Consignações

Eu, sinceramente, gostaria de ter o dom da escrita…

Àqueles que pensarem em me contradizer, já contradigo: sou um mero narrador. Exagerado. Bem humorado. Floreado, Ríspido até. Mas, ainda assim, um mero narrador.

Fico imaginando como seria delicioso poder contar histórias e estórias, experiências de vida, convicções pessoais, sentimentos sinceros e confusos – tudo isso nunca através de minha própria boca, mas sim por meio de personagens!

Mas o dom da criação da vida literária me foge…

Pequenos avatares imersos em seu próprio mundo fictício – ou não – que dariam vazão às mais profundas e ocultas ideias que se passam na minh’alma. Situações ocorridas ou apenas imaginadas dentro de um passado ou futuro que poderiam se materializar virtualmente por intermédio de personalidades criadas com o intuito final de compartilhar tanto minha visão quanto minhas impressões do mundo e das pessoas que me cercam.

Confesso que já tentei.

E já me frustrei.

É fácil, para mim, me colocar na situação de qualquer outra pessoa. Mas é extremamente complicado conseguir passar qualquer mensagem como se fosse outra pessoa. E isso, por si só, já mata qualquer personagem no nascedouro.

Complicado.

E – vamos combinar? – eu sou um cara complicado.

Mas, em termos de narrativa, quero crer que consigo me manifestar razoavelmente bem. Muito melhor, inclusive, que pessoalmente. Ou seja: escrevo melhor que falo. As palavras, pensamentos, tiradas, ideias, enfim, tudo que se passa na minha cabeça acaba fluindo muito mais fácil e naturalmente para as pontas dos dedos que para a ponta da língua.

Porém, sempre em primeira pessoa.

É e sempre será o meu ponto de vista.

E, às vezes, tenho a nítida impressão de que seria preciso um avatarzinho qualquer para poder falar o que é preciso, interessante ou necessário. Lobato que o diga! Ou melhor, Emília.

E o que necessariamente eu quero dizer com tudo isso?

Boa pergunta.

Nada.

Tudo.

Talvez seja simplesmente porque acho que tenho ideias demais transbordando para todos os lados (rompendo os diques d’alma, como costumo dizer) – mas espaço, leitores ou ouvidos de menos para poder materializá-las…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *