Das trincheiras da dor, brotou uma flor

James Deam Amaral Freitas

São tempos difíceis. Medo e morte estão impregnados no ar e, como se não bastasse, são contagiosos. O mundo padece de sua busca desenfreada pela própria aniquilação, já que as promessas ilusórias de sobrevivência rapidamente se traduziram em desigualdades, opressões, violência, destruição. Às custas de um micro-organismo ameaçador, a sociedade globalizada escancara suas mazelas e demarca ainda mais suas fronteiras.

O vírus inimigo, em cujo nome ostenta-se uma coroa, não briga por poder, nem por status, até porque seu tamanho é da ordem de nanômetros e sua visibilidade inacessível a olho nu. E justamente por não ter vocação alguma para a ostentação, ele expõe nossa mania de grandeza ao ridículo, desnudando nossa vulnerabilidade e nossa incapacidade de aceitar a mais letal de todas as ameaças: o ser (de)sumano.

Nessa batalha, à medida que o vírus ocupa os hospitais e as estatísticas de mortalidade, somos obrigados a desocupar as ruas, os espaços públicos; a diminuir o ritmo, o barulho, a poluição; a nos afastar para nos proteger de nós mesmos. Confinados e sem máscaras de proteção respiratória e social, demonstramos estar impregnados de uma dualidade cruel, que tanto cura quanto mata; tanto transcende quanto oprime; tanto aprende quanto limita.

Por um lado, os senhores da guerra, que nunca gostaram de crianças, mulheres, idosos e toda espécie de gente carente de dinheiro e poder, oferecem o sangue alheio em favor da economia, do mercado financeiro, dos lucros e da prescrição das vidas que não devem viver. Por outro, o mundo em pausa dá mostras dos benefícios da ausência humana: bosques, rios e mares limpos; espaços urbanos tranquilos; carros estacionados; ruídos sísmicos, vibrações causadas na crosta terrestre, diminuídos. E nessa batalha entre os gritos dos perversos e o silêncio dos que têm alma, a vida tem se transformado em questão de opinião.

Apesar de tudo, há juízo em meio a histeria; trégua diante da batalha. A esperança é capaz de atravessar as esquinas do mundo e se espalhar. Foi nessa travessia que ela veio encontrar as mãos habilidosas e solidárias de Bernarda Costa, uma mulher que, na grandeza dos seus 87 anos, decidiu dar sua contribuição no combate à pandemia, a partir da confecção e doação de máscaras de tecido. Seu universo de atuação era modesto, a pequena cidade de Santa Quitéria, no interior do Maranhão. Destinada a vizinhos e amigos, sua produção não tinha vaidade de larga escala. Todavia, o que faltava em proporção, sobrava em atitude, compromisso e inspiração. Sua iniciativa exemplar disseminou pela cidade e contagiou inúmeras voluntárias, que colaboraram com a costureira na produção de mais de 1000 máscaras de proteção.

Bernarda é, sem dúvida, uma entusiasta da vida. Representa a esperança encarnada no corpo de uma mulher nordestina, que aprendeu a cultivar sua força e coragem, na aridez do solo e da sociedade excludente. Ela é como a flor do mandacaru, capaz de suportar as intempéries do tempo, as quais podemos denominar quarentena, e ser reserva de vida na natureza, ou de afeto em períodos de horror.

Há uma guerra em curso. Incerta e cruel como todas as outras. Mas há Bernardas e mandacarus para dissipar a descrença e trazer à tona a debilidade dos senhores espinhos e a potência da cura em flor, que se abre a um universo capaz de, solidariamente, se reinventar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *