anterior ]      [ Ctrl-C ]



OS REINOS NEGROS DA ERA HIBORIANA

I. AO SUL DA STGYA

O pouco que se sabe das vastas terras ao sul dos desertos estígios foi contado pelos escravagistas de Shem e pelos navegantes mercadores de Argos. O resto do mundo denominava aquela região por Kush, ainda que este fosse o nome do mais setentrional dos reinos negros que, como tantas outras nações, lutava pela hegemonia.

Aventureiros da misteriosa Stygia rumaram para o interior de Kush, séculos antes do tempo de Conan, estabelecendo capital em Meroé, localizada numa planície verdejante, próxima a um rio. Meroé consistia de uma cidadela encerrada por espesso paredão, reduto de sanguinários governantes, e de uma outra, mais externa, onde habitava a população subjugada. Os governantes eram mais escuros que os ancestrais estígios, e aqueles que trabalhavam como soldados, servos e artesãos eram verdadeiros gigantes de ébano.

II. REINOS E POVOS

Os principais povos a leste de Meróe eram os cidadãos de pele amarela de Xuthal, a cidade maldita, os Ghanatas e membros da tribo de Tibu, que eram de descendência estígio-kushita, e a nação dividida de Tombalku, composta de uma maioria negra.

A área a leste de Tombalku era dominada pela nação bárbara de Darfar. Embora o país tivesse se tornado notório por seu culto canibal, há evidências de que o costume não era totalmente difundido por seu povo. É mesmo possível que houvesse divergências internas em Darfar, entre os adeptos de tal culto e os que o abominavam. Uma suposta vitória dos não-canibais teria sido seguida por volumosa venda dos antropófagos aos escravagistas shemitas, servindo de explicação para a presença de grande número de darfarianos em Zamboula.

O território a leste de Darfar era abundante em vegetação, e recortado por gigantescas cadeias de montanhas. O reino mais importante desta área era Keshan, e sua população consistia de negros governados por senhores de pele mais clara, embora aqui as relações entre as duas raças fosse relativamente mais harmoniosa, sendo que havia possibilidade de ascenção hierárquica para os negros na carreira sacerdotal.

Uma cadeia de montanhas e o rio Styx separavam Keshan de sua antiga rival, Punt. Ainda que os puntianos cultuassem uma deusa de marfim, eles não eram governados por brancos.

Estes eram os territórios conhecidos pelos escribas da Era Hiboriana. Ao sul deste cinturão de reinos organizados jazia uma extensão alternada de florestas e savanas, desde a então chamada Costa Negra até os territórios do lendário império de Zimbabo.

III. A COSTA NEGRA

Os povos da Costa Negra pertenciam ao mesmo grupo racial dos kushitas: negros, vigorosos, feições rudes e cabelos crespos. Politicamente, estavam organizados em reinos tribais de tamanho e complexidade variados. Essa região desfrutava de intenso comércio com Argos. Dois dos reinos mais proeminentes da Costa Negra froam Suba e Abombi. Além do entroncamento leste do Rio Zarkheba, havia uma densa floresta tropical. Os habitantes desta região, ao sul de Darfar, dividiam-se em tribos que se confrontavam incessantemente por água, terras e escravos. As mais destacadas destas tribos guerreiras erma Bamula, Bakalan e Jinji.

IV. NASCEM AS LENDAS

Nas planícies e campinas que dominavam a paisagem do território a leste dos reinos guerreiros, localizava-se a misteriosa cidade de Suchotl. Vários quilômetros a sudeste dela encontravam-se savanas esparsamente povoadas por nômades negros que viviam de seus rebanhos. Estes pastores devem ter tido um sistema de vida similar aos dos Masais, da África Oriental moderna.

Uma larga faixa de selvas separava as planícies de Suchotl do império de Zimbabo, cuja fronteira ao norte era recoberta por uma extensão de pântanos que se tornavam intransponíveis em épocas de chuva. Descendentes de vigorosa tribo chamada Kchaka, os primeiros homens zimbabos ergueram uma cidade sobre as ruínas de uma provável civilização pré-humana. Mais tarde, eles domesticaram um ancestral do pterodáctilo. Suas construções eram de pedra e sua arquitetura se caracterizava pelas paredes espessas e torres descobertas. Zimbabo tornou-se a mais formidável nação do sul de Kush. Sua expansão militar e econômica foi muito temida pelas nações vizinhas, Punt e Keshan. É provável, inclusive, que Zimbabo tenha efetuado transações comerciais com Vendhia e o Arquipélago das Pérolas pelo grande Oceano Meridional.

Havia dois grandes centros urbanos em Zimbabo: uma capital setentrional e a Cidade Proibida, de onde os estrangeiros eram banidos. Ao contrário da maioria dos sistemas políticos das nações daquela época, Zimbabo era governada por dois reis.

V. JUMA E AS AMAZONAS

Na faixa litorânea do Mar do Oeste crescia um novo poder - Kulalo, centro do reino do velho companheiro mercenário de Conan, Juma. Diferente das nações comerciantes da Costa Negra, as tribos de Juma tinham pouco contato com o mundo externo, exceto pelas caçadas de escravos e ataques dos corsários negros. Por este motivo, as culturas desta região eram mais conservadoras e fechadas às inovações do que as nações do norte.

O maior rival do reino de Juma eram as amazonas que viviam ao sul de Kulalo. No interior da mata densa, as ancestrais dessas guerreiras negras dedicaram-se à construção de uma fortaleza que chamaram de Gamburu, desenvolvendo uma cultura em que o sexo feminino se empenhava exclusivamente no aperfeiçoamento das artes bélicas e os homens não passavam de servos e escravos. Aliás, grande parte da economia amazona estava baseada no trabalho escravo, pois Gamburu era um lucrativo mercado para os escravagistas de Ghanata.

VI. PIRATAS E MAGOS

Em termos raciais, os habitantes das ilhas diferiam do tipo predominante do continente, pois tinham cabelos lisos, traços mais delicados e compleição mais esguia. A atividade pirata deve ter servido de suplemento a uma economia baseada na pesca e agricultura de subsistência. Ao sul de Gamburu encontrava-se Atlaia, um reino envolto por tamanho mistério que chegava a ser considerado mítico.

Séculos antes da era de Conan, os atlaianos comerciavam com os shemitas e adotaram um dialeto comercial que passou a servir como língua franca nos Reinos Negros. Algum tempo mais tarde, porém, o povo de Atlaia acabou se isolando do resto do mundo, e deve ter tido força militar suficiente para isso, pois não há qualquer registro sobre ele ter sido escravizado por negros ou brancos.

Uma vegetação espessa recobria o flanco meridional de Zimbabo, até ser interrompida por planícies quilométricas ao longo da costa leste até a Grande Queda d'Água. Nessas planícies existiam apenas manadas de animais.

VII. E ALÉM...

As terras ao sul de Atlaia e das planícies costeiras ocidentais marcavam os limites dos Reinos Negros. Eram áreas selvagens constituídas por largas extensões de deserto, bem como estepes.

No ponto mais ao sul do grnade continente Thuriano encontrava-se Yanoga, a última fortaleza do Povo Serpente, os filhos de Set. Os aborígenes desta área constituíam uma raça baixa e de pele amarela.

Após o tempo do cimério, enquanto as terras hiborianas eram esmagadas por saques pictos a oeste e hirkanianos a leste, os Reinos Negros prosperaram e, até, empreenderam alguns ataques contra os antigos inimigos estígios, mas acabaram sendo rechaçados por uma nova dinastia estígia, de sangue Vanir.

Os abalos geológicos que formaram os perfis do mundo atual devem ter separado as terras ao sul do Rio Styx do resto do continente. Do oceano emergiu toda a costa oeste do que atualmente conhecemos por África.

Embora a maior parte da saga de Conan tenha se desenrolado nas terras ao norte da Stygia, o cimério de bronze aventurou-se por vários anos nos Reinos Negros, onde ficou conhecido pelo nome de Amra, o Leão. Naqueles dias, ele encontrou uma das poucas mulheres que conseguiram tocar seu rijo coração de aço: Bêlit, a Rainha da Costa Negra. Muitos foram os dias em que Conan e Bêlit empunharam as mesmas armas. Muitas, também, foram as noites em que partilharam das mesmas carícias... Mas esta é uma outra história...


Adaptação de texto de Charles R. Saunders por Leandro Luigi Del Manto

anterior ]      [ Ctrl-C ]