Para que publicar na Web?

E, para começar bem o ano, vamos definir aqui o porquê da existência não só deste blog, como a de muitos copoanheiros perdidos por aí. Trata-se de uma análise muito lúcida e objetiva que nos remete ao fato de que estamos aqui simplesmente para o “estabelecimento de conexões com gente interessante”. E deixemos as métricas e paradigmas da velha mídia para aqueles que nada mais vêem senão cifrões a frente de seus olhos…

Mais uma vez recortado-e-colado na íntegra lá do Boteco Escola:

Em post recente comento um texto de Bonnie Nardi sobre comunicção na Web. No escrito, a autora enfatiza que a meta principal da comunicação (na e fora da Internet) é o estabelecimento de conexões com gente interessante. Ela ressalta aspectos sociais e afetivos da comunicação. Ela mostra que publicar na Web deve ser um ato de construir redes de comunicação, em vez de ser uma iniciativa para poluir os mares da Internet com mais lixo informativo. A perspectiva proposta por Nardi parece ter algum parentesco com a opinião de Stephen Downes. Esse famoso cientista e blogueiro escreve:

Tweetmeme não funciona realmente para mim porque não há em meu blog nada para ser contabilizado pelo  Tweetmeme. Para mim não se trata de formar uma vasta audiência, mas de estabelecer conexões. Assim, meu blog pode ‘sobreviver’ sem o Twitter porque não há uma entidade particular que precise de ‘sobreviver’  (é como se me perguntassem: “seu e-mail poderia sobreviver sem o Twitter?” – o que é, no frigir dos ovos, um questão sem sentido). As pessoas que se preocupam com o  tamanho da audiência, com o impacto via Tweetmeme,  ou com métricas similares baseadas em adesão massiva, estão trabalhando com um paradigma da velha mídia, voltado para broadcasting em vez de network. Elas vêem sua influência como algo que possa ser medido por eco ou repetição- coisas como retweets, por exemplo – em vez de desempenhos por meio de participação em coisas que são genuinamente maiores (e mais importantes) que elas mesmas.

Minha tradução não ficou grande coisa, mas dá para passar o que Downes quer dizer. Para os anglofalantes que queiram ver o original, basta um clic aqui.

2 thoughts on “Para que publicar na Web?

  1. Buenas, fiz uma busca rapidim e, pra comprovar o fato de como a comunicação livre se espalha e se replica independentemente das métricas & sucrilhos & *strawberries-fields-forevis* [by Mussum], outrxs copoanheirxs mantêm no ar algumas coisas que cometi (já que o Alfarrábio tá na UTI, até prova em contrário):

    (…) ainda há alguns analistas que surpreendem pela miopia: ao falar sobre blogs, questionam o número de acessos, por exemplo, entre outras características que têm interesse única e exclusivamente comercial. Mas os blogs não têm qualquer interesse comercial, em princípio. Podem, até, em determinados casos, acabar dando origem a algum projeto com interesse comercial, mas aí deixam de ser blogs. A voz pessoal de cada um, reverberando na rede, é que caracteriza essa efetivação da liberdade de expressão. E todos temos algo a dizer.

    Otras cositas:
    http://comunix.org/node/406
    e
    http://comunix.org/node/423
    E, nos caches da vida, palavras do Jimmy *Wikipedia* Wales:

    Creio que tornar o conhecimento livre muda a forma como o mundo funciona.
    […] Não creio que nenhum dos grandes pensadores seria contrário a compartilhar conhecimento. Ou, falando de outra forma, se algum dos chamados grandes filósofos fosse contra a livre divulgação do conhecimento, ele não seria um grande filósofo, afinal de contas.

    Por enquanto, é isso…

  2. “A voz pessoal de cada um, reverberando na rede, é que caracteriza essa efetivação da liberdade de expressão”…

    Bonito, isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *