A arte de ser infeliz em 2015

Alexandre Petillo

O homem perfeitamente infeliz acredita que a vida é um eterno recomeço e tem direito de desistir de tudo a qualquer tempo; coleciona despedidas como arquivos de mp3; só se alimenta de produtos orgânicos; leva uma garrafa de água por onde anda como se fosse o elixir da juventude; seus males físicos são apenas dois: dor de cabeça (mas não toma comprimidos para não alimentar a indústria farmacêutica) e indignação (dispensa ansiolíticos, mas desabafa no Facebook enquanto consome cerveja gourmet).

O pai e o avô do homem infeliz morreram quase aos noventa anos – e ele o diz frequentemente, sempre lembrando que nossa geração não vai chegar lá. Banho frio por princípio, mesmo no inverno – é um defensor ferrenho do meio-ambiente –, e uma hora e meia de ginástica diária, alterna entre caminhadas, “bike” e alguma ginástica moderna.

O homem perfeitamente infeliz julga-se ameaçado: ao norte, pela queda de cabelo; ao sul, pelo partidos de direita que espalham mentiras (ou pelos partidos de esquerda, que querem fazer daqui uma nova Venezuela, existem homens perfeitamente infelizes dos dois lados); a leste, pelo 3G que não funciona.

O homem perfeitamente infeliz é contra o casamento formal. Toma conhecimento de todas as revoluções artísticas e literárias modernas: gênio é o Marcelo Camelo; brasileiro é o Marcelo Camelo; saber português é o Marcelo Camelo.

Em sua sala, o puzzle de um desenho do Romero Britto emoldurado, que ele mesmo montou, quase 10 mil peças.

A força de vontade do homem perfeitamente infeliz é tremenda: ele parou de tomar refrigerante e ver TV há cinco anos, três meses, doze dias, dezoito horas. Se não parou, vai parar a qualquer momento.

Sua simpatia política é de esquerda, está sempre do lado das minorias e dos menos favorecidos, escreve textos gigantes em defesa dos excluídos direto do seu jardim de inverno. As redes sociais são o seu recreio mental mais importante; ver séries americanas de TV enriquece seus argumentos nas rodas de bares que vendem chope a 10 reais.

Sua psicologia: o mundo ainda vai descobrir minha genialidade. Sociologia: crack é uma doença, mas aqueles viciados me atrapalham quando quero estacionar no centro. Filosofia: sou sempre melhor do que o que me oferecem.

Considera-se dono de um excelente bom humor; cita ditos históricos e provérbios edificantes; sua glória é poder afirmar, diante de alguém em desgraça: “Bem que eu te avisei!”.

O mal profundo do homem perfeitamente infeliz é julgar-se um homem perfeitamente feliz.

( Crônica publicada no jornal O Vale, de 08/02/2015 )

Nota: Este texto é uma versão moderna do homem perfeitamente infeliz descrito por Paulo Mendes Campos em 1960.

4 thoughts on “A arte de ser infeliz em 2015

  1. De fato faz tempo que não tenho escrito nada de “meu”… Fora o trabalho de sempre que me consome, andei concentrado em uma minuciosa revisão no meu livro! Mas me aguarde: as férias estão chegando e, logo, logo, teremos um ou dois textos pra compartilhar por aqui! Um bom dia procê! 🙂

  2. Acompanho teus textos perfeitamente construídos por uma amizade comum: Edna Medici.
    Quero te parabenizar por um lado e te criticar por outro.
    Parabenizar pela visão de mundo expressa em textos como esse.
    E te criticar por me ver retratado nesse homem perfeitamente infeliz. Mas, afinal, como diz Caetano: “Narciso acha feio o que não é espelho”
    Grande abraço!!

  3. João, agradeço pelos elogios, mas só pra constar: esse texto em particular não é meu, é do Alexandre Petillo… Se bem que essa brincadeira que ele fez, de “atualizar” um texto de outro escritor, volta e meia eu também costumo fazer!

    O original no qual ele se baseou, do Paulo Mendes Campos, pode ser encontrado neste link:
    http://www.vouchsafe.blogspot.com.br/2005/02/arte-de-ser-infeliz.html

    No mais, nem adianta me criticar, pois também conheço MUITA gente assim… 🙂

    Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *