Thunderbird 3

A notícia básica eu peguei lá no BR-Linux.

Já faz alguns anos que, dentro do possível, tenho focado a utilização de programas no computador somente para aqueles que podem ser classificados como “software livre”.

Desde o antigo StarOffice eu já vinha testando suítes de escritório, sendo que, só quando de sua última “transformação” para o BR-Office é que meus anseios acabaram por ser plenamente atendidos. Tudo funciona perfeitamente. Aliás, acho que nem sei mais utilizar os comandos do MS-Office…

Em termos de navegador também já há algum tempo utilizo o Firefox. Que eu me lembre já passei pelo Netscape e pelo Opera – e tive um breve flerte com o Google Chrome – mas é o Firefox que efetivamente me dá segurança e estabilidade para navegar na Internet.

E, no tópico clientes de e-mail (nomezinho esquisito…), originalmente fiquei com o Outlook, tendo passado um bom tempo com o Eudora, uma experiência nada feliz com o IncrediMail (odiei) e, por fim, tendo estacionado no Thunderbird (da Fundação Mozilla – mesmo povo que desenvolve o Firefox).

Só que, enquanto o Firefox permanecia no centro dos holofotes e cada vez mais vinha sendo desenvolvido e atualizado (até por uma questão de competitividade), o Thunderbird ficou lá no seu canto, quietinho, estacionado na versão dois-ponto-qualquer-coisa…

Mas agora, depois de uns dois anos de desenvolvimento, finalmente saiu a versão 3 do Thunderbird!

Quando da instalação (também disponível em português) ele não só tem condições de importar automaticamente suas contas e configurações de outros programas de e-mail, como também, caso já utilize o Thunderbird, também já traz toda sua organização por pastas e filtros existentes – tudo isso de uma maneira simples, rápida e eficiente.

Sua principal novidade (além de outros efeitos visuais e de configuração) é o suporte a abas, pois, assim como nos navegadores, agora também é possível abrir várias mensagens e telas do programa em uma mesma janela, facilitando tanto o acesso quanto a organização. Enfim, já sou usuário há anos e sou até suspeito para falar – então somente testando para que se possa comprovar a eficiência do bichinho…

Eventuais downloads diretamente lá no site da Fundação Mozilla – bem aqui.

EEE-PC – Instalando o Ubuntu Netbook Remix 9.10

Bom, eu já tinha tentado alguns sabores de algumas distros do Ubuntu no meu EEE-PC 701 – mas não achei nenhuma que fosse, digamos, lá muito palatável. Entretanto, acompanhando algumas discussões lá na lista da Metareciclagem, deparei-me com alguns comentários do Hernani que acabaram por me deixar animado com o Ubuntu Netbook Remix

Antes de mais nada aviso que este é um passo-a-passo – entretanto, ainda assim, estamos falando de Linux. Então parto do pressuposto de que ALGUMA coisa você já conhece a respeito desse sistema. Não vou – nem quero – entrar em detalhes aqui acerca de questões conceituais, tais como particionamento, montagem de volumes, etc. Então vamo que vamo.

01. As dicas básicas para essa instalação – com certeza – eu peguei lá no incerteza, especificamente neste artigo aqui.

02. Para começar a colocar a mão na massa, será necessário baixar a imagem ISO do Ubuntu Netbook Remix neste endereço aqui. Já será baseado na distribuição 9.10, ou seja, a Karmic Koala.

03. Já para a instalação no EEE-PC você vai precisar rodar o Ubuntu a partir do seu pendrive – até porque seu netbook não tem leitor de CD (dãããã…). Nesse caso – que, aliás, é o ÚNICO caso tratado neste texto – além da imagem ISO do item 02 acima você também vai precisar de um pendrive de, no mínimo, 1GB.

04. Partindo do pressuposto que você está começando este trabalho num computador à parte do netbook, onde provavelmente deverá ter já instalado o Windows XP (nem me pergunte do Vista – odeio ele), para criar o pendrive bootável, que é o primeiro passo para a instalação no EEE-PC, existem duas possibilidades:

a) Você pode utilizar seu programa queimador de CDs favorito e transformar aquela imagem ISO num CD bootável (eu juro que gostaria de escrever “inicializável”, mas isso me soou tão esquisito que resolvi ficar no estrangeirismo mesmo…). Após, bastará inicializar o computador pelo CD e, já com o Ubuntu carregado, utilizar o programa nativo do sistema para criar o pendrive de boot: o USB-Creator. Você pode acessá-lo através de Sistema -> Administração -> Create a USB startup disk. EM TESE o programa deve detectar automaticamente tanto o drive de CD quanto o pendrive. Isso feito, bastará clicar no botão Make Startup Disk e aguardar sua conclusão.

b) Outra opção (que não envolve “gastar” um CD somente para essa etapa intermediária) seria utilizar no Windows XP o programa Unetbootin (disponível aqui). Baixe e instale o programa em seu computador (não, você NÃO vai precisar de um passo-a-passo para ISSO, vai?) e, a seguir, execute-o (talvez você precise executá-lo diretamente do diretório para o qual foi baixado ou, para facilitar, criar um atalho para seu desktop). É lógico que você já está com o pendrive devidamente formatado e devidamente “espetado” no computador, certo? Ah, sim, claro. Então. Na janela que se abre selecione a segunda opção Diskimage e, à direita, nos três pontinhos (…), selecione o arquivo ISO com o Ubuntu Netbook Remix no local onde você o baixou. Seu nome provavelmente deve ser “ubuntu-9.10-netbook-remix-i386.iso”. Certifique-se que a Unidade indicada na última linha realmente corresponde àquela onde está o pendrive (caso não seja, creio que o sistema não identificou corretamente o hardware). Após, basta clicar em OK e aguardar. Quando a frase Instalação Completada estiver em negrito, apenas clique em Sair, pois não é nesse computador que efetuaremos a instalação, certo?

05. Coloque o seu pendrive no EEE-PC e ligue-o. Li em algum lugar sobre recomendações para que seja do lado esquerdo – mas nada que justificasse o porquê. Já nos primeiros segundos da inicialização tecle ESC.

06. A janela que se abrirá provavelmente lhe dará duas opções. No meu caso, a primeira é “HDD:SM-SILICONMOTION SM223AC” (que é a memória interna do computador) e a segunda é “USB: Kingston DataTraveler” (que é o pendrive conectado). Escolha a opção relativa a seu pendrive e aguarde até que o boot se inicie.

07. O boot, no caso será do Ubuntu Netbook Remix 9.10. A placa de som já está funcionando, pois os tradicionais tambores tocaram… É bom verificar a conectividade. Como tenho uma pequena rede instalada em casa – inclusive com Wireless – deveria funcionar de primeira. Mas não funcionou. Tasquei-lhe um cabo de rede e daí conectou. Tudo bem. Mais tarde vejo com calma essa coisa da rede sem fio…

08. Acho que não será necessário explorar as virtudes do bichinho neste primeiro momento. Já na guia que se abre, que é Favorites, clique no ícone Install Ubuntu-Netbook-Remix.

10. A primeira tela que se abre é a da linguagem. Escolha Português do Brasil e clique em Avançar.

11. A segunda tela é a do fuso horário. Deve estar correta, ou seja, na Região deverá constar Brasil e na Zona deverá constar Brasil (São Paulo). Clique em Avançar.

12. A terceira tela servirá para configurar o layout do teclado. Como, no meu caso, trata-se de um EEE-PC da série 701, devo optar por Escolha o seu próprio e, em seguida, na parte esquerda da tela, USA e, na direita, USA – Alternative international (former us_intl). Caso tenha dúvidas, utilize a linha de teste de digitação, logo abaixo. Se satisfeito, clique em Avançar.

13. A quarta tela refere-se à efetiva instalação no disco, quer dizer, na memória, ou melhor, no chip… ah, sei lá! No EEE-PC e pronto. Existem duas opções, sendo que a primeira substitui totalmente o sistema instalado e a segunda compartilha com o que lá estiver. Como, no meu caso, estou substituindo o Windows XP previamente instalado (como já descrevi aqui) e considerando que os 4GB não permitiriam a convivência pacífica de ambos os sistemas, a opção é Apagar e usar o disco inteiro (o tal do SDA que está lá indicado). Clique em Avançar.

14. A quinta tela pede alguns dados particulares de fácil preenchimento: nome, nome de acesso, senha e o nome do computador. Vamos lá, você consegue. Após tão árdua tarefa, clique em Avançar.

15. Na sexta e última tela basta clicar em Instalar e mais nada. E aguarde. Aliás, um dos motivos pelo qual precisávamos verificar a conectividade antes de mais nada é que, quando da instalação, alguns pacotes já serão baixados automaticamente. Enfim, continue aguardando.

16. Ao final de tudo será solicitada a reinicialização da máquina. Faça-o. Em determinado momento desse processo também será solicitada a remoção do dispositivo USB pelo qual foi dado o boot. Remova-o. Ao reinicializar já poderemos partir para as configurações mais específicas – como, por exemplo, a Rede sem fio. Existe um pequeno ícone no painel (aquela barra de trabalho que contém a data, usuário, etc) que se assemelha a uma série de barrinhas em pé em ordem crescente. Com um clique abre um menu onde o nome da rede deverá estar mais ou menos lá pelo meio, logo na linha acima da opção Conectar. Clique nela (deverá ser automaticamente substituído pela opção Desconectar). Testei o Wireless. Tudo ok.

17. Aliás esse próprio painel – para mim – visualmente fica melhor lá em baixo. Clique numa área livre do painel com o botão direito e, com o botão esquerdo, escolha Propriedades. Na tela que se abre, Propriedades do painel, no item Orientação, mude para inferior. Clique no botão Fechar. Pronto.

18. Bom com o sistema básico funcionando, é bom dar uma atualizada geral, certo? Vá em Sistema -> Administração -> Gerenciador de Atualizações clique em Verificar e, após essa verificação (a qual o sistema fará através da Internet), clique em Instalar atualizações (no meu caso, foram encontradas 144 atualizações. Aguarde pacientemente. E, sim, provavelmente você precisará daquela senha informada lá no item 14. Após baixar os pacotes de atualização a instalação já deve automaticamente se iniciar em seguida. Após a conclusão deverá ser apresentada novamente a janela do Gerenciador de atualizações (agora sem nada) – basta clicar em Fechar.

19. Se a tela do seu netbook é pequena igual a do meu 701, vá em Sistema -> Preferências -> Aparência. Na aba Fontes, clique nos nomes das letras e diminua todas para tamanho 9. Aliás, se quiser, aproveite e vá também na aba Plano de fundo e escolha alguma imagem mais agradável (não se preocupe, pois as letras se sobrepõem à imagem, de forma transparente, criando um efeito bem bacana). E, ainda, na aba Tema dá pra optar por outras filigranas visuais. Só pra constar: essas dicasm específicas vieram via Orkut, num tutorial do Breno.

20. Um dos primeiros perrengues que encontrei ao começar a utilizar a maquininha foi para acessar o site do Banco do Brasil. Esse site possui um sistema de “teclado virtual” que simplesmente não carregava! Fuçando um pouco aqui e ali, nos fóruns (de discussão) da vida acabei localizando o que faltava: um mero plugin – no caso o sun-java6-plugin. Aí, para efetuar a instalação, o negócio é ir direto ao Synaptic em Sistema -> Administração -> Gerenciador de Pacotes Synaptic e localizar o plugin citado. Com o botão direito do mouse, marque-o para instalação (ele já vai automaticamente selecionar todos os demais pacotes que precisa) e dê o comando Aplicar. Assegure-se de estar conectado à Internet.

21. Outro plugin necessário para acessar diversas páginas da Internet é o Adobe Flash Player. Mas, nesse caso, será necessário baixá-lo e instalá-lo. Verifique em seu Firefox pra qual diretório está configurado o download de arquivos – provavelmente deverá já estar apontando para Downloads. Ao acessar a página do Flash já deverá ser sugerida a versão do Adobe Flash Player para Linux. Selecione uma versão para dowload – especificamente a .deb for Ubuntu. Vá em Arquivos e pastas e abra a pasta Downloads. Clique com o botão direito no arquivo e selecione (agora com o botão esquerdo) a opção Abrir com Instalador de Pacotes GDebi. Na janela que se abre clique em Instalar Pacote. Será necessária a senha que você colocou lá no item 14 (é lógico que você ainda se lembra dela, certo?). Após a instalação simplesmente clique no botão Fechar e, após, feche a janela.

22. De início o Ubuntu vem com o OpenOffice instalado. Nada contra – mas é em inglês. Nada contra, também, mas fica “melhor” em português, certo? Volte lá no Synaptic e localize o BrOffice. Marque-o para instalação e dê o comando Aplicar. Assegure-se de estar conectado à Internet, pois muita coisa vai precisar ser baixada. Não, não é necessário desinstalar o OpenOffice primeiro (como já vi em alguns comentários por aí), pois o BrOffice aproveita o que deve aproveitar e se instala por cima. Com as mudanças devidamente aplicadas clique em Fechar e, após, feche também o Gerenciador.

23. Não sei o porquê cargas d’água o gravador de som simplesmente não estava funcionando. Para fuçar nisso fui em Sistema -> Preferências -> Som. Na janela Preferências de som que se abre escolha a guia Entrada e, nela, desmarque o item Mudo. Caso queira altere também o Volume de entrada – assim como demais itens que achar necessário. Para um eventual teste vá em Multimídia -> Gravador de som. Brinque à vontade…

24. Aliás, a título de curiosidade, já que estamos falando do tema, vá em Multimídia -> Cheese. Não há o que configurar, mas serve para certificar se a câmera também está funcionando perfeitamente.

25. Aliás do aliás, falando de multimídia de um modo geral, uma boa dica (além dos passos 20 e 21) foi essa que obtive aqui, a respeito do pacote Ubuntu-restricted-extras, o qual instala uma série de codecs, aplicativos, fontes e drivers que possuem algum tipo de restrição e que por isso não fazem parte da instalação padrão – tais como: Máquina virtual Java (usada por sites de bancos, por exemplo) flash (sem ele, o youtube não funciona) fontes true type (do windows), codecs de áudio e vídeo (wmv, divx, mp3, rmvb, etc) e outros. Vá lá no Synaptic (agora você já sabe como funciona, não sabe?) e procure por Ubuntu-restricted-extras, marcando-o para instalação e aplicando sua escolha.

26. Bem, com tantas instalações o nosso limitadíssimo espaço de 4GB já está ficando quase todo consumido. Se quiser confirmar, basta dar uma olhada em Acessórios -> Analisador de Utilização do Disco. No meu caso já tenho mais de 80% ocupado! Para tentar minimizar esse perrengue, vá em Sistema -> Administração -> Central de Programas do Ubuntu e clique em Programas instalados. Verifique cuidadosamente o que você não usa, não usaria ou tem certeza absoluta que nunca vai usar e remova-o sem dó. Afinal, precisamos de espaço!

27. Numa consulta à comunidade do Orkut chamada ASUS Eee PC – NetBook Laptop tive a informação de que o Skype (que uso para alguns contatos específicos) não faz parte dos repositórios do Ubuntu. Então, conforme sugerido, fui até o site do Skype e na opção de Downloads escolhi o mais próximo da distribuição que estou usando, no caso o Ubuntu 8.10+32-bit. Baixei o arquivo e apliquei o mesmo procedimento lá do item 21 para sua instalação.

Bão, basicamente é isso. Particularmente ainda acho que dá pra otimizar um pouco mais o sistema de modo a ocupar um pouco menos de espaço (continuo com volta de 80% da capacidade instalada). Pra minimizar esse impacto de ocupação, tenho um cartão SD de 4GB onde centralizo meus arquivos particulares e downloads em geral.

Agora é só começar a desfrutar o bichinho e ver como que fica…

Emenda à Inicial: Apesar da estabilidade no funcionamento, existe um pequeno bug que ainda não descobri como resolver. Acontece que toda vez que estiver utilizando apenas a bateria aparece, logo de início, uma mensagem informando da existência de algum defeito, pois estaria apenas com 1,9% de carga. Ignore. Quando eu descobrir o que fazer com essa mensagem mal educada eu informo por aqui…

Outra Emenda: Para ajudar mais um bocadinho ali no item 26, após a instalação vá em Acessórios -> Terminal e digite o seguinte comando (sem as aspas): “sudo apt-get autoremove”. Isso fará com que as versões antigas dos pacotes baixados sejam deletadas, liberando mais um pouco de espaço. Para complementar (se bem que não percebi diferença) tente também “sudo apt-get autoclean”. Ah, sim, em ambos os casos você novamente vai precisar daquela senha informada lá no item 14…

Reinstalando o instalado – Fase IV

Por mais de uma vez creio que vocês já tenham ouvido falar, no caso de computadores, acerca das famosas “receitas de bolo”. São sequências de comandos, repassadas passo a passo, de modo que não se tenha como errar quando de sua execução.

Pois bem, montar um computador ou mesmo fazer sua configuração inicial não foge muito disso. É preciso fazer tudo camada por camada, ou seja, uma coisa de cada vez. Assim como num bolo, não adianta jogar tudo dentro da forma e esperar que saia um quitute pronto. Os ingredientes devem ser colocados na ordem, quantidade e momento certos.

Tudo isso só pra explicar que, uma vez feita a instalação básica, inclusive configurado o hardware mínimo, agora é hora de colocar os demais “acessórios”…

Comecemos com a placa de som. Padrão PCI. Bastou colocar na devida baia e reiniciar o computador. O próprio Windows reconheceu-a como uma Crystal SoundFusion e instalou os respectivos drivers. Ah! Uma coisa interessante: se o Windows tiver os drivers nativos para as placas que vierem a ser instaladas, deixe-o instalar. É menos dor de cabeça e evita eventuais programas por quilo instalados “automaticamente” pelos fabricantes.

Com a placa de som funcionando, vamos à placa de fax-modem. Hein? Fax-modem? Pra quê isso? Até onde sei – e se não me falha a memória – é para instalar o provedor específico de Internet no computador. Apenas instalo e não discuto… Vejamos… espetado, reiniciado, encontrado e… pronto! A placa PCI Soft V92 Modem está devidamente funcional!

Mas se, futuramente, se precisarmos de espaço para instalação de alguma nova placa PCI (mesmo que ainda existam uma baia de PCI e outra de AGP sobrando), bastará retirá-la, sem prejuízo ao sistema.

Para já deixar um padrão a ser seguido (e até porque tem um CD de configuração junto com o que foi enviado com o computador), instalei a impressora Canon Bubble-Jet BJC-2100, já com o formato de papel padronizado para A4. Ah, sim. Com os drivers nativos do próprio Windows.

Como eu já havia dito antes, agora que o hardware está instalado e configurado, é hora de blindar o sistema. Baixei novamente o Antivir, instalei-o e ativei-o.

Passo seguinte, a chamada “suíte de escritório” (por que diabos inventaram um nome esquisito como esse?). Particularmente prefiro o BrOffice, o qual já venho utilizando há anos, mas, como cada caso é um caso e cada gosto é um gosto, vamos de MS-Office XP mesmo.

A instalação é padrão, sem ter muito que inventar.

A única coisa com esse tipo de instalação é que os links para os programas do Office ficam espalhados no decorrer de toda a barra de Programas. Para “consertar” isso, crio uma pasta chamada MS-Office XP e mando todo mundo lá pra dentro.

Ainda faltam outros programas para instalar – básicos ou não – bem como a chamada “sintonia fina” no computador.

Agora não deve demorar muito mais.

Ah, e sim: sem travamentos…

Reinstalando o instalado – Fase III

Não ficou bom.

Sou (às vezes) um tanto quanto perfeccionista, e, para mim, ainda não ficou bom.

É que, após “espetar” as placas sobressalentes – de fax-modem e de som – para configuração, foi que percebi que a placa de vídeo (on board) não estava necessariamente configurada e isso me deixou com uma pulga atrás da orelha.

Tentei configurá-la através do próprio Windows e não deu.

Tentei configurá-la através do CD de instalação e não deu.

Tentei configurá-la através de atualizações automáticas e não deu.

Seria agora questão de descobrir o porquê disso, pois sem o driver (programa de instalação e ativação do hardware) correto para a placa de vídeo não será possível uma resolução melhor que 640 x 480 e muito menos uma quantidade de cores decente.

Poderíamos estar na presença de alguma incompatibilidade da versão do sistema operacional face o drive utilizado. Ou seja, o driver seria antigo para o XP SP3. Tá, é um chute, mas alguma coisa deve ser tentada…

Então, recomecemos do princípio – mas agora com o XP original, também.

Voltei ao Setup do computador (apertando a tecla DEL quando da inicialização) e, lembrando que estamos com uma motherboard ASUS P5S800-VM, para que não restassem dúvidas, refiz algumas alterações.

Em primeiro lugar novamente recarreguei a “configuração de fábrica” através dos menus Exit -> Load Setup Defaults.

Depois, em função daquela questão do disco rígido, desativei os controladores SATA em Main -> OnChip SATA Controller -> Disabled.

Daí foi a vez de ativar a função on board da placa de vídeo, pois originalmente sua configuração vem para que se instale uma placa PCI ou AGP (que seria quando da instalação de uma placa de vídeo específica na baia PCI ou AGP, conforme o caso). Isso estava lá em Advanced -> Chipset -> NorthBridge SIS661FX Configuration -> Primary Graphics Adapter -> On Board AGP.

Aproveitei que já estava nessa tela e também dei uma acelerada numa função específica do vídeo on board lá em Advanced -> Chipset -> NorthBridge SIS661FX Configuration ->AGP Fast Write Control -> Enabled.

E, já que os dois giga de memória estão plenamente funcionais, nada melhor que dar um pouco mais de folga às funções de vídeo, o que foi possível com Advanced -> Chipset -> NorthBridge SIS661FX Configuration -> Share Memory Size -> 128 Mb.

Configurada a função on board do vídeo, não haveria necessidade de alocar recursos específicos do sistema para a instalação de uma placa fisicamente, de modo que também reconfigurei essa opção em Advanced -> PCIPnP -> Allocate IRQ to PCI VGA -> No.

Por fim, como instalaremos uma placa de som à parte, ainda seria necessário desabilitar essa função on board, lá em Advanced -> SouthBridge SIS964 Configuration -> Onboard AC97 Audio DEVICE -> Disabled.

Pronto. Agora o toque final em Exit -> Exit & Save Changes -> OK.

Reiniciado o sistema básico, já com um outro CD de instalação, dessa vez o original Win XP Home Edition, dei início a uma nova instalação, do zero, reformatando e começando tudo de novo.

Após tudo concluído fui dar uma checada no vídeo carregado e…

A lesma lerda!

Em vez de carregado o driver correto, lá no Gerenciador de Dispositivos do Windows constava um maldito Controlador de vídeo (Compatível com VGA). Caramba! Não quero nada compatível, quero o driver correto!

Novamente acessei o site da ASUS, localizei os driver da motherboard em questão e baixei o específico para o vídeo – que seria o SiS 661 FX. Já apreensivo instalei-o.

Funcionou.

Perfeitamente.

Vai explicar?

Como diria Tsutomu Shimomura, lá no livro Contra Ataque, computadores têm dessas coisas…

Bem, por mais paciência taurina que eu tenha (pra não dizer que sou turrão), não estava a fim de reinstalar tudo de novo, dessa vez com o XP Service Pack 3. Daí optei por atualizar completa e totalmente o sistema. Como a conexão à Internet via rede já estava funcionando perfeitamente, bastou baixar os pacotes específicos – o SP1, SP2 e SP3 – coisa de uns 700Mb.

Instalados um por um, tudo ok para a fase 2, ou seja, a instalação das “placas sobressalentes” citadas lá no início deste post.

Ah, e sim, o disco rígido tem se comportado perfeitamente, o computador ficou ligado e ativo durante horas a fio e não ocorreu – até o momento – nenhum tipo de travamento…

Reinstalando o instalado – Fase II

Bem, depois do início dessa nova “aventura” (como visto aqui), aproveitei para dar uma olhada na questão da dita “memória incompatível”. A marca ASUS modelo P5S800-VM salta aos olhos na motherboard… Retiro o módulo de memória que está lá espetado – existem apenas duas baias e ela está no banco 1.

Curioso.

Esse computador foi montado por uma loja chamada Chipinfo – que já não mais existe. Mas o módulo de memória possui a etiqueta da Lion

Bem, mesmo assim trata-se de uma KVR400X64C3A/1G. Não entendeu nada? Então vamos por partes. É um módulo de memória Kingston Value Ram DDR 400 SDRAM (Synchronous DRAM) com 2.6 Volts.

De acordo com o manual (sim, ela trouxe o manual junto com o computador – não é uma graça?)  está dentro dos parâmetros aceitáveis de memória para essa máquina.

Já o módulo “rejeitado”, que foi encaminhado juntamente com algumas outras peças, é um DDR 400 de 1Gb da marca Samsung – sem maiores indicações (que eu saiba fazer a leitura) acerca de seu modelo. E, pelo que me parece, seria o que veio originalmente com o computador. Mas, ainda assim, também dentro dos parâmetros aceitáveis…

E que parâmetros seriam esses? Ah, vamos combinar, vai! Tá tudo lá no item 1.7 do dito manual. Tá em inglês, tá certo e eu não tô a fim de traduzir… Basta saber que, dentro da DDR400 Qualified Vendors List foi possível encontrar a discriminação desses módulos.

Ou seja, não tenho dúvidas, espeto os dois e dou um boot na máquina – já sem HD – só pra ver se rola.

Rolou.

Já o HD, devidamente acessado por outro computador, não.

Apesar de reconhecido no Setup da máquina, o Ubuntu não conseguiu enxergá-lo. Nem da primeira, nem da segunda, nem da terceira vez que reiniciei o PC. Só na quarta tentativa é que tive acesso ao disco rígido. Com muito custo – pois, não sei porque cargas d’água, essa conexão estava instável – consegui acessar o que encontrei de arquivos. Principalmente dentre fotos e filmes, coisa de uns 26 giga!

Ou seja, esqueçamos a operação pendrive.

Foi tudo para meu HD, mesmo…

Já com outro sistema operacional carregado, dei uma verificada com um antivírus nesses arquivos. Nada. Provavelmente outro dos aparentes defeitos, que seria o computador acusar vírus novos a todo momento, poderia também estar se dando em virtude do acesso inconstante ao HD…

E quanto ao disco original?

Bem, baixei uns programas de testes e forcei o bichinho ao limite.

Funcionou.

Reiniciei a máquina.

Parou de funcionar.

Depois funcionou.

Depois parou.

Daí funcionou de novo.

Daí ameaçou parar.

Aí minha paciência acabou…

Em termos de “isolar os possíveis defeitos”, parece-me que seria este o mais gritante – essa inconstância no acesso ao HD confere com a descrição de travamentos da máquina. Passei esse diagnóstico para ela e começamos a trabalhar na solução: um novo disco, pois esse não estaria confiável o suficiente para tentarmos uma outra instalação.

Bem, para encurtar a história vou pular a parte do primeiro HD que ela trouxe – e que eu, lerdo, não percebi – que era um SATA em vez de um IDE. Também não vou falar do trabalho que ela teve para encontrar um nesse padrão (e eu nem sabia que isso estaria rareando no mercado). Vamos direto à parte que ela me trouxe outro HD, agora de 160Gb, e coloquei-o na máquina.

De início, como não sabia quem já passeou pelo Setup do computador, nem tampouco o que já foi feito por lá, dei uma zerada em tudo.

Ou seja, o famoso Load Setup Defaults.

Dali fui passo a passo checando o reconhecimento da memória (2 giga – ok), do disco rígido (encontrado – ok), do drive de DVD (reconhecido – ok), da placa de vídeo on board (32Mb reservado – ok), da placa de rede on board (netware aceita – ok) e da placa de som on board (essa, apesar de reconhecida, eu desativei).

Já sendo possível a inicialização do equipamento, e munido de um CD original de instalação do Windows XP SP 3 (direto daqui, diga-se de passagem) dei início à instalação do novo sistema no computador.

Foram cerca de três horas para a formatação e instalação do sistema básico do básico do básico do básico.

Depois espetei as placas acessórias – uma de som (pois originalmente essa parte do sistema estava dando conflito) e uma de fax-modem (para o acesso à Internet pelo provedor que ela tem contratado).

Com o sistema basicão instalado, antes mesmo de colocar qualquer outro programa, conectei o computador diretamente à minha rede e acessei a Internet para atualizar o sistema (atualizações de segurança, novas versões de softwares e toda aquela parafernália virtual de sempre). Cinquenta e seis atualizações encontradas.

Deixei baixando.

Nesse meio tempo reduzi a capacidade de lixeira de 10% do HD (16Gb) para 1% (1,6Gb). Particularmente sempre considerei essa configuração automática com muito espaço perdido para pouco lixo utilizado – mas, sabendo disso, ela poderá alterar esse parâmetro caso queira…

Atualizações efetuadas, computador reinicializado, então é hora de “blindar” o sistema.

Isso mesmo: antivírus.

Gosto do Antivir – um programa gratuito, eficiente, leve e e que automaticamente se conecta com a Internet para se atualizar. Baixei e instalei. Também ativei o firewall e as Atualizações Automáticas do Windows.

Ainda falta configurar as placas que foram instaladas, bem como reinstalar todos os demais programas além do sistema operacional.

Mas, por enquanto, chega.

Afinal de contas, já está na hora de ir para o trabalho…

Celular Solar

Nunca fui muito chegado aos chamados gadgets de uma maneira geral. Mesmo em termos de celular, para mim, o que importa é que seja pequeno, discreto e com uma boa agenda. Câmera, gravador, receptor de sinal de tv, nada disso me chama a atenção.

Mas esse pequenino aí de cima (ainda que não lá muito simpático) despertou meu interesse.

Vejam a notícia, direto lá do Zumo:

O pessoal da ZTE mostra na Futerecom 2009 (…) um celular superbásico, o S312. Visto de frente, até poderia ser um telefone “normal”. Mas a parte de trás esconde o “segredo”: ele recarrega com energia solar. Diz a ZTE que uma carga ao sol de 5 minutos garante uma ligação rápida, e o bicho leva uma hora para a recarga completa. Chega no primeiro trimestre de 2010 (junto com o S302, o celular para velhinhos da ZTE). Os preços dos gadgets não foram divulgados.


Reinstalando o instalado – Fase I

Bem, na verdade o desafio até que é simples.

É que esse computador de minha amiga não “se acerta”.

Já teve complicações com sistema de som on board, leitura do HD, módulo de memória, acesso à Internet, o escambau. Já se tentou a instalação de uma placa de som auxiliar bem como de mais memória. Na primeira desconfiguração o distinto que abriu a máquina pela última vez disse que teve que arrancar tudo porque, segundo ele, estava “dando conflito”. E tudo voltou a não funcionar novamente, levando a máquina ao caos. De quebra levou a paciência dela junto e, provavelmente, também a fé em quem configurou o sistema desse micro originalmente.

Que, por um desses acasos da vida, fui eu.

Ou seja, ladies & gentlemen, temos aqui uma verdadeira questão de honra.

Mas comecemos pelo básico: salvar as informações que já existem no disco e que não são parte integrante do sistema operacional. Em tese, bastaria transferir para um pendrive, certo? Ocorre que não tenho notícias acerca da eventual existência de vírus no computador, o que pode ser bastante, digamos, “perigoso”.

Assim, a melhor maneira de fazer essa primeira intervenção é com a retirada do disco rígido da máquina, colocando-o numa gaveta de HD (que, convenientemente, tenho em meu computador) para transferência dos arquivos. Dessa maneira evita-se inicializar o sistema instalado no disco rígido que, se estiver infectado, pode mascarar a existência de um eventual vírus.

Aliás, para não correr risco nenhum, essa cópia será providenciada com a utilização do Linux (Ubuntu 9.04). Como 100% dos vírus (não estamos falando de worms) foram feitos para a família M$-Windows, não corremos risco nenhum com essa transferência.

Para acesso ao HD vamos à boa e velha chave Phillips. Primeiramente a retirada lateral da tampa – já é dos gabinetes mais modernos, com acesso somente pelos lados. Me assusto com o tamanho do cooler dele (sem trocadilhos, crianças)! Parece um daqueles Ventisilva pendurados nas paredes das repartições públicas… Dou uma soprada para tirar o pó e parto direto para remoção do disco rígido.

Me chamou a atenção os flat cables da máquina: pretos e lustrosos. Mais atenção ainda me chamou o do drive de DVD – velho e opaco. Com certeza deve ter tido o original trocado em algum momento. Retiro o coração do bichinho. Um Maxtor. Boa marca. Nem a melhor, nem a pior. 120Gb ATA, setado para master.

A dona da criança também me passou um pendrive para o backup. É um Kingston de 8Gb retrátil. Também tenho um desses e outro de 16Gb, do mesmo estilo, que uso no meu dia-a-dia. Boa marca.

Como o computador com a gaveta de HD está em outro lugar, bem, tanto o disco rígido quanto seu companheirinho pendrive vão ter que “passear” um pouco…

Trabalhando de graça

Nada como tentar arranjar alguns newbies para trabalhar de graça!

Só para que saibam, “lá fora” tal prática – ainda que sob a promessa de pagamento de alguns milhares de dólares – costuma ser totalmente execrada por quem realmente conhece do traçado…

A notícia original tá aqui.

TSE abre inscrições para hackers testarem urnas eletrônicas

Objetivo é tentar burlar sistemas das urnas que serão usadas em 2010.
Melhores contribuições serão premiadas; inscrições vão até 13 de outubro.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abre nesta sexta (11) inscrições para quem quiser fazer as vezes de hacker e atacar os sistemas das urnas eletrônicas que serão utilizadas nas eleições do ano que vem. Os testes, que serão públicos, vão acontecer entre 10 e 13 de novembro deste ano. As inscrições vão até o dia 13 de outubro, sempre nos dias úteis, e devem ser feitas pessoalmente ou por carta registrada.

Para participar dos testes, o interessado (chamado pelo TSE de “investigador”) deve apresentar um plano de ação, em um formulário específico do tribunal, descrevendo os procedimentos que pretende tomar e os equipamentos que quer usar para tentar quebrar a segurança das urnas. Esse plano de ação será avaliado e, se aprovado pelo TSE, poderá ser posto em prática. O resultado dos planos aprovados pelo órgão sai no dia 26 de outubro, no Diário Oficial.

O tribunal se compromete a fornecer material de escritório, computadores com Linux e Windows, impressoras, ferramentas e softwares que não exijam licenças comerciais (a não ser que o “investigador” as possua), caso sejam solicitados.

O investigador será obrigado a assinar um termo de compromisso com o TSE repassando e demonstrando toda a documentação sobre os materiais e procedimentos dos testes, mesmo que eles não tenham sido bem-sucedidos. O tribunal vai criar um site especial para divulgar os resultados dos testes.

As contribuições “mais relevantes”, diz o TSE, serão premiadas. O órgão não divulgou quais prêmios serão distribuídos.

Nesta sexta, o TSE faz uma audiência pública em Brasília, a partir das 10h, em que vai explicar todos os procedimentos para os testes. O tribunal deve publicar o resultado das discussões em seu site.

Worm atacando versões não atualizadas do WordPress

Dica importantíssima aos blogueiros de plantão, direto lá do BR-Linux:

Quem tem a versão 2.8.3 ou 2.8.4 (ambas de agosto) está seguro contra a invasão automatizada descrita abaixo, cujas consequências podem ser bastante sérias. Quem não tem, deve correr para o upgrade, ou considerar as suas alternativas (nada agradáveis) após perceber que houve uma invasão.

Segue nota do James Della Valle na Info:

Um novo verme para o sistema de publicação de blogs WordPress está atacando instalações antigas no serviço e abrindo as portas para spam com links maliciosos.

Segundo os desenvolvedores, a praga faz o registro de um usuário falso e explora uma falha de segurança corrigida nas versões mais recentes do publicador.

O verme é capaz de ganhar privilégios de administrador e usar um JavaScript para se esconder do usuários. Em alguns casos, apesar das tentativas de se manter oculto, a ele acaba danificando links, mostrando que existe algum problema com o blog.

Assim que estiver “confortável” dentro do servidor, a ameaça começa a introduzir spam com links para malware em todos os posts antigos do blog. Como eles entram como comentários aprovados, não há meio de filtrar as mensagens falsas.

A equipe do WordPress avisa que todos os seus usuários devem instalar a versão 2.8.4 o quanto antes, para evitar problemas com spam e com a estrutura de links que pode ser prejudicada pela ação do verme. (via info.abril.com.br)

Não sabe como atualizar? Dependendo de sua versão tem um “siga-a-seta” bem aqui ou aqui.

De minha parte, neste nosso cantinho Legal (bem como em todas suas “filiais”), já tá tudo ok…

Brasileiros vão acessar Internet pela tomada

Complementando o que eu disse aqui, eis uma pequena notícia lá do Portal do Governo:

Os brasileiros poderão acessar a rede mundial de computadores pela tomada. A medida foi aprovada pela diretoria colegiada da Aneel na última terça-feira (25), e criou as regras. A decisão vai beneficiar 63,9 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, interligadas por mais de 90 mil quilômetros de transmissão e distribuição, com as regras para o uso da tecnologia Power Line Communications (PLC). A efetiva implantação do sistema agora depende das empresas e distribuidores de energia, que devem apresentar os projetos.

Assim que implementado, o serviço de acesso à internet e a TV por assinatura será realizado por meio da rede elétrica – já presente em quase 100% das residências do Brasil. O prestador do serviço de PLC deverá seguir os padrões técnicos da distribuidora, o disposto em Resolução da Aneel e na regulamentação de serviços de telecomunicações e de uso de radiofrequências da Anatel.

A implantação e exploração do PLC não poderão comprometer a qualidade do fornecimento de energia elétrica para os consumidores e se houver necessidade de investimento na rede, o custo será de responsabilidade da empresa de telecomunicações.

O regulamento determina as condições para a utilização da infraestrutura das empresas distribuidoras de energia elétrica para implantação do sistema que permite a transmissão de dados por meio da rede de distribuição. A norma delimita o uso das redes elétricas de distribuição para fins de telecomunicações, garantindo a qualidade, confiabilidade e adequada prestação dos serviços de energia elétrica, gerando incentivos econômicos ao compartilhamento do sistema e zelando pela modicidade tarifária.

Economia – O emprego da tecnologia possibilita novos usos para as redes de distribuição de energia elétrica, sem que haja necessidade de expansão ou adequação da infraestrutura já existente. A economia representa a redução de custos aos consumidores, que serão beneficiados com a apropriação de parte dos lucros adicionais obtidos por meio da cessão das instalações de distribuição, o que poderá baixar as tarifas.

A Agência prevê que a apuração da receita obtida pelas concessionárias de energia com o aluguel dos fios para as empresas de internet será revertida para a redução de tarifas de eletricidade, nos termos de legislação específica estabelecida pela Aneel. Esse critério já é utilizado no aluguel de postes para passagem dos cabos da telefonia.

Embora seja utilizado o mesmo meio físico (as redes de distribuição de energia elétrica), a tecnologia permite o uso independente dos serviços e, portanto, a concessionária poderá também utilizar a infraestrutura do prestador de serviço de PLC para atender às suas necessidades e interesses.

Ao disponibilizar a sua rede de distribuição, a concessionária deverá dar ampla publicidade por um prazo mínimo de 60 dias para a manifestação dos interessados. A escolha do prestador do serviço deverá ser divulgada em até 90 dias após o pedido.

Bem, a minuta dessa resolução está aqui.

Informações ainda mais detalhadas a respeito do PLC, no próprio site da Aneel, bem aqui.

Atualizando WordPress em um passo

Já tem mais de um ano, quando ainda estávamos na versão WordPress dois-ponto-três-ponto-qualquer-coisa, eu passei um tutorialzinho sobre a atualização do sistema com todos os cuidados para não perder os dados de seu blog. Esse tuto continua disponível, bem aqui.

Porém, depois que eu migrei para o WordPress dois-ponto-sete-ponto-sei-lá-o-quê, percebi que ele passou a disponibilizar as atualizações de plugins de forma automática. O próprio “sistema” informa a que existe uma versão mais nova do plugin e, ao concordar com a atualização, ele mesmo baixa, descompacta, desativa o atual, sobrescreve com o novo e ativa o novo.

Simples, rápido e indolor.

Confesso que sempre fiquei reticente ao receber o mesmo tipo de aviso com relação ao próprio WordPress. “A versão tal está disponível”, o bichinho ficava teimando em me avisar. Sempre me veio à mente (ainda que em apenas cinco passos) todo o procedimento de backup e reinstalação. Mas depois de ler este alerta de segurança, resolvi fazer a tal da atualização.

E não é que também foi simples, rápido e indolor?

E ele ainda dá a opção de fazer o download (para posterior instalação manual) ou a atualização automática. E já em pt-Br.

E assim, cá estamos nós, com a versão 2.8.4 do WordPress!

😀

PLC – Power Line Communication

Recortado e colado daqui.

29/07/2009 – 08h00

Internet via rede elétrica: um passo para conectar pela tomada
Por CIBELE GONELLI | Para o UOL Tecnologia

 
Usar a internet vai ficar bem mais fácil. Cada tomada de uma residência será o ponto de acesso para se conectar à rede mundial. Essa nova opção para acessar a web vai começar a ser comercializada em breve para os usuários brasileiros.

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) homologou em abril a tecnologia de internet pela rede elétrica, que permite o tráfego de voz, dados e imagens. Conhecida como PLC (Power Line Communication), a nova forma de acesso à web já existe há cerca de dez anos e é vendida na Europa a links de 4,5 Mbps — que devem chegar a 14 Mbps até o final do ano.

No Brasil, o uso começou no Paraná, na fornecedora de energia elétrica local, no final da década passada. Desde então, foi desenvolvida uma tecnologia compatível com o sistema elétrico brasileiro, que foi testado nos últimos dois anos, até ser homologado.

A principal vantagem dessa tecnologia, segundo os especialistas, é que fornecerá acesso à web pela tomada — assim aproveita uma estrutura já existente para chegar a regiões onde outras alternativas de acesso rápido ainda não estão disponíveis. Com o PLC, a tomada elétrica vira o ponto principal de comunicação da residência ou da empresa. Mas, na prática, o que muda para o usuário?

Segundo o engenheiro eletrônico Almir Meira, professor da FIAP e Faculdade Módulo, para ter acesso à tecnologia, o usuário deverá contratar o serviço da operadora credenciada para comercializá-lo e adquirir um modem compatível com a tomada elétrica.

 
“A transmissão de dados é feita pela estrutura já existente de distribuição de energia elétrica. Os dados podem ser enviados diretamente do provedor de acesso para a rede elétrica até chegar aos usuários. Também é possível mesclar a forma de transmissão onde já existem outras estruturas: a conexão pode ser feita via cabo a partir do provedor até a região de um prédio. Se o edifício não tiver cabeamento, por exemplo, a conexão pode continuar sendo feita via rede elétrica até os apartamentos”, afirma.

Já a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ressalta que, para os usuários da tecnologia, a conta de luz continuará separada porque se trata da mesma estrutura, mas usada para fins diferentes.

AES Eletropaulo testa tecnologia

A AES Eletropaulo já divulgou que não pretende vender o PLC diretamente para o consumidor final, devendo fazer uma parceria com as operadoras de telecomunicações para atender ao novo serviço, como Telefonica, TIM, Vivo, Oi e Claro. “Elas é que deverão vender diretamente para o consumidor. Esse modem vai filtrar o sinal elétrico e disponibilizar os sinais de voz, dados e imagens em saídas específicas, funcionando como central de mídia”, explica.

Em São Paulo, já são três bairros onde esta tecnologia está sendo testada pela AES Eletropaulo: Pinheiros, Cerqueira César e Moema. Para os demais bairros, a tecnologia deverá estar disponível a partir de 2010. Para adaptar a rede elétrica para o PLC, as concessionárias de energia devem instalar uma grande quantidade de repetidores e roteadores junto aos transformadores, para amplificar o sinal de dados e evitar as oscilações nos pontos de segmentação da rede elétrica.

O modem poderá vir com uma antena de rede sem fio para facilitar o uso em notebooks, por exemplo. “Outra possibilidade é portar o modem e usar a sua internet em qualquer lugar, bastando plugá-lo na tomada. Além disso, a montagem das redes vai ser simplificada, não necessitando de cabeamento de dados — que hoje é um problema, devido à dificuldade de passagem dos cabos”, explica Meira.

Para as empresas, o PLC pode ser uma tecnologia que irá facilitar a interligação de unidades distantes por meio da rede elétrica, diminuindo a necessidade de links dedicados de dados, que são caros. Em São Paulo, o engenheiro Clinton Namur é uma das pessoas que participaram do teste da internet via rede elétrica. Ele pode acessar a web na cozinha ou, se preferir, também na sala. É só plugar o computador em qualquer tomada da casa. A conexão também ficou mais rápida. “Achei fantástica essa ideia, que eu abracei desde o começo. Para mim está atendendo perfeitamente”, diz Namur.

Gravando DVDs com legendas (e sem também)

Bem, outro dia já andei comentando como fazer para, num sistema baseado no Windows XP, fazer a gravação de DVDs no formato widescreeen, ou seja, naquela proporção maluca de 16:9 – como explicado bem aqui.

Desde já aviso que, por uma questão de princípios, todos os programas utilizados nessa “brincadeira” são freeware. Caso queira algo com beeeeeeeeem mais recursos basta fuçar por aí que vai encontrar não só um software à altura de sua pretensão como também as keys de ativação ou mesmo outros programinhas chamados keys generators ou até mesmo um crackzinho que vai fazer o perrengue funcionar.

Mas, neste caso, não será necessário.

Em primeiro lugar, e repetindo o que já disse antes, caso encontre na Internet o filme que queira gravar em um DVD e este não estiver no formato correto, utilize o programa RMVB Converter para – adivinhe? – convertê-lo! Por uma série de experiências de ordem prática nestas minhas amadorísticas tentativas já percebi que o melhor formato para gravação é mesmo o AVI (MPEG1). E não se iluda! Mesmo que o filme já tenha sido baixado nesse formato, passe-o pelo programa e salve-o num novo diretório antes de gravá-lo. O programa serve para transformar diversos formatos em outros e não só aqueles baseados em .rmvb, ok? Eis um shot dele:

Muito bem. Você já está com o arquivo no formato correto para gravar. E agora? Hein? Está em inglês, japonês ou outra língua qualquer? Ainda assim não se preocupe. Busque na internet (santo Google, Batman!) um arquivo de legenda que tenha sido feito para o filme que baixou. Muitas vezes quando utilizamos os torrents da vida esse arquivo já vem anexo junto em conjunto de pareio com o arquivo do filme… Usualmente possuem extensões SRT e a melhor forma que encontrei de verificar sua compatibilidade foi através do programa Subtitle Workshop. Nele, ao abrir o arquivo .srt, também será aberto o filme (desde que estejam no mesmo diretório e com o mesmo nome) e será possível alterar, incluir ou excluir as legendas do arquivo, as quais estão referenciadas até por milésimos de segundos ao filme. Abaixo, um shot dele também.

Legal. E agora? O que fazemos com DOIS arquivos, quando queríamos passar ao menos UM para o DVD? Basta fundi-los através do programa DVD Flick. Trata-se de um programa simples, até mesmo sem muitos recursos – mas que dá conta do recado! Para os detalhes relativos à gravação basta clicar no item Guide e (desde que esteja conectado à Internet) seguir o passo-a-passo para gravação. O mais interessante é que, além da questão referente à inserção de legenda, também é possível dividir os áudios – quando o arquivo baixado contiver mais de uma trilha sonora – bem como criar um menu de acesso, ou mesmo já dar conta daquela questão do formato widescreen e outras filigranas mais que só mesmo explorando seus recursos é que dá para descobrir.

Bem, é lógico que não pretendi esgotar o assunto por aqui. Sinceramente, acho que não deu nem mesmo para esquentar. Mas, pelo menos, estão presentes os primeiros passos através dos quais, com alguns poucos programas freeware, aliados a um tanto de curiosidade fuçadorística, qualquer um possa começar a brincar de gravar e editar seus filmes…