Pai, filho e aluna: houve debate?

Curioso que a palestra anterior tenha sido marcada pela “presença” da palestrante. Do alto de seus prováveis trinta anos, ela possuía uma desenvoltura, uma firmeza, uma convicção na exposição de suas idéias (apesar de um certo iuris imbrogliandis) que lhe dava até mesmo uma aura diferenciada.

Entretanto, na presença de Marçal Justen Filho, que é considerado um dos “papas” da licitação no Brasil, não é que a menina murchou? Ficou claro e nítido que assumiu uma postura de “aluna”, pois sua presença simplesmente sumiu. Além da largada rasgação de seda, ficou toda risonha e pronta a absorver com olhar de devota cada migalha de saber espressada por seu mestre.

Mas acho que mais doído foi o filho dele, Marçal Justen Neto. Relegado à condução do debate, suas perguntas e questionamentos no começo foram carregados de uma nervosa gagueira, e, mais adiante, sua voz ia sumindo em frases longas.

Definitivamente, não sei se por característica própria, ou se por influência da presença paterna, o rapaz tinha tanta luminosidade quanto uma bruxuleante vela prestes a apagar…

E o Marçal sênior? Deixo claro que não sou, de forma alguma, tiete do distinto. Mas há que se dar a mão à palmatória: sua convicção na exposição das idéias, seu domínio da matéria, sua carga de experiências práticas, seu respeito e paciência ao ouvir os questionamentos, sua maneira ferina e objetiva de atacar esses mesmos questionamentos, enfim, o conjunto de tudo isso concede tal credibilidade às suas palavras e impõe tal respeito à sua figura, que não consigo vislumbrar sequer uma ameaça do pretendido “debate”.

Ou seja, ele dominou a cena.

Simples assim.

Em tempo (1): não consigo me deixar contaminar por essa tietagem explícita dos demais participantes, por essa idolatria à sua figura, antes o contrário; só me anima a manter uma afastada e salutar distância (ainda assim peguei seu autógrafo no livro que ganhei).

Em tempo (2): não deixa de ser estranho aos ouvidos a maneira sulista “cantada” desse pessoal falar.

Em tempo (3): mesmo assim seu lado paizão parecia estar todo orgulhoso com a presença de seu filhote à mesa!

E a aventura continua

A palestra hoje (até o momento) foi de Vera Monteiro. Manja bastante da área, principalmente da parte de licitação por pregão.

Muitas novidades, conclusões e previsão para mudanças. As meninas (forma carinhosa pela qual denomino as duas advogadas e estagiária que trabalham comigo) não perdem por esperar. Creio que vou deixá-las doidinhas em dois tempos, pois já estou com aquela gana de voltar ao batente a mais de mil por hora…

À tarde teremos Marçal Filho num debate com Marçal Neto. No mínimo curioso, isso. Primeiro pelo fato de o filho não só ter seguido a mesma carreira do pai, como também a mesma área específica; segundo porque como será um debate público de opiniões entre pai e filho? Haverá conflito de gerações? De entendimentos? Ficará de castigo em casa se discordar do pai? Dará bronca se discordar do filho?

Veremos…

Ainda SL

O interessante – ou divertido – nesses seminários é, principalmente, a troca de experiências que ocorre entre os participantes, eis que oriundos das mais diversas profissões e funções nos mais variados pontos do território nacional.

Num desses bate-papos conheci um distinto senhor que trabalha na área de licitações da Receita Federal. Cheguei à conclusão que as mudanças pretendidas com relação ao Software Livre, como contei outro dia, serão mais espinhosas do que eu esperava.

O discurso do distinto beirou quase que uma “teoria da conspiração”, pois, segundo sua opinião, o Linux, por ser um sistema aberto, “mas aberto mesmo”, significaria um risco muito grande para se trabalhar com os dados da população.

“O problema”, segundo ele, “é que pegam um cara da técnica, que pode até ser muito bom, um expert mesmo, mas que não entende absolutamente nada de gerência.”

Realmente. Se essa opinião refletir a dos demais funcionários da Receita, significa que o caminho será árduo (mas não impossível) até a eventual implantação do Software Livre.

E também significa que esse povo “gerencial” não entende nada, “mas nada mesmo”. Nem de Linux, nem de segurança de sistemas…