Reuniões

Reuniões. Taí uma coisa que me dá arrepios. Principalmente se falarmos em administração pública – qualquer que seja a esfera: municipal, estadual ou federal.

Eu costumo dizer que reuniões se assemelham a ervas daninhas. Surgem espontaneamente do nada, a qualquer momento e, quando você menos espera, já está envolto numa delas.

Mas, pior que isso são aquelas do tipo “reunião-de-marcar-reunião”. Fala-se muito, discute-se pouco, conclui-se nada. Ou melhor, tem conclusão sim: a data da próxima reunião, quando o assunto será então retomado…

Como estou de férias, pensei que tinha – pelo menos por algum tempo – me livrado desse tipo de coisa. Ledo engano. Já no meu primeiro dia, na última sexta-feira, quando meus filhotes também entraram de férias, lá fui eu nas respectivas escolas de cada um para retirada de seus trabalhos, do boletim e – adivinhem? Sim. Reunião do bimestre…

Entretanto, foi uma grata surpresa. Cada uma das professoras, a seu modo, em poucos minutos organizou aquela montoeira desconexa de pais e mães perdidos por ali (muito mais mães que pais, diga-se de passagem), tendo entrado diretamente no assunto, ou seja, o que foi lecionado no decorrer do bimestre, o desempenho global da turma, e, ao entregar os trabalhos de cada aluno, foram fazendo rápidas observações e recomendações caso a caso.

Simples. Rápido. Eficaz.

Quando menos esperava já estava voltando para casa, com um quadro geral na cabeça sobre tudo o que tinha ocorrido no bimestre inteiro com cada um dos filhotes.

Pois é… Talvez nossos políticos, agentes públicos, chefias, gerentes e administradores em geral devam fazer um curso de especialização com as professorinhas do ensino infantil para que aprendam como deve ser uma reunião…

* Post Scriptum – Só para constar: o filhote nº 1 (oito anos) tem apresentado uma sociabilidade maior, inclusive ajudando os colegas e mantendo boas notas; o filhote nº 2 (cinco anos), apesar de obediente, é meio que expansivo demais, não captando o dever num primeiro momento (na minha época chamávamos isso de “bagunceiro”); e já o filhote nº 3 (três anos) teve uma boa integração com a turma e não sente mais a falta da mãe no começo das aulas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *