Pai, filho e aluna: houve debate?

Curioso que a palestra anterior tenha sido marcada pela “presença” da palestrante. Do alto de seus prováveis trinta anos, ela possuía uma desenvoltura, uma firmeza, uma convicção na exposição de suas idéias (apesar de um certo iuris imbrogliandis) que lhe dava até mesmo uma aura diferenciada.

Entretanto, na presença de Marçal Justen Filho, que é considerado um dos “papas” da licitação no Brasil, não é que a menina murchou? Ficou claro e nítido que assumiu uma postura de “aluna”, pois sua presença simplesmente sumiu. Além da largada rasgação de seda, ficou toda risonha e pronta a absorver com olhar de devota cada migalha de saber espressada por seu mestre.

Mas acho que mais doído foi o filho dele, Marçal Justen Neto. Relegado à condução do debate, suas perguntas e questionamentos no começo foram carregados de uma nervosa gagueira, e, mais adiante, sua voz ia sumindo em frases longas.

Definitivamente, não sei se por característica própria, ou se por influência da presença paterna, o rapaz tinha tanta luminosidade quanto uma bruxuleante vela prestes a apagar…

E o Marçal sênior? Deixo claro que não sou, de forma alguma, tiete do distinto. Mas há que se dar a mão à palmatória: sua convicção na exposição das idéias, seu domínio da matéria, sua carga de experiências práticas, seu respeito e paciência ao ouvir os questionamentos, sua maneira ferina e objetiva de atacar esses mesmos questionamentos, enfim, o conjunto de tudo isso concede tal credibilidade às suas palavras e impõe tal respeito à sua figura, que não consigo vislumbrar sequer uma ameaça do pretendido “debate”.

Ou seja, ele dominou a cena.

Simples assim.

Em tempo (1): não consigo me deixar contaminar por essa tietagem explícita dos demais participantes, por essa idolatria à sua figura, antes o contrário; só me anima a manter uma afastada e salutar distância (ainda assim peguei seu autógrafo no livro que ganhei).

Em tempo (2): não deixa de ser estranho aos ouvidos a maneira sulista “cantada” desse pessoal falar.

Em tempo (3): mesmo assim seu lado paizão parecia estar todo orgulhoso com a presença de seu filhote à mesa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *