Construções, chuvas e o resto

Nestes últimos dias tenho acompanhado (bem de perto) o trabalho da Defesa Civil aqui na cidade.

Não, antes de mais nada deixem-me explicar que não estou no Rio de Janeiro nem em nenhum desses locais que ensejam algum tipo de megacatástrofe!

Estamos falando de Jacareí, interior de São Paulo, com cerca de 210 mil habitantes.

Entretanto, como qualquer outra cidade – independentemente do tamanho – tem lá seus problemas urbanos. Em especial no que diz respeito às construções (principalmente as bem antigas) em áreas que hoje podem ser consideradas como “de risco”. E eu digo hoje pelo simples fato de que num volume normal de chuva tais áreas não apresentariam graves problemas – como, de fato, por muitos e muitos anos a fio não apresentaram. Mas com esse absurdo de água que tem caído do céu… bem, a situação é bem outra!

Mas o trabalho preventivo que vem sendo feito tem gerado um ótimo resultado. O pessoal da Defesa Civil tem virado dias e noites para todos os cantos inimagináveis da cidade fazendo inspeções, vistorias e constatações. Identificada alguma anomalia (já ocorrida ou que esteja prestes a ocorrer), rapidamente os moradores recebem a orientação para deixar o local, até porque invariavelmente quando chega nesse ponto é pelo fato de que a casa já está condenada.

E esse é o ponto.

Ressalvadas poucas exceções, a maioria dos imóveis que precisaram ser demolidos eram aqueles com os famosos puxadinhos. Mas não pensem que estou falando simplesmente de um cômodo a mais ou algum aproveitamento diferenciado do que já foi construído. O problema é que, partindo de uma planta original (quando a casa ainda era uma casa), fazem um quartinho a mais aqui, que depois emendam numa laje ali, esticam um banheiro e uma área de serviço acolá, resolvem aproveitar e botar uma escada e toca pro segundo pavimento, começando tudo de novo!

E a desgraça de tudo isso é que fazem sem nenhum acompanhamento técnico, do jeito que “aquele pedreiro bão” disse que resolvia, totalmente à margem de qualquer fiscalização. E daí que essas tortas torres não têm a mínima possibilidade estrutural de existir!

A menos – é lógico – que estivéssemos falando d’A Toca, residência oficial dos Weasley’s.

O problema é que, diferente do que acontece lá no mundo de Harry Potter,  neste nosso mundo real não temos magia pra manter tudo isso em pé…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *