de se sentir sempre tão sozinho.

E do fundo de seu coração, bem lá de onde vem a calma, seguiu seu caminho assobiando a mesma música que estava em sua cabeça enquanto tamborilava os dedos na sacada. Uma antiga música de uma antiga banda chamada Ultraje a Rigor e que acabou desencadeando toda a série de eventos daquela noite.

O nome da música?

Eu me amo.

Compreendendo a gravidez da situação

Não, vocês não leram errado, nem tampouco eu a escrevi errado: a palavra é essa mesma. Mas, como todos já sabem, eu tenho uma certa tendência ao dramático e não podia deixar de dar todo um colorido nessa história – que, inclusive, aconteceu de verdade – como vocês verão…

E lá estava o casalzinho, bem de boa, juntos há pouco tempo e ela já gravidinha. De repente, assim do nada, ela dispara:

– Amô-ôr…

– Oi, vida?

– Sabe… É que eu estou com muita vontade de tomar sorvete…

– Não por isso! É pra já!

E sem dar nenhum tempo para um segundo pensamento sequer, já saiu, foi até a padaria mais próxima e logo em seguida voltou com o melhor que poderia pescar dos freezers de sorvetes: flocos, napolitano, morango, chocolate e por aí afora.

Ela sorriu, meio sem jeito, enquanto que ele estava ali, quase que se pavoneando, orgulhoso em se sentir o melhor dos maridos e de já achar que seria um futuro pai pra lá de dedicado!

Enquanto isso ela abriu um pote, olhou, abriu outro, pegou uma colherinha, experimentou, deu um passo pra trás, pensou e arrematou:

– Amô-ôr…

– Oi, vida?

– Sabe… É que você não me deu um tempo pra explicar… Mas é que a minha vontade era de tomar sorvete do Seu Robertinho…

– Do Seu Robertinho? O mesmo “Seu Robertinho” lá da nossa cidade, do Sul de Minas, a mais de 100 quilômetros de distância???

– É…

– Ah, amor, aí não tem jeito. Você vai ter que se virar com o que temos! Antes do próximo final de semana, com certeza não como a gente ir pra lá. Fecha os olhos e faz de conta que esse é do Seu Robertinho, vai?

– Mas não é!

– Mas, vida…

– A grávida sou eu!

Pronto. Discussão encerrada. Impossível retrucar contra esse argumento. Foram dormir daquele jeito, meio que chateados, meio que decepcionados e com a geladeira cheia de sorvete.

Já no dia seguinte ele teve uma brilhante ideia! O problema era aquele sorvete industrializado, enquanto que o do Seu Robertinho era totalmente caseiro. O único lugar que ele conhecia em toda cidade que também produzia seu próprio sorvete caseiro e de qualidade era lá na Sorveteria do Canário, na Zona Norte. Propôs a ela que fossem até lá para, pelo menos, que ela experimentasse – mas ele tinha certeza absoluta que isso resolveria o problema.

Atravessaram a cidade, chegaram na sorveteria, ela ainda com uma carinha de desconfiada, decidiu arriscar uma Banana Split (que, diga-se de passagem, quem conheceu a Banana Split do Canário sabe do que eu tô falando em termos de qualidade, sabor, consistência e tamanheza)…

Bastou uma colheradinha.

Empurrou a taça, quase com cara de choro, e cheio de súplica encarou seu mais uma vez frustrado marido:

– Não é que nem a do Seu Robertinho.

Bem, daí não teve jeito. Foi o resto da semana pilotando as variações de humor da patroa até que pudessem, no final de semana, viajar até o Sul de Minas e matar a vontade da gravidinha.

Foi uma loooonga semana…

Enfim chegou o final de semana, pegaram a estrada e o mau humor dela parece ter ficado em casa, no fundo da última gaveta, junto com as meias. Parecia uma criança! Finalmente ia matar a vontade e se deleitar com os sorvetes do Seu Robertinho!

Mas ele já estava daquele jeito, com uma pulga atrás da orelha… Nada, repito, NADA, na vida dele se resolvia tão fácil…

E, é lógico, ele tinha razão. Afinal de contas eles estavam em Agosto, ou seja, Inverno. O que as sorveterias fazem no inverno? FECHAM. Simples assim.

Antevendo a gravidade de um súbito ataque gravídico, ele não teve dúvidas: deixou-a em casa de parentes e foi pessoalmente até a casa do Seu Robertinho!

– Oi, fio! B’as tarde!

– Seu Robertinho, PELAMORDEDEUS, me ajuda! Só o senhor pode me ajudar!

– Êita! Carma, fio. Que é que assucede?

– Minha mulher, seu Robertinho. Minha mulher. Ela tá grávida e já faz quase uma semana que não para de falar do sorvete que o senhor faz. É vontade, Seu Robertinho, vontade de grávida! Diz pra mim, por favor, que o senhor tem algum sorvete aqui na casa do senhor pra me vender, POR FAVOR!!!

– Heh… É, já vi isso antes. Mas fique carmo e vâmo chegá ali na cozinha pra modo de você escolhê…

Ele estava salvo! Finalmente! Acompanhou Seu Robertinho até sua “despensa de sorvetes” e pra que não tivesse mais nenhum tipo de problema, pegou um potinho de cada sabor. De todos os possíveis e imagináveis. Voltou abarrotado! Tinha de uva, morango, côco, chocolate, creme, flocos, abacaxi, limão, amora, pistache, o escambau!

Encontrou sua mulher daquele jeito: tal qual criança esperando brinquedo no dia do aniversário! Os olhos brilhando! Desceu sua carga na mesa e respirou fundo, descansado, certo de que agora não tinha como ter errado, enquanto que ela conferia e alinhava um a um todos os potinhos, quase pulando de alegria e já ficava nítido o prazer que ela ia antevendo em saboreá-los.

E assim, num suspiro aliviado, ele virou de lado e tentou até sorrir…

E mesmo extasiada, ela assim do nada, voltou a repetir:

– Amô-ôr?

(GLUP!)

– Oi, vida?…

– Não tinha de goiaba?

Quem é vivo sempre desaparece

Mariliz Pereira Jorge

Teve o Renato, a gente se falava sempre, me mandava mensagem o dia inteiro, coraçãozinho, dava bom dia, boa noite, bom trabalho, boa academia. Fomos ao cinema, saímos para jantar, me apresentou aos amigos. Daí, desapareceu. Sem mais nem menos.

Teve o Marcio, saímos por dois meses, passamos um fim de semana incrível na praia, ele postava fotos nossas nas redes sociais, planejávamos viajar juntos no Réveillon. Um dia ele parou de responder minhas mensagens e logo depois me bloqueou no Facebook e no WhatsApp. Sem mais nem menos.

Teve o João. Uma amiga em comum nos apresentou, foi paixão, tesão, tudo desde o primeiro encontro. Cheguei a conhecer seus irmãos num almoço. Então, ele viajou a trabalho e nunca mais respondeu minhas mensagens. Sem mais nem menos.

Teve o Flávio. Nos conhecemos por um aplicativo. Conversamos por um mês até nos encontrarmos. Ao vivo, foi ainda melhor. Era leve, divertido, quando vi tinha uma escova de dentes dele na minha casa. Numa segunda-feira de manhã, ele foi trabalhar e toda hora estava ocupado, trabalhando demais. Desisti de procurar e ele saiu da minha vida assim. Sem mais nem menos.

Teve o Tico, o Vicente, o Joca, o Rubão, o Marquito, o Felipe, o Diogo.

O fenômeno não é novo, mas parece haver uma epidemia de homens com síndrome de David Copperfield. O cara está ali, faz marcação cerrada, é gentil, sedutor, manda coraçãozinho, dorme de conchinha, compra ingresso para ver Radiohead em Amsterdã daqui a seis meses, fala que vai na esquina comprar cigarro e desaparece.

Não, os homens não são todos iguais. Mas esse comportamento mezzo cafajeste, mezzo bundão acomete até mesmo os caras mais sensíveis, que já entenderam que “não” é “não”, que nem toda mulher se apaixona quando tem um orgasmo, que a gente não vai se jogar no chão se você disser que não é namoro.

O enredo se repete com homens de todos os tipos, do ogro ao grudento, que vestem a carapuça de babaca quando resolvem, sem mais nem menos, tomar Doril e desaparecer para sempre.

A gente coloca atenção, energia, carinho e tempo. Não é expectativa. Isso vem depois. Não estou com o enxoval pronto, nem com a igreja reservada para 2018, e não sou a louca do relógio biológico apitando. Está tudo sob controle. Eu cuido das minhas neuras. Você cuida da sua parte. Que é só dizer não quero mais, não vai rolar, não estou a fim.

Quero só uma resposta. Um ponto final. Um adeus. Depois eu me viro.

Já me perguntei muito por que fulano ou sicrano sumiram. Tenho bafo? Sou chata? Pegajosa? Insuportável? Amigas, conhecidas e leitoras se perguntam por que João, Flávio, Marcos, Renato, Marcio desapareceram de uma hora para outra sem deixar vestígio. Por que, sim, a gente acha que tem alguma coisa errada com a gente quando isso acontece uma, duas, cinco vezes. Só bem depois é que a gente se dá conta de que você é só mais um que engrossa as estatísticas dos homens-idiotas-que-encontramos-pela-vida.

E não me venha com o papo de que não quer se envolver. Se não quer se envolver, não ligue, não mande duzentas mensagens, não me adicione nas redes sociais, não me apresente para o porteiro, não seja romântico, não me convide para fazer constelação familiar. Eu não sou sua amiga. Não sou sua parça de balada.

E não me venha com o papo de que não quer machucar meus sentimentos. O que machuca é história inacabada, é história que nem começou e foi interrompida sabe-se lá por que. O que machuca é passar dias tentando entender o óbvio que naquele momento não é tão óbvio.

Não interessa se nos conhecemos pouco, se não temos compromisso, se você acabou de sair de um relacionamento sério, se você está traumatizado por causa da sua última namorada, se você quer comer metade da cidade. Apenas diga! Você faz o que quiser com a sua vida, com o seu pinto e com sua falta de maturidade. Apenas não me envolva em suas canalhices.

Não interessa que você não aguenta ver mulher chorar. Tem algumas que choram mesmo, mas a maioria hoje chora de raiva de ter que lidar com homens mimados, babacas e covardes, que acham mais fácil bloquear no WhatsApp, deletar das redes sociais e fazer de conta que morreu. Tão mais honesto simplesmente dizer “não estou a fim”.

Não, eu não tenho bola de cristal, nem obrigação de adivinhar que pela manhã eu era a coisa mais gostosa da face da terra e à noite você decidiu que prefere que eu caia num poço sem fundo. Não, eu não entendi as pistas. Isso não é um maldito jogo de detetive, em que tenho que decifrar as suas mensagens ou a falta delas.

Basta estar vivo para desaparecer. Mas basta ser só um pouquinho decente para conseguir dizer o bendito de um adeus.

Encontre alguém que te surpreenda

Encontre alguém que bagunce o seu cabelo e coloque ordem no seu coração. Não que faça tudo certinho, mas que ligue quando você não puder atender só para dizer que te ama assim, sem hora marcada. Encontre alguém que te leve para sair justo naquele dia que o seu celular estava sem bateria para você poder registrar somente na memória e ter que fechar os olhos para reviver o momento.

Encontre alguém que te surpreenda, que faça o que ninguém fez antes. Alguém que te mostre que o amor vale a pena acima de qualquer circunstância, apesar de qualquer dificuldade – encontre alguém que enfrente o que for para estar ao seu lado e te prove que ainda é possível confiar. Encontre alguém que te leve um chocolate em uma segunda-feira às seis da tarde só para arrancar um sorriso do seu rosto. Alguém que faça diferente, que saia do senso comum e que se jogue de corpo e alma, porque ninguém aqui precisa de uma relação morna.

E quando encontrar alguém que faz o seu coração disparar sem motivo, por nada e por tudo, valorize e não deixe escapar, porque este sentimento não dá para comparar. Vai mudar a sua vida e vai te fazer entender que amar é surpreender.

Milene da Mata

Professorinha Paz & Amor

Nesta data especial, apenas compartilhando a homenagem já de um tempinho do copoanheiro de sempre à sua amada, idolatrada, salve, salve, professorinha do coração – e, também, minha afilhada!

E chegou o momento de a Professorinha se aposentar. Mais de 30 anos de labuta diária, muitas vezes com jornadas duplas ou triplas, encarando os queridos *monstrinhos* — numa conta-de-padaria, foram algumas dezenas de milhares de alunos. No fecebúqui, ela faz um pequeno post-registro, que gera mais de 350 curtidas e um outro tanto de comentários.

Todos carinhosos, como hão de ser, já marcados pelas saudades que a *professorinha paz&amor* vai deixar nas salas de aula — *vamos viajar de Kombi e curtir a vida de hippie*, promete-e-cobra uma aluna, enquanto outra ameaça: *eu quero a minha professora de volta AGORA!*.

O estereótipo *paz&amor* gerou carinhosamente, por parte dos alunos, o apelido *hippira*, ou *hippie-caipira*, e até um flashmob com um grupo de alunas à caráter [ver aqui] — sim, a própria Professorinha emprestou seu guarda-roupa pras meninas…

Mas, muito além do visual, o *paz&amor* é de caráter, e um exercício diário, que a garotada reconhece: *que continue ensinando às pessoas aquilo que todos devem saber, afinal esse é o seu dom e não precisa estar só numa sala de aula para ensinar ou aprender*, diz outra aluna.

E, conferindo os comentários que não param de chegar, se emocionando com todos, de repente ela pára em um e se derrama em lágrimas. É de um garoto dizendo que a ama e agradece por ter tido a Professorinha em sua vida, fazendo coro a praticamente todos os outros comentários. Mas ela me explica as lágrimas, provocando também as minhas: o garoto é do tipo problemático, *tranqueirinha*, que já se envolveu com drogas e otras cositas…

A cena ilustra o que sempre moveu a Professorinha: todos os seus anos de trabalho foram cumpridos como uma *missão*, no maior sentido da palavra, voltada aos mais carentes e necessitados. De todos os comentários, é exatamente o de um garoto mais carente (o que o levou a se envolver com drogas etc.?) o que mais a comove.

Isso, entre inúmeras outras qualidades, resume o porquê de eu amar a Professorinha Rose. ‘Brigado, minha querídola.

Conversê…

Clique na imagem para ampliar!

Historinha boa de proseio! Quem nunca passou por algo assim que atire a primeira pedra… Como é que estes seres fantásticos, iluminados, angelicais, também conhecidos como “mulheres”, conseguem nos fazer passar por uns perrengues assim, literalmente, do nada! Por isso mesmo este causo é merecedor e digno do nosso “selo padrão de alerta”, cabível sua aplicação sempre que você estiver no meio da curva já levantando duas rodinhas…