Silicone anti-derrapante

Também lá da Lista do Opala temos esse pequeno causo vivido pelo Maurão, opaleiro das antigas e figura carimbada de todos os momentos.

Há um bom tempo, eu trabalhei de vendedor de uma indústria química que tinha vários produtos. Entre eles, silicone em spray (novidade na época) para ser usado em painéis de carros. A lata era desse mesmo tipo das tintas de hoje…

Bem, nas minhas andanças, vendi uma porrada desse silicone para revendas de autos usados daqui de Curitiba… Uma semana depois de receberem o produto, eu quase virei charque!!!

Os caras da indústria simplesmente rotularam errado e mandaram anti-derrapante de correia industrial no lugar do silicone…

Imagina… O cara limpa o painel de um carrão, tira todo o pó, chacoalha a lata, e… borrifa uma cola grudenta que não seca nem a pau!!!

Vi alguns painéis que os caras usaram a bagaça… Cara, dava vontade de chorar!!!! E o melhor da história… o solvente específico derrete plástico…

Resultado… A tal indústria teve que arcar com uns 5 painéis zerados, comprados em concessionária e ainda pagar a instalação…

Pedi a conta depois dessa…

Motorizando – parte V

Bem, o acidente foi um negócio meio complicado. A bem da verdade até hoje, dependendo das circunstâncias, o joelho ainda dói um pouco. O dinheiro recebido à época por parte do seguro foi suficiente para aquisição de um novo carro. Era um Escort 97, modelo importado, vidros elétricos, ar condicionado, direção hidráulica, enfim, completíssimo para o gosto da Dona Patroa. De um azul-escuro muito bonito (que eu chamava de “azul meia-noite”), ficou com a gente tempo suficiente para entendermos o porquê de ter saído por um preço tão bom. A mecânica dele era uma caixa preta! Não se trocava uma vela sem ter que trocar também quase metade do motor! E, pra completar, as peças eram caríssimas! Por um descuido inominável, um ônibus deu uma raspada na parte de trás (dessa vez foi com a Dona Patroa). Tudo bem que o seguro pagou – pelo menos a parte que não era da franquia – mas o conserto geral ficou em cinco contos! Cinco mil reais! Só o para-choques traseiro custou mais de mil! Resolvemos que ele seria sumariamente substituído por algo mais de acordo com a nossa realidade. Eis uma foto dele (comigo e a Strada ao fundo).

A troca foi numa loja de carros e, desta vez, por uma Parati branca, também 97. Sempre um “carro-família”. Até que era um carro relativamente confortável, mas, por se tratar um modelão básico, com o básico do básico do básico, era bem “secão”. Ou seja, a Dona Patroa ralou um bocado, pois, para quem estava acostumada com, no mínimo, direção hidráulica e ar condicionado, pegar um carro destes em pleno verão foi complicado…

Eis uma foto da própria Dona Patroa, do alto de seus 1,53m de altura (sim, ela faz questão dos 3 centímetros), na despedida do carro – logo após a venda. Mais fotos dela (da Parati, não da Dona Patroa) bem aqui.

E essa venda foi justamente para ajudar a custear uma espécie de “volta às origens” com outro Corsa. Chegamos à  conclusão de que não precisávamos mais de um “carro-família”, pois as crianças já estavam crescendo (o caçulinha já com quatro anos) e não havia mais aquela necessidade de carregar o mundo inteiro no porta-malas. Isso sem falar que surgiu um negócio de ocasião! Imaginem: Corsa 2003 1.6, quatro portas, direção hidráulica, vidros elétricos, única dona, amiga da família, só usava o carro para trabalhar, 30 mil km e abaixo da tabela. E, melhor de tudo, depois da recente experiência com Ford e Volkswagen, uma volta à Chevrolet! Bem, fizemos um concílio familiar e ambos resolvemos assumir uma dívida para encarar aquela oportunidade. Eis uma singela foto do novo membro da família…

E, como Corsa (ainda mais prateado) é tudo igual num estacionamento, a Dona Patroa fez questão de colocar um adesivozinho – bem meigo – para poder identificá-lo rapidamente…

Bem, em paralelo às últimas ocorrências, ainda na época da Parati, eu já havia comprado o 79…

…e, mais recentemente, acabei por trocar a Strada pelo 76 – que veio a ficar conhecido como Titanic II.

E essa é toda a história!

Nestas cinco partes deste longo causo, desde os primórdios do mais antigo velocípede, numa história que ainda – quiçá! – esteja longe de acabar, foram reunidos os veículos que já tive no decorrer de minha vida.

Ainda assim não deixo de, todo domingo, dar um pulo na bendita feirinha. Quem sabe surge alguma oportunidade?…

😉

<- Parte IV          Início da Saga          Parte V.5 ->

Motorizando – parte IV

Desde então, com o segundo casamento, sendo distintas as minhas necessidades e as da Dona Patroa, na maior parte do tempo passamos a ter mais de um veículo para transporte. Nessa época de recém-casados, enquanto eu ficava num escritório de advocacia no centro da cidade ela tinha se mudado para o litoral, pois passara num concurso. Praticamente nos víamos nos finais de semana. À época nosso primeiro carro foi um Escort XR3 1.8 branco com teto solar (e uma bandeirinha do Brasil no pára-choques). O carrinho era um capeta para andar! Não ficamos com ele por muito tempo, pois seus documentos estavam enrolados e acabou sendo devolvido ao comerciante. Sem fotos dele, resta apenas uma comparação com a foto a seguir – que achei na Internet.

Nessa mesma época – acho que um pouco antes, talvez – foi que comprei uma NX 150. Na realidade essa moto passou por uma reforma completa, inclusive com alinhamento do quadro. Ela pertencera ao cunhado da Dona Patroa, que, com ela, faleceu num acidente. Basicamente um carro fez um contorno muito rápido numa avenida na praia (quase que um “cavalo-de-pau”) e o dono da moto abalroou o veículo bem no meio. Faleceu algumas semanas depois, no Benificência Portuguesa, em São Paulo. Comprei a moto da viúva, que viria a ser minha cunhada, e reformei-a inteirinha. Na sequência eis uma foto dela com meu filhote mais velho, com uns seis meses.

Depois da malfadada experiência com o Escort, compramos um Verona. Ficamos até que um bom tempo com ele. Tinha uns perrengues ou outros, mas, no geral, até que não deu tanta dor de cabeça. Na época em que meu primeiro filho nasceu foi com ele que voltamos da maternidade.

Esse carro ficou conosco, se não me engano, até pouco antes do nascimento de meu segundo filho.

Se comparado aos outros carros “da moda” na época, poderia até ser considerado um carro grande. Não tanto uma barca quanto os Opalas da vida, mas, mesmo assim, seu porta-malas era significativamente espaçoso.

Depois disso, graças a uma indenização que recebi em função de uma ação trabalhista contra o Banco Nacional, onde trabalhei por cerca de quatro anos, compramos um Corsa 97. Sem dúvida foi quem ficou na família por mais tempo. E, curiosamente, quase não temos fotos dele (senão de seu amargo fim). Fuçando bastante nos álbuns da era fotográfica pré-digital, consegui encontrar apenas algumas, onde ele somente aparece como personagem de fundo.

Aqui, o mesmo Corsa, aguardando nossa volta para casa quando do nascimento do terceiro filho.

Mas, dando um pequeno passo para trás, logo depois que vendi a NX 150, comprei novamente uma CB. Sim, além de “Opaleiro” acho que posso ser chamado de “CeBezeiro”…

Mas o grande mal das motos é a malfadada chuva. Foi mais ou menos nessa época que comecei a trabalhar numa Prefeitura, na cidade vizinha. De saco cheio de tanto pegar chuva na estrada, resolvi “investir” num Fusca 72 – que tinha o chassi torto, como dá pra se notar pelo ângulo do pára-choques.

Mesmo assim, com algumas outras avarias na fuselagem, era um carrinho bastante confortável. Ganhou o simpático apelido de Brioso, graças a uma observação de um amigo, o San-Sebastianense Sylvio…

Como a Dona Patroa, do alto de seus 1,53m de altura, se recusava terminantemente a dirigir o bólido amarelinho – pois, segundo ela, ficava afundada no banco e não enxergava nada – resolvi comprar um carro bem “família” e que fosse fácil e maleável o suficiente para que ela pudesse dirigir. Lembrei-me da época do Chevette Hatch e resolvi comprar algo na mesma linha. Assim tornei-me o feliz proprietário de uma Marajó 82 – da qual não tenho fotos (essa, a seguir, encontrei na Internet – mas era igualzinha). O carro estava bem detonado e passou por uma reforma completa, de lataria, pintura e estofamento. Somente motor e documentos é que estavam em dia. Esse, por sua vez, foi apelidado de Rabecão

Mas, passado algum tempo, e continuando a trabalhar na cidade vizinha, ao fechar as contas no final de cada mês passei a perceber que estava gastando uma soma considerável em combustível. Um pouco sobre essa história do combustível eu já contei antes, como dá pra ver bem aqui. Numa bela manhã de sol parei numa revenda de motos e decidi comprar uma financiada. “Que dívida é boa?”, eu pergunto. Respondo: “aquela que cabe no seu bolso”. Assim, mesmo sabendo que ao final talvez pagaria mais de uma moto e meia, parcelei a danada de modo que cada prestação, mais o combustível do mês, não ultrapassasse o que eu gastava mensalmente em combustível com a Marajó. Desse modo adquiri uma Honda Strada 2001 (essa aí embaixo). Confesso que no dia em que fui fechar negócio havia uma CB na revendedora e fiquei bem balançado. Mas, como o mote da vez era economizar, resolvi que tinha que pegar uma moto semi-nova, que não desse dor de cabeça ou que precisasse de reforma.

Bem, lembram do Corsa, não é? Pois é. No final de 2005 consegui o impensável: dei perda total no coitado. Acho que foi a única vez que realmente posou para algumas fotos. Mais imagens (e um pouco da história) do finado bem aqui.

Acho que já sobrecarreguei um pouco demais por hoje. A reta final dessa história fica para a semana que vem.

<- Parte III          Início da Saga          Parte V ->

Motorizando – Parte III

Continuando nossa “saga”, então chegamos ao final do ano de 1991 e eu fui saído do Banco Nacional (facão que rodava solto a torto e a direito na época). Incapaz de manter um carro que consumia o tanto quanto um jipe consumia, fui obrigado a me desfazer do meu amigo – mas com muito dó no coração…

Foi daí, após ter passado pela mecânica da Volkswagen e da Ford, que tive a minha primeira experiência com a linha Chevrolet. Comprei um Chevette Hatch.

Em comparação a outros, um carro por demais confortável. Sua leveza e capacidade de estorcer impressionava. A característica dessa linha hatch era a “falta de bunda” do carro…

Ainda assim não me lembro muito bem dele. Foi um período meio complicado na vida: depois de quatro anos sair de um banco com status de quase gerente e ter que voltar para o mercado de trabalho com uma qualificação que não lhe ajudava em absolutamente nada – até porque bancos não contratavam ex-bancários. Tive que “reiniciar” minha carreira, indo trabalhar num escritório de contabilidade, ganhando salário mínimo e dando os primeiros passos para me entrosar naquele mundo mágico que começava a despontar no Brasil: o da informática. Estávamos então na era do MS-DOS 3.30, Wordstar, dBase III Plus e Lotus 1-2-3.

Ainda assim, não sei como, consegui manter ainda por algum tempo uma CB 400 ano 1984 que adquiri na época. Tempos conturbados, memória conturbada. Dessa moto praticamente só lembro da constante preocupação para que não arriasse a bateria, pois ela simplesmente não tinha pedal de partida. Isso era característico daquela linha.

Pouco tempo depois (já nem me lembro exatamente quando), mais ou menos à época em que devia estar lá pelo meio do curso de Direito na faculdade, voltei a ter um carro. Se é que poderíamos chamar aquilo de carro. Era um Fiat 147 de 1978. Até então acho que foi o carro mais detonado que já tive. Sua lataria estava meio podre, levou semanas (meses?) até eu conseguir regular o ponto exato do motor, as fechaduras da porta não funcionavam direito (tinha que abrir a tampa do porta-malas para destravar as portas) e, sobretudo, não podia completar o tanque. Acima de determinada altura ele estava furado e vazava gasolina…

Depois de uma boa temporada com essa maravilha, sempre pingue-pongueando entre o mundo dos carros e das motos, voltei a andar em duas rodas. Dessa vez com uma DT 180 ano 1988. Acho que o veículo mais novo que eu já havia tido até então (o vira-latas com a bolinha encardida era o Toby).

Estamos na segunda metade da década de noventa. Aproximava-se o fim da faculdade bem como de meu primeiro casamento. Não, um não foi em decorrência do outro. O carro da vez foi o primeiro graúdo que já tive, um Del Rey ano 1983. Abaixo, numa foto não tão boa, que não faz jus ao perfil de seus fotografados, o único registro que tenho desse veículo. Lembro-me que o sistema elétrico dele era um caos, pois a lógica da Ford fugia da lógica comum de fiação e que eu estava acostumado. Cada vez que havia algum mau contato na lanterna eu dançava miudinho para consertar…

E então me separei.

Faltavam poucos meses (semanas?) para me formar e demos um basta num relacionamento de praticamente dez anos. Como eu não tinha vontade nenhuma de brigar pelas metades de uma separação (meia casa, meios móveis, meio carro), resolvi deixar tudo para trás. Levei apenas minhas roupas, muitas fotos, um computador e minha coleção de gibis. Voltei a ter no ônibus a principal forma de locomoção e, somente mais tarde, quando de meu segundo casamento, é que retornei ao mundo dos carros e motos.

Este foi o fim de um dos ciclos de minha vida. E também deste post. Semana que vem continuamos.

<- Parte II          Início da Saga          Parte IV ->

Motorizando – Parte II

Logo que cheguei à “vida adulta” já me casei. Tinha apenas dezoito anos e foi necessário até mesmo consentimento dos pais por escrito no cartório… Pouco tempo depois adquiri minha primeira “moto de verdade”: uma RDZ 125 ano 83! Lembro-me que ela estava meio judiada, com a parte elétrica em pane, inclusive com o tanque amassado, pois o tio do antigo dono tinha derrubado uma espingarda nela! Ou seja, reforça ainda mais o fato de que vem de longa data essa minha mania de pegar coisas bichadas e dar um jeito de consertar…

Desmontei a moto inteirinha, deixando só o motor intacto. Fora do quadro, mas intacto. Levei todas as peças para a casa do Seo Bento, vulgo meu pai (que já possuía uma oficina pra lá de completa desde que me lembro por gente) e lá pintei o quadro, desamassei e pintei o tanque, apliquei os decalques, envernizei, usei uma tinta à prova de calor no escapamento, enfim, reconstrui a motoca. Ficou jóia!

Ela foi uma boa companheira por um bom tempo, de modo que eu e a ex-Dona Patroa (sim, sou separado – mas isso é uma outra história) viajávamos por aí sempre que podíamos – e as parcas condições financeiras permitiam…

E foi justamente por uma dessas viagens que resolvi comprar uma moto maior. Estávamos na estrada e fui tentar ultrapassar um carro. Béééééééééééé e… vinha carro na contra-mão e eu tinha que voltar pra trás. Tentava de novo, reduzia, bééééééééé e… novamente tudo de novo outra vez. Encheu o saco. Queria uma moto maior. Foi aí que arranjei uma bela duma CB 400 ano 1982 – com motor ainda original japonês.

Essa moto era uma delícia! Lembro que na primeira volta que fui dar com ela, com o motor ainda ronronando suave, de repente percebi que estava a mais de cem por hora!

Nessa mesma época, pra facilitar as voltas pela cidade, arranjei uma RX 125 ano 1980 – bem velhinha mesmo – e que ficava com minha esposa. Não tirei fotos dela, mas era tar e quar essa aí em baixo (inclusive prata também)…

Mas, o tempo passa, a chuva chove, as compras pesam, os amigos têm que ir de ônibus, então resolvemos que já era hora de comprar um carro. E como começou essa aventura? Com um bom e velho Fusca 74, motor 1.600, dupla carburação – que era sua benção e sua maldição. Toda vez que o carro entrava numa estrada de terra ou paralelepípedos, bastava rodar uns quinhentos metros pra começar a falhar… Segundo o maldito office-boy que trabalhava comigo no Banco Nacional, ele era uma gema de ovo.

Aliás, já foi nessa época que comecei uma tradição que me acompanha até os dias de hoje, como dá pra perceber pela foto a seguir…

Como motoqueiro que é motoqueiro bom motociclista não abandona suas origens, paralelamente comprei uma DT 180 ano 1983. Uma verdadeira bomba de flit de tanto óleo e fumaça que soltava…

E foi também mais ou menos nessa época que meus neurônios começaram a degringolar e eu fiquei fissurado em carros, digamos, “fora de série”. Arranjei um caboclo que queria um Fusca tal qual o meu e adivinhem o que ele tinha pra trocar? Não, não era um Opala. Era um Jipe Willy’s 1952, todo original, com reduzida, quatro por quatro na chaveta direto na roda e mais um charme especial: botão de partida no pé! Demorou, mas aprendi a manha de tal modo que só eu conseguia ligar o danado!

Era como dirigir uma caixa de fósforos! Você olhava pra trás e o carro já acabava! Aliás a primeira surra que levei dele foi no câmbio. Acostumado que estava com o Fusca, sempre que parava num semáforo já engatava a primeira. Acontece que nesse jipe a posição da primeira marcha ERA A RÉ! A primeira “de verdade” fica onde estaria a segunda, a segunda na terceira – e, bem, vocês já entenderam, né? No primeiro semáforo que parei, não tive dúvidas: no piloto automático já posicionei o câmbio onde deveria ser a primeira mas, na verdade, engatei a ré. Abriu o sinal e quase que eu destrui um carro que estava bem atrás…

Aliás, era facílimo de saber a previsão do tempo: bastava tirar a capota que chovia. Não falhava! Eis uma foto dele sem a cobertura e que tem por condão demonstrar a grande vantagem das câmeras digitais sobre as analógicas: se alguém piscar numa foto teria como arrumar na hora!

A história prossegue, mas já está comprida demais para um único dia. Semana que vem continuamos…

<- Parte I          Início da Saga          Parte III ->

Motorizando – Parte I

Muito bem. Vamos contar um “causo” meio longo. O tema: como é que através dos tempos eu acabei por chegar nos bólidos opalísticos que hoje estão na minha garagem. As fotos a seguir (a maioria de meus arquivos e o restante da Internet) contam um pouco de minhas desventuras automobilísticas desde a mais tenra idade e, diga-se de passagem, faz um bom tempo que estou para escrever sobre isso…

Tudo começou com um bom e velho velocípede! E quando digo “velho”, é verdade! Meu pai, mecânico de caminhões na extinta Mecânica Rennó, arranjou um velocípede num ferro-velho e o reformou para mim. Creio que eu devia ter uns cinco ou seis anos de idade. Lembro-me vagamente dele – e que era vermelho. Não durou muito, pois na primeira capotada feia que eu dei – e por ter ficado desacordado – meu pai, num acesso de fúria, simplesmente destruiu o coitado. Curioso é que, muitos anos depois, a história se repetiria com meu filhote do meio, com cerca de dois a três anos, na mesma casa de meu pai, na mesma rampa, só que, em vez de desacordado o pobrezinho perdeu alguns dentes de leite… Meu pai também destruiu – com muita raiva – a totoca que o derrubou… Creio que a foto a seguir (que achei na Internet) deva ser bem parecida com o que me lembro dele (antigamente não tínhamos costume de tirar fotos como hoje).

Depois disso fiquei, literalmente, a pé durante toda minha infância – apesar de meus constantes protestos por querer um daqueles jipes de lata com pedais (sonho infantil de consumo). Infelizmente o preço do danado, mesmo usado, era proibitivo para nossas condições à época.

Passados muitos anos, já na minha adolescência, uma das primeiras brigas (feias) que tive com meu pai foi por causa de uma bicicleta velha – especificamente uma Monareta aro 20 (não, não aquela motoquinha lançada anos depois – era uma bicicleta mesmo). Acontece que eu queria porque queria uma bicicleta e meu pai achava que do alto de meus 11 anos eu não tivesse maturidade o suficiente para andar numa por aí. Que fez o Jamanta aqui? Fui trabalhar numa bicicletaria, juntei uma graninha e comprei uma bicicleta caindo aos pedaços. Depois de uma acalorada discussão a bicicleta acabou ficando em casa. Sua primeira reforma foi feita pelo meu irmão do meio – que, como “pagamento”, a usava para ir à escola. Algum tempo depois, com o pagamento semanal da bicicletaria (que eu pegava em peças) somado a mais um ou outro rolinho que eu fazia aqui e ali, não demorou muito para que eu fizesse uma bela duma reforma, adaptando-a a meu gosto (da época). Serrei o quadro para tirar o bagageiro, instalei cinco marchas, inventei uma alavanca para o guidão (comum nos dias de hoje), instalei um selim anatômico (da antiga Caloi 10), garfo telescópico da Brandani 26, guidão da Ceci e pedais da Caloicross. Essa bicicleta era ótima para empinar. Eu a chamava carinhosamente de Matilde

Anos depois, ficando valente, alterei seu quadro, encomprindando-o, e a transformei numa aro 26 estilo chopper (pra horror do meu pai). Até hoje não entendo por qual motivo a vendi. Não precisava. E até mesmo gostava do estilão dela…

Pois bem. Mais ou menos à mesma época, quando estava começando a despontar o bicicross na molecada, dei um jeito de arranjar uma bicicleta desse tipo para mim. O preço de uma Caloicross “de verdade” era proibitivo – mesmo usada (e a vida dá voltas…), então, com meus rolos acabei conseguindo uma BMX. Era como uma caloicross mas com acessórios que foram imediatamente dispensados, tais como os pára-lamas, as laterais, o banco e – especialmente – o tanquinho. A merda era o maldito freio contra-pedal. Bastava descuidar que brecava. Empinar, então, nem pensar! Eis uma foto baixada de uma dessas para que tenham uma idéia.

Então eu estava crescendo. E as bicicletas ficando pequenas. Resolvi arranjar uma graúda – e consegui uma Barra Circular, da Monark. Devidamente depenada, troquei seu guidão, sistema varetado de freios, instalei cinco marchas, selim anatômico e fiquei famoso no bairro por ser o bão das empinadas! Tão bom que acabei partindo o quadro da bicicleta ao meio, bem como destruindo seu garfo. Eis mais uma “foto ilustrativa” para que saibam como era a tal da bicicleta.

Mas isso não fez com que eu desistisse. Procurei uma bicicleta mais robusta. Dessa vez uma Barra Forte, da Caloi. Reforcei seu quadro, instalei dez marchas, inventei um sistema de frenagem dupla para a roda traseira e carreguei muitas meninas no exclusivíssimo assento almofadado do quadro… E me especializei na arte de empinar, só perdendo para um camaradinha mais doido que eu à época – o já falecido Nelil…

Minha primeira tentativa de me motorizar foi com uma Garelli (mais um dos frutos de meus intermináveis rolos). No final das contas o motor dela nunca funcionou e acabei transformando-a numa bicicleta. A seguir, um exemplo de como ela era.

Mas, no afã de ter um veículo motorizado, eis que finalmente consegui chegar onde eu queria! Ou pelo menos tão próximo quanto poderia. Uma Mobylette! Tá, já era velha mesmo pr’aquela época – mas e daí? Funcionava direitinho! Me diverti muito com ela e com os amigos nos finais de semana, esmerilhando a bichinha pelas ruas do bairro. E, lógico, de maneira mais bem comportada, indo para escola também – já no colegial, agora. Mas como tudo que é bom dura pouco, num belo dia fui parado num comando. E, ainda que naqueles tempos não fosse obrigatório o uso de capacete, a necessidade de habilitação o era. E lá se foi a coitada para o pátio. E multa. E bronca. E depenação. E desgosto. E, por fim, troquei-a num rádio dois-e-um da Sanyo. Segue outra foto ilustrativa (da Mobil, não do rádio).

Bem, o passo seguinte foi sair do adolescente mundo das bicicletas e passar para a vida adulta das motos e carros. Mas isso fica pra outro dia…

Parte II ->