Letra cursiva: o início do fim?

Pequena sinopse introdutória (ui!): Até poucas décadas, o ensino da letra cursiva nos países ocidentais era inquestionável, e crianças passavam horas aperfeiçoando a letra em cadernos de caligrafia. O importante, além de tornar os traços legíveis, era ser capaz de escrever de uma forma considerada bonita. Foi com a pedagogia moderna que a exigência da letra cursiva começou a ser questionada. Com o tempo, cadernos de caligrafia caíram em desuso.

Recortado-e-colado daqui:

O ensino da letra de mão será opcional em Indiana e deverá ser banido definitivamente nos próximos anos. A decisão deve ser seguida por mais de 40 Estados americanos que também consideram esta forma de escrever como ultrapassada. Na avaliação deles, é mais importante se concentrar no aprendizado das letras de fôrma.

O argumento dos defensores desta lei, que provocou polêmica nos Estados Unidos nas últimas semanas, é de que hoje as crianças praticamente não necessitam mais escrever as letras com caneta ou lápis no papel. Segundo eles, é preciso aprender a digitar mais rapidamente, já que quase toda a comunicação se dá através de letras de fôrma nos celulares e nos computadores.

“As escolas devem decidir se pretendem ensinar letra cursiva (de mão), mas recomendamos que deixem de ensinar e se foquem em áreas mais importantes. Também seria desnecessário encomendar apostilas que ensinem letras cursiva”, diz um memorando do Departamento de Educação de Indiana.

A Carolina do Norte também já anunciou que deve adotará medida similar, segundo suas autoridades educacionais. A Geórgia é outro Estado que recomenda o fim do ensino, segundo seu porta-voz Matt Cardoza, apesar de “aceitar que os alunos aprendam a letra de mão caso os professores considerem necessário”.

Estes Estados, assim como outros 40, integram o Common Core Stated Standards Initiativa (Iniciativa para um Padrão Comum de Currículo), responsável por tentar padronizar o ensino básico nos Estados Unidos e defensora do fim do ensino da letra cursiva.

Jody Pfister, diretor de um distrito escolar em Indiana, escreveu em um jornal local defendendo as mudanças. “Se olharmos antigos documentos ou se vermos a escrita de mão dos tempos da guerra civil, eles eram verdadeiros trabalhos artísticos e certamente perderemos parte disso. Mas temos que levar em conta o progresso”, escreveu.

Os opositores, além de levar em conta a tradição, dizem que a letra representa em parte a personalidade das pessoas, especialmente nas assinaturas, e também permitem que sejam lidos documentos históricos, como a declaração de independência dos Estados Unidos. Um encontro da Master Penmen – Associação Internacional dos Instrutores de Letra de Mão se encerraria ontem no Arizona com um repúdio à decisão em Indiana. Eles contam também um apoio indireto do presidente Barack Obama, que tem o costume de escrever cartas de próprio punho para algumas pessoas, inclusive para agradecer eleitores.

Porém os alunos de Indiana não serão o únicos a aprenderem a escrever apenas em letra de fôrma. Em países que não adotam a escrita latina, especialmente na Ásia, os estudantes não costumam aprender a letra de mão quando estudam inglês, francês e outras línguas ocidentais. Assim, japoneses e chineses muitas vezes são capazes apenas de ler o que está escrito em letras de fôrma.

Os árabes, na sua escrita, onde não existem letras de fôrma, valorizam muito a arte da caligrafia. Muitas mesquitas, por não poderem possuir imagens, utilizam as letras, sempre de mão, como decoração. O Alcorão, livro sagrado do islamismo, é outro lugar onde a letra é valorizada.

E vou ser honesto com vocês. Também tinha letra de mão feia e ainda na adolescência comecei a escrever na de fôrma. Muitos dos meus amigos agiram da mesma maneira. Hoje, ainda escrevo com caneta para anotar entrevistas e algumas vezes para assinar meu nome. Mas nada além disso.

4 thoughts on “Letra cursiva: o início do fim?

  1. acho isso muito errado pois todos devemos aprender caligrafia pois quando essas crianças crecerem elas precisarão da caligrafia… quem concorda?

  2. Acho necessário que a criança saiba ler o mundo que o cerca. Então lhes pergunto já viram um out door escrito em letra cursiva? Revista? Jornais? Bulas? Regras de jogos? Acredito que se tiverem vontade de conhecer devemos mostrar, como isso acontece. Daí a obrigá-las não mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *