Equinócio de Primavera

 
Mais uma vez temos aí em cima o desenho Firebird Suite (Fantasia 2000), baseado num conto russo em que o Espírito da Primavera fica frente a frente com o Pássaro de Fogo – retratando musicalmente e visualmente os temas vida, morte e ressurreição.

Já falamos disso lá quando do Solstício do Inverno… Lembram?

Pois bem, chegamos ao Equinócio de Primavera. Pontualmente às 06h04min.

E – coincidência das coincidências! – exatamente neste dia concluo também o rol com todas as músicas que fizeram parte de todo um ciclo, de todo o período que antecedeu minha entrada no meu Inverno pessoal. Cada uma destas músicas, sem exceção, teve seu motivo. Tem sua história.

Não sei como será essa Primavera. Daqui donde olho ainda está distante, pois ainda estou em junho, que é quando escrevo este post, e vocês o estão lendo aí em setembro. Aliás, todos esses posts foram escritos com antecedência, pré-programados para, uma vez a cada dia, compartilhar um quê de música e de sentimentos…

E o trabalho a ser feito, a partir daqui, ainda é árduo. Pois a cada dia, a cada música, a cada lembrança, cada uma das mais ínfimas emoções que foram sentidas, o serão novamente em toda sua plenitude.

E por uma última vez.

Uma a uma.

Até que nada mais venha a restar.

Até que acabe o Inverno.

Até que acabe o meu Inverno…

Pelo menos é o que hoje sinto. É o que hoje espero. E, ainda, vai um recado para o meu “eu” aí do futuro: não sei em que novas confusões você anda metido, ou, mesmo, se ainda continua com as suas mesmas velhas confusões; só sei que com sua prodigiosa “memória de pombo”, concertezamente não vai lembrar do conteúdo destas linhas (até mesmo pelo grau etílico atual deste que vos tecla); então faça-me o favor de manter o foco.

Lembrou-se agora?

O motivo de cada uma dessas músicas?

Reviver todos seus sentimentos com intensidade suficiente para então, definitivamente, deixá-los enterrados lá de onde jamais deveriam ter saído?

Pelo menos o plano era esse…

Espero sinceramente que, aí no futuro, você esteja bem, cara. Pelo menos vai ter a certeza de que, daqui onde estou, vou tentar trabalhar para isso. Pois agora, com o fim desse ciclo, se você se meteu em alguma outra confusão, resolva-se! E rápido! A Primavera chegou e você não precisa ficar enclausurado pra sempre. Só precisa crescer. Ao menos o suficiente para aprender a lidar consigo próprio e, em especial, com esse teimoso e tinhoso coração – obstinado em ser independente.

Tenho planos para você.

Não necessariamente grandiosos. Mas planos.

Então, não me decepcione.

Simples assim.

1 thought on “Equinócio de Primavera

  1. Como é curioso receber um recado meu para mim…

    Aliás, mais que um recado: um verdadeiro puxão de orelha!

    Sim, sim, caríssimo “eu” aí do passado, lembro-me de nossa motivação (permita-me agora o compartilhar dessa responsabilidade, tratando-nos no plural). E você tem razão – acho que meio que já adivinhava, né? Até porque você quase que me conhece melhor que ninguém…

    Foi bom e providencial ter deixado essa mensagem.

    E, realmente, não lembrava mais de seu conteúdo. Mas prometi pra mim mesmo (um terceiro nessa relação?) que conteria minha curiosidade. E, sinceramente, foi perfeito ter decidido assim.

    Mas as coisas talvez estejam melhores do que você previa. Tanto um tanto quanto mais serenas quanto um tanto quanto mais ou menos conturbadas. Enfim, como sempre. Aliás, como nunca!

    Enfim, fique tranquilo. Voltemos aos nossos planos (pois sim, confesso que eu andava meio que desfocado). Miremos no futuro e atiremos. Solus natus, solus vivus, solus mori. Ainda que acompanhado. Feelings off. Rebirth mode on.

    E vamo que vamo!

    Sê bem-vinda Primavera!

    Simples assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *