Volta ao Mundo em 80 Horas – II

II – O Diagnóstico

– O quê?…

– Eu disse: SENTA AÍ!

Sentei. Para. Pensa. Respira. Porra, cadê o ar? Ah, é! O ar. Foi isso. Falta de ar. Lembrei. Fui pra Santa Casa. Aliás, ESTOU na Santa Casa. E quem é essa mandona? A Marcela? Ah, é! Ela veio comigo. Ela estava no Jurídico. Também lembrei. Nah! É mesmo coisa de mulher esse negócio de se preocupar à toa!

Não demorou muito e já fui atendido (“pré-triagem”, eu diria), a médica fez as perguntas que tinha que fazer e – já esperava por isso – recomendou chapa do pulmão e checar o coração. Eu teria voltado para sala de espera se, ao levantar, ali mesmo, já não tivesse tropeçado na cadeira e me apoiado na parede – que, diga-se de passagem, em vez de sólida, ficava indo de lá para cá…

Nesse momento apareceu meu amigo Torquemada, que trabalha no local, e me ajudou a ir até a sala de raio-x. Também não demorou muito e fizeram as chapas (já devo estar ficando radioativo depois de tantos anos me chapeando no decorrer da vida) e o próximo passo seria o eletrocardiograma.

“Vem comigo”, me disse o Torquemada.

E esse “vem comigo” era para subir uma rampa digna da Escadaria da Penha. Mas, dada minha peculiar condição, em vez do habitual “nem fodendo”, que seria minha resposta tradicional, resolvi aceitar. Olhei pra cima, respirei fundo – e, lógico, não consegui respirar porra nenhuma – preparei-me para escalar aquilo bem passo a passo.

– Não, não, senta aqui.

Olhei pra trás. Uma cadeira de rodas e, como piloto, um gordinho com cara de preocupado, meio que avaliando o tamanho da rampa em comparação com o tamanho da besta que vos escreve.

– Cê tá me zoando…

– Não tô não. Trate de sentar aí, rapaz, que você não está bem.

Olhei novamente para a rampa, para a cadeira, para o gordinho, suspirei e cedi. Que seja. E uma vez que, Professor Xavier que me tornei, já estava acomodado na cadeira de rodas, não sem sofrimento o rapagote me levou até um quarto para o devido atendimento. Chegou suando e respirando fundo (que inveja!). Mesmo passado tanto tempo, ainda estou com dó dele. Provavelmente deve ter pedido o resto do dia de folga…

Uma vez acomodado na cama (ligeiramente menor que eu, como sempre), já sem calçados, pediram que abrisse a camisa para colocar os eletrodos.

– Xiiiii…

Não, esse não fui eu. Foi a enfermeira. Imaginem uma pessoa com o peito peludo. Não, não ela, eu (seus pervertidos…). Aquém de um Tony Ramos, mas além do considerado “normal”. Já tentou colar um pedaço de fita crepe na grama? É mais ou menos a mesma coisa que tentar colar eletrodos no meu peito.

– Melhor tirar a camisa. Aliás, o cinto também, pois o metal pode afetar o resultado. Aliás do aliás, vamos tirar as calças também. A senhora se incomoda?

A “senhora”, no caso, era a Marcela, ainda me acompanhando. Situação interessante, pois, na ausência do Torquemada, parece que as enfermeiras estavam achando que, enquanto acompanhante, seria minha esposa. Ela sorriu e até mesmo abriu a boca para responder, mas decidi que, do alto de toda minha educação, finesse e cavalheirismo que me é característico, aquele seria um bom momento para intervir, antes que se tornasse uma “opção”.

FO. RA.

Rindo às pampas, ela saiu da sala.

Enfim, calças fora, com um pouco de custo, até que deu. Liga maquininha, cola eletrodo que descolou, mede, cola o outro que também descolou, imprime rapidamente antes que descole mais algum, chama o médico de plantão.

E analisando aquele monte de risquinhos, ele me veio com essa:

– Senhor Adauto, não é? Bem, antes de mais nada gostaria de saber se o senhor fez algum esforço físico fora do comum ou passou recentemente por alguma situação de estresse?

Esforço físico? Eu? Até para ir no boteco da esquina eu vou de carro que é para não cansar… Quanto ao estresse? Tenho oito anos de estresse praticamente diário, meu caro! Nem o Capitão Kirk aguentaria o que já passei! Só que não respondi nada disso.

– Hoje, em particular, não. Nada.

– O que o senhor teve aqui foi uma disfunção arterial coronária, caracterizada principalmente pela dor no peito e a dificuldade na respiração, o que claramente evidencia a ocorrência da assim chamada angina pectoris.

Eu sinceramente acho que os médicos fazem isso de propósito. Tudo bem que nós, advogados, muitas vezes passamos a falar “juridiquês” até mesmo se o perceber, mas o caboclo tá falando com um paciente, catzo! Não resisti:

– Doutor, em português, por favor.

– O senhor teve um pré-infarto.

– Hmmm…

– Ou seja, situações como esta são definidas por um protocolo médico e, segundo esse protocolo, o senhor vai ter que ficar por mais um tempinho internado em observação, ok? Passar bem.

E se foi.

Antes mesmo que eu pudesse perguntar qual seria a definição dele para “um tempinho”, olhei para o Torquemada. Seus olhos brilhavam de sacana satisfação…

– No mínimo pelas próximas 12 horas, você é meu! Huá, huá, huá, huá!!!

Engoli em seco.

Bem, como sempre digo, já que o inferno é inevitável, que se abrace o capeta.

Assim, o melhor naquele momento seria informar a situação para algumas poucas pessoas na devida ordem de importância e relevância.

Ou seja, primeiramente liguei pra minha Chefa.

Que, óbvio, sendo quem é, já sabia o que tinha acontecido, onde eu estava e até mesmo qual o diagnóstico. Levei a bronca (no bom sentido) que já sabia que ia levar, me avisou que o Torquemada iria confiscar meus telefones e que fosse descansar e me recuperar. E, sim, isso era uma ordem.

Bão, até agora tudo bem. Agora vinha a parte difícil.

Isso mesmo: ligar para a Dona Patroa.

– Oi? Mi? Tudo bem? Pode falar um minutinho? Então. Hoje quando eu estava vindo para o trabalho começou a me dar um pouco de falta de ar, de tontura e eu até achei que fosse por conta de um pouco de fome… Daí, chegando no Jurídico, comi alguma coisa, lavei o rosto e não melhorou – antes o contrário, comecei a ter um pouco de dor no peito, tipo uma pressão, sabe? Aproveitei que a Marcela estava por ali e fomos para a Santa Casa, onde cheguei totalmente sem ar, mas ainda assim consegui fazer a ficha, meio que desmaiei, mas já fui atendido em seguida, encaminhado para uma chapa de pulmão e em seguida para um eletrocardiograma. O diagnóstico foi que eu tive uma situação de pré-infarto – mas tá tudo bem! Pode ficar tranquila. Já fui medicado, só que o protocolo médico determina que vou ter que ficar aqui pelo menos pelas próximas 12 horas, então tô te ligando só pra você saber, ok?

Silêncio.

– Alô? Oi? Você ainda está aí?…

– QUEM. É. ESSA. MARCELA?

Meus deuses! Como é que vocês mulheres têm esse filtro auricular que faz com que ouçam só o que querem ouvir? A um certo custo expliquei novamente a situação, com calma e com detalhes, e desta vez parece que ela compreendeu. Eu acho.

Enfim, esclarecido o necessário, Torquemada deu aquela risadinha que só ele sabe dar e, com uma batidinha no meu ombro, já foi falando:

– Só é preciso aguardar mais um pouquinho porque neste exato momento tá liberando um leito. E aí? Pronto para dar entrada na U.T.I.?

(Continua…)

Volta ao Mundo em 80 Horas – I

(Resolvi lhes contar um pouco do recente perrengue que passei. Não, não se assustem nem se preocupem, pois já tá tudo bem, mas acho que todos por aqui também já sabem o quanto eu não consigo resistir ao dramático… Então, crianças, é isso mesmo: senta que lá vem história!) 😉

I – Meu reino por um balão

Terça-feira, 25 de outubro de 2016.

O dia até que começou tranquilo. Um tanto quanto abafado, com aquela sensação de se estar dentro de uma panela de pressão e que normalmente antecede uma daquelas chuvas das boas. No trabalho, apesar de algumas “missões impossíveis” (nada de novo sob o sol da Dinamarca), tudo relativamente tranquilo. Tanto, que me dei ao luxo de me atrasar um bocadinho só para dar continuidade a uma reorganização que estou fazendo no escritório lá em casa…

Coisa de uma hora e meia depois do habitual, já tendo tomado meu cafezinho com um bom pão com manteiga (lá pelas seizóra) e deixado a criançada na escola… #partiutrabalho

Rota de sempre, caminho de sempre, trânsito de sempre – talvez até um pouco mais leve que o normal.

E eis que, lá pelas nove e quinze, cadê o ar?

Não faltava muito pra chegar, tinha acabado de entrar numa das avenidas principais da cidade e, por mais que tentasse, por mais que puxasse, o ar teimava em não entrar nos pulmões! Pensei no posto do Corpo de Bombeiros que havia ficado há pouco mais de um quilômetro atrás. Sem chance de retorno.

E essa tontura, meu Deus?

Lembrei das crianças.

Lembrei da minha família.

Lembrei dos trabalhos pendentes.

Lembrei que meu carro não tem seguro.

Ou seja, desmaiar NÃO seria uma opção!

Abri os vidros totalmente, liguei o ventilador no máximo (ah, se eu tivesse um ar condicionado!) e, resoluto, segui até o trabalho – que nem estava tão longe assim.

Entrei no estacionamento como de praxe, parei o carro como de praxe, debaixo da árvore de praxe e, sob a sombra de praxe, saí, me espreguicei, me contorci, me alonguei e tentei respirar profundamente. Até que miorô um cadinho… Mas a tontura ainda me deixava tonto. “Deve ser fome”, murmurei para comigo mesmo.

Cheguei no prédio, fui entrando, passando sala por sala e dando um “oi” mais seco que o tradicional. Abri a janela de minha sala e, mais uma vez, com os braços abertos, ainda segurando os trincos, tentei puxar o ar para dentro dos pulmões.

– Merda.

Meio que tomado por aqueles atos mecânicos do dia-a-dia, liguei o computador, abri o jornal por sobre a mesa, vislumbrei a caixa de entrada (a real, não a virtual), peguei um café, duas bolachas de maizena, resmunguei algo para quem estava na sala, voltei para minha mesa, vislumbrei a caixa de entrada (a virtual, não a real), retornei uma ligação de uma amiga (trabalho, trabalho, trabalho – desde cedo!) que precisava de ajuda para outra amiga e que, por fim, ainda acabei delegando para uma terceira amiga. Confuso, eu sei, mas ao contrário do que imaginam, nem sempre sei de tudo!

Respirei fundo e…

– Merda!

Cadê o ar, meu Deus? Fui até o banheiro, lavei o rosto com água em abundância e nem me dei ao trabalho de enxugar. Sentei no sofazinho que tem na minha sala (porcaria de sofá baixo!) e tentei relaxar.

Nisso, Mitchel veio falar comigo. Um caso, outro caso, uma preocupação daqui, um alerta dali e tudo que eu conseguia era ver sua boca se mexendo e um ligeiro murmúrio ao fundo, sem conseguir me concentrar e sentindo os ouvidos começarem a ficar ligeiramente tapados, como se estivesse num carro, descendo a serra, rumo ao mar.

– Cê tá bem, cara?

– Sei lá, tô meio zoado…

– Por que você não vai num médico, então?

– Se ficar ruim, eu vou.

– TEIMOSO!

Disse e saiu.

Imagina! Teimoso, eu? Talvez um pouco turrão. Ligeiramente cabeça dura, às vezes. Dono da verdade, quase sempre. Mas teimoso? Ah, não, isso não!

Foi mais ou menos nesse momento que um invisível filhote de elefante resolveu que deveria ficar sentado bem em cima do meu peito, pressionando e dificultando ainda mais o que já estava difícil: respirar.

Daí comecei a suar frio.

E, então, disse para mim mesmo: “Mim mesmo, tô começando a achar que tem algo de errado comigo…” Ainda zonzo, desci um andar e, da porta da sala do Mitchel, já soltei:

– Cara, você tem razão, não tô legal. E ói que já é a terceira vez este ano que você tem razão, hein? Parabéns! Vou dar um pulinho aqui na Santa Casa e já volto. Má, vamcomigo?

“Má” era a Marcela, que trabalha na Saúde, e há dias estava acampada na sala do Mitchel, ajudando num processo.

– Oi? Não, péra. Deixa eu arrumar minhas coisas…

– Tô indo, fui.

E, de fato, fui.

Mais dois lances de escada, meio bêbado de zonzeira (que, garanto, é diferente de estar meio zonzo de bebedeira), passei pela porta e tomei o caminho da Santa Casa, em plenos e firmes passos trôpegos. Demorou só uns cem metros para ela, ofegante, me alcançar.

E, cerca de quinhentos metros depois, após quase ter sido atropelado ao atravessar a rua e tropeçado algumas vezes (“toma cuidado, pois se você cair, vai ficar no chão mesmo, até porque não aguento com um homem desse tamanho”, foi a recomendação que vagamente lembro ter ouvido), ainda tendo recebido uma ligação da secretária da Chefa (“não, lamento, não posso dar um pulinho aí, pois neste exato momento estou dando um pulinho no hospital”), chegamos na recepção da Santa Casa.

No balcão de atendimento provavelmente devo ter balbuciado algo sem sentido, porque o atendente ficou me olhando com aquela mais profunda cara de “ahn?”… Pôxa, não era óbvio que eu estava passando mal, tonto, suando frio e sem ar? Bastava olhar pra mim, catzo! Minha vontade era falar “me dá um balão de oxigênio e tá tudo certo”, mas, sabe-se lá como, tive forças (e, principalmente, paciência) para acabar de passar meus dados, nome, RG, CPF, endereço, etc, etc, etc.

Foi então que o mundo ficou mudo e, aos poucos, tudo foi ficando leve, leve, muito leve, branco, branco, cada vez mais branco, até acabar sumindo de vez…

(Continua…)

Sobre o currículo do ensino médio

É preciso falar sobre o tema. Principalmente porque ele meio que “se perdeu” em detrimento tanto do cenário político nacional quanto do local, com as eleições municipais que se avizinham. Outro dia já havia compartilhado um excelente texto lá no Facebook (que segue abaixo), mas é preciso mais. Saber mais. Pensar mais. Muito mais.

Como havia dito antes, muitas vezes, enquanto me perco procurando palavras para me expressar, acabo por descobrir que alguém já o fez de uma forma bem melhor do que eu seria capaz… No caso, o amigo virtual Jarbas Jovelino!

Portanto, leiam. LEIAM! Até o fim.

Vi, na Gazeta, o comentário elogioso do Josias de Sousa à reforma tabajara do ensino médio. O luminar da nossa imprensa terminou o comentário manifestando esperança de que a tal reforma melhore chances dos nossos jovens no mercado de trabalho. Catzo! Essa gente só pensa educação em função de sucesso profissional. Nada de cidadania. Nada de oferecer para os nossos jovens oportunidade de se apossarem de bens culturais historicamente elaborados aqui e em todo o mundo. Nada de formar seres humanos que deem sentido a seu viver e que ajudem outras pessoas a construir um mundo melhor.

Há um grande fosso entre comentários como o do Josias e análises de uma educadora que conhece seu ofício como Diane Ravitch. Nesse sentido, cito dela um trecho que não diz uma palavra sequer sobre trabalho, mas diz tudo sobre cidadania:

‘As disciplinas ensinadas na escola são de uma validade singular, tanto para os indivíduos como para a sociedade.

Uma sociedade que não ensina ciências para todos favorece a proliferação de movimentos irracionais e de sistemas de crenças anti-científicos.

Uma sociedade que volta suas costas ao ensino de história encoraja a amnésia das massas, fazendo com que as pessoas ignorem eventos e ideias importantes do passado da humanidade, e provocando a erosão da inteligência cívica necessária para o futuro.

Uma sociedade democrática que deixa de ensinar às gerações mais jovens seus princípios de auto-governança coloca tais princípios em risco.

Uma sociedade que deixa de ensinar aos jovens a apreciação das grandes obras de literatura e arte favorece ao embrutecimento e degradação de sua cultura popular.

Uma sociedade étnica e racialmente diversa requer, mais que outras sociedades, um esforço consciente para construir valores compartilhados entre seus cidadãos.

Uma sociedade que tolera o anti-intelectualismo em suas escolas favorece ao surgimento de uma cultura idiotizada que cultua celebridades e sentimentalismos em vez de conhecimento e sabedoria.’

Nada mais verdadeiro. Nada mais lúcido. Entretanto lucidez, IMHO, não é o que se encontra nessa decisão que nos foi impingida faringe adentro

E para que compreendam melhor o juridiquês por trás disso, essa decisão se deu na forma de uma Medida Provisória. Vejamos uma rápida definição acerca do que seria isso: “É um instrumento com força de lei, adotado pelo presidente da República, em casos de relevância e urgência, cujo prazo de vigência é de sessenta dias, prorrogáveis uma vez por igual período. Produz efeitos imediatos, mas depende de aprovação do Congresso Nacional para transformação definitiva em lei.”

Relevância?

Urgência?

Mas não consegui encontrar isso nem mesmo nas falaciosas justificativas dessa malfadada Medida Provisória – pois toda lei/medida provisória tem que ter uma justificativa… Confiram por si mesmos alguns dos trechos (grifos meus):

“Atualmente o ensino médio possui um currículo extenso, superficial e fragmentado, que não dialoga com a juventude, com o setor produtivo, tampouco com as demandas do século XXI. Uma pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – Cebrap, com o apoio da Fundação Victor Civita – FVC, evidenciou que os jovens de baixa renda não veem sentido no que a escola ensina.

Apesar de tantas mudanças ocorridas ao longo dos anos, o ensino médio apresenta resultados que demandam medidas para reverter esta realidade, pois um elevado número de jovens encontra-se fora da escola e aqueles que fazem parte dos sistemas de ensino não possuem bom desempenho educacional.

(…)

Isso é reflexo de um modelo prejudicial que não favorece a aprendizagem e induz os estudantes a não desenvolverem suas habilidades e competências, pois são forçados a cursar, no mínimo, treze disciplinas obrigatórias que não são alinhadas ao mundo do trabalho, situação esta que, aliada a diversas outras medidas, esta proposta visa corrigir, sendo notória, portanto, a relevância da alteração legislativa.

(…)

Resta claro, portanto, que o ensino médio brasileiro está em retrocesso, o que justifica uma reforma e uma reorganização ainda este ano, de tal forma que, em 2017, os sistemas estaduais de ensino consigam oferecer um currículo atrativo e convergente com as demandas para um desenvolvimento sustentável.”

Vocês já viram alguma criança, de imediato, “ver sentido” naquilo que estuda no ensino médio? Nem mesmo eu quando era moleque! E olhem que eu sempre gostei de estudar… Ver ou não ver sentido está mais ligado à qualidade de ensino (e não vou nem falar da “progressão continuada” que afunda o ensino público em São Paulo) do que à matéria curricular em si. Mas é mais fácil eliminar matérias obrigatórias que forçam nossos jovens a pensar (quão perigoso!) e prepará-los efetivamente para o “setor produtivo”.

A seguir comparem pontualmente as alterações da lei. E não deixem de ouvir a música tema deste texto, ao final…

COMO ERA

COMO FICOU

Lei nº 9.394, de 20/12/1996.

Medida Provisória nº 746, de 22/09/2016.

Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (…) e dá outras providências.

Art. 36. O currículo do ensino médio observará o disposto na Seção I deste Capítulo e as seguintes diretrizes:

Art. 36. O currículo do ensino médio será composto pela Base Nacional Comum Curricular e por itinerários formativos específicos, a serem definidos pelos sistemas de ensino, com ênfase nas seguintes áreas de conhecimento ou de atuação profissional

I – destacará a educação tecnológica básica, a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes; o processo histórico de transformação da sociedade e da cultura; a língua portuguesa como instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e exercício da cidadania;

I – linguagens;

II – adotará metodologias de ensino e de avaliação que estimulem a iniciativa dos estudantes;

II – matemática;

III – será incluída uma língua estrangeira moderna, como disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro das disponibilidades da instituição.

III – ciências da natureza;

IV – serão incluídas a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias em todas as séries do ensino médio.

IV – ciências humanas; e

V – formação técnica e profissional.

§ 1º Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação serão organizados de tal forma que ao final do ensino médio o educando demonstre:

I – domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presidem a produção moderna;

II – conhecimento das formas contemporâneas de linguagem;

§ 1º Os sistemas de ensino poderão compor os seus currículos com base em mais de uma área prevista nos incisos I a V do caput.

 

 

Como se tornar o idiota da selfie

Clique na imagem para ampliar!

Lara Brenner

Enquanto seguro meu garfo cheio de um suculento macarrão, me belisco e olho para o lado, apenas para checar se aquele momento de divindade gastronômica é real. Imediatamente desejo não ter me virado. A cena bizarra se repete novamente: uma moça bonita aciona a câmera frontal do celular e o estica frente a seus seios fartos, realçados por um vestido a vácuo, enquadrando-os junto a um prato de sobremesa. Ao longo da última hora, aquele deveria ser o quinquagésimo autorretrato (sou do tempo em que “fotinha” era retrato).

De repente, começo a me sentir um extraterrestre naquele restaurante descolado e com boa música ao vivo. Quase ninguém olhava para os músicos — que tocavam um samba de gafieira — a não ser para fotografá-los e postá-los em tudo quanto é canto cibernético. Ninguém comia sem antes registrar a comida, ou matava a sede antes de clicar o drink apoiado na mão e com o bar ao fundo. Era um show de Truman voluntário, uma bolha de registros milimetricamente calculados.

Beicinhos, caretas, piscadelas, cabelos jogados, ângulos corretos… Autorretratos em grupo, em casa, na cama, na piscina, em frente ao espelho, na academia, no funeral (!), após o sexo (sim!, tem isso agora), com o cachorro (milhares com o cachorro, meu Deus), com roupa de festa, com roupa íntima, sem roupa alguma (!), virado do avesso… Essa coisa de “selfie” tomou uma proporção tão maluca que, em 2013, foi eleita pelo dicionário Oxford como a palavra do ano, uma vez que sua popularidade havia crescido — pasme! — 17.000% em 365 dias. E cá estou eu, já alguns anos depois, mais perdida que cego em tiroteio, achando tudo meio artificial e esquisito. É o crescimento exponencial do ego.

Confesso que sempre que vejo uma “selfie” bem linda — e são várias em minha timeline — fico imaginando a luta da pessoa até consegui-la. Podem ser horas procurando a iluminação adequada, treinando a cara no espelho, batendo cabelo pra lá e pra cá, enquanto o braço quase gangrena de tanto segurar o celular para cima. Sei disso por experiência própria. Precisava obter algumas para uma divulgação e foi um martírio inesquecível. Segurar um “carão” é arte para poucos.

O problema não é se registrar para a eternidade, a modernidade está aí e não acompanhar faz nenhum sentido. O problema é retratar a vida sem realmente vivenciá-la, estar presente sem estar. É preocupante que as pessoas precisem se autorretratar infinitamente para sentir que estão ali de fato, muitas vezes crendo intimamente a qualidade daquele momento só será convalidada a depender do número de curtidas. Narcisos sofredores, narcisos drogados, embriagados de si mesmos e embevecidos num perigoso “egotrip”.

O crescimento exponencial do ego costuma carregar uma mortalha pesada: o vazio existencial. Nunca se esteve tão frágil e tão exposto ao mesmo tempo. Está aí a depressão — o mal do século — para comprovar. Talvez estejam sobrando registros externos e faltando os internos, num mundo com menos autorretratos e mais autoanálises. É hora de engolir a câmera e deixar que ela registre o que há de mais importante, mas quem tem realmente coragem para fazer essa viagem?

Posso estar ficando velha, chata e ranzinza. Posso estar saindo do otimismo cibernético para a crítica anacrônica, mas, da próxima vez em que você estiver saboreando um delicioso macarrão, pergunte-se sinceramente qual é a necessidade de se autorretratar ao comê-lo.

O Velho e o Moço

O velho é rabugento; o moço é vivaz. O moço prefere a guerra; o velho prefere a paz. O velho está sempre cansado; o moço está sempre com disposição. O moço quer se apaixonar; o velho já esqueceu o que é paixão. O velho tem um coração lacrimoso; o moço sequer sabe o que é um pranto. O moço quer somente agitação; o velho quer a quietude de um canto. O velho se sente sozinho; o moço sempre está com alguém. O moço é ganancioso; o velho contenta-se com o que tem. O velho gosta de perder-se nos pensamentos; o moço quase nunca pensa pra falar. O moço quer a corredeira do rio; o velho quer a profundidade do mar. O velho sabe apreciar a brisa; o moço gosta da força da ventania. O moço cavalga com fúria os campos; o velho com calma conduz sua montaria. O velho se encanta com o perfume das flores; o moço aprecia sua delicadeza. O moço quer a luxúria; o velho quer a beleza. O velho sabe enxergar o que é belo; o moço é cego e sem calma. O moço corre atrás de um momento; o velho fica na procura da alma. O velho adora crianças; o moço demonstra paciência. O moço prefere a loucura; o velho prefere a prudência. O velho se sente preso; o moço só vê liberdade. O moço quer a vida noturna; o velho quer fugir da cidade.

O velho e o moço; o moço e o velho…

Mas o que é do velho sem o moço? Faltar-lhe-ia a fagulha da vivência. Mas o que é do moço sem o velho? Faltar-lhe-ia a sabedoria da prudência. É certo que o moço muitas vezes exagera; mas não é tão diferente do que o velho faz. De quando em quando o velho ensimesma-se em seu mundinho; e o moço tem que suportar as consequências que isso traz. O que ambos, moço e velho, velho e moço, precisam aprender é a ter equilíbrio em suas vidas. Pois, ainda que não percebam, mesmo feita de opostos, ambas são muito parecidas. Um precisa do outro, o outro precisa do um; sem se completar não chegarão a lugar nenhum!

O moço e o velho; o velho e o moço…

O que lhes falta é tempo; o que lhes falta é alento.

Conseguirão?

Suportarão a carga de sua própria lambança?

É o que pergunto aos meus botões e em resposta somente um silêncio de amarga esperança…

“Eu vim para trazer a divisão”, disse…
…Jesus!

Cynara Menezes
(Socialista Morena)

Uma das coisas que mais me perturbam na atual situação brasileira é a ilusão de certos setores de que o PT “inventou” a divisão entre ricos e pobres, entre negros e brancos, entre esquerda e direita, entre mulheres e homens, entre hetero e homossexuais. O chamado “Fla-Flu”. Tem gente que fica chateado porque brigou com amigos, colegas e familiares por causa de política e isso é “culpa do PT”. Será?

O primeiro ponto a se perguntar é: a divergência é mesmo algo ruim? Balela. Se o embate fosse entre brancos e brancos, ricos e ricos, direitistas e direitistas aposto como seria visto com mais normalidade: uma disputa entre iguais. O que incomoda é que a tal “divisão” é, na verdade, uma reação dos historicamente oprimidos, dos “de baixo”, às injustiças. Incomoda que as chamadas “minorias” estejam divergindo com mais força, em alto e bom som.

Os negros estão denunciando o racismo; as mulheres estão denunciando o machismo; os pobres estão denunciando o preconceito de classe; os gays estão denunciando a homofobia. Antes, todas estas cidadãs e cidadãos hoje em processo célere de empoderamento estavam mudas, resignadas com sua situação. A esquerda tampouco tinha acesso aos meios de comunicação para conscientizar a população –e hoje temos a internet.

Esta divisão é positiva para evoluirmos enquanto sociedade. Não acredite quando dizem que é ruim. Fiquei impressionada ao conhecer trechos do Novo Testamento onde Jesus Cristo fala justamente de divisão e não de união. “Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a Terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão” (Lc, 12, 51-52). Na Bíblia utilizada pelos protestantes, é ainda mais veemente: “Não penseis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer paz, mas a espada” (Mt, 10, 34-35).

Em Lucas, complementa: “Daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três: ficarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai, a mãe contra a filha e a filha contra a mãe, a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”. Diz ainda Jesus: “Eu vim para lançar fogo sobre a Terra; e como gostaria que já estivesse aceso!” (Lc 12,49-53).

Estes trechos dos evangelhos de Lucas e Mateus são considerados controversos porque indicariam que Jesus seria a favor do uso de violência. Não necessariamente. Do que Jesus não é a favor, sem sombra de dúvidas, é do conformismo. Se ele veio à Terra, não foi para transmitir uma mensagem pacificadora, isso está claro. Ou não teria expulsado os vendilhões do templo.

Aliás, imaginem o rebuliço que seria hoje se Jesus voltasse, como os cristãos esperam, e encontrasse vendilhões falando em seu nome em emissoras de TV e igrejas espalhadas pelo mundo… Com certeza seria acusado de “incitar a divisão” entre ricos e pobres ao pregar que “é mais fácil um camelo passar por um buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

Cristo foi um revolucionário. E revolucionários não vêm a este mundo para lançar uma mensagem de obediência e subserviência ao sistema – ou não seriam revolucionários. O que o revolucionário quer é abalar as estruturas. Foi o que Cristo fez, ou não? E acabou morto por isso, assim como Maomé, perseguido por criar uma dissidência religiosa do judaísmo e do cristianismo, o islã. Martinho Lutero foi excomungado pela igreja Católica por dividi-la e houve luta armada em favor de suas ideias reformistas.

Fora do campo religioso, Nelson Mandela abriu os olhos do mundo ao absurdo regime que existia na África do Sul, que colocava os negros, originais moradores do país, em um gueto, dominados por supremacistas brancos de origem europeia. Pois é: para quem critica a “divisão” no sentido de conflito, que tal o apartheid? Os donos do poder pretendiam que os negros sul-africanos se subjugassem àquela situação para sempre. Mandela os fez se levantar contra ela. E que bom que tenha sido assim.

Com tantos erros cometidos sob a ótica do campo da esquerda, o PT teve o inegável mérito de dar voz a quem não tinha voz. Por isso agora eles gritam. Pare de reclamar da “divisão” que há em nosso país, preocupe-se em entender por que ela existe – e por que é bom que ela exista. Se não houvesse divisão, significaria que estamos conformados. E conformistas não movem o mundo.