Superaquecida

Não, antes que pensem bobagens, o título deste texto não diz respeito àquela senhora de 41 anos que está lá embaixo, na garagem: minha moto CB 400 1981. Ela vai muito bem, obrigado.

E também não diz respeito àquela mocinha com quem sou casado há quase um quarto de século, mais conhecida como Dona Patroa (se bem que, de vez em quando – e este “quando” é quando eu apronto das minhas – até que ela costuma ficar neste estado temperamental…).

Na realidade, como já devem ter percebido pela foto, esta postagem diz respeito à Nãna, nossa gorducha gatinha. É que por conta dela fui “obrigado” a dormir no sofá esta noite. Estava lá eu assistindo meus filmes d’outrora, aboletado na minha tradicional cobertinha para enfrentar o frio gelado da noite que se espalhava até mesmo por dentro de casa, quando ela veio vindo, veio vindo, foi chegando, se aninhando, procurando um nicho quentinho, até que finalmente se instalou confortavelmente do meu ladinho. E quem diz da coragem de desconfortá-la? De jeito maneira! Aquilo quando se aninha sobre a gente é tal qual o Mjolnir, o Martelo de Thor – pois até hoje não conheci ninguém que fosse “digno” o suficiente para conseguir remover um espécime felino, qualquer que seja, quando se aloja por sobre a gente…

Ou seja, do jeito que dormi enviesado acabei acordando com a coluna destrambelhada, de modo que, sim, vai ser um looooooongo dia…

Nota de mim para mim mesmo:

Num primeiro momento, vendo a minha pequerrucha filhota quase caçula de quatro patas totalmente acomodada ali comigo, pensei em escrever um textinho curto, talvez com algum sarcasmo, e mandar pelo Twitter. Nem bem essa ideia resvalou na minha cabeça, já decidi que dava para contar um pouquinho mais numa publicação pelo Facebook. Mas, depois de tirar uma fotinha da menina dormindinha, achei melhor partir para o Instagram. Ato contínuo mandei tudo isso às favas.

Pôxa, faz dias, não, semanas (talvez meses), que estou tentando remoer qualquer coisa para publicar aqui no blog e a danada da inspiração não me aparece. Tirou férias, provavelmente no Nordeste, e não tem data para voltar. E eu aqui, na secura. E pensando nessas publicações nas redes sociais, as quais fazemos principalmente em busca dos “likes” de amigos, colegas e estranhos em geral – e não mintam, que é feiura, pois vocês também fazem isso –, é que me dei conta que em suas origens este blog era nada mais, nada menos, que minha “penseira virtual”, um lugarzinho para depositar meinhas elucubrações, registrar pequenas ocorrências do dia a dia, sem compromisso nenhum se seria lido ou não. Meus três ou quatro leitores que ainda estão por aí que o digam.

Aliás, na maioria das vezes foi partindo de textinhos corriqueiros, sem nenhuma pretensão, que acabei escrevendo outros tantos dos quais até hoje tenho orgulho (se bem que todo e qualquer texto que eu já tenha escrito acaba sendo como os filhos de um modo geral: não interessa se é feio ou se é bonito, mas aos nossos olhos sempre serão lindos!). Enfim, tudo isso foi só para me lembrar que blog é uma coisa, rede social é outra. Posso até compartilhar o link deste texto por lá – e talvez até receber os famigerados “likes” – mas meu compromisso de registro para posteridade, além dos livros aí do lado (já comprou o seu?…), está abarcado aqui no blog, desde o longínquo ano de 1998 até a presente data e, quiçá, com fôlego ainda para um futuro distante. Assim espero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *