Dica de autoajuda

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas

“O objetivo do poeta não é descobrir novas emoções, mas utilizar as corriqueiras e, trabalhando-as no elevado nível poético, exprimir sentimentos que não se encontram em absoluto nas emoções como tais.” (T. S. Eliot)

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas
Ler autores clássicos, como Shakespeare, William Wordsworth e T.S. Eliot, estimula a mente e a poesia pode ser mais eficaz em tratamentos do que os livros de autoajuda, segundo um estudo da Universidade de Liverpool.

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos e depois essas mesmas passagens traduzidas para a “linguagem coloquial”.

Os resultados da pesquisa, antecipados pelo jornal britânico “Daily Telegraph”, mostram que a atividade do cérebro “dispara” quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.

Esses estímulos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo, segundo o estudo, que utilizou textos de autores ingleses como Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning e Philip Larkin.
Os especialistas descobriram que a poesia “é mais útil que os livros de autoajuda”, já que afeta o lado direito do cérebro, onde são armazenadas as lembranças autobiográficas, e ajuda a refletir sobre eles e entendê-los desde outra perspectiva.

“A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças”, explica o professor David, encarregado de apresentar o estudo.

Após o descobrimento, os especialistas buscam agora compreender como afetaram a atividade cerebral as contínuas revisões de alguns clássicos da literatura para adaptá-los à linguagem atual, caso das obras de Charles Dickens.

Responsabilidade responsiva

Ainda que minha preferência sempre tenha sido pela escrita, com textículos, textáculos e sagas divididas em episódios, volta e meia costumo inserir imagens, vídeos e músicas para ilustrar ainda mais a ideia que pretendo passar.

Desde os primórdios do Legal, já no formato de blog, sempre fui tentando acompanhar a evolução da tecnologia para garantir a acessibilidade visual e auricular de quem costuma me visitar aqui neste nosso cantinho virtual. No início era HTML puro mesmo, esculpido linha por linha, comando por comando e mais uma ou outra coisinha de Java aqui e ali…

Depois eu descobri o WordPress: uma plataforma que já vinha com temas prontos e, por trás, no formato de uma base de dados para inserir os posts, comentários, facilitando buscas, etc. Durante todos esses anos lembro-me de apenas umas três alterações: comecei com um tema “clean”, mudei para um “envelhecido” e, até há pouco tempo, usava o formato de “caderno de notas”. Nada demais em nenhum deles, apenas um visual mais aconchegante e que ainda me permitia um certo domínio das linhas de código.

E eis que o Flash (o da Adobe, não o da DC), de uma hora para outra, não seria mais utilizado como “motor multimídia” no WordPress… Fucei, explorei, cacei plugins estranhos e ferozes nas mais obscuras selvas virtuais e encontrei algo meio que mesclado com o tal do HTML5, mas que manteve os vídeos e músicas funcionais. Ao menos nos computadores. Já nos celulares simplesmente não rodava. Paciência.

Porém, cada vez mais, menos pessoas acessam a Internet por seus computadores. É lógico que ainda os utilizam – e muito! Mas com o advento dos smartphones, celulares com cada vez mais recursos, o acesso se dá a qualquer hora em qualquer lugar. Não é mais necessário chegar no trabalho ou voltar pra casa para poder acessar seu perfil nas redes sociais ou visitar seus blogs favoritos (sim, ainda tem muita gente que nos visita e vamos muito bem, obrigado).

Foi então que percebi que estava na hora de mais uma atualização. Ficar ampliando a tela ou tentando clicar em botões microscópicos pelo celular (ainda que no computador apareçam como “normais”) é simplesmente cansativo. Acaba afugentando as pessoas.

Já havia passado da hora de tornar o Legal um site “responsivo”.

“E que raios é isso?”, perguntar-me-iam vocês. Respondo-lhes eu, com uma explicação de bate-pronto, assim de cabeça (mas, na verdade, descaradamente roubartilhado daqui):

Design Responsivo é quando o site automaticamente se encaixa no dispositivo do usuário (PC, celular, tablet, etc). Um site responsivo muda a sua aparência e disposição com base no tamanho da tela em que o site é exibido. Então, se o usuário tem uma tela pequena, os elementos se reorganizam para lhe mostrar as coisas principais em primeiro lugar.

Locais sensíveis podem ser projetados para tornar o texto na página maior e mais fácil de ler em telas menores. Eles podem também ser configurados para tornar os botões na tela do telefone mais fácil de pressionar. Você terá botões maiores, mais espaço em branco entre os elementos para evitar a ativação acidental, e assim por diante. Formas mais sofisticadas de usar o design responsivo em um dispositivo móvel incluem: a formatação do site para ocultar ou apresentar a informação completamente diferente, mudando radicalmente os gráficos e cores, ou até mesmo reduzindo o site para enfatizar apenas um pedaço da sua mais importante.

Ou seja, não importa através de qual dispositivo você venha a acessar o Legal, ele estará mais “amigável” daqui pra frente.

Fui atrás de algum tema específico pra isso, mas que me permitisse ainda dar meus próprios pitacos no visual e arranjei este que agora está aqui. Tá, tá, sei que não é lá grande coisa, mas ainda tô trabalhando nele, tá bom? Tenham paciência enquanto tento arranjar tempo pra isso, ok?

Enfim, apesar da recém adquirida “responsividade” (que horrível, isso!) do Legal, ainda permanecia o fato de que as mídias simplesmente não funcionavam no celular.

Mas… Seus problemas acabaram! E nem foi preciso ajuda das Organizações Tabajara… Esse novo tema que escolhi funciona de uma maneira bem mais integrada com as últimas versões do WordPress, permitindo o fácil acesso a uma biblioteca de mídia que trabalha totalmente em consonância com os posts!

Oi? Não entendeu nada? Não tem problema. O que interessa é que a bagaça funciona!

Já andei fazendo alguns testes com o vídeo do post anterior, mas ainda estava em dúvida se tudo também daria certo com áudios MP3. Não estou mais.

E para provar isso, nada melhor que The Blues Brothers com a sempre deliciosa Peter Gunn Theme. Não interessa se você está no computador ou no celular, o que interessa é que você VAI ouvir! Divirtam-se! 🙂

 

 

Mico por mico…

Dia desses viralizou na Internet o videozinho em que o Professor Robert Kelly concedia uma entrevista à Rede BBC através do Skype. De repente seus filhos foram entrando no escritório (a dancinha da mais velha é ótima!) e chegaram chegando… Numa triunfal entrada derrapando, bem a la Gene Kelly, eis que surge a mãe (é, seus boçais, aquela mulher era Jung a Kim, a MÃE das crianças!) para “resgatá-los” dali, tentando inutilmente sair de fininho, enquanto o Professor ficava nitidamente embaraçado, perdendo o pique da entrevista. Abaixo segue o vídeo original.

A pergunta que fica é: por que as crianças entraram no escritório do pai e fizeram ele pagar esse mico monumental?…

A resposta foi dada pela avó das crianças (confira aqui), esclarecendo a família tem o costume de sempre conversar pelo Skype, de modo que os netos, ao ouvirem vozes vindas do escritório caseiro do pai, pensaram que fosse a vovó!

Entretanto, como essa blogosfera é uma maravilhosa terra de ninguém, onde sempre alguém está disposto a tirar sarro de outro, a primeira reação que ouvi nas redes sociais é que “se fosse uma mulher dando a entrevista ela não só pegava a criança no colo como ainda a incentivaria a dar um tchauzinho para o apresentador”. Verdade. Tanto o é que fizeram a paródia a seguir para demonstrar essa capacidade intrínseca que estes maravilhosos seres humanos femininos têm de fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Confiram até o fim e riam comigo…

E, como não podia deixar de ser, temos também a “versão nerd” para o vídeo. A fechada de porta no final é a melhor de todas! 🙂

Como se tornar o idiota da selfie

Clique na imagem para ampliar!

Lara Brenner

Enquanto seguro meu garfo cheio de um suculento macarrão, me belisco e olho para o lado, apenas para checar se aquele momento de divindade gastronômica é real. Imediatamente desejo não ter me virado. A cena bizarra se repete novamente: uma moça bonita aciona a câmera frontal do celular e o estica frente a seus seios fartos, realçados por um vestido a vácuo, enquadrando-os junto a um prato de sobremesa. Ao longo da última hora, aquele deveria ser o quinquagésimo autorretrato (sou do tempo em que “fotinha” era retrato).

De repente, começo a me sentir um extraterrestre naquele restaurante descolado e com boa música ao vivo. Quase ninguém olhava para os músicos — que tocavam um samba de gafieira — a não ser para fotografá-los e postá-los em tudo quanto é canto cibernético. Ninguém comia sem antes registrar a comida, ou matava a sede antes de clicar o drink apoiado na mão e com o bar ao fundo. Era um show de Truman voluntário, uma bolha de registros milimetricamente calculados.

Beicinhos, caretas, piscadelas, cabelos jogados, ângulos corretos… Autorretratos em grupo, em casa, na cama, na piscina, em frente ao espelho, na academia, no funeral (!), após o sexo (sim!, tem isso agora), com o cachorro (milhares com o cachorro, meu Deus), com roupa de festa, com roupa íntima, sem roupa alguma (!), virado do avesso… Essa coisa de “selfie” tomou uma proporção tão maluca que, em 2013, foi eleita pelo dicionário Oxford como a palavra do ano, uma vez que sua popularidade havia crescido — pasme! — 17.000% em 365 dias. E cá estou eu, já alguns anos depois, mais perdida que cego em tiroteio, achando tudo meio artificial e esquisito. É o crescimento exponencial do ego.

Confesso que sempre que vejo uma “selfie” bem linda — e são várias em minha timeline — fico imaginando a luta da pessoa até consegui-la. Podem ser horas procurando a iluminação adequada, treinando a cara no espelho, batendo cabelo pra lá e pra cá, enquanto o braço quase gangrena de tanto segurar o celular para cima. Sei disso por experiência própria. Precisava obter algumas para uma divulgação e foi um martírio inesquecível. Segurar um “carão” é arte para poucos.

O problema não é se registrar para a eternidade, a modernidade está aí e não acompanhar faz nenhum sentido. O problema é retratar a vida sem realmente vivenciá-la, estar presente sem estar. É preocupante que as pessoas precisem se autorretratar infinitamente para sentir que estão ali de fato, muitas vezes crendo intimamente a qualidade daquele momento só será convalidada a depender do número de curtidas. Narcisos sofredores, narcisos drogados, embriagados de si mesmos e embevecidos num perigoso “egotrip”.

O crescimento exponencial do ego costuma carregar uma mortalha pesada: o vazio existencial. Nunca se esteve tão frágil e tão exposto ao mesmo tempo. Está aí a depressão — o mal do século — para comprovar. Talvez estejam sobrando registros externos e faltando os internos, num mundo com menos autorretratos e mais autoanálises. É hora de engolir a câmera e deixar que ela registre o que há de mais importante, mas quem tem realmente coragem para fazer essa viagem?

Posso estar ficando velha, chata e ranzinza. Posso estar saindo do otimismo cibernético para a crítica anacrônica, mas, da próxima vez em que você estiver saboreando um delicioso macarrão, pergunte-se sinceramente qual é a necessidade de se autorretratar ao comê-lo.