Pequenas surpresas

“A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.”

Esse é um “ditado” que sempre ouvi por aí – e do qual também sempre gostei. É a materialização, duma forma mais poética, de outro: “aqui a gente planta, aqui a gente colhe”. Uma bela filosofia. É, na minha opinião, uma espécie de lei universal. Faça o bem, colha o bem. Faça o mal, colha o mal. Simples assim.

Mas o que eu não sabia – e que sinceramente me surpreendeu – é que a provável fonte de tais palavras seria um tantinho quanto mais antiga…

Basta uma pequena consulta àquele livro que provavelmente todos têm, mas que certamente pouquíssimos leram. Não, não. Esqueçam o missal. Estou falando de LER mesmo, como leriam um romance, uma aventura, ou, até mesmo, um livro de poesias. É fato que raros são aqueles que realmente o fazem – ou fizeram…

Hm? Qual livro? A Bíblia, é lógico!

E o trecho ao qual me refiro está lá em Galátas, capítulo VI, versículo 7:

“Tudo o que o homem semear, ele há de ceifar.”

Bonito, não é mesmo?

Aliás, só pra contextualizar: Paulo, em suas pregações, enviou epístolas (cartas) a uma boa parte do mundo antigo – que se encontram reproduzidads na forma de diversos dos livros do Novo Testamento. No caso da Galácia, esta era uma província romana da Ásia Menor e as epístolas às igrejas de lá foram escritas provavelmente entre os anos de 55 e 57 – quanto Paulo encontrava-se em Corinto.

O curioso é que naqueles primórdios nem sempre havia uma distinção clara entre judaísmo e cristianismo. Ou seja, entre os costumes daqueles voltados às tradições do Velho Testamento e daqueles que abraçavam os ensinamentos que viriam a constituir o Novo Testamento. No caso dos Gálatas, tratavam-se de judeus convertidos, que continuavam a observar a Lei Antiga e, por isso mesmo, encontravam-se numa espécie de “crise de identidade cristã”. Paulo lhes escreveu num momento em que o cristianismo corria o risco de perder a força e tornar-se meramente uma seita judaica…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *