Tio Alemão

Meu pai, atualmente com 85 anos, é o mais velho de doze irmãos, sendo eles: José Bento (Zé Bento), Fé, Roberto (Alemão), Esperança, Caridade, Luiza, Felisberto (Dinho), Jorge, Geraldo (Gêra), Maria Madalena (Máda), Pedrina (Pêdra) e Laura. Destes já se foram Luiza, que aos poucos meses faleceu de coqueluche, em 1947, Fé, em 1987, Jorge, em 2007, e o Gêra, em 2014.

O Roberto, mais conhecido na família como “Tio Alemão”, nunca se casou e outrora foi o único dos irmãos que continuou com a “lida” na roça, cuidando de sítios, vendendo cavalos e outros quetais.

E para encerrar este introito faltou somente esclarecer que a genética de minha família pelo lado paterno é bem “forte”. Mesmo atravessando gerações somos, de um modo geral, todos mais ou menos parecidos – conforme já contei lá no causo O passado bate à porta (II).

Ah, e mais um último detalhe: a maioria de minhas tias tem uma capacidade assustadora de lembrar a data de aniversário de praticamente todos os membros da família!

Agora vamos ao causo.

Tempos atrás, ainda antes do advento da pandemia, numa de suas andanças minha tia Madalena encontrou uma amiga que há muito tempo não via.

– Nossa, Madalena, há quanto tempo!

– Pois é, menina, já faz mais de ano, né?

– Ô, se faz! Muito mais! Mas Máda, me diga uma coisa.

– O quê?

– O Alemão. Ele tá com quantos anos?

– O Roberto? Deixa eu ver… Ele é de 1940, então ele já está com 79 anos.

– Tudo isso? Puxa vida, que bênção, hein? É que eu vi que outro dia você publicou uma foto dele com sua sobrinha e eu fiquei impressionada: NOSSA, COMO ELE ESTÁ CONSERVADO!

– Ah, mas aquele lá não é o Alemão, não. Aquela foto é do Adauto, filho do Bento.

– Sério? Nossa, mas eu podia jurar que era o Alemão! E esse Adauto, quantos anos ele tem?

– O Adauto? Deixa eu ver… Ele é de 1969, então está com 50 anos.

– Cinquenta anos? Só? NOSSA, COMO ELE ESTÁ ACABADO!

Ou seja, na minha vida nada muda, é sempre a mesma coisa: sósifôdo!

Eu e o Tio Alemão, na festinha de aniversário da Cloe, em 2019.