Conectando… foi!

Essa eu tomei conhecimento através do Link, um suplemento de informática do jornal Estadão, gentilmente cedido semanalmente pelo amigo (e chefe) Nelson – o Nelsinho. A manchete já diz tudo: “São Sebastião ganha praia conectada”.

Para quem não sabe, São Sebastião é uma das cidades que integram o litoral norte de São Paulo, possui muita mata nativa, praias lindas, um conjunto histórico-arquitetônico bem preservado e por aí vai. Tenho um grande carinho por essa cidade, pois foi o local de nossa primeira morada, tendo abrigado eu e a Dona Patroa quando dos primeiros meses de nosso casamento.

Aliás, acabo de me lembrar, a conexão na época – coisa de uns nove anos atrás – somente se dava por linha discada, sendo que o iG era a única opção existente…

Mas a questão é outra. Em apertada síntese, a notícia simplesmente informa que desde o início de setembro a prefeitura local passou a oferecer, de graça, acesso sem fio à Internet (Wi-Fi), havendo antenas espalhadas pelos 800 metros da avenida principal da cidade, bem como placas fixadas nos jardins com a informação “Wi-Fi Zone” nos locais onde há melhor qualidade de sinal – a qual, parece, ainda tem oscilado bastante.

O que me chamou a atenção foi o fato de haver a disponibilização gratuita dessa facilidade (conforme diz a notícia). Tá certo que é uma solução – em tese – reservada para poucas cidades, até porque o município de São Sebastião recebe nababescos repasses, não só pela sua característica portuária, mas também em função de abrigar boa parte dos tanques da Petrobrás. Isso sem falar de que é a ponta de acesso à Ilhabela, paraíso dos turistas endinheirados do país (particularmente não acho a ilha tão bela assim – prefiro seu lado oposto, ainda um tanto quanto selvagem, de frente para o alto mar, e bem longe de toda a “estrutura turística” criada para atender seus visitantes).

Mas a iniciativa é louvável, ainda que – estou certo disso – tenha sido criada para atendimento de uma demanda não de sua população fixa, mas de sim de sua população flutuante. De todo jeito, o sinal está lá, no ar, podendo ser utilizado por quem quer que queira. O preço dos produtos de informática têm caído vertiginosamente, de modo que, em tese, ficaria fácil ao cidadão comum montar seu aparelhinho e usufruir dessa facilidade disponibilizada pelo Poder Público local.

Que sirva de exemplo para diversos outros municípios, pois o custo final não parece ter ficado lá muito caro (se comparado a inúmeros outros gastos que costumam existir por aí), e permitiriam à população uma verdadeira integração digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *