Festa de Fim de Ano

De: Patrícia Gomes – Diretora de Recursos Humanos
Data: 01/12/2015 16:05
Para: Todos os Funcionários
Assunto: Festa de Natal

Tenho o prazer de informar que a festa de Natal da empresa será no dia 23 de dezembro, com início ao meio-dia, no salão de festas privativo da Churrascaria Grill House. O bar estará aberto com várias opções de bebidas. Teremos uma pequena banda tocando canções tradicionais de Natal. Sinta-se à vontade para se juntar ao grupo e cantar!

Não se surpreenda se nosso Vice-Presidente aparecer vestido de Papai-Noel! A árvore de Natal terá suas luzes acesas às 13:00. A troca de presentes de amigo secreto poderá ser feita a qualquer momento.

Entretanto, nenhum presente deverá exceder R$20,00, a fim de facilitar as escolhas e adequar os gastos a todos os bolsos. Este encontro é exclusivo para funcionários.

Nesta ocasião, nosso Presidente fará um discurso bastante especial.

Feliz Natal para vocês e suas famílias!

Ass.: Patrícia

===============================================

De: Patrícia Gomes – Diretora de Recursos Humanos
Data: 02/12/2015 11:04
Para: Todos os Funcionários
Assunto: Festa de Final de Ano

De maneira alguma nosso e-mail datado de 1º de dezembro pretendeu discriminar ou ofender nossos funcionários judeus! Reconhecemos que o Chanukah é um feriado importante e que costuma coincidir com o Natal mas isso não aconteceu este ano. De qualquer forma passaremos a chamá-la de “Festa de Final de Ano”.

A mesma política se aplica a todos os outros funcionários que não sejam cristãos. Não haverá árvore de Natal. Nada de canções de Natal nem coral. Teremos outros tipos de música para seu entretenimento.

Felizes agora?

Minhas desculpas.

Bom final de ano para vocês e suas famílias,

Ass.: Patrícia

===============================================

De: Patrícia Gomes – Diretora de Recursos Humanos
Data: 03/12/2015 15:12
Para: Todos os Funcionários
Assunto: Festa de Final de Ano

Com relação ao bilhete que recebi de um membro do Alcoólicos Anônimos solicitando uma mesa para pessoas que não bebem álcool: você não assinou seu nome! Fico feliz em atender o pedido, mas se eu puser uma placa na mesa “Exclusivo para AA”, vocês não serão mais anônimos. Como faço então?

Esqueçam a troca de presentes. Nenhuma troca de presentes será permitida, uma vez que os membros do sindicato acham que R$20,00 é muito dinheiro e os executivos acham que R$20,00 é muito pouco para um presente. NENHUMA TROCA DE PRESENTES SERÁ PERMITIDA, certo?

Ass.: Patrícia

===============================================

De: Patrícia Gomes – Diretora de Recursos Humanos
Data: 07/12/2015 11:45
Para: Todos os Funcionários
Assunto: Festa de Final de Ano

Nossa! Que grupo heterogêneo nós temos! Em 1º dezembro começa o mês sagrado do Ramadan para os muçulmanos, que os proíbe comer e beber durante as horas do dia. Lá se vai a festa! Agora entendemos que uma refeição nesta época do ano será um problema para a crença de nossos funcionários muçulmanos. Talvez a Churrascaria Grill House possa segurar o serviço de buffet até o fim do dia – ou, então, embalar tudo para que vocês o levem para casa nas marmitex. O que vocês acham disso?

Atendendo a outras reclamações:

1) Consegui que os membros do Vigilantes do Peso se sentem o mais longe possível do buffet de sobremesas e a mulheres grávidas sentem-se o mais perto possível dos banheiros.

2) Homossexuais podem sentar-se juntos, se quiserem. Mulheres homossexuais não têm que sentar com homens homossexuais, que terão sua própria mesa. E, sim, também haverá um arranjo de flores no centro da mesa dos homens homossexuais.

3) Os transexuais que pediram permissão para trocarem as roupas pelas do sexo psicológico, isto está autorizado!

4) Teremos assentos mais altos para pessoas baixas.

5) Comida com baixa caloria estará disponível para os que estão de dieta.

6) Nós não podemos controlar a quantidade de sal utilizada na comida. Desta forma sugerimos para estas pessoas com pressão alta que provem o teor de sal antes de se servirem.

7) Haverá frutas frescas de sobremesa para os diabéticos. O restaurante não dispõe de sobremesas sem açúcar.

Nossas profundas desculpas.

Será que esqueci de alguma coisa?

Ass.: Patrícia

===============================================

De: Patrícia Gomes – Diretora de Recursos Humanos
Data: 08/12/2015 09:15
Para: Todos os Funcionários FILHOS DA PUTA
Assunto: A PORRA DA FESTA DESSE FINAL DE ANO DE MERDA!

Vegetarianos e Adventistas? Sim, vocês também tinham que dar sua opinião de merda ou reclamar de alguma coisa! Nós manteremos o local da festa na Churrascaria Grill House. Quem não gostar, FODA-SE!

Então, como alternativa, vocês podem sentar-se quietinhos na mesa mais distante da “churrasqueira da morte” como vocês se referiram de forma bastante depreciativa ao utensílio. Vocês terão a porcaria da sua mesa de saladas, incluindo vegetais hidropônicos da CASA DO CARALHO, sem nenhum agrotóxico, arrozinho grudento para comer de pauzinho. Mas aqueles (naturalmente haverá) que não concordarem em usá-los, podem enfiá-los no… Mas como vocês devem saber, os vegetais também têm sentimentos! Os tomates gritam quando vocês os fatiam. EU mesma os ouvi gritar! Eu os estou ouvindo gritar agora mesmo! Assassinos de inocentes tomates!

AH! Espero que vocês todos tenham um péssimo final de ano!

Dirijam muito, fiquem bêbados, batam o carro ou sejam atropelados. E morram todos, escutaram? Vão para a puta que os pariu!

Ass.: A vaca-louca da Diretora de Recursos Humanos – como sou gentilmente chamada por muitos filhos da puta!!!

===============================================

De: Jonas Gomes – Diretor de Recursos Humanos Interino
Data: 14/12/2015 16:22
Para: Todos os Funcionários
Assunto: Patrícia Gomes e a Festa de Final de Ano

Tenho certeza que falo por todos desejando para a Patrícia um rápido restabelecimento para sua crise de stress. Continuarei a encaminhar as mensagens para ela no sanatório. Por conta deste fato, a diretoria decidiu cancelar a Festa de Final de Ano e dar folga remunerada para todos na tarde do dia 23 de dezembro.

Boas Festas.

Sobre o terrorismo no Brasil

(Aviso aos Navegantes: os gnomos revisores/censores que vivem nas entranhas deste blog classificaram este post como altamente sarcástico e politicamente incorreto. Se você for do tipo que fica indignado com coisas desse tipo, então pare agora e aguarde algum próximo texto não tão carregado. Pode voltar à sua leitura de Pollyana Moça, aos seus afazeres normais ou seja lá o que for que pessoas como você costumam fazer. Não diga que não avisei.)

Com todo respeito à desgraceira ocorrida na França – e realmente me chocou toda essa história – e sem entrar no mérito da outra desgraceira ocorrida em Minas, inclusive saindo fora da rasa discussão de quem é que está mais fodido ou a quem é que se “deve” apoiar, eis que (re)encontrei este texto que trata com um bom humor (negro) uma suposta estória de quem o Estado Islâmico queria explodir o Cristo Redentor…

Deleitem-se.

Documentos descobertos e mantidos em sigilo pela Polícia Federal do Brasil, FBI e Polícia Francesa revelam que o Estado Islâmico (ISIS) teria ordenado a execução de um atentado no Brasil.

O alvo da ação seria a estátua do Cristo Redentor, um dos símbolos mais conhecidos do Rio de Janeiro. Dois agentes da célula terrorista foram enviados para o sequestro de um avião que seria lançado contra a “estátua-símbolo dos infiéis cristãos”.

Os registros da Polícia Federal dão conta de que os dois terroristas chegaram ao Rio no domingo, 1º de novembro, às 21h47min, num vôo da Air France.

A missão começou a sofrer embaraços já no desembarque, quando a bagagem dos muçulmanos foi extraviada, seguindo num vôo para o Paraguai.

Após quase seis horas de peregrinação por diversos guichês e dificuldade de comunicação em virtude do inglês ruim, os dois saem do aeroporto, aconselhados por funcionários da Infraero a voltar no dia seguinte, com intérprete. Os dois terroristas apanharam um táxi pirata na saída do aeroporto, sendo que o motorista percebeu que eram estrangeiros e rodou duas horas dando voltas pela cidade, até abandoná-los em lugar ermo da Baixada Fluminense. No trajeto, ele parou o carro e três cúmplices os assaltaram e espancaram.

Eles conseguiram ficar com alguns dólares que tinham escondido em cintos próprios para transportar dinheiro e pegaram carona num caminhão que entregava gás. Na segunda-feira, às 7h33min, graças ao treinamento de guerrilha no Afeganistão, os dois terroristas conseguem chegar a um hotel de Copacabana.

Alugaram então um carro e se perderam no Rio; entraram para o lado da Rocinha e o carro foi totalmente metralhado. Mais uma vez, graças ao treinamento de guerrilha, se safaram e voltaram para o aeroporto, determinados a sequestrar logo um avião e jogá-lo bem no meio do Cristo Redentor. Enfrentam um congestionamento monstro por causa de uma manifestação de estudantes e professores em greve – e ficaram três horas parados na Avenida Brasil, altura de Manguinhos, onde seus relógios foram roubados em um arrastão. Às 12h30min, resolvem ir para o centro da cidade e procuram uma casa de câmbio para trocar o pouco que sobrou de dólares.

Recebem notas de R$ 100,00 falsas, dessas que são feitas grosseiramente a partir de notas de R$ 1,00.

Por fim, às 15h45min chegam ao Tom Jobim para sequestrar um avião.

Aeroviários e passageiros estão acantonados no saguão do aeroporto, tocando pagode e gritando slogans contra o governo.

O Batalhão de Choque da PM chega batendo em todos, inclusive nos terroristas.

Os árabes são conduzidos à delegacia da Polícia Federal no Aeroporto, acusados de tráfico de drogas, pois tiveram papelotes de cocaína plantados pelos manifestantes nos seus bolsos.

Às 18 horas em ponto, aproveitando o resgate de presos feito por um esquadrão de bandidos do Comando Vermelho, eles conseguem fugir da delegacia em meio à confusão e ao tiroteio. Às 19h05min eles se dirigem ao balcão da GOL para comprar as passagens.

Mas o funcionário que lhes vende os bilhetes omite a informação de que os vôos da companhia estão suspensos.

Eles, então, discutem entre si: começam a ficar em dúvida se destruir o Rio de Janeiro, no fim das contas, seria um “ato terrorista” ou “uma obra de caridade”.

Às 23h30min, sujos, doloridos e mortos de fome, decidem comer alguma coisa no restaurante do aeroporto. Pedem sanduíches de churrasquinho com queijo de coalho e limonadas. Voltam a acordar somente na terça-feira, às 4h35min, quando finalmente conseguem se recuperar da intoxicação alimentar de proporções equinas, decorrente da ingestão de carne estragada usada nos sanduíches. Foram levados para o Hospital Miguel Couto, depois de terem esperado três horas para que o socorro chegasse e percorresse cada um dos hospitais da rede pública até encontrar vagas. No hospital foram atendidos por uma enfermeira feia, grossa, gorda e mal-humorada.

Debilitados, só teriam alta hospitalar no domingo.

Domingo, 18h20min: ambos os terroristas, ainda convictos de sua missão, saem do hospital e chegam perto do estádio do Maracanã justamente no momento em que o Flamengo acabara de perder o jogo. A torcida rubro-negra confunde os dois com integrantes da galera adversária e lhes dá uma surra sem precedentes. O chefe da torcida é um tal de “Pé de Mesa”, que abusa sexualmente deles.

Às 19h45min, finalmente, são deixados em paz, com dores terríveis pelo corpo, em especial na área proctológica. Ao verem uma barraca de venda de bebida nas proximidades, decidem se embriagar ao menos uma vez na vida (mesmo que seja pecado, a essas alturas Alá que se foda!). Tomam cachaça adulterada com metanol e precisam voltar ao Miguel Couto.

Reencontram a mesma enfermeira feia, grossa, gorda e mal-humorada, que os recepciona. Ainda pior do que antes.

Quando finalmente são atendidos pelo corpo médico do hospital, os médicos também diagnosticam gonorréia no setor retofuricular inchado (Pé de Mesa não perdoa!).

Segunda-feira, 23h42min: os dois terroristas, mesmo que sem alta, deixam o hospital e fogem do Rio escondidos na traseira de um caminhão de eletrodomésticos, assaltado horas depois na Serra das Araras. Desnorteados, famintos, sem poder andar e sentar, eles são levados pela van de uma ONG ligada a direitos humanos.

Viajam deitados de lado.

Conseguem fugir do retiro da ONG no dia seguinte e perambulam o dia todo à cata de comida. Cansados, acabam adormecendo debaixo da marquise de uma loja.

A Polícia Federal ainda não revelou o hospital onde os dois foram internados em estado grave, depois de terem sido espancados quase até a morte por um grupo de mata-mendigos. O porta-voz da Polícia Federal declarou que, depois que os dois saírem da UTI, serão recolhidos no setor de imigrantes ilegais, em Brasília, onde permanecerão aguardando até o Ministério da Justiça autorizar a deportação dos dois infelizes, se tiver verba, é claro.

Algumas semanas depois, ainda aguardando o posicionamento do Ministério, os dois finalmente conseguiram acesso à Internet – ainda que precário – para divulgar uma nota onde consideraram desnecessário o terrorismo no Brasil e irão sugerir um convênio para realização, no Rio de Janeiro, de treinamento especializado para o pessoal do Estado Islâmico…

Fusca azul! Pow! Soc! Plaft!

Nem todos conhecem a Brincadeira do Fusca Azul, tradição ancestral que consiste em socar vigorosamente o próximo ao avistar um automóvel da cor e marca supracitados.

Também chamada de “Punch Buggy” e “Beetle Bug”, a galhofa teve origem nos anos 60 como um inocente passatempo de estrada, e foi posteriormente capitalizada pela marca Volkswagen em comerciais de tevê. No livro The Official Rules of Punch-Buggy, Ian Finlayson e Michael Lockhart cogitam que a brincadeira tem raízes no Egito antigo, o que obviamente se trata de uma graçola.

A prática é regida por um único mandamento: “O primeiro a vislumbrar um Fusca azul no caminho tem o direito de aplicar um soco no ombro de quem estiver nas redondezas, gritando com fervor: FUSCA AZUL!”. Ao perdedor é vedado retribuir o golpe, a menos que aviste outro VW de tom cerúleo.

Quanto à força utilizada, devem-se observar os preceitos de proporcionalidade, sendo, portanto, pouco recomendável nocautear uma velhinha frágil que atravessava a rua quando, no horizonte, surgiu um garboso “besouro” azul. Inimigos de longa data devem aceitar a brutalidade da pancada como uma dessas coisas da vida que não se pode contestar, como as saladas com rúcula e o time da Portuguesa.

É válido golpear desconhecidos e desafetos sob tal justificativa, embora não conste (ainda) uma cláusula no Código Penal que conceda ao avistamento de um Fusca a condição de atenuante em casos de lesão dolosa, sobretudo na região escapular. Alguns juízes, porém, já legislaram a respeito, como no caso “Meirelles vs. Coutinho”, em que este foi acusado de agressão ao colega, mas uma testemunha corroborou o avistamento do fusquinha.

“Mas o senhor réu chegou a gritar: ‘Fusca Azul’?”

“Sim, meritíssimo.”

“Então o declaro inocente. Estão dispensados.”

Outras normas da modalidade dispõem sobre falsos avistamentos; nesse caso, há duas saídas: a vítima pode imediatamente conferir um soco duplo em seu carrasco ou contabilizar o dano sofrido como bônus para o próximo Fusca que lhe escapar da vista.

Nas regiões mais abastadas de São Paulo, tem sido cada vez mais difícil vislumbrá-los, mas os Fuscas azuis ainda abundam nos rincões da zona norte. (Outro dia vi um Fusca azul ao lado de uma Kombi verde, e pensei que teria razão em dar uma voadora em alguém, coisa que só não fiz por falta de normatização a respeito.)

A verdade é que não há tristeza maior do que ver um Fusca azul e não ter ninguém por perto a quem comunicar tal alegria. Ainda assim, sempre existe a opção de comprar um e passar bem devagar em frente a uma escola, só para ver a magia acontecer.

( Roubartilhei daqui… )

Branco e Dourado ou Azul e Preto?

Tá, eu sei que ninguém tá aguentando mais essa história do “vestido que derrubou a Internet”… Sei também das várias explicações até mesmo “científicas” para que alguns enxerguem essa josta branco e dourado (como eu) ou azul e preto (como meu filhote caçula). Por exemplo, é que se trata da “tentativa de o sistema visual compensar o viés cromático do eixo de luz do dia”. Seja lá o que isso queira dizer…

Mas o que importa MESMO é a boa e velha tiração de sarro brasileira em cima disso!

Por isso os Oompa Loompas aqui do Legal resolveram separar algumas ótimas conclusões – politicamente incorretas, inclusive – para esse mistério que assola a humanidade… Particularmente o último quadro é meu preferido!

Mas, para fechar com chave de ouro, agora pela manhã, enquanto coletava as imagens para este post lá no Minilua, estava eu a explicar para a Dona Patroa que zorra era essa com relação ao tal do vestido. Com a foto na tela, ela estava enxergando branco e dourado. Nisso chega o filhote mais velho e eu lhe pergunto:

– E então? E você? Que cores você está enxergando hoje?

– Você quer saber agora, pai? Nesse momento?

– Isso mesmo. Que cores você está enxergando nesse momento?

– Bem, nesse momento não estou enxergando NADA, porque estou sem óculos…

Dispensem o exame de DNA. De fato, só pode ser meu filho.

Os 19 remédios para ressaca mais estranhos que existem no mundo

Já tratamos profissionalmente desse tema neste post aqui – em especial acerca dos procedimentos prévios e póstumos…

Mas não pude resistir a este saboros texto do Brent Rose!

Quando você viaja para outro país, tomar umas com o pessoal de lá é um bom jeito de ter alguma noção da cultura local. Mas o consumo excessivo de álcool pode ter consequências fisiológicas. Mas não se preocupe — a ressaca é uma instituição universal e seus amigos locais provavelmente terão uma receita para lidar com os desarranjos do dia seguinte. Aqui estão 19 dos mais estranhos remédios para ressaca que você vai encontrar ao redor do mundo.

1. Roma Antiga

Os romanos da Antiguidade, apaixonados por imensos bacanais repletos de orgia, às vezes acordavam com a sensação de que uma corrida de bigas estava acontecendo em cima de suas cabeças. Plínio, o Velho recomendava fritar um canário e engoli-lo. Existe todo um debate sobre se o pássaro seria decapitado ou engolido inteiro, mas todo mundo parecia concordar que os ossos crocantes eram a melhor parte.

2. Namíbia

Na manhã após uma bebedeira, os namibianos bebem o que eles chamam de “leite de búfala”. Adivinhe qual o ingrediente que não vai na receita? Isso mesmo, leite de búfala. É uma mistura de creme de leite (de vaca), dois tipos de rum e licor de creme. Eles parecem seguir aquela máxima de que beber mais é a melhor cura para a ressaca. Além de colocar mais álcool e laticínios num estômago já combalido, o leite de búfala ainda traz um combo de açúcar para o seu coquetel de bad vibes.

3. Porto Rico

Os bêbados portorriquenhos supostamente encontraram uma maneira de prevenir a ressaca. Antes de uma noite de prazer alcoólico, eles esfregam uma fatia de limão ou lima na axila do braço com o qual eles costumam segurar o copo. Sim, você leu certo. Esse ato supostamente evita a desidratação. Então tá, né.

Algumas observações:

a) Não tem como isso funcionar. Não há ciência que justifique esse ato.
b) Por que só debaixo do braço com o qual você segura o copo? E se você segurar o copo com as duas mãos?
c) Esse remédio para ressaca é muito divulgado por aí, mas nenhum dos portorriquenhos com quem eu falei enquanto pesquisava o assunto já usou o truque do limão. Então chamar de lenda urbana seria generoso. O que me leva a…
d) … ter quase certeza de que isso é fruto de uma piada que alguém fez para ver se conseguia enganar algum amigo idiota e fazer com que ele esfregasse limão na axila. Vai ver que o cara fedia e alguém queria que o futum fosse diminuído antes da festinha.

4. Japão

Depois de exagerar no saquê em um dos bares de Tóquio, os bebedores japoneses comem umeboshi, uma frutinha em conserva que se assemelha a uma ameixa ou um damasco. Mas não é uma conserva qualquer: ela fica maturando por tanto tempo que chega a ficar rugosa. Algumas pessoas jogam a frutinha dentro do chá verde e depois o bebem, para tornar a coisa toda menos concentrada, mas ainda assim o umeboshi é terrivelmente azedo (mesmo a versão mais branda, o umezuke, é difícil de engolir).

Mas nesse caso, pelo menos, existe um pouco de ciência por trás do costume, já que o sal na ameixa pode ajudar a repor os eletrólitos esgotados. Mas como colocar algo azedo em um estômago que já está azedo? Melhor não.

5. Alemanha

Encheu a cara de Bitburger? Hora do katerfrühstück, ou “café da manhã da ressaca”. Prepare-se para um prato de rollmops — basicamente arenque cru enrolado em pedaços de pepino e cebola. Num estômago vazio. Enquanto você está sofrendo daquilo que os germânicos chamam de “o lamento dos gatos”. Eu até gosto de arenque em conserva, mas não. Apenas não. O verbete da Desciclopédia sobre rollmops começa com “Rollmops é uma tradicional porcaria encontrada em botecos e ingerida por pinguços que já não têm mais papilas gustativas, e por isso não percebem a nojeira que estão comendo”.

6. Canadá

No Canadá as pessoas fazem as coisas direito. Para coroar a última rodada de LaBatt, os canadenses param para comer poutine — uma tigela de batatas fritas cortadas grossas junto com pedaços de queijo-coalho canadense, embebidos por molho saboroso feito com grãos de pimenta doce. É ainda mais gostoso do que parece. É tão bom que me dá vontade de morar com a minha ex-namorada canadense e com o marido dela.

7. Sicília

Quatro palavras: Pênis. Seco. De. Touro. Você topa mastigar uma coisa dessas? Está meio fora de moda, mas no passado os sicilianos com ressaca roíam um bom e velho pênis seco de touro. Acreditava-se que a iguaria restauraria a sua vitalidade. Ou talvez seu cérebro simplesmente eliminasse a ressaca o mais rápido possível para fazer com que seu corpo parasse de ingerir pênis.

8. Haiti

Alguns haitianos praticantes de vudu atacam suas ressacas de maneira bem agressiva: eles colocam 13 pinos de cabeça preta na rolha da garrafa que fez com que eles passassem mal. Eu não sou um especialista em vudu, mas acredito que seja uma espécie de vingança contra a garrafa que trouxe esse sentimento horrível no meio da noite. Mas o que eles fazem com garrafas que têm tampas, em vez de rolhas? Não faço ideia.

9. Grécia Antiga

Para não ficar atrás de seus contemporâneos que se alimentavam de canário, os gregos da Antiguidade tratavam suas ressacas com um café da manhã que consistia em pulmões de ovelha e dois ovos de coruja. Ovo de coruja é até ok, mas pulmões de ovelha são extremamente borrachudos (eu tentei comer pulmão de búfalo na Ásia há muito tempo). E eu posso imaginar o estrago que isso causa ao cair num estômago que já está zoado.

10. Irlanda

De acordo com uma lenda irlandesa, a melhor forma de curar uma ressaca é ser enterrado até o pescoço na areia molhada da beira de um rio. A Irlanda não é o que possamos chamar de um país quente, então essa tal areia molhada deve ser um gelo, de modo que teria o mesmo efeito que um banho gelado. Vai te fazer acordar, mas não há evidências médicas de que isso cure a dor de cabeça e a náusea. Na verdade, parece outra daquelas piadas para enganar amigos babacas.

11. Vietnã

Esse aqui é horroroso em vários níveis. No Vietnã, algumas pessoas moem chifre de rinoceronte, colocam o pó na água quente e bebem. Acredita-se que esse “truque” cura tudo, desde alergias até câncer. Como resultado, a demanda por chifres de rinoceronte é tão alta que esses animais são alvo de caçadores e o número de rinocerontes mortos é imenso. É óbvio que não funciona, então as pessoas bem que poderiam parar de caçar os bichos.

12. Turquia

Problemas com seu estômago? Bom, então você precisa de intestino. Essa é a lógica por trás da cura da ressaca na Turquia: sopa de tripas. As vísceras são cozidas com alho e cebola e eles dizem que, se você comer a iguaria sempre, estará prevenindo uma ressaca iminente. Esse remédio também é popular no México e na Romênia. Mas só de pensar no gosto dessa sopa, imagino que ficar com a cabeça estourando de dor nem é tão ruim assim.

13. Mongólia

O rei da reviração de estômago certamente é a Mongólia. Depois de uma longa noite de bebedeira, os mongóis começam o dia seguinte com um coquetel de suco de tomate e… olhos de ovelha em conserva. Em conserva. Globos oculares. De uma ovelha. Dois deles. Misturados com suco de tomate. Não tenho mais nada a dizer.

14 – 18. EUA

14. Ovos crus – Vamos começar com o Prairie Oyster, um coquetel popular dos EUA. Existem muitas variações, mas todas incluem molho inglês, um molho picante, sal, pimenta e um ovo cru. É só engolir. Ingredientes opcionais incluem uma dose de vodca, ketchup ou suco de tomate e vinagre. (E provavelmente um monte de salmonela).

15. Suor – Algumas culturas dos índios americanos, de acordo com a BBC, acreditam que para acabar com uma ressaca você deve fazer uma corrida e suar muito. Depois você (argh) lambe seu próprio suor, bochecha e cospe (credo). O exercício certamente pode ajudar a tirar as toxinas do seu corpo, mas lamber o suor? Melhor pular essa parte.

16. Ressaca do Paraíso – Em Las Vegas, existe um ônibus especial para ressacas que se chama Hangover Heaven. Você entra nele e uma equipe te dá fluidos, vitaminas e outros suplementos, enquanto você dá um passeio. Mais um excelente motivo para fazer turismo por lá.

17. Ovos Benedict – Dizem que, no final dos anos 1800, uma socialite exagerou na festança. Na manhã seguinte, ela pediu que o restaurante do Waldorf-Astoria fizesse um sanduíche com um ovo cozido, presunto e molho holandês, tudo em cima de muffin inglês.

18. Chá de pelotas – Os Estados Unidos são responsáveis por uma das recomendações mais nojentas dessa lista. Na época do Velho Oeste, cowboys com ressaca bebiam um “chá” feito de cocô de coelho. Era só pegar as pelotinhas e jogá-las dentro de água quente. Chá de cocô. Beleza, então.

19. Dica do autor

Por anos eu venho usando um remédio contra a ressaca que nunca deixou de funcionar, embora eu não possa necessariamente recomendá-lo. É melhor você perguntar o que fazer ao seu médico. Bom, depois de uma noitada daquelas, é isso que eu faço quando chego em casa:

1) Bebo a maior quantidade possível de água.
2) Tomo um complexo de vitamina B, porque o álcool esgota essas vitaminas.
3) Tomo duas aspirinas.

Depois de fazer essas três coisas, eu nunca acordo com ressaca. Ok, às vezes eu acordo ainda meio bêbado, mas sem ressaca. No entanto é sempre bom ouvir o que os médicos têm a dizer: tomar aspirina enquanto você ainda está bêbado pode aumentar o risco de uma úlcera; o ibuprofeno e outros analgésicos podem ser ainda mais perigosos e o paracetamol definitivamente não é uma boa ideia, porque pode causar falência hepática.

Então a melhor cura para a ressaca ainda é tomar bastante água, não ficar de barriga vazia e tentar tomar um complexo de vitamina B. Daí em diante, é rezar para a sensação horrível passar.

E você? O que você faz pra combater uma ressaca monstra?

in Gismodo Brasil